TEM­PO DE MU­DAN­ÇAS

A ida ao exér­ci­to, a mor­te de sua mãe e a che­ga­da de Pris­cil­la: es­ses três mar­cos im­por­tan­tes mu­da­ram o ru­mo da vi­da pes­so­al e da car­rei­ra de El­vis pa­ra sem­pre

Grandes ídolos do Rock - Elvis (40 anos) - - ÍNDICE -

Qu­an­do El­vis foi con­vo­ca­do pa­ra ser­vir ao Exér­ci­to, sua avó Min­nie, e seu pai, Ver­non, fo­ram com ele. Gladys fi­cou em Memphis, já que sua saú­de não ia mui­to bem; ca­da dia me­nos dis­pos­ta, a mãe de El­vis mal ima­gi­na­va que es­ta­ria se afas­tan­do do fi­lho de vez¹. Ele ser­viu o Exér­ci­to nor­te-ame­ri­ca­no na Ale­ma­nha, e in­te­grou o tri­gé­si­mo se­gun­do Ba­ta­lhão de Tan­ques da Ter­cei­ra Di­vi­são Blin­da­da. Lá, atu­ou co­mo mo­to­ris­ta do ji­pe dos co­man­dan­tes. Sua permanência foi de um ano e meio, e foi du­ran­te es­sa fa­se que ele co­nhe­ceu a mu­lher que, da­li em di­an­te, nun­ca mais dei­xa­ria de fa­zer par­te da sua vi­da: Pris­cil­la Ann Wag­ner Be­au­li­eu.

Per­da di­fí­cil

El­vis sou­be que a saú­de de Gladys não ia mui­to bem, e pe­diu li­cen­ça pa­ra o exér­ci­to pa­ra que pu­des­se vi­si­tá-la; ela fa­le­ceu dois di­as de­pois, dei­xan­do o as­tro ex­tre­ma­men­te aba­la­do. A mor­te de sua mãe foi um mar­co ja­mais su­pe­ra­do em to­da a sua car­rei­ra. El­vis di­zia que ela era a úni­ca que lhe com­pre­en­dia to­tal­men­te, acor­dan­do, por exem­plo, a qual­quer ho­ra da ma­dru­ga­da que fos­se pa­ra que seu fi­lho pu­des­se de­sa­ba­far. O ar­tis­ta tam­bém deu um Ca­dil­lac ro­sa es­pe­ci­al de pre­sen­te à Gladys, as­sim que co­me­çou a ga­nhar di­nhei­ro com mú­si­ca. Fa­zê-la fe­liz era a sua mai­or pri­o­ri­da­de, e a mor­te pre­co­ce da­que­la que mais ama­va trans­for­mou a per­so­na­li­da­de do as­tro. Ami­gos pró­xi­mos e pa­ren­tes re­la­ta­ram que ele nun­ca mais foi o mes­mo após o seu fa­le­ci­men­to.

A me­ni­na dos olhos

Qu­an­do vol­tou ao exér­ci­to, El­vis es­ta­va, de cer­ta for­ma, ali­vi­a­do por se afas­tar de Memphis após a mor­te de Gladys, pa­ra ten­tar ali­vi­ar as lem­bran­ças da mãe e li­dar me­lhor com o lu­to. Ele con­se­guiu per­mis­são pa­ra se hos­pe­dar fo­ra da ba­se mi­li­tar. En­tão, ele, seu pai e sua avó alu­ga­ram uma ca­sa pa­ra que pu­des­sem vi­ver com mai­or pri­va­ci­da­de. Es­sa ca­sa vi­via ro­de­a­da de ami­gos e de fãs em seus por­tões, que El­vis fa­zia ques­tão de aten­der. Um ca­sal de ami­gos que fre­quen­ta­va a ca­sa te­ve a bri­lhan­te ideia de apre­sen­tar ao can­tor uma pes­soa com quem pu­des­se con­ver­sar e fa­zer ami­za­de, pois El­vis sen­tia fal­ta de ter con­ta­to com jo­vens ame­ri­ca­nos. E a jo­vem e bela Pris­cil­la Be­au­li­eu foi a es­co­lhi­da. Com ape­nas 14 anos (El­vis, na épo­ca, ti­nha 24), ela te­ve a per­mis­são de seus pais pa­ra que fos­se vi­si­tar o as­tro, cu­jo pai1 – que aca­ba­ra de ser trans­fe­ri­do pa­ra o exér­ci­to ale­mão – ha­via da­do de pre­sen­te à fi­lha um dis­co. Tu­do foi mui­to bem ar­qui­te­ta­do: Pris­cil­la se­ria le­va­da e tra­zi­da pe­lo ca­sal de adul­tos, e a ho­ra do re­tor­no se­ria ce­do. Seus pais a dei­xa­ram ir por­que a jo­vem es­ta­va se sen­tin­do tris­te e sem ami­gos, pois aca­ba­ra de mu­dar de país e não ti­nha mui­to con­ta­to com as pes­so­as de sua ida­de. A vi­si­ta ao jo­vem as­tro tra­ria um pou­co de fe­li­ci­da­de à fi­lha; só que eles não ima­gi­na­vam que os dois se apai­xo­na­ri­am per­di­da­men­te, e aque­les se­ri­am os me­ses de um amor jo­vem mui­to in­ten­so.

Da pri­mei­ra noi­te à des­pe­di­da

Pris­cil­la che­gou bem tí­mi­da na ca­sa dos Presley, mas lo­go El­vis no­tou a sua pre­sen­ça den­tre tan­tas pes­so­as que lhe ou­vi­am to­car pi­a­no e can­tar. Ela se lem­bra de ter sen­ti­do que a can­ção que ele to­ca­va era es­pe­ci­al­men­te pa­ra ela, e, co­mo não po­de­ria ser di­fe­ren­te, ele veio con­ver­sar com a jo­vem e en­can­ta­do­ra que avis­tou. Co­me­çou ali uma gran­de ami­za­de² en­tre os dois, já que o as­tro cos­tu­ma­va de­sa­ba­far com ela as su­as do­res e in­se­gu­ran­ças mais ín­ti­mas. Os pais de Pris­cil­la ti­ve­ram que ce­der o na­mo­ro en­tre os dois mes­mo con­tra­ri­a­dos,

No li­vro El­vis and Me, Pris­cil­la nar­ra a his­tó­ria de sua vi­da com o as­tro, de seu pon­to de vis­ta. Mas a nar­ra­ti­va tam­bém in­clui al­guns fa­tos

1 mar­can­tes de sua vi­da pes­so­al, co­mo o fa­to de des­co­brir ape­nas na ado­les­cên­cia que seu pai não era ver­da­dei­ra­men­te seu; ao en­con­trar uma fo­to de sua mãe com um be­bê no co­lo ao la­do de um bo­ni­to sol­da­do, bem di­fe­ren­te da­que­le que co­nhe­cia co­mo pai, ela se sen­tiu com­ple­ta­men­te aba­la­da, mas foi im­pe­di­da pe­la mãe de con­tar que sa­bia da ver­da­de. De fa­to, o pai ado­ti­vo era ex­tre­ma­men­te ca­ri­nho­so com ela, lhe pro­por­ci­o­nan­do tu­do o que lhe ca­bia pa­ra sua fe­li­ci­da­de.

Após a mor­te de sua mãe, El­vis con­fes­sou à na­mo­ra­da Pris­cil­la que se sen­tia mui­to cul­pa­do de tê-la dei­xa­do pa­ra ir ao exér­ci­to, pois ele

2 acre­di­ta­va que a tris­te­za em fi­car lon­ge do úni­co fi­lho con­tri­buiu pa­ra sua mor­te. Ele nun­ca se per­do­ou, du­ran­te to­da a sua vi­da. Um dos mo­ti­vos por ele ter se apai­xo­na­do por Pris­cil­la, se­gun­do ela re­la­ta em seu li­vro, era a se­me­lhan­ça e a ter­nu­ra que as du­as ti­nham em co­mum.

pois ela es­ta­va to­tal­men­te de­ci­di­da so­bre o que que­ria, e na­da a fa­ria mu­dar de ideia. El­vis, sem­pre mui­to cor­tês e res­pei­to­so, fez ques­tão de ir até à re­si­dên­cia dos Be­au­li­eu, acom­pa­nha­do de seu pai, Ver­non, pa­ra es­cla­re­cer as su­as re­ais in­ten­ções em re­la­ção ao na­mo­ro. A par­ti­da do can­tor pa­ra Memphis aba­lou a jo­vem in­ten­sa­men­te. Acom­pa­nhan­do-o até ao ae­ro­por­to, lo­ta­do de fãs en­lou­que­ci­das, ga­nhou de pre­sen­te a ja­que­ta de com­ba­te do na­mo­ra­do, co­mo uma pro­mes­sa de que os dois vol­ta­ri­am a se ver. Ela ain­da não sa­bia, mas al­guns anos de­pois se tor­na­ria a se­nho­ra Presley – úni­ca e es­pe­ci­al.

A vol­ta pa­ra Memphis

Qu­an­do fi­nal­men­te re­tor­nou da Ale­ma­nha, El­vis par­ti­ci­pou de al­gu­mas co­le­ti­vas de im­pren­sa – al­gu­mas, in­clu­si­ve, que po­dem ser en­con­tra­das até ho­je em boa qua­li­da­de de áu­dio e ví­deo. Ele res­pon­deu as dú­vi­das in­qui­e­tan­tes so­bre o que fa­ria da car­rei­ra a par­tir da­li, co­mo ha­via si­do a sua ex­pe­ri­ên­cia des­se úl­ti­mo pe­río­do e se ha­via dei­xa­do mui­tos co­ra­ções par­ti­dos por lá. Acon­te­ce que os ta­bloi­des no­ti­ci­a­vam in­ces­san­te­men­te a “ga­ro­ta que El­vis dei­xou pa­ra trás” em su­as man­che­tes, com fotos de Pris­cil­la o acom­pa­nhan­do no ae­ro­por­to. Ele con­fir­mou que a co­nhe­ceu, e dis­se que pas­sou a mai­or par­te do tem­po de la­zer em sua com­pa­nhia, mas ne­gou que ti­nha si­do um gran­de ro­man­ce, di­zen­do que não ha­via na­da de es­pe­ci­al en­tre eles.

“Não foi na­da es­pe­ci­al. Ha­via ape­nas uma ga­ro­ta com quem eu saía lá, e o pai de­la era da For­ça aé­rea. Eles che­ga­ram lá dois me­ses an­tes de eu par­tir, e ela es­ta­va lá, no ae­ro­por­to, qu­an­do eu vol­tei. Há al­gu­mas fotos de­la (ri­sos). Mas não foi um gran­de ro­man­ce. Es­sa his­tó­ria da ‘ga­ro­ta que ele dei­xou pa­ra trás... Não foi bem as­sim. (Ri­sos). Eu pre­ci­so to­mar cui­da­do ao res­pon­der as per­gun­tas de vo­cês!”, dis­se El­vis, em uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa em Gra­ce­land, ao re­tor­nar do exér­ci­to

O tão co­men­ta­do (e aguar­da­do) cor­te de ca­be­lo pa­ra o exér­ci­to

El­vis e Pris­cil­la a ca­mi­nho do ae­ro­por­to, em sua des­pe­di­da da Ale­ma­nha

El­vis era sem­pre mui­to ca­ri­nho­so com a mãe, Gladys

El­vis em ava­li­a­ção fí­si­ca do exér­ci­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.