O FIM

E NIN­GUÉM DU­VI­DA DIS­SO!

Grandes ídolos do Rock - Elvis (40 anos) - - ÍNDICE -

Em­bo­ra as dú­vi­das so­bre ele ter mor­ri­do ou não pre­va­le­çam até ho­je, o le­ga­do dei­xa­do pe­lo Rei do Rock’n Roll per­ma­ne­ce mais vi­vo do que nun­ca

Fi­cou pro­va­do que a cau­sa da mor­te de El­vis foi um ata­que car­día­co re­cor­ren­te de uma over­do­se de me­di­ca­men­tos. De fa­to, ele uti­li­za­va vá­ri­os de­les ao mes­mo tem­po. Se­gun­do re­la­to de Pris­cil­la Presley, ele to­ma­va pí­lu­las pa­ra dor­mir, acor­dar, ir ao ba­nhei­ro, per­der pe­so, ga­nhar ener­gia, den­tre vá­ri­as ou­tras. Uma úni­ca pí­lu­la pa­ra dor­mir que El­vis deu a ela, uma vez, a der­ru­bou por três di­as se­gui­dos, pa­ra se ter ideia do quan­to eram for­tes e co­mo o can­tor já es­ta­va re­sis­ten­te à elas. El­vis, in­clu­si­ve, ti­nha um li­vro mé­di­co em sua ca­be­cei­ra, no qual es­ta­vam des­cri­tos vá­ri­os me­di­ca­men­tos e co­mo eles agi­am no or­ga­nis­mo. E, por to­dos eles se­rem pres­cri­tos por um mé­di­co, ele os acha com­ple­ta­men­te se­gu­ros. Em seu úl­ti­mos shows, o can­tor apa­ren­ta­va es­tar bas­tan­te con­fu­so; além de con­ver­sar du­ran­te mui­to tem­po com seus fãs, fa­zen­do de­sa­ba­fos pes­so­as que po­dem ser en­con­tra­dos até ho­je na in­ter­net, ele já não se lem­bra­va das le­tras de seus mai­o­res su­ces­sos dos pri­mei­ros anos de car­rei­ra, e era ób­vio que ele só os ten­ta­va can­tar (Tut­ti Frut­ti, Blue Su­e­de Sho­es, Hound Dog...) pa­ra agra­dar os fãs. Mas, em com­pen­sa­ção, as ba­la­das so­a­vam de ma­nei­ra im­pe­cá­vel, mos­tran­do que a po­tên­cia de sua voz es­ta­va no au­ge da ma­tu­ri­da­de ar­tís­ti­ca.

Úl­ti­mos sus­pi­ros

El­vis fa­zia pla­nos de se ca­sar com Gin­ger Al­den, e ex­pres­sa­va aos seus ín­ti­mos a von­ta­de de ter mais um her­dei­ro. Ele não que­ria que Li­sa Ma­rie fos­se fi­lha úni­ca, co­mo ele ha­via si­do – por uma fa­ta­li­da­de, é cla­ro. No en­tan­to, na noi­te de 15 de agos­to de 1977, o Rei re­sol­veu ir ao den­tis­ta, por vol­ta das 23 ho­ras. Es­sa ho­ra não era es­tra­nha, tra­tan­do-se de sua ro­ti­na tão cor­ri­da e cheia de ho­rá­ri­os ma­lu­cos. Qu­an­do vol­tou pa­ra Gra­ce­land, já de ma­dru­ga­da, jo­gou um pou­co de tê­nis e, co­mo cos­tu­ma­va fa­zer sem­pre, to­cou al­gu­mas can­ções ao pi­a­no. Ele es­ta­va com di­fi­cul­da­des pa­ra dor­mir, e foi se dei­tar bas­tan­te tar­de. Gin­ger Al­den, a na­mo­ra­da da épo­ca, dis­se que ele pe­gou um li­vro e foi até ba­nhei­ro. Ela pe­diu pa­ra que ele não dor­mis­se lá, e ele res­pon­deu que não o fa­ria. Ho­ras mais tar­de ela o en­con­trou, caí­do ao chão, já sem

vi­da. Gin­ger pe­diu so­cor­ro e o cor­po de El­vis Presley foi le­va­do ao hos­pi­tal, ten­do a mor­te con­fir­ma­da pou­co tem­po de­pois.

Cul­pa de quem?

An­tes de mor­rer, El­vis es­ta­va mui­tos qui­los aci­ma do pe­so, re­sul­ta­do de maus há­bi­tos ali­men­ta­res, se­den­ta­ris­mo e a com­bi­na­ção ex­plo­si­va do con­su­mo de me­di­ca­men­tos (pres­cri­tos). Ele per­deu to­tal­men­te o con­tro­le do con­su­mo de pí­lu­las a par­tir dos anos 70, qu­an­do o mé­di­co Ge­or­ge Nic­ko­pou­los re­cei­ta­va abu­si­vas do­ses ao as­tro. Sa­be-se que, na­que­la épo­ca, a me­di­ci­na não era tão avan­ça­da o quan­to é ho­je, mas, mes­mo as­sim, Nic­ko­pou­los ti­nha cons­ci­ên­cia de que es­sa era uma ati­tu­de pe­ri­go­sa. Ele foi le­va­do ao tri­bu­nal em 1981, acu­sa­do de re­cei­tar a El­vis um tra­ta­men­to mé­di­co exa­ge­ra­do, mas foi ab­sol­vi­do. O fa­to é que era pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel ne­gar al­go à El­vis. Ele era mui­to com­ple­xo em to­das as áre­as de sua vi­da, além de ter um tem­pe­ra­men­to di­fí­cil. Ele te­ve al­gu­mas com­pli­ca­ções de saú­de ao lon­go da vi­da que, pos­si­vel­men­te, po­dem ter si­do cau­sa­das pe­lo abu­so de me­di­ca­men­tos, co­mo o des­co­la­men­to do có­lon, pro­ble­mas no fí­ga­do e glau­co­ma.

Li­nhas con­ges­ti­o­na­das

Qu­an­do a mor­te do can­tor foi anun­ci­a­da, no rá­dio, a po­pu­la­ção en­trou em pâ­ni­co; de tan­to fa­ze­rem li­ga­ções pa­ra con­fir­mar se a in­for­ma­ção era re­al­men­te ver­da­dei­ra, as li­nhas te­lefô­ni­cas pa­ra­ram de fun­ci­o­nar, pois con­ges­ti­o­na­ram. Pris­cil­la ou­viu es­sa in­for­ma­ção no rá­dio, mu­dan­do a di­re­ção de seu car­ro na mes­ma ho­ra e di­ri­gin­do des­nor­te­a­da pe­las ru­as. Ela con­ta que pe­diu à Ver­non que o ja­ti­nho Li­sa Ma­rie fos­se bus­cá-la o mais rá­pi­do pos­sí­vel pa­ra que ela pu­des­se en­con­trar a fi­lha, que es­ta­va em Gra­ce­land.

A mor­te de El­vis Presley ocor­reu no dia 16 de agos­to de 1977, na ci­da­de de Memphis (Ten­nes­see), nos EUA No re­la­tó­rio do mé­di­co le­gis­ta ofi­ci­al res­pon­sá­vel pe­la mor­te do can­tor, ar­rit­mia car­día­ca é re­la­ta­da co­mo a cau­sa da mor­te de Presley, e não over­do­se de me­di­ca­men­tos

En­ter­ro e ho­me­na­gens

Após o anún­cio de que El­vis ha­via fa­le­ci­do, as flo­ri­cul­tu­ras de Memphis ven­de­ram to­das as flo­res em es­to­que; os fãs, que se or­gu­lha­vam pe­lo ído­lo fa­zer par­te da his­tó­ria da ci­da­de e tor­na-la ain­da mais es­pe­ci­al, es­ta­vam in­cré­du­los com sua par­ti­da, fa­zen­do o pos­sí­vel pa­ra que a des­pe­di­da fos­se o mais in­ten­sa que pu­des­se. O ve­ló­rio acon­te­ceu no dia 17 de agos­to de 1977; al­gu­mas das mi­lha­res de pes­so­as pre­sen­tes pu­de­ram ver o cai­xão por, apro­xi­ma­da­men­te, 4 ho­ras. Os fa­mi­li­a­res ti­ve­ram uma ce­rimô­nia pri­va­da por vol­ta das 15 ho­ras, na qual can­ções do gê­ne­ro gos­pel – mui­to apre­ci­a­do por Presley - fo­ram can­ta­das. Após a bela ce­rimô­nia, to­dos fo­ram le­va­dos até o ce­mi­té­rio em li­mu­si­nes e, em se­gui­da, o cor­po de El­vis foi se­pul­ta­do.

Ten­ta­ti­va de rou­bo

Dois me­ses após a mor­te do Rei do Rock, seu cor­po foi re­ti­ra­do da crip­ta do Ce­mi­té­rio de Fo­rest Hill, em Memphis e le­va­do pa­ra um tú­mu­lo no­vo, den­tro de Gra­ce­land, após uma ten­ta­ti­va de rou­bo mal su­ce­di­da.

Te­o­ri­as da cons­pi­ra­ção

Os fãs do Rei re­lu­tam até ho­je em acre­di­tar que ele te­nha par­ti­do, e, a par­tir do dia de sua mor­te, al­gu­mas te­o­ri­as fo­ram criadas pa­ra re­for­çar es­sa ideia. Um pri­mo de El­vis, por exem­plo, te­ria co­men­ta­do que El­vis es­ta­va

mui­to di­fe­ren­te no cai­xão. Uma fo­to­gra­fia do can­tor foi ti­ra­da pe­los pró­pri­os fa­mi­li­a­res e ven­di­da aos jor­nais do mun­do in­tei­ro, fa­to que ma­go­ou pro­fun­da­men­te seu pai, Ver­non. O es­tra­nha­men­to por par­te do pú­bli­co ao ver a ima­gem se deu por con­ta de o cor­po de El­vis apa­ren­tar es­tar bem mais ma­gro. Além dis­so, um ano após o fa­le­ci­men­to, um fã fo­to­gra­fou uma por­ta de Gra­ce­land, on­de um vul­to apa­re­cia; qu­an­do a ima­gem é apro­xi­ma­da, era pos­sí­vel ver um ho­mem bas­tan­te pa­re­ci­do com El­vis. Se é mon­ta­gem, ou não, nin­guém sa­be!

No en­tan­to, a mai­or te­o­ria é a de que o can­tor ha­via se can­sa­do da fa­ma, e te­ria se mu­da­do pa­ra uma ca­sa na Ar­gen­ti­na (que, te­o­ri­ca­men­te, ele te­ria com­pra­do al­gum tem­po an­tes de fa­le­cer). A his­tó­ria se tor­nou “ofi­ci­al” por con­ta de re­la­tos fei­tos pe­lo jor­na­lis­ta ar­gen­ti­no Je­ró­ni­mo Bur­gués e de seu li­vro, cha­ma­do El Rey Vi­ve En­tre No­so­tros. (Em por­tu­guês, O Rei Vi­ve En­tre Nós), com a pri­mei­ra edi­ção es­go­ta­da. De­pois de cen­te­nas de ho­ras de en­tre­vis­tas e dez anos de in­ves­ti­ga­ção, Bur­gués ga­ran­te em sua obra que, gra­ças a uma par­ce­ria en­tre CIA, FBI e Po­lí­cia Fe­de­ral Ar­gen­ti­na, El­vis con­se­guiu vi­ver es­con­di­do no país sul-ame­ri­ca­no. Se o fa­to for fri­a­men­te ana­li­sa­do, ele re­al­men­te ti­nha per­mis­são ofi­ci­al pa­ra atu­ar à pai­sa­na, gra­ças ao en­con­tro com Ri­chard Ni­xon, em 1970. Se­rá que já es­ta­va tu­do pen­sa­do?

Há tam­bém o po­lê­mi­co lan­ça­men­to do li­vro The truth about El­vis Aron Presley in his own words - with Jes­sie (em por­tu­guês, A ver­da­de so­bre El­vis Presley em su­as pró­pri­as pa­la­vras – Com Jes­se), de Do­nald Hin­ton. O au­tor ga­ran­te que con­tou to­da a trajetória de El­vis des­de 1977, com car­tas e te­le­fo­ne­mas que vi­e­ram do pró­prio can­tor. Parqa is­so, El­vis te­ria as­su­mi­do o no­me do seu ir­mão gê­meo na­ti­mor­to. De fa­to, ele dis­se em uma en­tre­vis­ta que gos­ta­ria de ter uma bi­o­gra­fia, um dia...

Le­ga­do

A ci­da­de de Memphis é, até os di­as de ho­je, um pu­ro me­mo­ri­al do Rei; vo­cê en­xer­ga El­vis por to­dos os lu­ga­res e, in­clu­si­ve, exis­te uma rá­dio que só to­ca as mais de 3000 mú­si­cas gra­va­das por ele, dia após dia. Além dis­so, Gra­ce­land é aber­ta a quem qui­ser (e pu­der) vi­si­tá-la. Pris­cil­la, que vol­tou a usar o so­bre­no­me Presley após a mor­te do can­tor, pas­sou a cui­dar pes­so­al­men­te pa­ra que a man­são pu­des­se ser pre­ser­va­da do jei­to mes­mo que ele dei­xou. Os fãs po­dem vi­si­tar qua­se to­dos os cô­mo­dos e vi­su­a­li­zar rou­pas, dis­cos, prêmios, ob­je­tos pes­so­ais, ins­tru­men­tos e mui­to mais. Pa­ra to­car os mais im­por­tan­tes, é ne­ces­sá­rio uti­li­zar lu­vas. Al­guns su­ces­sos es­tron­do­sos fo­ram lan­ça­dos mes­mo de­pois do fa­le­ci­men­to do Rei, co­mo a ver­são re­mi­xa­da de A Lit­tle Less Con­ver­sa­ti­on, Rub­ber­nec­kin e a ele­tri­zan­te Bos­sa No­va Baby. O CD Vi­va El­vis, as­sim co­mo o es­pe­tá­cu­lo que o tra­zia co­mo ho­lo­gra­ma, fo­ram su­ces­sos ab­so­lu­tos, pro­van­do que os fãs do eter­no Rei do Rock au­men­tam dia após dia, atra­ves­san­do ge­ra­ções. Gran­des no­mes da mú­si­ca, co­mo Fred­die Mer­cury, Bob Dy­lan, John Len­non, Jim Mor­ri­son e David Bowie são ape­nas al­guns dos que de­cla­ra­ram pu­bli­ca­men­te a ad­mi­ra­ção por El­vis Presley. E, cer­ta­men­te, mui­tos ou­tros no­mes es­tão por vir. El­vis não mor­reu e nun­ca mor­re­rá; seu le­ga­do é for­te e in­flu­en­te de­mais pa­ra que is­so acon­te­ça. Ele sem­pre es­ta­rá vi­vo na his­tó­ria da mú­si­ca, nas play­lists dos aman­tes de rock e no co­ra­ção dos fãs. O rei vi­ve!

O úl­ti­mo show de El­vis foi re­a­li­za­do no dia 26 de ju­nho de 1977, em In­di­a­ná­po­lis. Ne­le, imor­ta­li­zou a can­ção Un­chai­ned Me­lody, ao pi­a­no co­mo ha­via fei­to nos shows de 19 e 21 de ju­nho, gra­va­dos pe­la CBS. A voz, es­ta­va po­ten­te e im­pe­ca­vel­men­te afi­na­da; mas a pi­o­ra em seu es­ta­do de saú­de era bas­tan­te ní­ti­da

Le­trei­ro da Sun Re­cords, em Memphis, on­de El­vis gra­vou seus pri­mei­ros dis­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.