FA­SE COM­PLI­CA­DA

O pe­di­do de di­vór­cio pe­gou El­vis de sur­pre­sa e, a par­tir daí, ini­ci­a­va-se uma fa­se con­tur­ba­da na vi­da do can­tor; mas, em­bo­ra polêmicas es­ti­ves­sem ga­nhan­do des­ta­que, a vi­da pro­fis­si­o­nal do Rei triun­fa­va

Grandes ídolos do Rock - Elvis (40 anos) - - ÍNDICE -

As­sim co­mo qu­an­do per­deu sua mãe, após o afas­ta­men­to de Pris­cil­la, El­vis ja­mais foi o mes­mo. Ele es­ta­va na me­lhor fa­se de sua car­rei­ra, e, por con­ta dis­so, vi­a­ja­va mui­to. A es­po­sa co­me­çou a se sen­tir mui­to so­zi­nha (e des­co­briu inú­me­ras trai­ções), e os pre­sen­tes ca­ros da­dos por El­vis a ca­da re­tor­no não es­ta­vam su­prin­do sua au­sên­cia, co­mo ele ima­gi­na­va. Ca­sa­cos de pe­le, joi­as e flo­res já não a sa­tis­fa­zi­am mais; o as­tro, en­tão, con­tra­tou seu pro­fes­sor de ka­ra­tê pa­ra en­si­nar Pris­cil­la, pois, já que era uma ati­vi­da­de que ele gos­ta­va mui­to, ima­gi­nou que, se ela apren­des­se, os dois se apro­xi­ma­ri­am. Mas exa­ta­men­te o con­trá­rio acon­te­ceu: ela se apai­xo­nou por Mi­ke Sto­ne e aca­bou pe­din­do o di­vór­cio do Rei.

"Sem­pre em mi­nha men­te"

A can­ção Always On My Mind foi gra­va­da por Presley em 1972, al­guns me­ses após Pris­cil­la pe­dir o di­vór­cio tão ines­pe­ra­do. Em seus shows, prin­ci­pal­men­te no fim da car­rei­ra, El­vis ado­ra­va se abrir so­bre os seus sen­ti­men­tos mais ín­ti­mos com o pú­bli­co, o que po­de­ria to­mar uma gran­de par­te do es­pe­tá­cu­lo. Ele fa­zia ques­tão de res­sal­tar que a can­ção se tra­ta­va ape­nas de uma his­tó­ria de amor, e que não ha­via na­da em co­mum com sua vi­da pes­so­al. No en­tan­to, após a mor­te do can­tor, Pris­cil­la con­fes­sou que El­vis, pes­so­al­men­te, de­di­cou es­sa can­ção à ela, em um en­con­tro no qual até mes­mo o pai do can­tor es­ta­va pre­sen­te.

"De ma­nei­ras se­pa­ra­das"

Se­pa­ra­te Ways tam­bém foi uma can­ção que ex­pres­sa­va o sen­ti­men­to de El­vis so­bre a "per­da" de sua fa­mí­lia. Co-es­cri­ta por Red West, seu ami­go pes­so­al, a le­tra fa­la so­bre um ca­sal vi­ven­do de ma­nei­ras se­pa­ra­das, e co­mo is­so afe­ta­va o fi­lho de am­bos. Ela foi lan­ça­da jun­ta­men­te a Always On My Mind, e as du­as se tor­na­ram gran­des su­ces­sos. Red fi­cou

apre­en­si­vo qu­an­do mos­trou a can­ção pa­ra Presley, já que ima­gi­na­va que o can­tor não gos­ta­ria de can­tar al­go so­bre sua vi­da ín­ti­ma, que já es­ta­va sen­do tão ex­plo­ra­da pe­la mí­dia nos úl­ti­mos tem­pos. O can­tor sur­pre­en­deu e re­sol­veu gra­vá-la mes­mo as­sim.

Mas, a vi­da con­ti­nua...

... E, co­mo a car­rei­ra ia bem, El­vis te­ve que se­guir em fren­te. Após uma di­e­ta ri­go­ro­sa (pois es­ta­va bem aci­ma do pe­so), se apre­sen­tou no len­dá­rio Aloha From Hawaii, o pri­mei­ro show a ser trans­mi­ti­do via sa­té­li­te pa­ra o mun­do in­tei­ro. Era cla­ro que ele era o úni­co as­tro ca­paz de con­se­guir tal fei­to; em em co­le­ti­va de im­pren­sa pa­ra fa­lar so­bre o acon­te­ci­men­to, dis­se que tu­do aqui­lo era mui­to di­fí­cil de en­ten­der; afi­nal, ele es­ta­ria nos qua­tro can­tos do mun­do si­mul­ta­ne­a­men­te, e is­so era mui­to avan­ça­do pa­ra a épo­ca. Ele era o úni­co a ser co­nhe­ci­do e ado­ra­do pe­lo mun­do in­tei­ro, e, sa­ber dis­so, lhe sur­pre­en­deu bas­tan­te.

O Rei do Ha­vaí!

O show foi um gran­de su­ces­so. Fo­ram du­as noi­tes de gra­va­ções: uma em 12 de ja­nei­ro de 1973 e ou­tra em 14 de ja­nei­ro de 1973. Nos Es­ta­dos Uni­dos, o es­pe­tá­cu­lo foi ao ar em abril, tor­nan­do-se a mai­or au­di­ên­cia da his­tó­ria te­le­vi­si­va ame­ri­ca­na até en­tão, su­pe­ran­do té mes­mo os nú­me­ros de au­di­ên­cia da ida do ho­mem à lua (es­ti­ma­da em mais de 1 bi­lhão e meio de es­pec­ta­do­res)! Can­ções co­mo My Way, You Ga­ve Me a Mon­tain, So­mething - dos Be­a­tles -, An Ame­ri­can Tri­o­logy e What Now My Lo­ve fo­ram ape­nas al­gu­mas de uma play­list po­de­ro­sa. El­vis es­ta­va ma­gro, mui­to bo­ni­to e co­mum jump­suit es­pe­ta­cu­lar, com bor­da­dos de águia; po­rém, ape­sar do vo­cal im­pe­cá­vel, ele pa­re­cia ter per­di­do um pou­co o bri­lho e a ale­gria que mar­cou a tem­po­ra­da an­te­ri­or de shows em Las Ve­gas.

Li­sa Ma­rie: ra­zão de vi­ver

Após o di­vór­cio, El­vis con­ti­nu­ou fa­zen­do de tu­do pa­ra agra­dar Li­sa. A re­la­ção dos dois era mui­to amo­ro­sa, e ele não me­dia es­for­ços pa­ra que a pe­que­na sou­bes­se dis­so. Alu­ga­va par­ques de di­ver­são in­tei­ros só pa­ra que ela pu­des­se brin­car; ci­ne­mas ex­clu­si­vos; com­pra­va-lhe tu­do o que era pos­sí­vel e ado­ra­va es­tar em sua com­pa­nhia. Joe Es­po­si­to, ami­go pes­so­al e guar­da-cos­tas co can­tor, re­ve­lou em uma en­tre­vis­ta que, cer­ta vez, Li­sa ou­via os fãs gri­ta­rem na por­ta de Gra­ce­land: "El­vis! El­vis!". E co­me­çou a re­pe­tir. Ele, bas­tan­te rí­gi­do, dis­se: "Não cha­me seu pai de El­vis!", mas ela, ge­ni­o­sa que era, con­ti­nu­ou fa­zen­do até que o Rei caís­se na gar­ga­lha­da. Ele sa­bia que ela ti­nha um gênio mui­to pa­re­ci­do com o seu, e es­se era ape­nas um mo­ti­vo a mais pa­ra que lhe amas­se in­con­di­ci­o­nal­men­te. Um de seus ja­ti­nhos par­ti­cu­la­res, in­clu­si­ve, le­va­va o no­me da fi­lha.

El­vis, Pris­cil­la e Li­sa Ma­rie na saí­da da ma­ter­ni­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.