NAS­CE UMA ES­TRE­LA

Fi­lho de pais hu­mil­des e cri­a­do com uma rí­gi­da edu­ca­ção, ele ja­mais po­de­ria ima­gi­nar que o tí­mi­do in­te­res­se pe­la mú­si­ca o le­va­ria a ser o mai­or ar­tis­ta de to­dos os tem­pos

Grandes ídolos do Rock - Elvis (40 anos) - - ÍNDICE -

EEl­vis nas­ceu em 8 de ja­nei­ro de 1935, na ci­da­de de Tupelo, no Mis­sis­si­pi (EUA). Mo­ran­do com seus pais – Gladys Presley e Ver­non Presley – em uma pe­que­na ca­sa de ape­nas dois cô­mo­dos, te­ve que li­dar com uma gran­de per­da lo­go ao iní­cio da vi­da. É que seu ir­mão gê­meo, Jes­se Ga­ron Presley, nas­ceu mor­to, e te­ve de ser se­pul­ta­do em uma co­va anô­ni­ma no ce­mi­té­rio da ci­da­de, já que a si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra era mui­to di­fí­cil, e não ha­vi­am con­di­ções pa­ra fa­zê-lo de­cen­te­men­te¹. A tra­gé­dia per­se­guiu o can­tor por to­da a sua vi­da; ele re­lem­bra­va cons­tan­te­men­te co­mo se­ria se Jes­se es­ti­ves­se vi­vo, ao la­do da fa­mí­lia; o quão im­por­tan­te e es­pe­ci­al se­ria o la­ço en­tre os dois.

A edu­ca­ção de El­vis era bas­tan­te rí­gi­da; ele tra­ta­va a to­dos os adul­tos por se­nhor e se­nho­ra, re­gras im­pos­tas des­de mui­to ce­do

por seus pais. Era ex­tre­ma­men­te ape­ga­do à sua mãe, que o tra­ta­va com cui­da­do e ca­ri­nho ex­tre­mos. Seu pai, Ver­non, era um ho­mem mui­to ba­ta­lha­dor e fa­zia de tu­do pa­ra me­lho­rar a si­tu­a­ção da fa­mí­lia. Eles não ti­nham am­bi­ções fi­nan­cei­ras, so­nhan­do ape­nas em ter o su­fi­ci­en­te pa­ra que a fa­mí­lia vi­ves­se em um lar res­pei­to­so.

El­vis e seu pri­mei­ro vi­o­lão

Em 1945, com ape­nas 10 anos de ida­de, El­vis par­ti­ci­pou de um con­cur­so de ta­len­tos es­pe­ci­al do Dia das Cri­an­ças, em Mis­sis­si­pi. É ine­gá­vel re­co­nhe­cer que a mú­si­ca sem­pre es­te­ve nas vei­as de El­vis; se­gun­do re­la­tos de sua mãe, qu­an­do ti­nha dois anos de ida­de, ele já sal­ta­va de seu co­lo du­ran­te as reu­niões da igre­ja en­quan­to o co­ral en­to­a­va as can­ções² (por mais que fos­se mui­to pe­que­no pa­ra can­tar as le­tras per­fei­ta­men­te, can­ta­ro­la­va su­as me­lo­di­as). Ele es­co­lheu a can­ção Old She­ep, do can­tor Red Fo­ley, pa­ra fa­zer uma apre­sen­ta­ção à ca­pe­la em fren­te à sua pri­mei­ra pla­teia. Com uma in­ter­pre­ta­ção sim­ples, po­rém, to­can­te, con­se­guiu fi­car em quin­to lu­gar. Ao com­ple­tar 11 anos de ida­de, ga­nhou o seu pri­mei­ro vi­o­lão, que apren­deu a to­car com a aju­da de seus ti­os – que o en­co­ra­ja­ram, mais tar­de, a fa­zer apre­sen­ta­ções na igre­ja. El­vis e seu vi­o­lão se tor­na­ram com­pa­nhei­ros in­se­pa­rá­veis; ele o le­va­va até pa­ra a es­co­la, on­de to­ca­va nos in­ter­va­los, atrain­do a aten­ção de ro­di­nhas de es­tu­dan­tes que pa­ra­vam pa­ra vê-lo. Em 1948, a fa­mí­lia Presley re­sol­veu se mu­dar pa­ra Memphis, bus­can­do por no­vas opor­tu­ni­da­des; lá, eles con­se­gui­ram o que al­me­ja­vam: em­pre­gos me­lho­res, uma ca­sa mai­or fi­nan­ci­a­da pe­lo go­ver­no e uma edu­ca­ção mais apro­pri­a­da pa­ra El­vis – o que eles não ima­gi­na­vam, é que ali es­ta­ria re­ser­va­da a mai­or opor­tu­ni­da­de da vi­da de seu fi­lho; uma pe­que­na gra­va­do­ra cha­ma­va Sun Re­cords, fun­da­da pe­lo pro­du­tor mu­si­cal e com­po­si­tor Sam Phi­lips e fa­mo­sa por gra­var, em mai­o­ria, com ar­tis­tas ne­gros (e que pro­du­zia dis­cos in­de­pen­den­tes pe­lo va­lor de oi­to dó­la­res e vin­te e cin­co cen­ta­vos, o que, é cla­ro, atraiu a aten­ção do can­tor.

Um pre­sen­te pa­ra Gladys

– e to­das as se­guin­tes ge­ra­ções

Con­for­me foi cres­cen­do e con­se­guin­do al­guns em­pre­gos – co­mo mo­to­ris­ta de ca­mi­nhão, em­pa­co­ta­dor e lan­ter­ni­nha de ci­ne­ma -, El­vis foi mo­di­fi­can­do o seu es­ti­lo; ele sem­pre fo­ra des­cri­to co­mo um jo­vem tí­mi­do e so­li­tá­rio, e se ins­pi­ra­va em rou­pas mo­der­nas³ e di­fe­ren­ci­a­das das que es­ta­va acos­tu­ma­do a usar. Seu ca­be­lo tam­bém pas­sou cha­mar a aten­ção; ele o man­ti­nha com um al­to e lus­tro­so to­pe­te! Usa­va par­te de seu sa­lá­rio pa­ra si e a ou­tra me­ta­de pa­ra aju­dar no or­ça­men­to de ca­sa. Em um dia co­mum (não pa­ra a his­tó­ria da mú­si­ca), El­vis se lem­brou de que o ani­ver­sá­rio de Gladys es­ta­va se apro­xi­man­do e re­sol­veu dar de pre­sen­te à mãe um dis­co gra­va­do por ele mes­mo. Foi qu­an­do se di­ri­giu até a Sun Re­cords e ex­pres­sou ao seu de­se­jo à Ma­ri­on Keis­ker, uma fa­mo­sa lo­cu­to­ra de rá­dio que tra­ba­lha­va no lo­cal. El­vis es­ta­va de­ter­mi­na­do de que ha­ve­ria al­gu­ma opor­tu­ni­da­de pa­ra ele se fir­mar em al­gu­ma banda, e dis­pos­to a ten­tar se­guir uma car­rei­ra na mú­si­ca. Em cer­ta oca­sião, Ma­ri­on o fez du­as per­gun­tas... A pri­mei­ra foi: “O que vo­cê can­ta?”, e, a se­gun­da: “Com quem vo­cê se pa­re­ce?”. A pri­mei­ra res­pos­ta, vin­da de um in­se­gu­ro e tí­mi­do El­vis, foi: “Eu can­to de tu­do”. A se­gun­da res­pos­ta, não po­de­ria ter si­do mais cor­re­ta e ver­da­dei­ra: “Eu não me pa­re­ço com nin­guém”. El­vis era úni­co e sem­pre sou­be dis­so.

1 Mais tar­de, qu­an­do El­vis ad­qui­riu Gra­ce­land, le­vou o cor­po de Jes­se Ga­ron à pro­pri­e­da­de, no cha­ma­do Jar­dim da Me­di­ta­ção (que, pos­te­ri­or­men­te, tam­bém re­ce­beu os cor­pos de sua mãe, da avó, do pró­prio Rei e de seu pai. Ele di­zia sen­tir uma gran­de paz no lo­cal, e era on­de ti­nha seus mo­men­tos ín­ti­mos de in­tros­pec­ção e de fé.

2 A mú­si­ca gos­pel sem­pre fez par­te da vi­da de El­vis. Mais tar­de, ele gra­vou um CD uni­ca­men­te com es­se gê­ne­ro, e em seus shows fa­zia ques­tão de en­to­ar as emo­ci­o­nan­tes can­ções. Bridge Over Trou­ble Wa­ter e An Ame­ri­can Tri­o­logy são al­gu­mas das que mais se des­ta­ca­ram na voz do can­tor.

3 Pris­cil­la Be­au­li­eu Presley, fu­tu­ra es­po­sa do can­tor, re­ve­lou pos­te­ri­or­men­te em seu li­vro – El­vis And Me (El­vis E Eu, em por­tu­guês) – que o can­tor de­tes­ta­va usar je­ans. Is­so se deu por con­ta de que o te­ci­do era mui­to ba­ra­to na épo­ca em que ele e a fa­mí­lia não ti­nham di­nhei­ro o su­fi­ci­en­te pa­ra com­prar no­vas e bo­as rou­pas e, por is­so, qu­an­do me­lho­rou a si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra, El­vis pas­sou a com­prar cal­ças de di­fe­ren­tes te­ci­dos, vol­tan­do a usar je­ans ape­nas nas gra­va­ções de seus fil­mes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.