EL­VIS tem o re­bo­la­do cen­su­ra­do

Ele já era o rei do rock, mas seu jei­to de dan­çar agra­da­va as fa­mí­li­as nor­te-ame­ri­ca­nas... Na TV, El­vis só da cin­tu­ra pra ci­ma

GRANDES MITOS ALMANAQUE DO ROCK - - Lendas Do Rock -

El­vis não foi o rei do rock ape­nas por ter cri­a­do o es­ti­lo e re­vo­lu­ci­o­na­do o mundo da música. Su­as ati­tu­des cho­ca­ram con­ser­va­do­res e o cli­ma de bom-mo­cis­mo exis­ten­te na épo­ca.

Por is­so, o rei dan­ça­va. Ba­lan­ça­va os qua­dris, me­xia o es­que­le­to e com a mo­ral nor­te-ame­ri­ca­na. Ar­ran­ca­va gri­tos his­té­ri­cos das fãs e olha­res re­pro­va­do­res dos pais das fãs.

Por is­so, em re­de na­ci­o­nal, El­vis Pres­ley te­ve o re­bo­la­do cen­su­ra­do. Du­ran­te o pro­gra­ma de Ed Sullivan, o can­tor foi fil­ma­do da cin­tu­ra pra ci­ma – cas­ti­go im­pos­to por cau­sa de ou­tras apre­sen­ta­ções in­cen­diá­ri­as no mes­mo pro­gra­ma.

Lá es­tá, en­tão, um El­vis sem vi­da, sem mo­le­jo, sem al­ma. O mo­ra­lis­mo ti­nha ven­ci­do aque­la ba­ta­lha, mas não a guer­ra – já que os sú­di­tos não aban­do­na­ram o rei, mes­mo ele es­tan­do pe­la me­ta­de.

Só­si­as

Tan­to não aban­do­na­ram que El­vis é o ar­tis­ta com mais co­vers em to­do o mundo – sim, mais do que os Be­a­tles, se vo­cê ou­sou pen­sar nis­so.

Con­tu­do, uma gran­de fa­lha dos co­vers do rei é imi­tar o ar­tis­ta ape­nas em su­as rou­pas es­pa­lha­fa­to­sas e em um tre­jei­to ou ou­tro. A gran­de van­ta­gem é que to­dos a-do-ram dan­çar fei­to El­vis – di­vul­gan­do ain­da mais o es­ti­lo que aca­bou sen­do proi­bi­do nos ca­nais de TV. Nos anos 1970, épo­ca em que os co­vers de El­vis nas­ci­am fei­to ma­to por to­dos os can­tos dos Es­ta­dos Uni­dos, El­vis e seu re­bo­la­do já eram mais acei­tos.

Mau hu­mor

Ou­tra len­da for­te é de que El­vis, sem­pre um me­ni­no mui­to tí­mi­do, tor­nou-se ex­tre­ma­men­te tem­pe­ra­men­tal após a fa­ma. Si­tes, blogs e co­mu­ni­da­des no Or­kut (o si­te de re­la­ci­o­na­men­to da In­ter­net) re­la­tam histórias de dei­xar o fã nú­me­ro ze­ro as­sus­ta­do – des­de gra­va­ções ruins pa­ra mú­si­cas até al­guns ti­ros em TVs que ele da­va quan­do era in­co­mo­da­do ou ti­nha uma vi­si­ta fo­ra de ho­ra pa­ra re­ce­ber.

As al­te­ra­ções de hu­mor tor­na­ram­se mais freqüen­tes e gra­ves com o ví­cio do rei em me­di­ca­men­tos – o que re­sul­ta­ria em sua mor­te (que com­ple­tou 30 anos em 2007).

Mor­to?

El­vis tam­bém en­tra pa­ra o rol de ar­tis­tas que têm sua mor­te (pa­ra­da car­día­ca após in­ges­tão des­con­tro­la­da de re­mé­di­os) con­tes­ta­da. Fãs fer­vo­ro­sos e ma­lu­cos de plan­tão vão das mais in­sa­nas te­o­ri­as (a cos­te­le­ta de El­vis des­co­lan­do du­ran­te o fu­ne­ral) ao “bom sen­so” em di­zer que o can­tor era pos­sí­vel al­vo da União So­vié­ti­ca e que te­ve de for­jar a pró­pria mor­te pa­ra se man­ter vi­vo. Eu sou da mes­ma te­o­ria do fil­me “Ho­mens de Pre­to”: El­vis não mor­reu, só vol­tou pa­ra o pla­ne­ta de­le.

Tem gen­te que apre­sen­ta op­ção pi­or do que a mi­nha: mui­tos afir­mam ter vis­to El­vis ten­do au­las de dan­ça do ven­tre. Ou­tros que ele es­tá na Ar­gen­ti­na (por que rai­os na Ar­gen­ti­na?). Ou­tros até que tu­do não pas­sa de uma pe­ga­di­nha, já que El­vis é um ana­gra­ma pa­ra Li­ves (vi­ve).

En­quan­to as fãs, his­té­ri­cas, gri­ta­vam a ca­da re­bo­la­do do can­tor, os pais, hor­ro­ri­za­dos, con­de­na­vam os tre­jei­tos do jo­vem ar­tis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.