DES­TI­NO CER­TO

A gra­va­ção de That’s Al­right, em 5 de ju­lho de 1954, mu­dou pa­ra sem­pre o des­ti­no de El­vis – fa­zen­do de­le o can­tor mais pro­mis­sor da épo­ca

Grandes ídolos do Rock - Elvis (40 anos) - - ÍNDICE -

Ares­pos­ta de El­vis e a sua gra­va­ção em ho­me­na­gem à Gladys na­que­le dia na Sun Re­cords à Ma­ri­on lhe ren­deu uma ano­ta­ção nos ar­qui­vos da gra­va­do­ra, que di­zia: “Bom can­tor de ba­la­das. En­trar em con­ta­to”. Foi aí que, tem­pos de­pois, o te­le­fo­ne da ca­sa dos Presley to­cou; se­gun­do o pró­prio El­vis brin­cou anos mais tar­de, ele já es­ta­va na por­ta da gra­va­do­ra an­tes mes­mo que o ou­tro la­do da li­nha pu­des­se ter des­li­ga­do. Sam Phi­lips que­ria ou­vir mais da­que­le edu­ca­do e pe­cu­li­ar ga­ro­to do Sul. Ele dis­se, anos de­pois, que sem­pre te­ve uma es­pé­cie de fa­ro; um po­der de olhar nos olhos de uma de­ter­mi­na­da pes­soa e sa­ber se ela ca­paz ou não de ofe­re­cer al­go a mais. E, por mais que as gra­va­ções da­que­le dia não ti­ves­sem des­per­ta­do em Sam o sen­ti­men­to de que El­vis es­tou­ra­ria um gran­de su­ces­so, seu dom de pro­du­tor não o dei­xou de­sis­tir do ga­ro­to – ain­da me­nor de ida­de e com al­gu­mas es­pi­nhas no ros­to. Ele sa­bia que El­vis ti­nha mais a ofe­re­cer. E ti­nha.

“Es­tá tu­do cer­to, ma­mãe!”

Mais al­gu­mas reu­niões no es­tú­dio da Sun Re­cords fo­ram ne­ces­sá­ri­as pa­ra que Sam Phi­lips se con­ven­ces­se de que lan­çar um dis­co de El­vis Presley va­le­ria a pe­na. O “pro­ble­ma” ´é que El­vis era um “can­tor de ba­la­das”, sem­pre op­tan­do por apre­sen­tar me­lo­di­as cal­mas e que va­lo­ri­zas­sem sua voz. Mes­mo as­sim, ao fa­zer um tes­te a um quar­te­to in­di­ca­do por Sam, ou­viu de seus in­te­gran­tes que ele não sa­bia can­tar. O de­sen­co­ra­ja­men­to não aba­lou as es­pe­ran­ças de El­vis, que con­ti­nu­ou fre­quen­tan­do o es­tú­dio e fa­zen­do as se­ções de tes­tes di­ri­gi­das por Sam. O pro­du­tor reu­niu El­vis a mais dois mú­si­cos, cu­jos en­sai­os ain­da não ha­vi­am des­per­ta­do o “fe­e­ling” do pro­du­tor. Até que, ape­nas por di­ver­são, El­vis co­me­çou a can­ta­ro­lar uma mú­si­ca que es­ta­va fa­zen­do bas­tan­te su­ces­so nas rá­di­os, cha­ma­da That’s Al­right, mais co­nhe­ci­da co­mo That’s Al­right, Ma­ma. El­vis brin­cou com a voz e can­tou a mú­si­ca em um rit­mo mais ace­le­ra­do e aca­lo­ra­do, o qual os de­mais mú­si­cos acom­pa­nha­ram e trans­for­ma­ram a me-

1 Qu­an­do El­vis es­tou­rou nas rá­di­os, o pú­bli­co acre­di­ta­va que se tra­ta­va de um can­tor ne­gro, de­vi­do ao po­der e for­ça de sua voz. Ape­nas qu­an­do ele co­me­çou a apa­re­cer na te­le­vi­são é que o mun­do co­me­çou a co­nhe­cer o ra­paz de pe­le cla­ra, olhos azuis e ca­be­los bem pre­tos (pin­ta­dos). Na ver­da­de, El­vis era lou­ro, mas acha­va que o tom cla­ro dos ca­be­los não lhe fa­vo­re­cia; por is­so, ele co­me­çou a tin­gi-los do tom mais es­cu­ro que pu­des­se, a afim de des­ta­car a cor de seus olhos. O mes­mo ele su­ge­riu à na­mo­ra­da Pris­cil­la, anos mais tar­de, que o fez sem pen­sar du­as ve­zes.

lo­dia em al­go que nem Sam e nem o res­tan­te do mun­do ha­via ou­vi­do an­tes. O pro­du­tor cor­reu até a por­ta do es­tú­dio, ex­ta­si­a­do, e pe­diu pa­ra que eles co­me­ças­sem no­va­men­te a mú­si­ca. Na­que­le ins­tan­te, um dis­co es­ta­va sen­do gra­va­do. E pou­cos di­as de­pois, El­vis es­tou­ra­ria nas rá­di­os da re­gião, des­per­tan­do a cu­ri­o­si­da­de do pú­bli­co so­bre aque­le can­tor de voz for­te¹, ás­pe­ra, e rit­mo en­vol­ven­te. Era ali que nas­cia o El­vis Presley per­for­má­ti­co que ca­ti­vou o mun­do.

E o des­ti­no se cum­priu

De­pois que El­vis co­me­çou a to­car re­pe­ti­da­men­te nas rá­di­os lo­cais, com o pú­bli­co en­can­ta­do com o no­vo can­tor, o de­sa­fio de Phi­lips era man­tê-lo em al­ta, tes­tan­do sua voz em no­vos hits². E foi o que fi­ze­ram. Blue Mo­on Of Ken­tucky,e You’re a He­art­bre­a­ker são al­gu­mas das can­ções que em­ba­la­ram os pró­xi­mos com­pac­tos lan­ça­dos. El­vis, com seu es­ti­lo ca­da vez mais ex­cên­tri­co, co­me­çou a fa­zer shows na re­gião³, o que des­per­tou o in­te­res­se de uma pes­soa que foi fun­da­men­tal em sua as­cen­são na­ci­o­nal e, pos­te­ri­or­men­te, mun­di­al. Era co­nhe­ci­do por Co­ro­nel Tom Par­ker, um po­de­ro­so e de­ter­mi­na­do em­pre­sá­rio da épo­ca4.

Ida pa­ra a RCA

Tom Par­ker per­ce­beu em uma das apre­sen­ta­ções de El­vis o quan­to ele era es­pe­ci­al, e re­sol­veu lu­tar por ele. Em um en­con­tro ca­su­al du­ran­te uma tur­nê re­gi­o­nal, dei­xou bem cla­ro tu­do o que pla­ne­ja­va pa­ra a car­rei­ra do jo­vem. Só que Sam Phi­lips não que­ria abrir mão de seu pu­pi­lo (em­bo­ra sou­bes­se que lan­çar os com­pac­tos do can­tor não es­ta­va sain­do ba­ra­to, e ele es­ta­va de­mo­ran­do pa­ra em­pla­car um no­vo su­ces­so que se igua­las­se à That’s Al­right). Sam pre­ci­sa­va de di­nhei­ro, e após mui­tas con­ver­sas – in­clu­si­ve, com os pais de Presley, que já não sa­bi­am mais em quem con­fi­ar – aca­bou abrin­do mão do pro­mis­sor can­tor pe­la mul­ta con­tra­tu­al no va­lor de 40 mil dó­la­res.

E foi só ques­tão de tem­po!

Uma com­po­si­to­ra da épo­ca ofe­re­ceu à El­vis uma mú­si­ca tris­te e me­lan­có­li­ca, que ca­ti­vou ime­di­a­ta­men­te o can­tor: He­art­bre­a­ker Ho­tel. O pro­ble­ma é que ape­nas El­vis acre­di­ta­va ne­la. O con­tra­to as­si­na­do com Tom Par­ker da­va ao can­tor o di­rei­to a al­gu­mas apre­sen­ta­ções na te­vê, e ele apos­tou que a mú­si­ca re­cém gra­va­da se­ria a me­lhor op­ção pa­ra ca­ti­va o pú­bli­co. Di­to, e fei­to. Além de­la, Blue Su­e­de Sho­es tam­bém en­cor­pou a fór­mu­la in­fa­lí­vel e El­vis con­quis­tou seu pri­mei­ro dis­co de ou­ro. El­vis já es­ta­va con­sa­gra­do.

2 Nas pá­gi­nas do li­vro El­vis Presley – A Vi­da Na Mú­si­ca, de Ernst Jor­gen­sen, é pos­sí­vel en­con­trar re­gis­tros de to­das as se­ções de gra­va­ções fei­tas en­tre 1953 e 1977. É um item obri­ga­tó­rio na es­tan­te de to­do o fã do Rei do Rock.

3 No dia em que El­vis su­biu ao pal­co pa­ra seu pri­mei­ro show, ha­via mais gen­te do que o es­pe­ra­do, e, por ner­vo­sis­mo, o can­tor tre­mia su­as per­nas sem pa­rar. A re­a­ção da pla­teia foi de gri­tos e mui­ta his­te­ria; e po­de-se di­zer que nas­ceu ali uma das mar­cas re­gis­tra­das de Presley, que fi­cou co­nhe­ci­do, após os re­pe­ti­dos epi­só­di­os de re­que­bros, co­mo El­vis, The Pel­vis.

4 Tom Par­ker to­mou as ré­de­as da car­rei­ra de El­vis du­ran­te to­da a sua vi­da e, por mais que ele te­nha o le­va­do ao es­tre­la­to, tam­bém dei­xou a de­se­jar em al­guns pon­tos. Du­ran­te a car­rei­ra ci­ne­ma­to­grá­fi­ca do ar­tis­ta, por exem­plo, Tom dei­xou-se le­var ape­nas pe­lo di­nhei­ro, dei­xan­do que El­vis fi­zes­se pa­péis va­zi­os pou­co con­vin­cen­tes. El­vis o res­pei­ta­va mais do que qual­quer ou­tra pes­soa, e ele foi o úni­co que ou­viu du­ran­te mui­tos anos – prin­ci­pal­men­te nos mais com­pli­ca­dos de sua car­rei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.