Sai pra lá, ciu­mei­ra!

Fu­ja des­sa rou­ba­da com a aju­da do seu signo

Guia Astral - - Contents -

Fu­ja des­sa rou­ba­da com a aju­da do seu signo

ÁRI­ES

A pes­soa des­se signo é im­pul­si­va, quer que tu­do se­ja do seu jei­to e, co­mo é bas­tan­te im­pa­ci­en­te, cos­tu­ma se ir­ri­tar fá­cil. Se o ciú­me ba­ter, a ari­a­na não pen­sa du­as ve­zes e já sol­ta os ca­chor­ros pa­ra ci­ma de quem ama.

Aca­be com o ciú­me:

Man­ter a cal­ma não é mui­to o seu for­te, mas evi­te bri­gar, dis­cu­tir ou to­mar uma ati­tu­de mais agres­si­va quan­do o ciú­me fa­lar al­to.

Pa­ra ten­tar se acal­mar e evi­tar bri­gas que po­dem des­gas­tar a re­la­ção, que tal con­tar até dez ou um mi­lhão? Cui­da­do com o que diz na ho­ra da rai­va. Co­mo é um po­ço de sin­ce­ri­da­de, po­de ma­go­ar o par e se ar­re­pen­der de­pois.

TOURO

Touro é o signo mais ciu­men­to do Zo­día­co: des­con­fi­a­do, pos­ses­si­vo, con­tro­la­dor e mu­u­ui­to ape­ga­do ao ama­do. Quer sa­ber tu­do que a pes­soa fez, faz e vai fa­zer. E mes­mo que o seu par- cei­ro não dê mo­ti­vos, es­se signo bri­ga e dis­cu­te por horas.

Aca­be com o ciú­me:

Evi­te tu­do aqui­lo que pos­sa des­per­tar a sua des­con­fi­an­ça, co­mo as re­des so­ci­ais do ama­do ou fa­lar so­bre ex-amo­res. Di­mi­nua o fa­la­tó­rio! Afi­nal, bri­gar a to­do mo­men­to e dis­cu­tir por qual­quer coi­si­nha bo­ba du­ran­te horas can­sa qual­quer um. Apos­te na sua sen­su­a­li­da­de, jei­to ca­ri­nho­so e ro­man­tis­mo pa­ra for­ta­le­cer o re­la­ci­o­na­men­to e, as­sim, sen­tir mais se­gu­ran­ça a dois.

GÊMEOS

De­tes­ta co­bran­ças e ce­ni­nhas de ciú­me. Mas é in­cons­tan­te e mu­da de ideia e hu­mor de uma ho­ra pra ou­tra — bas­ta uma pa­la­vra mal co­lo­ca­da pra fe­char a ca­ra e não que­rer ver a pes­soa nem pin­ta­da de ou­ro na sua fren­te.

Aca­be com o ciú­me:

Re­sol­va os pro­ble­mas do ro­man­ce e es­cla­re­ça to­das as des­con­fi­an­ças que pin­ta­rem com uma boa con­ver­sa.

Só não dei­xe que o pa­po vi­re bri­ga, ok? Pa­ra is­so, abu­se do seu jei­to des­con­traí­do pa­ra ajei­tar as coi­sas sem dis­cu­tir.

Apos­te na ami­za­de, ale­gria, com­pa­nhei­ris­mo e cri­a­ti­vi­da­de pa­ra dei­xar o re­la­ci­o­na­men­to ain­da me­lhor a ca­da dia.

CÂNCER

Es­ban­ja amor e ca­ri­nho, mas tam­bém não eco­no­mi­za nas co­bran­ças e ciú­me. Co­mo tem pa­vor de se de­cep­ci­o­nar com quem ama, po­de fi­car in­se­gu­ra e pos­ses­si­va se o par pa­re­cer dis­tan­te ou não cur­tir uma ati­tu­de de­le.

Aca­be com o ciú­me:

Não dei­xe a in­se­gu­ran­ça do­mi­nar vo­cê só por­que tem uma mu­lher per­to do seu ho­mem ou ele não aten­deu o ce­lu­lar, ok? Se­ja mais com­pre­en­si­va e es­for­ce-se pra dar um pou­co de es­pa­ço pa­ra o ca­ra! Is­so vai for­ta­le­cer a re­la­ção.

E se o ciú­me ba­ter e ro­lar bri­ga, apos­te no seu jei­to amo­ro­so, mei­go e aten­ci­o­so pra fa­zer as pa­zes.

LEÃO

Se ba­ter um ciu­mi­nho de le­ve, o or­gu­lho e a vai­da­de da le­o­ni­na não vão dei­xá-la per­der o con­tro­le. Ago­ra, ai do ca­ra que der uma man­ca­da com vo­cê — a le­o­ni­na vi­ra uma fe­ra e nun­ca irá es­que­cer o que o par fez.

Aca­be com o ciú­me:

É di­fí­cil pra Leão, mas não quei­ra ga­nhar elo­gi­os a to­da ho­ra ou que o ca­ra re­pa­re que vo­cê cor­tou um cen­tí­me­tro do ca­be­lo. Ten­te se con­tro­lar e evi­tar con­fu­sões — se fi­zer um es­cân­da­lo ca­da vez que o ciú­me pin­tar, não há pes­soa que aguen­te.

An­tes de bri­gar ou to­mar uma ati­tu­de mais drás­ti­ca, pen­se com cal­ma e in­ves­ti­gue me­lhor a si­tu­a­ção.

VIRGEM

Es­se signo é dis­cre­to até quan­do sen­te ciú­me. Não é de bri­gar ou fa­zer bar­ra­co na fren­te dos ou­tros, mas não fi­ca qui­e­to não: é sin­ce­ro, vi­gia os pas­sos do par de lon­ge e ti­ra a his­tó­ria a lim­po ca­so não cur­ta al­gu­ma coi­sa.

Aca­be com o ciú­me:

Não fi­que ana­li­san­do ca­da pa­la­vra, ges­to ou ati­tu­de do ca­ra pra ten­tar des­co­brir tu­do o que ele faz.

Na ho­ra da rai­va, evi­te bri­gar e apon­tar os de­fei­tos do par. Mos­tre o que sen­te com cal­ma e não exa­ge­re na sin­ce­ri­da­de.

Se o par não agir co­mo vo­cê es­pe­ra ou achar que fal­ta em­pe­nho de­le, is­so não sig­ni­fi­ca que o amor aca­bou, ok?

LIBRA

Vo­cê va­lo­ri­za a har­mo­nia, é sen­sa­ta e não cos­tu­ma fi­car no pé do par. Não se dei­xa do­mi­nar pe­lo ciú­me, mas, mes­mo que ro­le al­go, re­sol­ve tu­do com uma boa con­ver­sa. E se per­ce­ber que er­rou, pe­de des­cul­pas sem pro­ble­ma.

Aca­be com o ciú­me:

Ca­so a pes­soa ama­da pa­re­ça dis­tan­te, na­da de co­lo­car mi­nho­ca na ca­be­ça e du­vi­dar dos sen­ti­men­tos de­la, ok?

Se a in­se­gu­ran­ça e o ciú­me fa­la­rem al­to, na­da de bri­gar com o par. Apos­te nu­ma boa con­ver­sa pra re­sol­ver tu­do.

Não dei­xe que coi­sas bo­bas, sem im­por­tân­cia, afe­tem sua con­fi­an­ça. Use seu jo­go de cin­tu­ra pra con­tor­nar a si­tu­a­ção.

ESCORPIÃO

Es­se signo é su­per­des­con­fi­a­do e pos­ses­si­vo. Se ro­lar uma pon­ti­nha só de dú­vi­da, o sos­se­go do ro­man­ce aca­ba: o ciú­me acen­de, a es­cor­pi­a­na pas­sa a vi­gi­ar os pas­sos da pes­soa ama­da, as co­bran­ças e bri­gas não têm fim.

Aca­be com o ciú­me:

Não dei­xe a ciu­mei­ra do­mi­nar vo­cê e evi­te bri­gar, fa­zer con­fu­são, gri­tar ou in­sul­tar seu amor em pú­bli­co, ok?

Vi­gi­ar os pas­sos do par, con­tro­lar e que­rer sa­tis­fa­ções por qual­quer coi­sa po­dem su­fo­car e afas­tar o ca­ra. Con­tro­le-se! Ten­tar se vin­gar pro­vo­can­do o ciú­me de quem ama po­de ser um ti­ro no pé e aca­bar es­tra­gan­do tu­do. Fu­ja dis­so.

SAGITÁRIO

A sa­gi­ta­ri­a­na é de­sen­ca­na­da e va­lo­ri­za a con­fi­an­ça e li­ber­da­de na re­la­ção. Por is­so, não pe­ga no pé do ama­do. E mes­mo que ro­le um dra­mi­nha por con­ta do ciú­me, es­se sen­ti­men­to não dura mui­to tem­po e lo­go tu­do vol­ta ao nor­mal.

Aca­be com o ciú­me:

Sagitário é sin­ce­ro e diz na la­ta quan­do não gos­ta de al­go, o que po­de ma­go­ar e cau­sar bri­gas. Pen­se an­tes de fa­lar! Quan­do o ciú­me pin­tar, apos­te no la­do brin­ca­lhão e ale­gre do seu signo pra des­con­trair a si­tu­a­ção e afas­tar a cri­se. Vo­cê gos­ta de ter o co­man­do da re­la­ção, mas es­for­ce-se pra lem­brar que tan­to vo­cê qu­an­to o par pre­ci­sam de es­pa­ço.

CAPRICÓRNIO

Pre­ci­sa ter al­guém que par­ti­ci­pe da sua vi­da, acre­di­ta que de­ve exis­tir con­fi­an­ça a dois e não ad­mi­te in­fi­de­li­da­de. Mas per­der o con­tro­le por cau­sa de ciú­me não faz o estilo des­se signo tão re­ser­va­do e ra­ci­o­nal.

Aca­be com o ciú­me:

Co­mo seu signo cos­tu­ma ser do­mi­na­do pe­la ra­zão, pen­se com cal­ma, ava­lie e ve­ja se tem mo­ti­vos pra ter ciú­me.

E quan­do a des­con­fi­an­ça pin­tar, apos­te nu­ma con­ver­sa sé­ria e tran­qui­la pa­ra es- cla­re­cer tu­do an­tes de bri­gar.

Em­bo­ra Capricórnio não se­ja de dis­cu­tir em pú­bli­co, is­so não quer di­zer que po­de ex­plo­dir quan­do es­ti­ve­rem so­zi­nhos.

AQUÁ­RIO

Acre­di­ta que um de­ve res­pei­tar o es­pa­ço e a li­ber­da­de do ou­tro na re­la­ção. Por is­so, não é de con­tro­lar o par, fa­zer co­bran­ças ou ce­ni­nhas de ciú­me. Mas, se al­go in­co­mo­dar, tem uma con­ver­sa sin­ce­ra com o ama­do na ho­ra.

Aca­be com o ciú­me:

Se es­tá com uma pul­ga atrás da ore­lha, con­ver­se. Mas não fi­que só fa­lan­do e dei­xe o ca­ra ex­pli­car tu­do. Sai­ba ou­vir!

Apos­te na cri­a­ti­vi­da­de, res­pei­to e sin­ce­ri­da­de, além da tro­ca de idei­as e opi­niões, pra dei­xar o ciú­me bem lon­ge.

Pa­ra Aquá­rio, a ra­zão cos­tu­ma su­pe­rar a emo­ção. Mas pro­cu­re não agir com tan­ta fri­e­za com o par, ok?

PEI­XES

Seu signo é bas­tan­te ape­ga­do e gos­ta de es­tar sem­pre jun­ti­nho da pes­soa ama­da. Pa­ra a luz do seu ciú­me acen­der, bas­ta o par pa­re­cer meio dis­tan­te. Aí, co­me­ça a ima­gi­nar que es­tá sen­do traí­da, bri­ga feio e faz aque­le dra­ma.

Aca­be com o ciú­me:

Pei­xes é emo­ti­vo e dra­má­ti­co, mas, quan­do a ciu­mei­ra ba­ter, na­da de fi­car fan­ta­si­an­do e au­men­tan­do as coi­sas! Acre­di­te: não é por­que o par não fa­la so­bre o que sen­te 24 horas por dia que ele trai ou não es­tá mais a fim de vo­cê, ok? Não so­fra em si­lên­cio, pois is­so só vai pi­o­rar as coi­sas. Se al­go es­tá in­co­mo­dan­do, abra o jo­go e con­ver­se nu­ma boa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.