Um ín­dio xa­mã no ca­mi­nho de JIM MORRISON

In­flu­en­ci­a­do pe­lo es­pí­ri­to de um ín­dio xa­mã, vo­ca­lis­ta se tor­nou mi­to e le­vou a ban­da a lu­gar de des­ta­que no mundo do rock

GRANDES MITOS ALMANAQUE DO ROCK - - Lendas Do Rock -

Que o The Do­ors foi uma ban­da po­lê­mi­ca e au­tên­ti­ca, is­so nin­guém dis­cu­te. Afi­nal, quem, no meio dos anos 1960, mis­tu­ra rock com po­e­sia sur­re­al le­tras que abor­da­vam te­mas co­mo mor­te e mis­ti­cis­mo, ao som de ba­te­ria, te­cla­dos jaz­zís­ti­cos, gui­tar­ras fla­men­cas e com au­sên­cia do bai­xo?

Gran­de res­pon­sá­vel por es­sa mis­tu­re­ba na­da con­ven­ci­o­nal (e que é su­ces­so até ho­je), o vo­ca­lis­ta Jim Morrison (1943-1971) ti­nha uma óti­ma ex­pli­ca­ção pa­ra tu­do is­so: a pre­sen­ça de um ín­dio xa­mã, que to­ma­va con­ta de seu cor­po vez ou ou­tra e lhe en­si­na­va ro­tas nun­ca dan­tes ca­mi­nha­das, de on­de saíam le­tras áci­das e idéi­as pa­ra me­lo­di­as.

E co­mo es­se ín­dio pin­tou na vi­da do vo­ca­lis­ta? Tu­do co­me­çou na ado­les­cên­cia, quan­do, em com­pa­nhia dos pais, Morrison pre­sen­ci­ou um aci­den­te de ca­mi­nhão que trans­por­ta­va di­ver­sos in­dí­ge­nas – e no qual to­dos eles mor­re­ram. Foi nes­sa ho­ra que um dos ín­di­os mor­tos no aci­den­te apa­re­ceu pa­ra Jim e o acom­pa­nhou até o dia da mor­te do vo­ca­lis­ta, em Pa­ris.

Vo­ca­lis­ta te­ria si­do o ter­cei­ro a mor­rer de for­ma mis­te­ri­o­sa pe­las mãos do go­ver­no nor­te-ame­ri­ca­no

Enig­mas

Os fãs mais fer­vo­ro­sos cus­tam a acre­di­tar no lau­do ofi­ci­al da mor­te de Morrison, que ates­ta que o co­ra­ção de um dos com­po­si­to­res mais vis­ce­rais do rock and roll te­nha pa­ra­do após tan­ta dro­ga e ál­co­ol con­su­mi­dos.

Afi­nal, enig­mas não fal­tam pa­ra con­tes­tar a pas­sa­gem de Morrison do mundo dos mor­tais pa­ra a lem­bran­ça eter­na dos vi­vos.

Pri­mei­ro, o can­tor mor­re na ba­nhei­ra de um quar­to de ho­tel – por que rai­os ele es­ta­ria em um ho­tel se ti­nha uma ca­sa em Pa­ris? De­pois, vem a cons­pi­ra­ção do go­ver­no nor­te-ame­ri­ca­no, que apa­ga “seu nú­me­ro 3” – an­tes, te­ria fei­to o mes­mo com Jimi Hen­drix e Ja­nis Jo­plin. Além dis­so, pouquís­si­mas pes­so­as te­ri­am vis­to o cor­po de Morrison an­tes de se fe­char o cai­xão – que, se­gun­do John Dens­mo­re, ba­te­ris­ta dos Do­ors, era mui­to pe­que­no.

Uma das te­o­ri­as afir­ma que Morrison es­tá vi­vo: ele ape­nas se can­sou do rock (foi pa­ra Pa­ris pa­ra se de­di­car à po­e­sia e ao ci­ne­ma) e for­jou a mor­te pa­ra po­der ter paz.

Quem não tem paz é seu tú­mu­lo, que atrai mi­lha­res e mi­lha­res de de­vo­tos to­dos os anos, no dia 3 de ju­lho.

Morrison e ban­da: mis­ti­cis­mo e mis­té­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.