Ge­or­ge Har­ri­son

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Índice - Tex­to: Thi­a­go Ko­gu­chi De­sign: Adri­a­na Oshi­ro

John Wins­ton Len­non nun­ca foi um óti­mo alu­no ou um jo­vem de com­por­ta­men­to exem­plar. Em ca­sa, não eram in­co­muns as dis­cus­sões com sua tia Mi­mi, que ten­ta­va criá-lo den­tro de uma edu­ca­ção for­mal – e lon­ge da mo­di­nha cha­ma­da “rock'n'roll”. Na es­co­la, sus­pen­sões e cas­ti­gos eram cor­ri­quei­ros nos re­gis­tros do ra­paz, que sem­pre ques­ti­o­na­va aque­le mo­de­lo for­mal de en­si­no.

A ver­da­de é que John Len­non sem­pre se mos­tra­va in­qui­e­to em re­la­ção ao mun­do, e os atos re­bel­des e in­con­se­quen­tes da ado­les­cên­cia eram uma for­ma de de­mons­trar is­so – ain­da que in­con­se­quen­te­men­te. De­pois, in­flu­en­ci­a­do por Bob Dy­lan, John des­co­briu que a mú­si­ca era uma ma­nei­ra po­de­ro­sa de ma­ni­fes­tar idei­as. Quan­do dei­xou os Be­a­tles, mos­trou-se um ver­da­dei­ro ati­vis­ta con­tra a guer­ra e por um mun­do me­nos de­si­gual.

Paz e amor

Em 1967, a re­de de te­le­vi­são BBC con­vi­dou os s

Be­a­tles para par­ti­ci­pa­rem da pri­mei­ra trans­mis­são ao vi­vo via sa­té­li­te, que abran­ge­ria 26 paí­ses si­mul­ta­ne­a­men­te. Para is­so, so­li­ci­ta­ram uma mú­si­ca cu­ja men­sa­gem pu­des­se ser com­pre­en­di­da por to­dos. Com a ajuda de Paul, John es­cre­veu Ne­ed Is Lo­ve, e a can­ção lo­go se tor­nou um hi­no so­bre amor e paz em to­do o mun­do.

Foi com o po­der da mú­si­ca que John pe­diu o fim da guer­ra no Vi­et­nã, com Gi­ve Pe­a­ce a Chan­ce – que ra­pi­da­men­te se tor­nou ou­tro po­de­ro­so hi­no pa­ci­fis­ta. Len­non, aliás, foi um du­ro crí­ti­co do con­fli­to, tan­to que, para a di­vul­ga­ção da mú­si­ca War Is Over, di­ver­sos out­do­ors em to­do o mun­do tra­zi­am a men­sa­gem “A guer­ra aca­bou – se vo­cê qui­ser. Fe­liz Na­tal, John e Yo­ko”.

Mas ne­nhu­ma can­ção con­se­guiu to­car tan­tas pes­so­as quan­to Ima­gi­ne. O mun­do ide­a­li­za­do por John Len­non, sem di­fe­ren­ças en­tre os po­vos e sem bar­rei­ras en­tre as na­ções, ain­da é um ma­ni­fes­to pe­la paz e pe­la igual­da­de en­tre as pes­so­as. Por is­so, po­de-se afir­mar sem dú­vi­da al­gu­ma que as le­tras do eter­no be­a­tle se en­cai­xa­ri­am per­fei­ta­men­te no con­tex­to atu­al.

O discurso de John Len­non nun­ca pa­re­ceu tão atu­al e ne­ces­sá­rio, mes­mo 35 anos após sua mor­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.