Con­tos eró­ti­cos

Guia Astral - - Tá NoSite -

Pro­van­do de­se­jos

Saí pa­ra com­prar um biquí­ni e meu ma­ri­do foi jun­to. Es­co­lhi uma pe­ça bem ousada - sem que ele per­ce­bes­se - e en­trei no pro­va­dor pa­ra ex­pe­ri­men­tar. Quan­do abri a cor­ti­na pa­ra mos­trar, ele fi­cou ma­lu­co! En­trou com tu­do na ca­bi­ne. Co­me­ça­mos a transar ali mes­mo! Dis­se que nun­ca em sua vi­da ele ha­via sen­ti­do tan­to te­são, que eu era a mu­lher mais gos­to­sa do mun­do. Eu es­cu­ta­va vo­zes no pro­va­dor ao la­do e is­so só au­men­ta­va o meu de­se­jo. To­da aque­la si­tu­a­ção de pe­ri­go e os mo­vi­men­tos de­li­ci­o­sos do meu ma­ri­do fi­ze­ram com que che­gás­se­mos ao or­gas­mo ra­pi­da­men­te. O pe­ri­go de apa­re­cer al­guém a qual­quer mo­men­to foi o in­gre­di­en­te que nos dei­xou lou­cos de te­são. De­pois des­se dia, nun­ca mais a nos­sa vi­da se­xu­al foi a mes­ma! Ago­ra, sem­pre vi­ve­mos es­sa adre­na­li­na de transar em al­gum lu­gar proi­bi­do . Ma­ri­a­na

Amor clan­des­ti­no

Eu ti­nha com­bi­na­do de me en­con­trar com meu aman­te em meu apar­ta­men­to. Já era tar­de e ele ain­da não ti­nha apa­re­ci­do. Com­bi­nou de che­gar às no­ve, mas eu ain­da o es­pe­ra­va, an­si­o­sa. Ador­me­ci no so­fá, fin­gin­do não per­ce­ber a por­ta des­tran­ca­da. Não vi quan­do ele che­gou. Fui acor­da­da com bei­jos e pa­la­vras sus­sur­ra­das ao ou­vi­do. O cli­ma es­quen­tou: uma mão por den­tro da cal­ça, um to­que mais ou­sa­do... Pu­xou-me até o quar­to. Eu es­ta­va com­ple­ta­men­te en­vol­vi­da, en­quan­to ele, in­cri­vel­men­te se­du­tor, to­ca­va to­do o meu cor­po. Sem tro­car uma pa­la­vra, tran­sa­mos. Foi de­li­ci­o­so, ur­gen­te, ma­ra­vi­lho­so! De ma­nhã, acor­dei so­zi­nha. In­sis­tia em não acre­di­tar. Na­da po­de­ria ser as­sim tão ines­que­cí­vel a não ser um amor clan­des­ti­no . Ma­ra

“Foi de­li­ci­o­so, ur­gen­te, ma­ra­vi­lho­so!”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.