CO­MO NAS­CEM AS LEN­DAS

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Pré-beatles - Tex­to: Thi­a­go Ko­gu­chi De­sign: Ja­mi­le Cury Gan­da­ra

Uma ban­da tão in­crí­vel e tão com­ple­xa co­mo os Be­a­tles não po­de­ria ter uma ori­gem sim­ples. Vá­ri­os ele­men­tos in­flu­en­ci­a­ram, di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te, ca­da um dos in­te­gran­tes do gru­po em sua for­ma­ção pes­so­al e mu­si­cal, as­sim co­mo su­as com­po­si­ções e seu pa­pel den­tro do con­jun­to. Co­nhe­ça os lu­ga­res, os es­ti­los e as pes­so­as que trans­for­ma­ram John, Paul, Ge­or­ge e Rin­go em um ver­da­dei­ro fenô­me­no.

On­de tu­do co­me­çou

Há du­as ob­ser­va­ções per­ti­nen­tes que po­dem ser fei­tas so­bre Li­ver­po­ol. A pri­mei­ra é que não se po­de ne­gar que a ci­da­de por­tuá­ria, lo­ca­li­za­da na re­gião no­ro­es­te da In­gla­ter­ra, tor­nou-se mun­di­al­men­te co­nhe­ci­da por cau­sa dos Be­a­tles. Afi­nal, os qu­a­tro in­te­gran­tes nas­ce­ram e re­ce­be­ram su­as pri­mei­ras in­fluên­ci­as co­mo mú­si­cos lá. A se­gun­da é que sua im­por­tân­cia é tão gran­de para a his­tó­ria da ban­da que po­de­mos con­si­de­rá-la uma per­so­na­gem, não so­men­te um lu­gar.

Fun­da­da no sé­cu­lo 13, Li­ver­po­ol sem­pre foi uma ci­da­de im­por­tan­te para o de­sen­vol­vi­men­to da In­gla­ter­ra de­vi­do ao seu por­to, cri­a­do em 1229. No sé­cu­lo 17, tor­nou­se uma das prin­ci­pais vi­as de aces­so ao no­vo mun­do (a Amé­ri­ca), as­sim co­mo uma ro­ta do mer­ca­do de es­cra­vos ne­gros. Nos três cen­te­ná­ri­os se­guin­tes, vi­veu o au­ge de seu de­sen­vol­vi­men­to co­mo o se­gun­do com­ple­xo por­tuá­rio mais im­por­tan­te do país.

Por is­so, Li­ver­po­ol sem­pre con­vi­veu com uma gran­de movimentação de es­tran­gei­ros. Is­so per­mi­tiu um cons­tan­te con­ta­to de seus mo­ra­do­res com pes­so­as de ou­tros paí­ses e, prin­ci­pal­men­te, com ou­tras cul­tu­ras. O por­to da ci­da­de era um lo­cal de cons­tan­tes tro­cas de mer­ca­do­ri­as de to­dos os ti­pos, in­clu­si­ve, no sé­cu­lo 20, de dis­cos mu­si­cais vin­dos de ou­tros paí­ses.

De­vi­do a es­sa im­por­tân­cia econô­mi­ca, Li­ver­po­ol tam­bém so­freu mui­to du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. Al­vo es­tra­té­gi­co, a re­gião foi for­te­men­te bom­bar­de­a­da pe­los alemães no con­fron­to, ten­do se tor­na­do a ci­da­de pe­ri­fé­ri­ca – ou se­ja, que não era ca­pi­tal de seu país – que mais so­freu ata­ques. Va­le lem­brar que os qu­a­tro in­te­gran­tes dos Be­a­tles nas­ce­ram du­ran­te es­se pe­río­do (1939-1945).

Ape­sar da des­trui­ção, o pós-guer­ra trou­xe um sen­ti­men­to de es­pe­ran­ça para o lu­gar. A dor e a tra­gé­dia de­ram es­pa­ço à es­pe­ran­ça de di­as me­lho­res. A no­va ge­ra­ção que nas­cia e cres­cia na ci­da­de era cheia de oti­mis­mo, e es­se es­pí­ri­to per­mi­tiu que qual­quer no­vi­da­de fos­se bem-vin­da a Li­ver­po­ol. Por con­ta dis­so, o rock'n'roll, vis­to co­mo re­bel­de e vul­gar em muitos paí­ses, não so­freu tan­ta re­jei­ção.

As­sim, Li­ver­po­ol foi um ce­ná­rio per­fei­to para um mo­vi­men­to cul­tu­ral mais in­ten­so. A gran­de mai­o­ria dos jo­vens da ci­da­de vi­ven­ci­ou aque­le sen­ti­men­to que mis­tu­ra­va li­ber­da­de e bus­ca por no­vi­da­des. E nin­guém po­de­ria di­zer “não” a eles.

O rit­mo que veio de fo­ra

In­cer­te­zas e po­lê­mi­cas mar­cam o sur­gi­men­to do rock'n'roll. Di­zem que o rit­mo re­al­men­te “nas­ceu” na dé­ca­da de 1950, ain­da que nin­guém sai­ba afir­mar com cer­te­za quem são os ver­da­dei­ros pais: se é Bill Ha­ley and His Co­mets, com Rock Around the Clock; Roc­ket 88, gra­va­da por Ike Tur­ner and His Rhythm Kings, ou Fats Do­mi­no, com o dis­co The Fat Man. No en­tan­to, quem re­al­men­te trans­for­mou o rock em fenô­me­no mun­di­al foi o seu “rei”, El­vis Pres­ley.

El­vis não in­ven­tou o rock'n'roll, mas a sua He­art­bre­ak Ho­tel, gra­va­da em 1956, foi o di­vi­sor de águas nes­sa his­tó­ria. Nem tan­to pe­la le­tra ou pe­la me­lo­dia, mas o mé­to­do de gra­va­ção – a fi­ta mag­né­ti­ca – per­mi­tiu que a mú­si­ca pu­des­se ser am­pla­men­te di­vul­ga­da, pois, por meio des­se pro­ces­so, era fá­cil de ser pro­du­zi­da e seu cus­to era bem mais bai­xo do que gra­var di­re­ta­men­te em dis­co.

Ra­pi­da­men­te, a mú­si­ca de El­vis se es­pa­lhou pe­los Es­ta­dos Uni­dos e se trans­for­mou em sucesso. Além dis­so, a fi­gu­ra do can­tor tam­bém aju­da­va nes­sa di­vul­ga­ção: era um ra­paz bo­ni­to, cheio de mar­cas que sim­bo­li­za­ri­am ju­ven­tu­de e re­bel­dia, co­mo a ja­que­ta de cou­ro e o to­pe­te. He­art­bre­ak Ho­tel, aliás, te­ve um lan­ça­men­to es­tra­té­gi­co, com di­ver­sas apa­ri­ções de Pres­ley na te­vê, on­de ou­tro sím­bo­lo seu se tor­na­ria eter­no, a dan­ça “pél­vi­ca”.

Não de­mo­rou mui­to para que as fi­tas com as mú­si­cas de El­vis che­gas­sem até a In­gla­ter­ra. A RCA, de­ten­to­ra das can­ções do rei do rock nos Es­ta­dos Uni­dos, ofe­re­ceu He­art­bre­ak Ho­tel para a EMI, o gran­de se­lo mu­si­cal da Grã-Bre­ta­nha na épo­ca. Ape­sar de pou­co exe­cu­ta­da nas prin­ci­pais rádios do país, ela es­tou­rou nas ju­ke­bo­xes de dan­ce­te­ri­as, além da Rá­dio Lu­xem­bur­go, emis­so­ra co­mer­ci­al com se­de na­que­le país e que ofe­re­cia aos jo­vens eu­ro­peus sons di­fe­ren­tes das rádios tra­di­ci­o­nais.

El­vis es­tou­rou na In­gla­ter­ra no fi­nal da dé­ca­da de 1950. Seu es­ti­lo mu­si­cal e vi­su­al tor­nou-se re­fe­rên­cia para os ga­ro­tos que que­ri­am fa­zer sucesso na mú­si­ca (e com as ga­ro­tas tam­bém). Tan­to que John Len­non afir­mou uma vez que “an­tes de El­vis, não ha­via na­da”. E os sú­di­tos que sur­gi­ram em Li­ver­po­ol for­ta­le­ce­ram ain­da mais o im­pé­rio do rock.

Os ho­mens de Qu­ar­ry

En­tre as cen­te­nas de gru­pos de skif­fle (sai­ba mais no box ao la­do) que sur­gi­ram em Li­ver­po­ol, pou­cos se des­ta­ca­ram e fi­ze­ram al­gum sucesso, co­mo o Black Jacks, que pou­co tem­po de­pois vi­ria a se cha­mar The Qu­ar­ry­men. For­ma­do ini­ci­al­men­te por alu­nos da Qu­ar­ry Bank High Scho­ol for Boys, ti­nha co­mo lí­der e fun­da­dor John Wins­ton Len­non, tam­bém vo­ca­lis­ta e gui­tar­ris­ta da ban­da.

Ini­ci­al­men­te, o Qu­ar­ry­men se apre­sen­ta­va em fes­tas de ami­gos e em com­pe­ti­ções de ban­das da ci­da­de. Em sua gran­de chan­ce de fa­zer sucesso, o gru­po fra­cas­sou em um con­cur­so re­a­li­za­do por Car­roll Le­vis no Li­ver­po­ol Em­pi­re The­a­tre. Car­roll era um fa­mo­so ca­ça­dor de ta­len­tos na épo­ca. Ou­tra di­fi­cul­da­de ini­ci­al do Qu­ar­ry­men foi man­ter uma for­ma­ção es­tá­vel, já que muitos in­te­gran­tes saíam com a mes­ma fa­ci­li­da­de com que en­tra­vam.

6 de julho de 1957 po­de ser con­si­de­ra­do um dos di­as mais im­por­tan­tes da his­tó­ria da mú­si­ca. O Qu­ar­ry­men fez uma apre­sen­ta­ção na festa de ve­rão na igre­ja da pa­ró­quia de Saint Pe­ter, em Wo­ol­ton. Lo­go após o show, vis­to por al­gu­mas de­ze­nas de pes­so­as, a ban­da foi apre­sen­ta­da a um ga­ro­to de 15 anos cha­ma­do Ja­mes Paul McCart­ney. Na oca­sião, Paul mos­trou aos in­te­gran­tes da ban­da sua ver­são de Twenty Flight Rock, de Ed­die Co­ch­ran, e Be-Bop-a-Lu­la, de Ge­ne Vin­cent.

Ape­sar de sua ex­pres­são mos­trar in­di­fe­ren­ça, John fi­cou im­pres­si­o­na­do com a ha­bi­li­da­de de Paul. Além dis­so, McCart­ney ti­nha um di­fe­ren­ci­al mui­to útil: ele sa­bia afi­nar os ins­tru­men­tos, coi­sa que os ou­tros in­te­gran­tes não sa­bi­am. En­tão, du­as se­ma­nas de­pois, Paul foi con­vi­da­do a en­trar na ban­da, ain­da que John sou­bes­se que já não te­ria tan­to destaque com um par­cei­ro tão bom. A ver­da­de é que es­ta­va for­ma­da uma das par­ce­ri­as mais fa­mo­sas do mun­do: Len­non/McCart­ney.

A pri­mei­ra apre­sen­ta­ção do Qu­ar­ry­men com seu no­vo in­te­gran­te de­ve­ria ter si­do no Ca­vern Club, em 7 de agos­to de 1957, mas Paul te­ve um com­pro­mis­so com seu gru­po de es­co­tei­ros. So­men­te em 18 de ou­tu­bro da­que­le ano, no con­ser­va­tó­rio mu­si­cal New Club­mo­or Hall, McCart­ney fez sua es­treia no gru­po.

A en­tra­da de Paul na ban­da coin­ci­diu com a saí­da de vá­ri­os in­te­gran­tes, que co­me­ça­ram a tra­ba­lhar em tem­po in­te­gral e já não po­di­am mais se de­di­car ao Qu­ar­ry­men. John, no en­tan­to,

pre­fe­riu con­ti­nu­ar os es­tu­dos, des­ta vez na Li­ver­po­ol Col­le­ge of Art. No co­me­ço de 1958, o gru­po ti­nha cinco com­po­nen­tes.

O Qu­ar­ry­men co­me­çou a des­per­tar o in­te­res­se de ou­tros ga­ro­tos que gos­ta­ri­am de par­ti­ci­par da ban­da. Um de­les, Ge­or­ge Har­ri­son, pas­sou a acom­pa­nhar as apre­sen­ta­ções de John e seus ami­gos co­mo for­ma de mos­trar seu in­te­res­se. No en­tan­to, por ser mais no­vo que os ou­tros mem­bros, era tra­ta­do ape­nas co­mo um ga­ro­to. Até que em um dia de fe­ve­rei­ro de 1958, a pe­di­do de Paul, Ge­or­ge to­ca Raun­chy para John em um ôni­bus e é acei­to por ele.

Ape­sar da apro­va­ção de John, Ge­or­ge pou­co to­cou com o gru­po. Is­so por­que, en­tre 1958 e 1959, o Qu­ar­ry­men qua­se não re­ce­beu con­vi­tes para shows em clubes e se apre­sen­ta­va so­men­te em ca­sa­men­tos e fes­tas pri­va­das.

Mas es­se pe­río­do foi es­sen­ci­al para con­so­li­dar a du­pla Len­non/McCart­ney. Em um li­vro es­co­lar an­ti­go, eles com­pu­se­ram su­as pri­mei­ras can­ções jun­tos, ain­da que sim­ples, co­mo I Lost my Lit­tle Girl, That's My Wo­man e One Af­ter 909, que se­ria gra­va­da no úl­ti­mo ál­bum da ban­da. O ce­ná­rio mu­da­ria em 29 de agos­to de 1959. O Les Stewart Qu­ar­tet, ban­da em que Ge­or­ge to­ca­va no pe­río­do de se­ca do Qu­ar­ry­men, te­ve uma bai­xa ines­pe­ra­da no dia da apre­sen­ta­ção que inau­gu­ra­ria uma ca­sa de shows em Li­ver­po­ol, o Cas­bah Cof­fee Club, cu­ja do­na era Mo­na Best (mãe de Pe­te Best, fu­tu­ro ba­te­ris­ta dos Be­a­tles). Har­ri­son, en­tão, con­vi­dou Paul e John para to­car. O Qu­ar­ry­men, com a no­va for­ma­ção, se apre­sen­ta­ria mais seis ve­zes no lo­cal.

Para Ju­lia Baird, ir­mã de John, o lo­cal foi es­sen­ci­al para a con­so­li­da­ção da ban­da. “Foi lá [no Cas­bah] on­de eles co­me­ça­ram a se de­sen­vol­ver. O Cas­bah os viu mu­da­rem o no­me de Qu­ar­ry­men para Be­a­tles e foi o lu­gar on­de os Be­a­tles co­me­ça­ram a ga­nhar uma re­pu­ta­ção em Li­ver­po­ol”.

Em ou­tu­bro do mes­mo ano, a fim de par­ti­ci­pa­rem no­va­men­te do con­cur­so re­a­li­za­do por Car­roll Le­vis, o gru­po foi re­ba­ti­za­do de Johnny and the Mo­on­dogs. Di­fe­ren­te­men­te da pri­mei­ra ten­ta­ti­va, os ga­ro­tos con­se­gui­ram se clas­si­fi­car até as eta­pas fi­nais, que se­ri­am re­a­li­za­das no Hip­po­dro­me The­a­tre, em Man­ches­ter. Após se apre­sen­ta­rem, os in­te­gran­tes re­sol­ve­ram ir em­bo­ra an­tes mes­mo de sua ava­li­a­ção, pois não ti­nham co­mo pa­gar pe­la es­ta­dia na ci­da­de.

Os al­tos e bai­xos vi­vi­dos du­ran­te es­sa épo­ca pro­por­ci­o­na­ram um pe­río­do de ama­du­re­ci­men­to mui­to útil para a car­rei­ra dos Be­a­tles. Além dis­so, John e Paul de­ram os pri­mei­ros pas­sos de uma das par­ce­ri­as mais in­crí­veis da mú­si­ca. Mas era ne­ces­sá­rio al­go a mais para des­lan­cha­rem, e a mudança era es­sen­ci­al. A co­me­çar pe­lo no­me da ban­da...

Li­ver­po­ol à épo­ca do iní­cio dos Be­a­tles

Li­ver­po­ol atu­al­men­te: im­por­tan­te centro cul­tu­ral da Europa

John (centro) li­de­ra o Qu­ar­ry­men

Paul, Ge­or­ge, Rin­go e John (da es­quer­da para di­rei­ta), em 1964

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.