GE­OR­GE HAR­RI­SON

GRANDES ÍDOLOS DA MÚSICA - The Beatles - - Vida Pós-beatles - Tex­to: Ka­ri­na Alon­so/co­la­bo­ra­do­ra De­sign: Ca­rol To­zi/Co­la­bo­ra­do­ra

An­tes mes­mo do fim dos Be­a­tles, Ge­or­ge lan­çou dois dis­cos so­lo: Won­derwall Mu­sic, em 1968, e Elec­tro­nic Sound, em 1969. O ano de 1970 ren­deu o dis­co que é con­si­de­ra­do por muitos co­mo o me­lhor de um ex-be­a­tle. In­ti­tu­la­do All Things Must Pass, fi­cou em pri­mei­ro lu­gar nas pa­ra­das de sucesso bri­tâ­ni­ca e nor­te-ame­ri­ca­na. A mú­si­ca My Swe­et Lord, plá­gio in­cons­ci­en­te de He's So Fi­ne, do gru­po The Chif­fons, re­sul­tou em uma con­de­na­ção e, qua­se dez anos de­pois, pa­ga­men­to de in­de­ni­za­ção. O pon­to for­te do ál­bum é a par­ti­ci­pa­ção de Rin­go em qua­se to­do o pro­ces­so de pro­du­ção.

Du­ran­te a car­rei­ra, co­la­bo­rou tam­bém com ou­tros ar­tis­tas. Sua par­ce­ria com Rin­go ren­deu o sin­gle It Don't Co­me Easy e a can­ção Pho­to­graph. Par­ti­ci­pou tam­bém de um dos me­lho­res ál­buns de John Len­non: Ima­gi­ne.

Em 1973, lan­çou o dis­co Li­ving in a Ma­te­ri­al World, com o sucesso Gi­ve Me Lo­ve ( Gi­ve Me Pe­a­ce On Earth).

O ál­bum Dark Hor­se, de 1974, não foi bem re­ce­bi­do. Du­ran­te sua pri­mei­ra tur­nê, as crí­ti­cas eram re­la­ci­o­na­das à lon­ga par­ti­ci­pa­ção do ar­tis­ta Ra­vi Shan­kar e a sua voz, que es­ta­va fa­lhan­do, por pro­ble­mas de saú­de.

Em 1975, Ge­or­ge lan­çou Ex­tra Tex­tu­re para cum­prir o con­tra­to com a Ap­ple Re­cords. Ape­sar de You ter si­do um sucesso con­si­de­rá­vel, não atin­giu o to­po das pa­ra­das.

O ano de 1976 ren­deu o tra­ba­lho in­ti­tu­la­do Thirty Th­ree & 1/3, sen­do o pri­mei­ro lan­ça­do pe­lo se­lo da Dark Hor­se Re­cords. A can­ção This Song foi uma sá­ti­ra ao ca­so

O mer­gu­lho na cul­tu­ra in­di­a­na, gran­des par­cei­ras e a lu­ta con­tra o cân­cer

do plá­gio de My Swe­et Lord. Do ál­bum Ge­or­ge Har­ri­son, de 1979, ape­nas Blow Away fez ape­nas um “sucesso mo­des­to”. No dis­co So­mewhe­re in En­gland, de 1981, uma can­ção ho­me­na­geia John Len­non, All Tho­se Ye­ars

Ago, e con­ta com a par­ti­ci­pa­ção de Paul, Lin­da e Rin­go. Nes­sa épo­ca, Ge­or­ge es­ta­va pas­san­do por um dos pi­o­res mo­men­tos de sua car­rei­ra, ten­do qu­a­tro can­ções re­jei­ta­das pe­la War­ner. Tal­vez o maior exem­plo des­sa fa­se ruim te­nha si­do o ál­bum Go­ne Trop­po, que é con­si­de­ra­do um de seus pi­o­res tra­ba­lhos. De­pois dis­so, fi­cou cinco anos sem gra­var.

O re­tor­no foi mar­ca­do pe­lo dis­co Cloud 9, em 1987, que foi pro­du­zi­do por Jeff Lyn­ne e te­ve a par­ti­ci­pa­ção de Eric Clap­ton, Rin­go Starr e El­ton John. A can­ção I Got My Mind Set On You foi es­cri­ta por Rudy Clark nos anos 60 e ren­deu o pri­mei­ro lu­gar nas pa­ra­das dos Es­ta­dos Uni­dos e da In­gla­ter­ra. O cli­pe de When We Was Fab con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de Rin­go, fan­ta­si­a­do de leão ma­ri­nho, em uma ho­me­na­gem a Ma­gi­cal Mys­tery Tour, dos Be­a­tles.

Em 1988, o ar­tis­ta jun­tou-se ao su­per­gru­po Tra­ve­ling Will­burys com Jeff Lyn­ne, Bob Dy­lan, o can­tor Roy Or­bi­son e Tom Pretty, sen­do que to­dos usa­ram pseudô­ni­mos acres­cen­ta­dos do so­bre­no­me Will­bury. Ge­or­ge as­si­na­va Nel­son. Es­sa for­ma­ção ren­deu o ál­bum Tra­ve­ling Will­burys.

No ano se­guin­te, o ex-be­a­tle lan­çou a co­le­tâ­nea Best Of Dark Hor­se Ye­ars, com al­gu­mas mú­si­cas iné­di­tas e, em 1990, o dis­co Tra­ve­ling Wil­burys Vol. 3.

Em 1991, Ge­or­ge saiu em tur­nê pe­lo Ja­pão com

Eric Clap­ton. Nos shows, es­ta­vam in­cluí­das com­po­si­ções clás­si­cas da épo­ca dos Be­a­tles e da car­rei­ra so­lo.

En­tre os anos de 1994 e 1996, ele se jun­tou aos ex- com­pa­nhei­ros de ban­da, Paul e Rin­go, para tra­ba­lha­rem em The Be­a­tles Antho­logy, com­pos­to por um do­cu­men­tá­rio em ví­deo, um li­vro bi­o­grá­fi­co e três dis­cos no­vos com al­gu­mas can­ções iné­di­tas gra­va­das du­ran­te a épo­ca dos Be­a­tles.

Ain­da em 1996, Har­ri­son par­ti­ci­pou de um ál­bum em tri­bu­to a Carl Per­kins, pi­o­nei­ro do roc­ka­billy ame­ri­ca­no, que re­sul­tou na fai­xa Dis­tan­ce Ma­kes No Dif­fe­ren­ce With Lo­ve.

Ge­or­ge foi o be­a­tle que mais seapro­xi­mou da cul­tu­ra in­di­a­na

Ca­pas de All Things Must Pass e Cloud Ni­ne

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.