EN­CON­TRO HIS­TÓ­RI­CO

O en­con­tro de El­vis com Ri­chard Ni­xon foi um dos mo­men­tos mais mar­can­tes - e em­ble­má­ti­cos - da vi­da do can­tor

Grandes ídolos do Rock - Elvis (40 anos) - - ÍNDICE -

Na dé­ca­da de 1970, El­vis es­ta­va na "cris­ta da on­da". Shows lo­ta­dos com con­tra­tos mi­li­o­ná­ri­os, hits in­su­pe­rá­veis nas pa­ra­das de su­ces­so, e mui­to pres­tí­gio. Ele vol­ta­ra a ser a es­tre­la que con­quis­tou o mun­do na dé­ca­da de 1950, só que com um es­ti­lo di­fe­ren­te; ma­du­ro e com opi­niões bem for­tes acer­ca de de­ter­mi­na­dos as­sun­tos. E um des­ses as­sun­tos foi o res­pon­sá­vel por mo­ti­var

Sonny West tam­bém foi con­vo­ca­do pa­ra o en­con­tro. Mal sa­bia El­vis que, mais tar­de, ele se­ria o res­pon­sá­vel por uma das mai­o­res de­cep­ções de sua vi­da: a au­to­ria de El­vis: What Hap­pe­ned?, o li­vro mais po­lê­mi­co já es­cri­to so­bre o as­tro

o can­tor a bus­car a aju­da do ho­mem mais im­por­tan­te dos Es­ta­dos Uni­dos na­que­la épo­ca: o cres­cen­te nú­me­ro de jo­vens usuá­ri­os de drogas. Em­bo­ra o con­su­mo de subs­tân­ci­as ilí­ci­tas se­ja uma du­vi­do­sa po­lê­mi­ca nas bi­o­gra­fi­as do as­tro até os di­as de ho­je, ele atu­a­va for­te­men­te con­tra a ba­na­li­za­ção de­las. E a pas­sa­gem mais mar­can­te de sua vi­da em re­la­ção a es­se as­sun­to te­ve a par­ti­ci­pa­ção es­pe­ci­al do ex-pre­si­den­te Ri­chard Ni­xon.

Con­fli­tos pes­so­ais

Em­bo­ra sua car­rei­ra es­ti­ves­se na me­lhor fa­se, a vi­da pes­so­al do can­tor co­me­ça­va a de­cli­nar. O ca­sa­men­to já não ia tão bem, pois Pris­cil­la sen­tia El­vis mui­to au­sen­te nos úl­ti­mos tem­pos - a agen­da lo­ta­da de shows fo­ra de Memphis era um fa­tor de­ter­mi­nan­te pa­ra tal con­sequên­cia. A es­po­sa e o pai do as­tro re­cla­ma­vam tam­bém de seus gas­tos exa­ge­ra­dos; o di­nhei­ro es­ta­va en­tran­do fa­cil­men­te, mas El­vis o fa­zia de­sa­pa­re­cer com mais fa­ci­li­da­de ain­da, pre­sen­te­an­do seus ami­gos¹ com car­ros mui­to ca­ros, ar­mas ra­ras e, al­gu­mas ve­zes, até mes­mo com ca­sas e ran­chos. Ele era bas­tan­te ge­ne­ro­so com quem es­ta­va ao seu la­do, mas, tam­bém, bem exi­gen­te.

Foi en­tão que ele de­ci­diu "fu­gir" de ca­sa com um pro­pó­si­to em men­te: en­con­trar o atu­al pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos da épo­ca e lhe pe­dir al­go (El­vis que­ria de­ses­pe­ra­da­men­te re­ce­ber uma car­tei­ra de Agen­te Fe­de­ral de Nar­có­ti­cos e, ain­da por ci­ma, se tor­nar agen­te do FBI). Se con­se­guis­se, o Rei se tor­na­ria uma es­pé­cie de agen­te se­cre­to: o ob­je­ti­vo do can­tor era atu­ar con­tra as drogas, re­pre­en­den­do usuá­ri­os e tra­fi­can­tes à pai­sa­na (ele ima­gi­na­va que seu co­nhe­ci­men­to em ka­ra­tê se­ria o su­fi­ci­en­te pa­ra ani­qui­lar os cri­mi­no­sos, ou, tal­vez, que as lu­tas ci­ne­ma­to­grá­fi­cas de seus fil­mes fun­ci­o­na­ri­am fo­ra das te­las dos ci­ne­mas). Só que con­quis­tar es­se ob­je­ti­vo não se­ria tão sim­ples co­mo ele ima­gi­na­va...

Mis­são (qua­se) im­pos­sí­vel

O mai­or rockstar da atu­a­li­da­de pe­gan­do um avião co­mer­ci­al sem cau­sar tu­mul­to e con­fu­são? É, não dá pa­ra ima­gi­nar is­so acon­te­cen­do, mes­mo há qua­se 50 anos. Ao sair de ca­sa sem avi­sar sua es­po­sa, seu pai e os ami­gos, o Rei do rock foi sur­pre­en­di­do lo­go ao com­prar sua pas­sa­gem, no ae­ro­por­to. As pes­so­as olha­vam-o com sur­pre­sa, ima­gi­nan­do que ele era um dos mi­lha­res só­si­as e co­vers de El­vis Presley. Após al­gu­mas con­fu­sões - co­mo ten­tar em­bar­car com três ar­mas es­con­di­das na rou­pa e nos sa­pa­tos -, ele re­sol­veu con­ta­tar um an­ti­go ami­go pa­ra lhe acom­pa­nhar du­ran­te a aven­tu­ra. E co­mo nin­guém era ca­paz de lhe ne­gar um fa­vor, Jer­ry Schil­ling - um ex guar­da-cos­tas que ago­ra mo­ra­va em Los An­ge­les e que, no mo­men­to, tra­ba­lha­va co­mo edi­tor de fil­mes na Pa­ra­mount Pic­tu­res - foi o es­co­lhi­do, acei­tan­do a mis­são ime­di­a­ta­men­te. Após con­tar seu pla­no e es­cre­ver uma car­ta à pró­prio pu­nho den­tro do avião, El­vis de­sem­bar­cou em Washing­ton, pa­ran­do nos por­tões da Ca­sa Bran­ca e dei­xan­do os se­gu­ran­ças per­ple­xos.

Co­mo ele ti­nha um nú­me­ro in­crí­vel de fãs e era im­pos­sí­vel não sa­ber quem ele era, já dá pa­ra ima­gi­nar que os fun­ci­o­ná­ri­os do pre­si­den­te tam­bém sa­bi­am! E es­se fa­tor fa­ci­li­tou bas­tan­te o pro­ces­so de en­tre­ga da car­ta. Após pas­sar de­ze­nas de ve­zes por aber­tu­ras e lei­tu­ras de se­gu­ran­ça, fi­nal­men­te ela foi pa­rar nas mãos cer­tas: as do as­ses­sor pes­so­al de Ni­xon - e fã ab­so­lu­to do can­tor.

E ele con­se­guiu!

Mas al­guém ti­nha dú­vi­das dis­so?

Após al­guns di­as de ne­go­ci­a­ção, o can­tor fi­nal­men­te foi re­ce­bi­do por Ri­chard Ni­xon no sa­lão Oval, no dia 21 de de­zem­bro de 1970. Ex­pli­cou ao pre­si­den­te o que pre­ten­dia, mos­trou-lhe fotos de Pris­cil­la e de Li­sa Ma­rie que car­re­ga­va con­si­go, exi­biu-se em al­guns gol­pes de ka­ra­tê e pre­sen­te­ou Ri­chard com uma ar­ma mui­to es­pe­ci­al (que foi bar­ra­da na en­tra­da do en­con­tro e, pos­te­ri­or­men­te, so­li­ci­ta­da por Ni­xon ao fim do en­con­tro, qu­an­do sou­be da con­fu­são). O des­fe­cho des­sa en­gra­ça­da e es­tra­nha his­tó­ria não po­de­ria ser ou­tro: Presley con­se­guiu seu dis­tin­ti­vo, caiu nas gra­ças de um sé­rio e con­ser­va­dor pre­si­den­te que, ao iní­cio, re­lu­ta­va em re­ce­ber sua vi­si­ta, e pro­vou ser mais per­su­a­si­vo do que ele mes­mo ima­gi­na­va. Se ele cum­priu o ide­al de atu­ar por aí à pai­sa­na, nin­guém sa­be. Se­rá que es­sa é a ex­pli­ca­ção que tan­to se bus­ca pa­ra a lenda "El­vis não mor­reu?". Bom, is­so só ele po­de­ria con­fir­mar, né?

Os ami­gos de Presley, mais tar­de, fi­ca­ram co­nhe­ci­dos co­mo a "Má­fia de Memphis", ape­li­do que o can­tor não gos­ta­va. Es­se gru­po era 1 com­pos­to por ami­gos pes­so­ais, con­fiá­veis e de lon­ga da­ta de El­vis, e eram res­pon­sá­veis por, não só pro­te­gê-lo, mas tam­bém dei­xar em or­dem mui­tos fa­to­res de sua vi­da pes­so­al. Em tro­ca, eles ti­nham mui­to di­nhei­ro, con­for­to e o res­pei­to do Rei.

El­vis Presley, Jer­ry Schil­ling, Sonny West e Ri­chard Ni­xon

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.