DEI­XE-ME DI­ZER CO­MO IS­SO VAI SER...

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Experimentalismos - Tex­to: Thi­a­go Ko­gu­chi De­sign: Ja­mi­le Cury Gan­da­ra

“Eu con­cluí que nós po­día­mos man­dar qu­a­tro fi­gu­ras de ce­ra de nós mes­mos e que is­so sa­tis­fa­ria o pú­bli­co. Os shows dos Be­a­tles não ti­nham mais na­da a ver com mú­si­ca. Eles eram so­men­te ri­tu­ais tri­bais san­gren­tos”. A fra­se, di­ta por John em 1966, mos­tra­va o sen­ti­men­to de to­dos os in­te­gran­tes so­bre em que se trans­for­ma­ram as apre­sen­ta­ções e o dia a dia da ban­da.

Os Be­a­tles co­me­çam a se can­sar da Be­a­tle­ma­nia. Por ou­tro la­do, mos­tram ma­tu­ri­da­de e no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as em Rub­ber Soul e Revolver

ABe­a­tle­ma­nia ha­via si­do uma ex­pe­ri­ên­cia lou­ca para os qu­a­tro jo­vens de Li­ver­po­ol. Fãs en­lou­que­ci­das, per­se­gui­ção, for­te es­col­ta po­li­ci­al para pro­te­ção, shows com lo­ta­ção má­xi­ma, gri­ta­ria no mais al­to vo­lu­me. To­dos os dis­cos al­can­ça­vam o to­po das pa­ra­das em di­as; em tu­do o que to­cas­sem, ven­dia ra­pi­da­men­te.

Mas a lou­cu­ra ha­via dei­xa­do os qu­a­tro in­te­gran­tes can­sa­dos e in­co­mo­da­dos. Afi­nal, an­tes de se­rem show­men, eles eram mú­si­cos e sen­ti­am a fal­ta de tem­po para com­por. As tur­nês eram ex­ten­sas, can­sa­ti­vas e chei­as de com­pro­mis­sos. Além dis­so, para as fãs, pou­co im­por­ta­va o que eles can­tas­sem, elas só sa­bi­am gri­tar.

“Eles per­ce­be­ram tam­bém que es­sas tur­nês não eram nem um pou­co pa­re­ci­das com a sa­ni­da­de da fa­se pré

1963, quan­do po­di­am apro­vei­tar um show tan­to quan­to o pú­bli­co”, ex­pli­ca Mark Lewi­sohn, no seu li­vro The Com­ple­te Be­a­tles Ch­ro­ni­cle. Os Be­a­tles co­me­ça­ram a sen­tir fal­ta dos tem­pos do Ca­vern Club, quan­do o que re­al­men­te im­por­ta­va era a mú­si­ca que eles to­ca­vam e “nin­guém che­ga­va per­to de­les a não ser para en­tre­gar um pe­da­ço de pa­pel com um pe­di­do de mú­si­ca”. A an­tí­te­se des­se pe­río­do foi a tur­nê pe­la Amé­ri­ca do Nor­te em 1965.

A von­ta­de dos ra­pa­zes era ca­da vez mais evi­den­te: dei­xar de sa­tis­fa­zer as pes­so­as ao seu re­dor e se con­cen­trar em coi­sas que os dei­xas­sem fe­li­zes. Para is­so, a or­dem era que o mun­do vi­es­se até eles, e os Be­a­tles te­ri­am sem­pre a pa­la­vra fi­nal.

O mo­men­to da ban­da era per­fei­to para is­so. Eles eram o gru­po mais fa­mo­so do mun­do, e ti­nham al­can­ça­do o sucesso que ne­nhum ou­tro ar­tis­ta ja­mais con­se­guiu (nem El­vis). Ou se­ja, eles se sen­ti­am con­fi­an­tes para fa­zer o que qui­ses­sem, co­mo dei­xar de ser uma ban­da de pal­co e vol­tar a ser um gru­po de es­tú­dio.

Rub­ber Soul e as pri­mei­ras ex­pe­ri­ên­ci­as

Em 1º de se­tem­bro de 1965, os Be­a­tles em­bar­ca­ram em um avião que os le­va­ria para a In­gla­ter­ra, após mais uma tur­nê nos Es­ta­dos Uni­dos. As­sim que che­ga­ram, ca­da um de­les ga­nhou pou­co mais de seis se­ma­nas de des­can­so to­tal. No dia 12 de ou­tu­bro, eles es­ta­vam no­va­men­te em es­tú­dio para gra­var o sex­to ál­bum da ban­da. Lo­go de ca­ra, ha­via um pro­ble­ma: eles que­ri­am man­ter o rit­mo de lan­çar dois ál­buns por ano, co­mo fi­ze­ram em 1963 e 1964. No en­tan­to, o tem­po era cur­to para cri­ar 14 can­ções, gra­vá-las e lan­çá-las em um dis­co.

Em con­tra­par­ti­da, o lon­go des­can­so an­te­ri­or à gra­va­ção e o tem­po in­te­gral para pro­du­zir o dis­co per­mi­tiu que eles se de­di­cas­sem com to­da sua ener­gia. Após um mês de gra­va­ções e mais al­gu­mas se­ma­nas de fi­na­li­za­ção, os Be­a­tles lan­çam, em 3 de de­zem­bro, Rub­ber Soul. A ca­pa do dis­co já da­va in­dí­ci­os de cer­ta mudança de com­por­ta­men­to. A ima­gem mos­tra os qu­a­tro ra­pa­zes em uma foto po­sa­da, po­rém dis­tor­ci­da, alon­ga­da. John Len­non dis­se uma vez que era o “ál­bum da ma­co­nha”, pois to­dos pa­re­cem es­tar

com os olhos ver­me­lhos. Rub­ber Soul foi tam­bém o pri­mei­ro ál­bum em que não apa­re­ce o no­me da ban­da, um ato con­si­de­ra­do ou­sa­do para a épo­ca.

Gra­va­do em um pe­río­do de tem­po es­pe­cí­fi­co, não mais en­tre da­tas de shows ou du­ran­te a fil­ma­gem de pro­je­tos, is­so per­mi­tiu que os Be­a­tles se de­di­cas­sem in­te­gral­men­te às mú­si­cas em Rub­ber Soul, ain­da que com pou­co tem­po para pro­du­ção.

Mu­si­cal­men­te, Rub­ber Soul é o re­sul­ta­do das pri­mei­ras ex­pe­ri­men­ta­ções dos Be­a­tles. As can­ções já não fa­lam mais da re­la­ção “ga­ro­to-en­con­tra-ga­ro­ta”, mas so­bre as com­pli­ca­ções dos re­la­ci­o­na­men­tos, as frus­tra­ções amo­ro­sas e cer­tas re­fle­xões so­bre a vi­da, ou se­ja, te­mas mais ma­du­ros e com­ple­xos até en­tão.

Um exem­plo mar­can­te des­sa mudança é Nowhe­re Man, de au­to­ria de John Len­non, a pri­mei­ra mú­si­ca do gru­po que não fa­la so­bre o amor, al­go que tam­bém po­de ser no­ta­do em Think For Your­self, de Ge­or­ge Har­ri­son. Dri­ve My Car tem um to­que irô­ni­co so­bre as re­la­ções; In My Li­fe ex­pres­sa cer­ta nos­tal­gia e re­fle­xão de John so­bre sua vi­da.

As ba­la­di­nhas de rock'n'roll co­me­çam a ser subs­ti­tuí­das por um folk rock ins­pi­ra­do em Bob Dy­lan. Os Be­a­tles tam­bém ex­pan­dem seus ho­ri­zon­tes em re­la­ção a ins­tru­men­tos e sons, co­mo em Norwe­gi­an Wo­od, em que Ge­or­ge Har­ri­son, in­flu­en­ci­a­do pe­la cul­tu­ra in­di­a­na, to­ca a cí­ta­ra.

As mu­dan­ças de es­ti­lo fo­ram mui­to bem re­ce­bi­das pe­lo pú­bli­co e pe­la crí­ti­ca. Rub­ber Soul al­can­çou o to­po das pa­ra­das na In­gla­ter­ra e nos Es­ta­dos Uni­dos. Cu­ri­o­sa­men­te, foi o pri­mei­ro dis­co lan­ça­do com as mes­mas ca­pas nos dois paí­ses. Re­cen­te­men­te, foi es­co­lhi­do co­mo o 5º me­lhor dis­co na lis­ta dos 500 me­lho­res ál­buns da his­tó­ria pe­la re­vis­ta Rol­ling Sto­ne.

Para Ge­or­ge, Rub­ber Soul foi “o me­lhor [dis­co] que eles fi­ze­ram” até en­tão, por­que, “de re­pen­te, eles es­ta­vam ou­vin­do sons que não eram pos­sí­veis de se­rem ou­vi­dos an­tes”. “Hou­ve mui­tas ex­pe­ri­men­ta­ções em Rub­ber Soul, in­flu­en­ci­a­das, eu acho, pe­las subs­tân­ci­as”, ana­li­sa Rin­go.

Revolver - en­tre a psi­co­de­lia e a re­vo­lu­ção

O sé­ti­mo dis­co lan­ça­do pe­los Be­a­tles, Revolver, nas­ceu em um pe­río­do mar­can­te da his­tó­ria. 1966, ano de lan­ça­men­to, viu cres­cer o mo­vi­men­to de con­tra­cul­tu­ra, os hip­pi­es, as ma­ni­fes­ta­ções de paz e amor e a li­ber­da­de se­xu­al e de uso de dro­gas. O ál­bum dos Be­a­tles é uma re­pre­sen­ta­ção in­te­res­san­te des­sa épo­ca, pois era ca­da vez mais ex­pe­ri­men­tal, psi­co­dé­li­co e des­pren­di­do do pas­sa­do.

Revolver é con­si­de­ra­do um im­por­tan­te di­vi­sor de águas na car­rei­ra da ban­da. A par­tir de­le, to­das as mú­si­cas fo­ram de­sen­vol­vi­das com sua mu­si­ca­li­da­de to­tal em es­tú­dio, ou se­ja, sem a pre­o­cu­pa­ção de se­rem re­pro­du­zi­das no pal­co ou não. Is­so per­mi­tiu que os in­te­gran­tes pu­des­sem re­al­men­te tra­ba­lhar nas mú­si­cas da ma­nei­ra que achas­sem me­lhor.

Se o ecle­tis­mo se tor­nou uma mar­ca re­gis­tra­da do rock'n'roll, po­de-se afir­mar que Revolver foi o dis­co que abriu as por­tas para es­sa va­ri­a­ção. As le­tras das mú­si­cas fa­lam so­bre te­mas di­ver­sos, des­de impostos, so­no, o va­zio do co­ti­di­a­no, fim de re­la­ções e até de um sub­ma­ri­no ama­re­lo. Além dis­so, ar­ran­jos de mú­si­ca clás­si­ca e até os sons re­pro­du­zi­dos de uma fi­ta sen­do to­ca­da de trás para fren­te fa­zi­am par­te des­sa ex­pe­ri­men­ta­ção.

Es­te ál­bum tam­bém re­pre­sen­ta as in­di­vi­du­a­li­da­des e as ex­pe­ri­ên­ci­as dos in­te­gran­tes. Ge­or­ge, por exem­plo, es­ta­va ca­da vez mais en­vol­vi­do com a cul­tu­ra in­di­a­na. To­dos os in­te­gran­tes já ha­vi­am ti­do con­ta­to com dro­gas, co­mo ma­co­nha e LSD.

En­tre as 14 fai­xas do ál­bum, To­mor­row Ne­ver Knows, cre­di­ta­da a Len­non/McCart­ney e úl­ti­ma fai­xa do la­do

B, é con­si­de­ra­da o me­lhor exem­plo da ex­pe­ri­men­ta­ção mu­si­cal dos Be­a­tles até en­tão. A le­tra da mú­si­ca foi re­ti­ra­da e li­vre­men­te adap­ta­da de The Psy­che­de­lic Ex­pe­ri­en­ce, de Ti­mothy Le­ary. A voz, de acor­do com John, de­ve­ria so­ar co­mo “o da­lai lama can­tan­do do to­po da mais al­ta mon­ta­nha”. O som da gui­tar­ra to­ca­da de trás para fren­te (na ver­da­de, um so­lo gra­va­do e não usa­do de Tax­man) e de ins­tru­men­tos ori­en­tais com­ple­tam o que pa­re­ce ser uma vi­a­gem de LSD em três mi­nu­tos.

Revolver tam­bém mar­ca uma for­te pre­sen­ça de Ge­or­ge Har­ri­son co­mo com­po­si­tor, uma vez que con­se­guiu em­pla­car três mú­si­cas. Tax­man, fai­xa que abre o dis­co, é uma crí­ti­ca aos impostos co­bra­dos à épo­ca. Lo­ve You To foi es­cri­ta es­pe­ci­al­men­te para a cí­ta­ra, ins­tru­men­to que Ge­or­ge do­mi­na­va com ca­da vez mais ma­es­tria. I Want To Tell You fa­la so­bre as frus­tra­ções de que­rer di­zer al­go, mas não con­se­guir.

Paul in­ves­tia em sons mais eru­di­tos e le­tras pro­fun­das. Ele­a­nor Rigby mos­tra o va­zio da vi­da por meio dos per­so­na­gens da can­ção com um ar­ran­jo clás­si­co e ex­tre­ma­men­te ar­tís­ti­co. For No One, em es­ti­lo bar­ro­co é acom­pa­nha­da de uma trom­pa fran­ce­sa, to­ca­da por Alan Ci­vil. Aliás, foi nes­sa épo­ca que

McCart­ney compôs a que diz ser sua can­ção fa­vo­ri­ta, a be­la He­re, The­re and Everywhe­re.

En­quan­to is­so, John ten­ta­va pro­je­tar su­as ex­pe­ri­ên­ci­as.

I'm Only Sle­e­ping ape­nas fa­la­va do quan­to Len­non gos­ta­va de dor­mir e não que­ria ser in­ter­rom­pi­do de seu so­no, com um ar­ran­jo que lem­bra um es­ta­do oní­ri­co. Já She Said, She Said saiu de uma vi­a­gem de LSD e uma bri­ga com o ator Pe­ter Fon­da, mas o ex-be­a­tle sem­pre ne­gou.

Lan­ça­do em 5 de agos­to de 1966, Revolver che­gou ao to­po das pa­ra­das na In­gla­ter­ra e nos Es­ta­dos uni­dos. O dis­co foi uma ex­pe­ri­ên­cia bem su­ce­di­da de que era pos­sí­vel fa­zer tu­do com a mú­si­ca. Mais do que is­so, foi uma mis­tu­ra de ex­pe­ri­men­ta­ções e psi­co­de­lia em quan­ti­da­de cer­ta.

Rub­ber Soul e Revolver mos­tra­ram que os Be­a­tles eram ca­pa­zes de es­cre­ver so­bre te­mas mais adul­tos e fu­gir do amor ju­ve­nil; de ir além da gui­tar­ra e dos acor­des bá­si­cos; de ino­var e fa­zer al­go re­al­men­te gran­di­o­so. Tan­to que Ge­or­ge con­si­de­ra­va não ha­ver mui­ta di­fe­ren­ça en­tre os dois ál­buns. “Para mim, po­de­ria ser Vo­lu­me I e Vo­lu­me II”.

O adeus à ma­nia

Mes­mo com su­as aten­ções vol­ta­das para a pro­du­ção em es­tú­dio, os Be­a­tles ain­da ti­nham al­guns com­pro­mis­sos an­tes de en­cer­ra­rem de vez as apre­sen­ta­ções em pal­co. Se, por um la­do, a tur­nê ti­nha des­ti­nos dis­tan­tes co­mo Ja­pão e Fi­li­pi­nas, ha­via tam­bém um lu­gar es­pe­ci­al, Ham­bur­go, on­de ha­vi­am to­ca­do pe­la úl­ti­ma vez em 1962.

A tur­nê te­ve iní­cio em 24 de junho de 1966, em Mu­ni­que (Ale­ma­nha). Eles tam­bém fa­ri­am um show em Es­sen an­tes de fi­nal­men­te che­ga­rem, dois di­as de­pois, em Ham­bur­go, um lu­gar que tra­zia mui­tas lem­bran­ças a to­dos. Nas du­as apre­sen­ta­ções que fi­ze­ram no Ernst Merck Hal­le, ha­via muitos ros­tos co­nhe­ci­dos, co­mo a fo­tó­gra­fa As­trid Kir­chherr, o com­po­si­tor e ma­es­tro Bert Ka­emp­fert e Bet­ti­na Der­li­en, uma gar­ço­ne­te dos tem­pos de Star Club.

O pró­xi­mo des­ti­no da ban­da era o Ja­pão. De 30 de junho a 2 de julho, eles fa­ri­am cinco apre­sen­ta­ções no Nip­pon Bu­do­kan Hall, na ca­pi­tal Tó­quio, al­guns com trans­mis­são ao vi­vo e em co­res pe­las emis­so­ras de te­vê do país. A es­co­lha do lo­cal já ha­via cau­sa­do po­lê­mi­ca, pois era uma are­na des­ti­na­da ex­clu­si­va­men­te à prá­ti­ca de ar­tes mar­ci­ais. Até mes­mo sua uti­li­za­ção co­mo are­na de judô nas Olim­pía­das de 1964 cau­sou crí­ti­cas.

Um fa­to cu­ri­o­so des­sa vi­a­gem ao Ja­pão foi o es­que­ma de se­gu­ran­ça mo­bi­li­za­do para acom­pa­nhar o gru­po. Lo­go que che­ga­ram, em 29 de junho, 1500 fãs es­pe­ra­vam an­si­o­sos por eles no ae­ro­por­to de Ha­ne­da. Du­ran­te os shows, ha­via três mil ho­mens de­sig­na­dos para man­ter a or­dem em um even­to com pú­bli­co de dez mil pes­so­as. No to­tal, fo­ram mo­bi­li­za­dos 35.000 po­li­ci­ais nos qu­a­tro di­as em que es­ti­ve­ram no Ja­pão!

Per­so­nas non gra­tas

No en­tan­to, os qu­a­tro mú­si­cos mal sa­bi­am o que os aguar­da­va nas Fi­li­pi­nas. Dois shows ha­vi­am si­do pre­pa­ra­dos, am­bos no dia 4 de julho (um com 30 mil e ou­tro com 50 mil pes­so­as!). No dia an­te­ri­or, um jor­nal lo­cal no­ti­ci­ou o que se­ria o iní­cio de uma gran­de con­fu­são. De acor­do com a no­tí­cia, os Be­a­tles re­ce­be­ri­am o pre­si­den­te das Fi­li­pi­nas, a

pri­mei­ra-da­ma e os três fi­lhos co­mo con­vi­da­dos de hon­ra de seus shows. Eles fa­ri­am o con­vi­te no dia do show, pes­so­al­men­te, para a mu­lher do pre­si­den­te, Imel­da Mar­cus, no pa­lá­cio pre­si­den­ci­al. O pro­ble­ma é que na­da dis­so ha­via si­do pla­ne­ja­do pe­la ban­da.

Os Be­a­tles re­al­men­te não apa­re­ce­ram ao su­pos­to en­con­tro, o que cau­sou gran­de fu­ror no país. Eles fo­ram acu­sa­dos de te­rem da­do um gran­de “bo­lo” na pri­mei­ra­da­ma, nos fi­lhos e em 400 con­vi­da­dos. Lo­go, ame­a­ças co­me­ça­ram a sur­gir, co­mo o não pa­ga­men­to dos shows e até ata­ques com bom­bas à em­bai­xa­da in­gle­sa em Ma­ni­la. Mes­mo as­sim, eles cum­pri­ram os dois com­pro­mis­sos no Ri­zal Me­mo­ri­al Fo­ot­ball Sta­dium.

O dia se­guin­te re­ser­va­va ain­da mais do­res de ca­be­ça. Os Be­a­tles fo­ram im­pe­di­dos de sair do país por não te­rem pa­ga­do um im­pos­to de­vi­do so­bre as apre­sen­ta­ções. Os se­gu­ran­ças de­sig­na­dos para cui­dar de­les ha­vi­am sim­ples­men­te de­sa­pa­re­ci­do. Os fun­ci­o­ná­ri­os do ho­tel e ou­tros as­sis­ten­tes pas­sa­ram a mu­dar o com­por­ta­men­to em re­la­ção a eles, com um tra­ta­men­to frio e pou­co aten­ci­o­so. Além dis­so, os mú­si­cos e sua equi­pe fo­ram acu­sa­dos de imi­gra­ção ile­gal, pois não ha­via re­gis­tro de su­as che­ga­das ao país.

A si­tu­a­ção só se­ria re­sol­vi­da quan­do to­dos já es­ta­vam den­tro do avião que os ti­ra­ria da­li. Uma li­be­ra­ção ha­via si­do ex­pe­di­da pe­lo go­ver­no mi­nu­tos an­tes de par­ti­rem. Per­gun­ta­do so­bre o que fa­ri­am de­pois des­se epi­só­dio, Ge­or­ge, áci­do co­mo sem­pre, dis­pa­rou: “va­mos ter du­as se­ma­nas de des­can­so an­tes de ser­mos mas­sa­cra­dos pe­los ame­ri­ca­nos”.

Após os di­as de des­can­so na In­gla­ter­ra, os Be­a­tles ini­ci­a­ram, em 12 de agos­to, na ci­da­de de Chi­ca­go (Es­ta­dos Uni­dos) a úl­ti­ma sé­rie de shows na Amé­ri­ca do Nor­te e, con­se­quen­te­men­te, da car­rei­ra. A tur­nê pas­sa­ria por di­ver­sas ci­da­des ame­ri­ca­nas e por To­ron­to (Ca­na­dá), até a de­fi­ni­ti­va apre­sen­ta­ção em 29 de agos­to de 1966, no Can­dles­tick Park, em São Fran­cis­co, para 25 mil pes­so­as.

Ao fi­nal de Long Tall Sally, às 22h em São Fran­cis­co, os Be­a­tles dei­xa­ri­am um pal­co pe­la úl­ti­ma vez, para fe­char um ci­clo ini­ci­a­do ha­via no­ve anos.

A saí­da da ban­da deseu úl­ti­mo show

Show em Bu­do­kan: maispo­li­ci­ais do que pú­bli­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.