REINVENTANDO-SE

El­vis NBC TV Spe­ci­al foi a ce­re­ja do bo­lo da car­rei­ra do ar­tis­ta. Era tu­do o que ele pre­ci­sa­va pa­ra mos­trar que nun­ca ha­via dei­xa­do de ser um gran­de – ou o mai­or – rockstar de to­dos os tem­pos

Grandes ídolos do Rock - Elvis (40 anos) - - ÍNDICE -

Oa­no era 1968, e o mun­do pas­sa­va por uma gran­de per­da: o as­sas­si­na­to de Mar­tin Luther King. Qu­an­do o es­pe­ci­al foi ao ar, a po­pu­la­ção pre­ci­sa­va de uma pa­la­vra de es­pe­ran­ça e de aco­lhi­men­to, pa­pel cum­pri­do ma­jes­to­sa­men­te por El­vis na in­ter­pre­ta­ção de If I Can Dre­am (Se Eu Pu­der So­nhar) – co­nhe­ci­da, até os di­as de ho­je, co­mo uma das mais be­las can­ções já in­ter­pre­ta­das por ele (e de to­dos os tem­pos). Mas, além de me­xer com as emo­ções dos te­les­pec­ta­do­res nes­se sen­ti­do, o es­pe­ci­al de te­vê foi um gran­de mar­co na car­rei­ra de El­vis, pois ele es­ta­va afas­ta­do dos pal­cos por um pe­río­do de oi­to anos.

El­vis NBC TV Spe­ci­al – ou, co­mo é po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­do, ’68 Co­me­back Spe­ci­al, é clas­si­fi­ca­do co­mo o pri­mei­ro acús­ti­co da his­tó­ria re­gis­tra­do em ví­deo!

Era pa­ra ser bem di­fe­ren­te...

O Co­ro­nel Tom Par­ker ha­via ne­go­ci­a­do pa­ra El­vis um es­pe­ci­al de te­vê com te­ma na­ta­li­no, ou se­ja, ape­nas mú­si­cas des­sa te­má­ti­ca se­ri­am in­ter­pre­ta­das. Só que um jo­vem e ou­sa­do di­re­tor, cha­ma­do Ste­ve Bin­der, mu­dou to­tal­men­te o ru­mo do pro­je­to: ele pas­sa­ria a con­tar, em ce­nas le­ves de atu­a­ções em­ba­la­das por mú­si­cas di­ver­sas, a as­cen­são da car­rei­ra de El­vis com o pas­sar dos anos. Só que Ste­ve foi além; ao ob­ser­var o jei­to es­pon­tâ­neo e úni­co do as­tro nos ca­ma­rins com seus mú­si­cos, de­ci­diu que pú­bli­co de­ve­ria sa­ber co­mo ele era úni­co e es­pe­ci­al. E, se não bas­tas­se es­tar ali, ao vi­vo, após um hi­a­to de oi­to anos, Ste­ve su­ge­riu que o as­tro usas­se um aper­ta­do e mo­der­no ma­ca­cão fei­to de cou­ro. Além de trans­for­mar pa­ra sem­pre a ima­gem de El­vis, aque­las apre­sen­ta­ções se con­sa­gra­ram, na his­tó­ria da mú­si­ca, co­mo um gran­de mar­co de ou­sa­dia, ener­gia, e es­pon­ta­nei­da­de: re­nas­cia ali um no­vo El­vis; aque­le que ele sem­pre quis ser e que to­dos que­ri­am ver.

Ma­tu­ri­da­de ar­tís­ti­ca

El­vis es­ta­va bas­tan­te ner­vo­so¹ e in­se­gu­ro com seu re­tor­no aos pal­cos. Pris­cil­la Presley men­ci­o­na, em seu li­vro, que ele su­a­va tan­to que, du­ran­te os in­ter­va­los, o ma­ca­cão pre­to ti­nha que ser la­va­do e seco ra­pi­da­men­te. Du­ran­te a apre­sen­ta­ção, fo­ram apre­sen­ta­dos clás­si­cos dos anos 50, al­gu­mas can­ções da dé­ca­da de 1960 e, ain­da ou­tras, iné­di­tas. Al­gu­mas das que mais ga­nha­ram no­to­ri­e­da­de fo­ram: Ti­ger Man, Baby, What You Want Me To Do (em gra­va­ções di­ver­ti­dís­si­mas, di­ga-se de pas­sa­gem), Up Abo­ve My He­ad, Me­mo­ri­es (em que ele se sen­ta na bei­ra­da do pal­co e in­ter­pre­ta a can­ção lin­da­men­te pa­ra be­las ga­ro­tas es­co­lhi­das a de­do), a in­crí­vel e enér­gi­ca Trou­ble, em uma cons­tru­ção na­da ób­via com Gui­tar Man (que nar­ra­va a trajetória do as­tro) e as clás­si­cas que ja­mais po­de­ri­am es­tar de fo­ra, co­mo Blue Su­e­de Sho­es, All Sho­ok Up (um dos mo­men­tos mais in­crí­veis de to­da a apre­sen­ta­ção) Hound Dog e He­art­bre­a­ker Ho­tel.

As per­for­man­ces do es­pe­ci­al são clás­si­cas, em ce­ná­ri­os con­si­de­ra­dos mo­nu­men­tais. Os ar­ran­jos gran­di­o­sos de ca­da uma das can­ções fo­ram ela­bo­ra­dos pe­la com­pe­ten­te or­ques­tra da NBC

¹El­vis se sen­tou na sa­la prin­ci­pal de Gra­ce­land pa­ra as­sis­tir, ao la­do de seus ín­ti­mos, o gran­de re­tor­no

1 aos pal­cos. Du­ran­te to­da a exi­bi­ção, per­ma­ne­ceu mu­do, e Pris­cil­la con­tou que, ao ter­mi­nar, vi­si­vel­men­te ner­vo­so, per­gun­tou o que eles ha­vi­am acha­do. A re­pos­ta nem pre­ci­sou ser di­ta, pois os te­le­fo­nes da man­são não pa­ra­vam de to­car qu­an­do o es­pe­ci­al ter­mi­nou. El­vis sa­bia que ha­via si­do um su­ces­so, e re­cu­pe­rou sua con­fi­an­ça pa­ra can­tar ao vi­vo; e foi o que fez até o fim de seus di­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.