JOHN LEN­NON

Do ati­vis­mo po­lí­ti­co aos úl­ti­mos di­as em fa­mí­lia

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Vida Pós-beatles - Tex­to: Ka­ri­na Alon­so/co­la­bo­ra­do­ra De­sign: Ca­rol To­zi/Co­la­bo­ra­do­ra

Os pri­mei­ros anos de afas­ta­men­to dos Be­a­tles até a dis­so­lu­ção da ban­da fo­ram mar­ca­dos pe­la pre­sen­ça de Yo­ko Ono na vi­da de John, o que aca­bou in­flu­en­ci­an­do seu tra­ba­lho co­mo mú­si­co, ago­ra for­te­men­te vol­ta­do a te­mas po­lí­ti­cos e a pro­tes­tos em prol da paz mun­di­al.

A in­ten­sa re­la­ção de John e Yo­ko Ono

Ar­tis­ta plás­ti­ca, Yo­ko im­pres­si­o­nou John em uma ex­po­si­ção em Lon­dres, em 1966. E foi no ca­sa­men­to de­les, em 1969, que o ca­sal re­sol­veu re­a­li­zar sua pri­mei­ra per­for­man­ce-pro­tes­to, ain­da du­ran­te a lua de mel. Ba­ti­za­do co­mo Bed-in for Pe­a­ce, a pro­pos­ta era re­ce­ber a im­pren­sa num dos quar­tos do ho­tel Hil­ton, em Ams­ter­dã (Ho­lan­da). John e Yo­ko re­ce­bi­am os jor­na­lis­tas so­bre a ca­ma, usan­do pi­ja­mas ou rou­pões, en­tre as no­ve da ma­nhã até as no­ve da noi­te.

Por con­ta do lan­ça­men­to do ál­bum Un­fi­nished Mu­sic No. 1: Two Vir­gins, em 68, cu­ja ca­pa po­lê­mi­ca tra­zia am­bos to­tal­men­te nus, a im­pren­sa lo­go acre­di­tou que o ca­sal fos­se fa­zer se­xo pu­bli­ca­men­te, o que não acon­te­ceu. A ideia de John e Yo­ko era reu­nir os jor­na­lis­tas para fa­lar so­bre a paz. O pro­tes­to foi ri­di­cu­la­ri­za­do pe­la mí­dia, mas mar­cou o iní­cio de uma fa­se po­li­ti­ca­men­te en­ga­ja­da na car­rei­ra de John.

Dois me­ses de­pois do pri­mei­ro Bed-in, o ca­sal pla­ne­jou um no­vo even­to do ti­po em No­va Ior­que. En­tre­ta­to, co­mo John ti­nha se de­cla­ra­do a fa­vor do uso da ma­co­nha, aca­bou sen­do proi­bi­do de en­trar em ter­ri­tó­rio nor­te­a­me­ri­ca­no. Es­co­lhe­ram en­tão Mon­tre­al, no Ca­na­dá. Além da im­pren­sa, con­vi­da­ram per­so­na­li­da­des e ami­gos co­mo Ti­mothy Le­ary, Tommy Smothers, Dick Gre­gory e Al Capp para can­tar Gi­ve Pe­a­ce a Chan­ce, a can­ção que se tor­na­ria um hi­no a fa­vor da paz.

Ou­tro fa­to mar­can­te do ati­vis­mo po­lí­ti­co de John Len­non foi a de­vo­lu­ção da me­da­lha do Im­pé­rio Bri­tâ­ni­co, em 1969. Na oca­sião, ale­gou que era um pro­tes­to con­tra o en­vol­vi­men­to bri­tâ­ni­co na guer­ra de Bi­a­fra, na Ni­gé­ria, e con­tra o apoio aos Es­ta­dos Uni­dos na guer­ra do Vi­et­nã.

Em 1971, John e Yo­ko se mu­da­ram para No­va Ior­que e se tor­na­ram ami­gos de lí­de­res an­ti­guer­ras, co­mo Jer­ry Ru­bin. No ano se­guin­te, pla­ne­ja­ram um con­cer­to para o dia da elei­ção pre­si­den­ci­al, a fim de in­flu­en­ci­ar os jo­vens a não vo­tar em Ni­xon. Após a vi­tó­ria nas elei­ções, o go­ver­no Ni­xon che­gou a in­ves­ti­gar John para de­por­tá­lo, mas, sem pro­vas con­tra o mú­si­co, a ame­a­ça não che­gou a se con­cre­ti­zar.

No ano se­guin­te, du­ran­te uma cri­se ma­tri­mo­ni­al, Yo­ko in­sis­tiu para que John saís­se de ca­sa e ti­ves­se um ca­so com sua se­cre­tá­ria na épo­ca, May Pang. Nes­se pe­río­do, John se afun­dou no ál­co­ol e se en­vol­veu em bri­gas e con­fu­sões. De­pois de de­zoi­to me­ses, ele voltou para ca­sa e ape­li­dou o pe­río­do lon­ge de sua es­po­sa de “o fi­nal de se­ma­na per­di­do”.

Em 1975, Yo­ko en­gra­vi­dou e, após o nas­ci­men­to de Se­an, John aban­do­nou sua car­rei­ra mu­si­cal para cui­dar da fa­mí­lia. Na mes­ma épo­ca o ex-Be­a­tle re­ce­beu o gre­en card ame­ri­ca­no e se mu­dou de vez para os Es­ta­dos Uni­dos.

Mú­si­ca: ex­pe­ri­men­ta­lis­mos, po­lê­mi­cas e... sucesso

A car­rei­ra mu­si­cal so­lo de John Len­non co­me­çou em 1968, com Un­fi­nished Mu­sic No. 1: Two Vir­gins, em par­ce­ria com Yo­ko Ono. O ál­bum é con­si­de­ra­do ex­pe­ri­men­tal e as gra­va­ções fo­ram ca­sei­ras. A ca­pa do ál­bum foi po­lê­mi­ca, por­que o ca­sal apa­re­cia nu de fren­te e de cos­tas.

No ano se­guin­te, o ex-be­a­tle lan­çou mais ál­buns ex­pe­ri­men­tais, cha­ma­dos Un­fi­nished Mu­sic No. 2: Li­fe With Li­ons e Wed­ding Album, além dos com­pac­tos Gi­ve Pe­a­ce A Chan­ce e Cold Tur­key. John foi con­vi­da­do a par­ti­ci­par do Rock'n'Roll Re­vi­val Con­cert, que tam­bém con­tou com as pre­sen­ças de Chuck Ber­ry e Lit­tle Ri­chard. A apre­sen­ta­ção, com Eric Clap­ton na gui­tar­ra, Klaus Vo­or­man no bai­xo e Al­lan Whi­te na ba­te­ria, re­sul­tou no ál­bum Li­ve Pe­a­ce in To­ron­to.

Ou­tro dis­co lan­ça­do no mes­mo ano foi Wed­ding Album, com du­as fai­xas. No la­do B foi in­cluí­da uma com­pi­la­ção de gra­va­ções fei­tas du­ran­te o Bed-in, em Ams­ter­dã. Um item ape­nas para co­le­ci­o­na­do­res.

Em 1970, John lan­çou mais um dis­co po­lê­mi­co com a es­po­sa. O ál­bum, in­ti­tu­la­do John Len­non/Plas­tic Ono Band, con­ti­nha gra­va­ções rús­ti­cas e gri­ta­das. Es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca foi pro­po­si­tal, para ne­gar o cui­da­do que Paul McCart­ney ti­nha em fa­zer mú­si­cas lim­pas. En­tre os par­cei­ros de John es­ta­vam Klaus Vo­or­mann, Rin­go e Billy Pres­ton.

Nes­se ál­bum, John de­mons­trou de­cep­ção com os Be­a­tles e a em­pol­ga­ção com a no­va fa­se. Na mú­si­ca Mother, con­fron­ta seus sen­ti­men­tos de re­jei­ção du­ran­te a in­fân­cia, mas em My Mummy's De­ad mos­tra a di­fi­cul­da­de que te­ve em acei­tar a mor­te de sua mãe. Em Wor­king

Class He­ro, re­ve­la seu la­do ati­vis­ta ao ata­car o sis­te­ma da so­ci­e­da­de bur­gue­sa. Na fai­xa in­ti­tu­la­da Iso­la­ti­on, de­mons­tra co­mo ele e Yo­ko fi­ca­ram acu­a­dos com a rai­va que os fãs dos Be­a­tles ti­nham por Yo­ko.

No ano se­guin­te, em 1971, John lan­çou aque­le que se­ria um dos ál­buns mais co­nhe­ci­dos de um ex-be­a­tle: Ima­gi­ne. Re­ple­to de re­ca­dos pes­so­ais, con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de Ge­or­ge. Em How do You Sle­ep, John acu­sa Paul McCart­ney de es­cre­ver can­ções de ele­va­dor e diz que, en­tre su­as com­po­si­ções, só Yes­ter­day fi­cou boa.

Na fai­xa que dá no­me ao ál­bum, John des­cre­ve o mun­do ide­al, sem ima­gi­nar que, mes­mo após muitos anos, es­sa mú­si­ca con­ti­nu­a­ria sen­do ins­pi­ra­ção para tan­ta gente. Em uma en­tre­vis­ta, ele afir­mou que a com­po­si­ção foi ins­pi­ra­da em Yo­ko, fa­to nun­ca con­fir­ma­do ofi­ci­al­men­te por ela.

As mú­si­cas Crip­pled In­si­de, I Don't Wan­na Be a

Sol­di­er e It's so Hard pos­su­em le­tras acu­sa­do­ras, com John gri­tan­do, fa­lan­do so­bre os me­dos e as di­fi­cul­da­des de li­dar com a vi­da pós-Be­a­tles.

Em 1972, John e Yo­ko lan­ça­ram o ál­bum So­me­ti­me in New York City, com can­ções te­má­ti­cas, prin­ci­pal­men­te an­tir­ra­cis­tas, con­tra a bru­ta­li­da­de da po­lí­cia e an­tis­se­xis­tas. En­tre as mú­si­cas do ál­bum es­tá Sun­day Blo­ody Sun­day, que fa­la so­bre o epi­só­dio do do­min­go san­gren­to na Ir­lan­da. Uma dé­ca­da de­pois, o U2 fa­ria al­go se­me­lhan­te.

No ano se­guin­te, John Len­non lan­çou o ál­bum Mind Ga­mes, que não foi bem re­ce­bi­do pe­la crí­ti­ca. Co­mo o pró­prio no­me já diz, a ideia era brin­car e in­flu­en­ci­ar com a men­te de quem ou­vis­se. O ál­bum foi pro­du­zi­do ape­nas por John e mar­ca o iní­cio da se­pa­ra­ção de Yo­ko e o adeus aos pro­tes­tos po­lí­ti­cos.

Em 1974, du­ran­te o “fi­nal de se­ma­na per­di­do”, John lan­çou Walls and Brid­ges. Ape­sar de que­rer pas­sar a ima­gem de que es­ta­va se di­ver­tin­do, ele não con­se­guiu es­con­der o ciú­me por Yo­ko, que es­ta­va na­mo­ran­do o gui­tar­ris­ta Da­vid Spi­noz­za. Ins­pi­ra­do no sen­ti­men­to, ele compôs a mú­si­ca Bless You. El­ton John par­ti­ci­pou da gra­va­ção da can­ção Wha­te­ver Gets You Th­ru

The Night, to­can­do pi­a­no e fa­zen­do a vo­ca­li­za­ção. A mú­si­ca Ya Ya foi uma sur­pre­sa que John fez para seu pri­mei­ro fi­lho, Ju­li­an. Os dois gra­va­ram o co­ver e, sem avi­sar Ju­li­an, John in­se­riu a fai­xa no ál­bum.

Na épo­ca, o exe­cu­ti­vo da in­dús­tria fo­no­grá­fi­ca Mor­ris Levy de­ti­nha os di­rei­tos au­to­rais de vá­ri­os ar­tis­tas, in­cluin­do os de Chuck Ber­ry, e re­sol­veu pro­ces­sar John Len­non por plá­gio de You Can't Cat­ch Me em Co­me To­gether. Em um acor­do, John re­sol­veu que gra­va­ria um dis­co só com co­vers, in­cluin­do ou­tras mú­si­cas que fa­zi­am par­te do ca­tá­lo­go de di­rei­tos au­to­rais que Levy ti­nha. Por es­se e ou­tros pro­ble­mas de John para lan­çar o ál­bum, Rock'n'Roll foi ape­li­da­do co­mo “dis­co amal­di­ço­a­do”.

Após dar uma pau­sa na car­rei­ra para cui­dar de seu fi­lho, Se­an, em 1980, John Len­non lan­çou o ál­bum Dou­ble Fan­tasy, fa­lan­do so­bre o co­ti­di­a­no no edi­fí­cio Da­ko­ta, on­de mo­ra­va com sua fa­mí­lia. Al­gu­mas mú­si­cas, co­mo Kiss, Kiss, Kiss, Gi­ve me So­mething e I'm Mo­ving On fo­ram com­pos­tas por Yo­ko Ono. Na mú­si­ca Be­au­ti­ful Boy, John dei­xa dicas para que Se­an al­can­ce a fe­li­ci­da­de.

Após a mor­te de Len­non, em 1980, fo­ram lan­ça­dos al­guns ál­buns pós­tu­mos. Um de­les foi Milk and Ho­ney, gra­va­do du­ran­te os úl­ti­mos me­ses de sua vi­da. O ál­bum tem uma te­má­ti­ca mais le­ve e in­ti­mis­ta, sem resquí­ci­os do ati­vis­mo po­lí­ti­co que es­te­ve tão for­te no iní­cio de sua car­rei­ra so­lo.

Em 1988, após o lan­ça­men­to do do­cu­men­tá­rio Ima­gi­ne: John Len­non, saiu o ál­bum com a tri­lha so­no­ra. En­tre as fai­xas es­tão Twist And Shout, Help!, In My Li­fe, Straw­ber­ry Fi­elds Fo­re­ver, Gi­ve Pe­a­ce A Chan­ce, Don't Let Me Down, en­tre ou­tros su­ces­sos tan­to dos Be­a­tles quan­to de sua car­rei­ra so­lo.

John e Yo­ko, em 1980

Pri­mei­ro Bed-in for Pe­a­ce, em Ams­ter­dã (Ho­lan­da)

Ca­pas dos ál­buns Un­fi­nishedMu­sic No. 1:Two Vir­gins, tri­lha so­no­ra do do­cu­men­tá­rio Ima­gi­ne: John Len­non, Dou­ble Fan­tasy e Mind Ga­mes, res­pec­ti­va­men­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.