ES­TRE­LA DE CI­NE­MA

Du­ran­te qua­se uma dé­ca­da – de 1960 a 1969 -, El­vis fez 27 fil­mes. E, em­bo­ra o ar­tis­ta te­nha si­do sinô­ni­mo e ga­ran­tia de ven­da­gem nas bi­lhe­te­ri­as, es­se não era o ru­mo que ele mais de­se­ja­va pa­ra sua car­rei­ra

Grandes ídolos do Rock - Elvis (40 anos) - - ÍNDICE -

El­vis que­ria fa­zer bons fil­mes. Mas, in­fe­liz­men­te, após es­tre­lar King Cre­o­le e re­tor­nar do exér­ci­to, os ro­tei­ros que lhe eram ofe­re­ci­dos não o dei­xa­vam sa­tis­fei­to, até por que mui­tas mú­si­cas eram in­cluí­das nos en­re­dos, fa­to que o dei­xa­va cha­te­a­do. Mes­mo as­sim, a vi­da de as­tro de Hollywo­od lhe ren­dia um óti­mo re­tor­no fi­nan­cei­ro, as­sim co­mo pa­ra o Co­ro­nel Par­ker (que che­gou a re­cu­sar bons ro­tei­ros por achar que a fór­mu­la que El­vis es­ta­va acos­tu­ma­do a fa­zer da­ria me­lho­res lu­cros). Es­sa épo­ca se tor­nou bas­tan­te te­di­o­sa na vi­da do as­tro, que se afas­tou de vez dos pal­cos e pas­sou a vi­ver en­tre Hollywo­od e Gra­ce­land, ape­nas. No en­tan­to, seus fil­mes mar­ca­ram uma ge­ra­ção: ga­ran­tia de bo­as gar­ga­lha­das, as fil­ma­gens era a úni­ca ma­nei­ra que os fãs ti­nham de se apro­xi­mar de El­vis. E as sessões nos ci­ne­mas es­ta­vam sem­pre lo­ta­das!

Só há um fil­me em que El­vis não can­ta ne­nhu­ma can­ção em ce­na: “Char­ro!”. Além dis­so, ou­tro fa­to cu­ri­o­so mar­cou o fil­me: o as­tro apa­re­cia, pe­la pri­mei­ra vez em pú­bli­co, de bar­ba!

Fór­mu­la de su­ces­so – po­rém, re­pe­ti­da à exaus­tão

Ba­si­ca­men­te, qua­se to­dos os fil­mes de El­vis po­dem ser re­su­mi­dos da mes­ma ma­nei­ra: ele ti­nha uma pro­fis­são cu­ri­o­sa e ou­sa­da, co­mo pi­lo­to de avião, es­pião, mer­gu­lha­dor... E, é cla­ro, mui­tas ga­ro­tas bo­ni­tas es­ta­vam en­vol­vi­das em sua aven­tu­ras e con­fu­sões! O su­ces­so era cer­ta con­sequên­cia: os di­re­to­res da épo­ca cos­tu­ma­vam di­zer que, se ha­via El­vis no fil­me, a ven­da­gem era ga­ran­ti­da. E re­al­men­te era, em­bo­ra a crí­ti­ca não apre­ci­as­se o es­ti­lo dos tra­ba­lhos.

Mas nem tu­do era só ri­sa­da

El­vis tam­bém es­tre­ou al­guns dra­mas. Um dos mais fa­mo­sos é Fla­ming Star, no qual ele in­ter­pre­ta um des­cen­den­te de ín­dio. No en­re­do, seu pai é um ho­mem bran­co e sua mãe é de des­cen­dên­cia in­dí­ge­na. Bem ela­bo­ra­do e com um to­que dra­má­ti­co mui­to con­vin­cen­te, El­vis se mos­tra mui­to mais ama­du­re­ci­do co­mo ator. O fil­me re­tra­ta a ri­va­li­da­de en­tre os ho­mens bran­cos e os ín­di­os e, o per­so­na­gem prin­ci­pal, Pa­cer Bur­ton, fi­ca bem no meio des­se con­fli­to. Com ba­ta­lhas e ce­nas emo­ci­o­nan­tes cen­tra­das na fa­mí­lia, é um tra­ba­lho que va­le mui­to a pe­na as­sis­tir. Wild In The Coun­try é ou­tro exem­plo de atu­a­ção dra­má­ti­ca do Rei: se tra­ta de sua pro­du­ção me­nos mu­si­cal. Por não ter ido bem nas bi­lhe­te­ri­as, foi to­ma­da a de­ci­são de que ele vol­ta­ria a atu­ar so­men­te em mu­si­cais di­ver­ti­dos e que mos­tras­sem o la­do cô­mi­co do as­tro.

Do­cu­men­tá­ri­os em vi­da

Após (re)con­quis­tar o mun­do de vez com o re­tor­no triunfal aos pal­cos - após o es­pe­ci­al de te­vê ’68 Co­me­back Spe­ci­al -, o Rei re­tor­nou aos ci­ne­mas, des­ta vez, de uma ma­nei­ra di­fe­ren­te: mos­tran­do os bas­ti­do­res de sua vi­da co­mo can­tor. El­vis: That's The Way It Is (tra­du­zi­do, em por­tu­guês, El­vis: Es­te É o Jei­to Que Ele É) foi lan­ça­do em 1970, lo­tan­do to­das as sessões de ci­ne­ma dis­po­ní­veis. Foi um gran­de su­ces­so e um mar­co na car­rei­ra do ar­tis­ta, pois, além das per­for­man­ces mu­si­cais, as di­ver­ti­das brin­ca­dei­ras de­le com os mú­si­cos e com pla­teia mos­tra­va um El­vis que ain­da não era co­nhe­ci­do pe­lo pú­bli­co; em um mo­men­to len­dá­rio, ele ini­cia a apre­sen­ta­ção de Lo­ve me Ten­der com uma mi­nús­cu­la gui­tar­ra, fa­zen­do uma di­ver­ti­da re­fe­rên­cia so­bre ser mui­to jo­vem na épo­ca do lan­ça­men­to do fil­me. Já El­vis on Tour foi lan­ça­do em 1972, ten­do o pró­prio El­vis co­mo di­re­tor mu­si­cal. O su­ces­so foi tão gran­de, que con­quis­tou um Glo­bo de Ou­ro ,a ca­te­go­ria Me­lhor Do­cu­men­tá­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.