REI­NA­DO AB­SO­LU­TO

O iní­cio dos anos 70 mar­cou a con­so­li­da­ção de El­vis co­mo o úni­co ar­tis­ta em sua “li­ga”: in­su­pe­rá­vel, ele rei­na­va – e com van­ta­gem - co­mo o can­tor mais po­pu­lar e ad­mi­ra­do das úl­ti­mas dé­ca­das

Grandes ídolos do Rock - Elvis (40 anos) - - ÍNDICE -

Ele con­se­guiu, mais uma vez, se rein­ven­tar. Só que, des­ta vez, sua voz atin­gia o au­ge da be­le­za e da afi­na­ção, e seus hits vi­ra­ram ver­da­dei­ros hi­nos. El­vis vol­tou aos pal­cos no ano de 1969 e, nas co­le­ti­vas de im­pren­sa da épo­ca, fa­zia ques­tão de res­sal­tar o quan­to apre­ci­a­va se apre­sen­tar ao vi­vo; pa­ra ele, o con­ta­to com o pú­bli­co era a me­lhor e mais im­por­tan­te par­te de seu tra­ba­lho co­mo can­tor.

Mu­dan­ça de es­ti­lo

El­vis es­ta­va em ple­na for­ma: sau­dá­vel, ma­gro, e do­no de uma be­le­za im­pres­si­o­nan­te. Após uma de su­as apre­sen­ta­ções, che­gou a ser com­pa­ra­do, pe­lo jor­nal The New Work Ti­mes, co­mo um “prín­ci­pe de

ou­tro pla­ne­ta”. Não ha­via ne­nhum ar­tis­ta, na épo­ca, que pu­des­se su­pe­rá-lo. Ele rei­na­va por com­ple­to e, coin­ci­den­te­men­te ou não, pas­sou a se ves­tir co­mo um ver­da­dei­ro rei. A ins­pi­ra­ção pa­ra os tra­jes mais co­nhe­ci­dos de sua car­rei­ra vi­e­ram, se­gun­do ele mes­mo re­la­tou em uma sé­rie de en­tre­vis­tas, de qui­mo­nos utilizados no ka­ra­tê, sua ar­te mar­ci­al fa­vo­ri­ta. Es­sa era a ati­vi­da­de que El­vis mais gos­ta­va de pra­ti­car nas ho­ras li­vres (e ele re­al­men­te se acha­va mui­to bom nis­so!), e, por is­so, jul­ga­va o tra­je mui­to con­for­tá­vel. E, co­mo gos­ta­va de uti­li­zar al­guns gol­pes da ar­te em su­as apre­sen­ta­ções, seu es­ti­lis­ta pas­sou a cri­ar al­guns qui­mo­nos co­mo rou­pas pa­ra shows, que co­me­ça­ram sim­ples e, com o pas­sar dos anos, fo­ram fi­can­do ca­da vez mais ela­bo­ra­dos e ex­cên­tri­cos. Al­guns com ca­pa, ou­tros sem; com bri­lho, bor­da­dos de pás­sa­ros, bran­cos, azuis ou vermelhos: quan­to mais cha­ma­ti­vo, me­lhor!

Hi­nos con­sa­gra­dos

Foi nes­sa épo­ca que ele gra­vou as can­ções mais clás­si­cas de sua car­rei­ra: Sus­pi­ci­ous Minds (cu­jas in­ter­pre­ta­ções em­pol­ga­das, às ve­zes, ti­nham du­ra­ção de qua­se 10 mi­nu­tos), In The Gu­et­to, Don’t Cry Daddy, Bur­ning Lo­ve e mui­tas ou­tras. Era im­pos­sí­vel não se emo­ci­o­nar com a im­pe­cá­vel e enér­gi­ca re­gra­va­ção de You’ve Lost That Lo­ving Fe­e­ling, que pa­re­cia ter si­do fei­ta es­pe­ci­al­men­te pa­ra ele. O mes­mo acon­te­ceu com Bridge Over Trou­ble Wa­ter: am­bas fo­ram gra­va­das em 1970, vi­ran­do can­ções obri­ga­tó­ri­as nas apre­sen­ta­ções.

O iní­cio do fim

O ar­tis­ta pas­sou a vi­a­jar mui­to nes­sa épo­ca, já que ti­nha uma in­fi­ni­da­de de shows pa­ra cum­prir. Is­so fa­zia com que ele pas­sas­se mui­to tem­po lon­ge da es­po­sa e da fi­lha, cri­an­do uma on­da de cri­ses em seu ma­trimô­nio. E foi aí que co­me­çou ou­tro pon­to bai­xo na vi­da pes­so­al de El­vis – que, iro­ni­ca­men­te, es­ta­va no au­ge da car­rei­ra – o di­vór­cio de Pris­cil­la.

As apre­sen­ta­ções ele­tri­zan­tes do es­pe­ci­al fei­to em 1968 de­ram um no­vo ru­mo à car­rei­ra de Presley. Ele pas­sou exi­bir uma po­tên­cia vo­cal im­pres­si­o­nan­te, pro­van­do ser ca­paz de atin­gir as mais al­tas no­tas com fa­ci­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.