A ori­gem da lín­gua de GENE SIMMONS, do Kiss

Bai­xis­ta do Kiss foi obri­ga­do a fa­zer um im­plan­te após per­der um pe­da­ço da sua em um aci­den­te de car­ro

GRANDES MITOS ALMANAQUE DO ROCK - - Lendas Do Rock -

Uma das ban­das mais fol­cló­ri­cas do hard rock mun­di­al, o Kiss tem his­tó­ria e len­das pa­ra con­tar – e qu­a­se to­das elas li­ga­das a Gene Simmons, o bai­xis­ta do gru­po.

Fa­mo­so por seu bai­xo em for­ma de ma­cha­do, por sua pre­sen­ça de pal­co (com 1,90m, qual­quer um se im­põe mes­mo...), por cus­pir fo­go e vo­mi­tar san­gue du­ran­te su­as apre­sen­ta­ções, Simmons tem co­mo marca registrada a lín­gua gi­gan­tes­ca, que ele não se can­sa de exi­bir em shows e en­tre­vis­tas, se­ja com o Kiss ou mes­mo em sua car­rei­ra so­lo.

Con­tu­do, o atri­bu­to não é gran­de “por na­tu­re­za” – se bem que, tal­vez, na­tu­re­za até se­ja uma pa­la­vra apli­cá­vel. A len­da diz que o bai­xis­ta so­freu um gra­ve aci­den­te de au­to­mó­vel e, ne­le, per­deu par­te da lín­gua, que pre­ci­sa­va ser im- plan­ta­da. Co­mo não foi pos­sí­vel achar o “pro­du­to de fá­bri­ca”, Simmons or­de­nou que co­lo­cas­sem uma de va­ca, bem gran­do­na mes­mo.

Lem­bre-se: o mú­si­co tem 1,90m e é for­te e as­sus­ta­dor. Nes­se ca­so, va­leu o di­ta­do “man­da quem po­de, obe­de­ce quem tem juí­zo”.

E lá se foi Simmons pa­ra o pal­co do mundo to­do mos­trar o seu brin­que­di- nho no­vo – que ga­nhou mais des­ta­que ain­da com a más­ca­ra no ros­to du­ran­te a fa­se ca­ra-pin­ta­da do Kiss.

Mais do que marca registrada do bai­xis­ta, a lín­gua vi­rou len­da do rock. E is­so, co­mo na­que­la pro­pa­gan­da do car­tão de cré­di­to, não tem pre­ço.

Mu­lhe­ra­da

Além da lín­gua avan­ta­ja­da, Gene Simmons se or­gu­lha de ou­tra coi­sa gran­de em sua vi­da: o nú­me­ro de mu­lhe­res com quem já tran­sou.

O bai­xis­ta ba­te no pei­to, cos­pe no chão e ti­ra ce­ra do ou­vi­do pa­ra di­zer que fo­ram mais de qu­a­tro mil du­ran­te sua vi­da – to­das de­vi­da­men­te re­gis­tra­das em po­la­roids ti­ra­das du­ran­te o ato. Aliás, ele faz ques­tão de di­zer em al­to e bom som que, me­lhor do que ser in­te­gran­te do Kiss é po­der fa­zer um “bis” do show nos quar­tos dos ho­téis com as fãs.

Tam­bém são fa­mo­sas as histórias de ca­ma­rins, com os in­te­gran­tes do Kiss (Simmons, prin­ci­pal­men­te) “se aque­cen­do” com as mu­lhe­res an­tes de su­bir ao pal­co.

O mú­si­co afir­ma ter tran­sa­do com mais de 4 mil mu­lhe­res du­ran­te as tur­nês – e ele tem to­das fo­to­gra­fa­das pa­ra po­der pro­var...

O bai­xis­ta com ca­ra de mau e lín­gua de boi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.