NO­TO­RI­E­DA­DE

Após de­co­lar na car­rei­ra mu­si­cal, El­vis fez um tes­te pa­ra es­tre­lar seu pri­mei­ro fil­me, Lo­ve Me Ten­der (no Bra­sil, Ama-Me Com Ter­nu­ra), o que deu iní­cio às qua­tro me­lho­res atu­a­ções de to­da a sua car­rei­ra

Grandes ídolos do Rock - Elvis (40 anos) - - ÍNDICE -

As apre­sen­ta­ções de El­vis na te­le­vi­são que­bra­ram to­dos os re­cor­des de au­di­ên­cia pos­sí­veis, mas nem tu­do foi um “mar de ro­sas”. As apre­sen­ta­ções con­si­de­ra­das ex­plo­si­vas do can­tor não agra­da­vam aos pais do pú­bli­co que mais era atraí­do por ele – os ado­les­cen­tes – e nos jor­nais de to­do o país o des­con­ten­ta­men­to com a “má in­fluên­cia” exer­ci­da por El­vis eram a man­che­tes prin­ci­pais. A “El­vis­ma­nia” to­mou o país, mas as crí­ti­cas ao es­ti­lo do can­tor con­ti­nu­a­vam em al­ta. Nas en­tre­vis­tas da épo­ca, ele re­for­ça­va que ha­via si­do cri­a­do em um lar mui­to res­pei­to­so, e que não en­xer­ga­va na­da de er­ra­do em su­as apre­sen­ta­ções. Mas, a ver­da­de, é que ele che­gou a ser cen­su­ra­do: a pri­mei­ra vez em 1956, no pro­gra­ma The Ste­ve Al­len Show e, a se­gun­da, em 1957, no The Ed Sul­li­van Show: o as­tro foi fil­ma­do ape­nas na cin­tu­ra pa­ra ci­ma¹. Es­sas si­tu­a­ções não aba­la­ram a con­fi­an­ça do can­tor, que dei­xa­va mui­to cla­ra a von­ta­de de con­ti­nu­ar sen­do ele mes­mo, in­de­pen­den­te­men­te da opi­nião que as ou­tras pes­so­as ti­nham so­bre su­as per­for­man­ces. E foi após o ca­ris­ma, a be­le­za e o ta­len­to de El­vis cha­ma­rem tan­to a aten­ção dos te­les­pec­ta­do­res que sur­giu sua pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de nas te­lo­nas. Ini­ci­ou-se, as­sim, a vi­da de es­tre­la de ci­ne­ma do es­pe­ta­cu­lar e con­sa­gra­do rockstar.

Ao es­ti­lo Ja­mes De­an

O ator aca­ba­ra de mor­rer tra­gi­ca­men­te qu­an­do a pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de de El­vis es­tre­ar nas te­lo­nas sur­giu. Qu­an­do ele era lan­ter­ni­nha de ci­ne­ma, de­co­ra­va to­das as fa­las dos fil­mes que as­sis­tia, ins­pi­ran­do-se, prin­ci­pal­men­te, nos as­tros jo­vens da épo­ca: Ja­mes De­an e Mar­lon Bran­do. Ele foi vis­to pe­los pro­du­to­res do ci­ne­ma co­mo uma ex­ce­len­te ma­nei­ra de al­can­çar bons nú­me­ros de bi­lhe­te­ria, já que sua ima­gem de “re­bel­de”, o ta­len­to mu­si­cal in­com­pa­rá­vel e a boa apa­rên­cia era a fór­mu­la per­fei­ta pa­ra ca­ti­var ain­da mais o pú­bli­co jo­vem. O en­re­do do pri­mei­ro fil­me, Lo­ve Me Ten­der, dei­xou El­vis ex­ta­si­a­do; sem­pre foi seu so­nho se­guir car­rei­ra ci­ne­ma­to­grá­fi­ca e, o que lhe agra­da­va mais ain­da, era o fa­to de nú­me­ros mu­si­cais não fa­ze­rem par­te da pro­du­ção (pe­lo me­nos, não por en­quan­to). Qu­an­do foi di­to que ele te­ria que can­tar a

mú­si­ca prin­ci­pal da tra­ma, que da­ria no­me ao fil­me (e, mais tar­de, se tor­na­ria uma das ba­la­das mais fa­mo­sas de to­dos os tem­pos), El­vis fi­cou mui­to cha­te­a­do, de­sa­ba­fan­do por te­le­fo­ne com sua na­mo­ra­da da épo­ca, Ju­ne Ju­a­ni­co, que ou­viu uma ver­são à ca­pe­la na­que­le mes­mo te­le­fo­ne­ma e amou, en­co­ra­jan­do o na­mo­ra­do a se­guir em fren­te. Mais tar­de, ou­tras du­as can­ções fo­ram in­se­ri­das no ro­tei­ro, e El­vis, ain­da que con­tra­ri­a­do, te­ve que gra­vá-las².

A as­cen­são no ci­ne­ma

(e a in­ter­rup­ção do exér­ci­to)

Os três fil­mes se­guin­tes são, até os di­as de ho­je, con­si­de­ra­dos os me­lho­res da car­rei­ra ci­ne­ma­to­grá­fi­ca de El­vis. Lo­ving You (no Bra­sil, A Mu­lher Que Eu Amo), Jai­lhou­se Rock (O Pri­si­o­nei­ro Do Rock) e King Cre­o­le (Ba­la­da San­gren­ta), as­sim co­mo Lo­ve me Ten­der, al­can­ça­ram de nú­me­ros sa­tis­fa­tó­ri­os a es­pe­ta­cu­la­res nas bi­lhe­te­ri­as. Em Lo­ving You, as apre­sen­ta­ções mu­si­cais de El­vis são im­pe­cá­veis e ca­ti­van­tes, além de ter­mos a opor­tu­ni­da­de de o ver­mos co­mo um sim­ples mo­to­ris­ta de ca­mi­nhão em su­as in­se­pa­rá­veis cal­ças je­ans – a ima­gem per­fei­ta de co­mo ele era an­tes de atin­gir o es­tre­la­to. Já em Jai­lhou­se Rock, além de mos­trar um sal­to sig­ni­fi­can­te na qua­li­da­de de sua in­ter­pre­ta­ção, El­vis ain­da nos pre­sen­teia com um in­crí­vel – e len­dá­rio – nú­me­ro de dan­ça ves­ti­do de pri­si­o­nei­ro (que, mais tar­de, foi con­si­de­ra­do o pri­mei­ro vi­de­o­cli­pe de rock da his­tó­ria da mú­si­ca). O es­pe­ci­al e in­com­pa­rá­vel King Cre­o­le foi o fil­me mais acla­ma­do da vi­da ar­tís­ti­ca do Rei. Ele se­ria ofe­re­ci­do à Ja­mes De­an, que não che­gou a re­ce­ber o con­vi­te por con­ta da mor­te pre­ma­tu­ra; e El­vis se en­cai­xou tão per­fei­ta­men­te no pa­pel, que o pro­ta­go­nis­ta pa­re­cia ter si­do es­cri­to pa­ra ele des­de o iní­cio (em­bo­ra uma adap­ta­ção es­pe­ci­al te­nha si­do fei­ta: o per­so­na­gem prin­ci­pal, Danny Fisher, era, ori­gi­nal­men­te, um bo­xe­a­dor, e não um can­tor). Só que a car­rei­ra do as­tro pas­sou por um di­vi­sor de águas an­tes que King Cre­o­le pu­des­se ter su­as gra­va­ções fi­na­li­za­das: El­vis foi con­vo­ca­do pa­ra ser­vir o exér­ci­to³, fa­to que po­de­ria ter si­do fa­cil­men­te ne­go­ci­a­do pe­lo Co­ro­nel Tom Par­ker. Só que, as­sim co­mo fa­zia com to­dos os acon­te­ci­men­tos da vi­da do can­tor, ele tam­bém viu em sua con­vo­ca­ção uma jo­ga­da de mar­ke­ting. Co­mo? El­vis me­lho­ra­ria as opi­niões que ti­nham a res­pei­to de­le, mos­tran­do-se um ra­paz sé­rio e que hon­ra­va o seu país. Os even­tos que se de­ram du­ran­te o pe­río­do de dois anos os quais Presley fi­cou afas­ta­do de Memphis mu­da­ram pa­ra sem­pre a sua vi­da – e a sua car­rei­ra no ci­ne­ma.

Anos mais tar­de, em uma co­le­ti­va que mar­ca­va o re­tor­no triunfal do Rei aos pal­cos após al­guns anos sen­do vis­to ape­nas nas te­las do

1 ci­ne­ma, El­vis brin­cou com os epi­só­di­os de cen­su­ra do seu pas­sa­do: “Pe­lo me­nos, ago­ra eu pos­so ser vis­to de cor­po in­tei­ro!”, dis­se, le­van­do os jor­na­lis­tas aos ri­sos. Na épo­ca, ele fe­chou um con­tra­to pa­ra se apre­sen­tar du­ran­te um lon­go pe­río­do em um dos mais ca­ros ho­téis de Las Ve­gas, por um va­lor mi­li­o­ná­rio.

El­vis te­mia que, por ter nú­me­ros mu­si­cais no en­re­do, seus fil­mes não fos­sem le­va­dos a sé­rio. Ele era um ator de­di­ca­do e gos­ta­ria de 2 re­ce­ber seu me­re­ci­men­to pe­lo no­vo e tão al­me­ja­do tra­ba­lho. No en­tan­to, es­sa tá­ti­ca era a jo­ga­da de mar­ke­ting per­fei­ta pa­ra o Co­ro­nel: en­quan­to os nú­me­ros de bi­lhe­te­ria cres­ci­am, as ven­das dos dis­cos tri­pli­ca­vam – e o di­nhei­ro en­tra­va co­mo água.

A mí­dia fi­cou eu­fó­ri­ca com a apre­sen­ta­ção de El­vis ao exér­ci­to. E, acre­di­te ou não, a mai­or pre­o­cu­pa­ção dos jor­na­lis­tas que o en­tre­vis­ta­va 3 era co­mo ele iria re­a­gir ao no­vo cor­te de ca­be­lo. Presley res­pon­dia àque­las per­gun­tas di­zen­do que lo­go os fi­os cres­ce­ri­am no­va­men­te, e que se­ria uma gran­de hon­ra ser­vir o seu país. Fotos de­le com far­da e com a má­qui­na sen­do pas­sa­da nos ca­be­los to­ma­vam as pri­mei­ras pá­gi­nas dos jor­nais da épo­ca. Foi um gran­de even­to.

El­vis em King Cre­o­le

O as­tro em Jai­lhou­se Rock

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.