Pa­ra que ser­via a ban­da­na de JIMI HEN­DRIX?

Ar­ti­fí­cio uti­li­za­do pe­lo deus da gui­tar­ra pro­por­ci­o­na­va lou­cu­ra nos pal­cos e apre­sen­ta­ções li­te­ral­men­te in­cen­diá­ri­as

GRANDES MITOS ALMANAQUE DO ROCK - - Lendas Do Rock -

Além do ta­len­to pa­ra as cor­das da gui­tar­ra, Hen­drix tam­bém dei­xou uma pe­que­na con­tri­bui­ção nas ar­tes plás­ti­cas, com al­guns qua­dros pin­ta­dos

In­fe­liz­men­te, a car­rei­ra de Johnny Al­len Hen­drix, mais tar­de Ja­mes Marshall Hen­drix, mais tar­de Jimi Hen­drix (1942-1970), ter­mi­nou de for­ma pre­co­ce, com o ho­je con­si­de­ra­do deus da gui­tar­ra dei­xan­do um le­ga­do de ape­nas três ál­buns gra­va­dos em es­tú­dio e um sem nú­me­ro de apre­sen­ta­ções ao vi­vo de dei­xar qual­quer um nos anos 1960 e 1970 es­tu­pe­fa­to ta­ma­nha ma­lu­qui­ce e téc­ni­ca uni­das so­bre o pal­co.

Quem es­que­ce, por exem­plo, quan­do Hen­drix bo­tou fo­go na gui­tar­ra du­ran­te apre­sen­ta­ção no As­to­ria The­a­tre, em Lon­dres, em 31 de mar­ço de 1967?

Re­za a len­da que, sem­pre que su­bia ao pal­co, Hen­drix em­be­be­da­va sua tra- di­ci­o­nal ban­da­na com LSD der­re­ti­do pa­ra que, du­ran­te to­da a apre­sen­ta­ção, o alu­ci­nó­ge­no des­ces­se pe­lo seu ros­to até che­gar à sua bo­ca. As­sim, ele ali­men­ta­va seu ví­cio pe­las dro­gas (que o le­va­ria à mor­te, in­clu­si­ve) de for­ma dis­cre­ta ele man­te­ria o ní­vel trans­cen­den­tal de su­as per­for­man­ces ao vi­vo.

E to­do mundo acha­va que aque­la fai­xi­nha na ca­be­ça era só ti­po pa­ra com­por a mo­da hip­pie dos anos 1970...

Qua­dros

Além da gui­tar­ra, Hen­drix tam­bém do­mi­na­va ou­tro ins­tru­men­to: o pin­cel.

Sim, Jimi Hen­drix pin­ta­va qua­dros. Co­lo­ri­dos, ar­te pró­xi­ma à as­te­ca, por cau­sa do san­gue in­dí­ge­na que cor­ria em su­as vei­as – sua avó ma­ter­na, a quem Hen­drix era mui­to ape­ga­do prin­ci­pal­men­te após a mor­te da mãe, era de des­cen­dên­cia che­ro­kee. Co­mo te­ve uma in­fân­cia tí­mi­da e so­li­tá­ria, não é de es­tra­nhar o gui­tar­ris­ta se des­ta­can­do em ou­tras ma­ni­fes­ta­ções ar­tís­ti­cas.

O nor­te-ame­ri­ca­no Tho­mas Ford com­prou os qua­dros em um lei­lão nu­ma épo­ca em que o no­me Jimi Hen­drix ain­da não sig­ni­fi­ca­va mui­to pa­ra o mundo da música. De­pois de um tem­po, já com o deus da gui­tar­ra es­tam­pan­do pá­gi­nas de jor­nais e re­vis­tas, Ford en­trou em con­ta­to com Le­on, ir­mão do gui­tar­ris­ta, pa­ra con­fe­rir a au­ten­ti­ci­da­de da obra.

Se deu bem.

Jimi: mui­to além do vi­su­al hip­pie

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.