RO­BERT JOHN­SON ven­de a al­ma pe­lo blu­es

Ro­bert John­son fez um pac­to com o demô­nio, gra­vou 29 mú­si­cas que se tor­na­ram hi­nos e mor­reu jo­vem, com ape­nas 27 anos

GRANDES MITOS ALMANAQUE DO ROCK - - Lendas Do Rock -

Al­guns po­de­ri­am di­zer que o ta­len­to de Ro­bert Le­roy John­son pa­ra o blu­es te­nha si­do um pre­sen­te de Deus – afi­nal, o mú­si­co, nas­ci­do por vol­ta de 1910 (não há da­ta pre­ci­sa) ti­nha mãos bem gran­des, o que o au­xi­li­a­va na ho­ra de en­con­trar no­tas que ne­nhum ou­tro vi­o­lo­nis­ta pa­gão ou­sa­va des­co­brir.

Mas o fa­to é que Ro­bert John­son, pa­ra fi­car co­nhe­ci­do co­mo um dos mais in­flu­en­tes com­po­si­to­res do cha­ma­do Mis­sis­si­pi Del­ta Blu­es, além de sua con­tri­bui­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to no es­ti­lo de de­di­lhar o vi­o­lão, fez é um acor­do com o coi­sa-ruim mes­mo.

Afi­nal, co­mo ex­pli­car que mons­tros do ins­tru­men­to co­mo Muddy Wa­ters, El­mo­re Ja­mes, Johnny Shi­nes, John Ham­mond, Eric Clap­ton e Keith Ri- chards pos­sam ter em Ro­bert John­son sua mais vis­ce­ral ido­la­tria?

Coi­sa do demô­nio, com cer­te­za.

Mor­te e de­ci­são

A his­tó­ria é tão si­nis­tra que pou­co se sa­be so­bre a vi­da de Ro­bert John­son. Ele apren­deu a to­car vi­o­lão com o ir­mão e pe­ram­bu­la­va pe­lo Mis­sis­si­pi se apre­sen­tan­do e co­nhe­cen­do no­vos rit­mos.

Em 1930, sua pri­mei­ra es­po­sa mor­re du­ran­te o par­to – fa­to que faz John­son de­ci­dir vi­ver do blu­es e pa­ra o blu­es – daí, a ne­ces­si­da­de de fa­zer o pac­to com o di­a­bo. Em 1933, cru­za com os mú­si­cos Son Hou­se e Wil­lie Brown, que se en­can­tam com seu jei­to de to­car e fa­zem a len­da cor­rer os Es­ta­dos Uni­dos.

Me­teó­ri­co

Mas o ti­nho­so dá com uma mão pa­ra ti­rar com a ou­tra. Ro­bert John­son te­ve tem­po de re­a­li­zar du­as ses­sões de gra­va­ção – em 1936 (quan­do gra­vou 16 can­ções) e em 37 (mais 13 mú­si­cas) –, das quais saí­ram pe­ró­las co­mo “Swe­et Ho­me Chi­ca­go”, “Ter­ra­pla­ne Blu­es”, “Cros­s­ro­ads Blu­es” e “Wal­kin’ Blu­es”.

Além de seu es­ti­lo úni­co em to­car o vi­o­lão, o blu­sei­ro tam­bém se des­ta­ca­va por su­as com­po­si­ções – mui­tas de­las ten­do o par­cei­ro chi­fru­do co­mo te­ma cen­tral.

Fa­lan­do em chi­fres e cor­nos, es­sa foi a per­di­ção de John­son. Re­za a len­da que o mú­si­co mor­reu en­ve­ne­na­do com es­tric­ni­na no uís­que por um do­no de bar lo­cal após que­rer se en­gra­çar com a mu­lher do ci­da­dão. Fo­ram três di­as de in­ten­sa ago­nia até o sus­pi­ro fi­nal, da­do com ape­nas 27 anos.

O di­a­bo não per­doa.

Mor­te da es­po­sa mo­ti­va John­son a se de­di­car ao blu­es e a re­a­li­zar acor­do de­mo­nía­co pe­lo su­ces­so

Ro­bert John­son: sor­ri­so ma­lé­vo­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.