Ele es­tá te train­do?

10 pis­tas pa­ra vo­cê des­co­brir se o ga­to pu­la a cer­ca

Guia Astral - - News -

10 pis­tas pa­ra vo­cê des­co­brir se o ca­ra pu­la a cer­ca

Atrai­ção é uma das coi­sas mais di­fí­ceis de se en­fren­tar num re­la­ci­o­na­men­to. Pra te aju­dar a sair des­sa en­ras­ca­da, a Guia As­tral reu­niu 10 pis­tas pra iden­ti­fi­car uma pos­sí­vel es­ca­pa­da. Con­fi­ra!

1.Uma re­la­ção mor­na é o ce­ná­rio per­fei­to pra uma ten­ta­ção to­mar con­ta. Por is­so, é im­por­tan­te iden­ti­fi­car si­nais de que o lan­ce não es­tá lá aque­las coi­sas e que po­de, as­sim, re­sul­tar em uma trai­ção. Mas tam­bém não pre­ci­sa se de­ses­pe­rar por qual­quer si­lên­cio ou mu­dan­ça no co­ti­di­a­no de vo­cês.

2.Mas, se o “ge­lo” vi­ve do­mi­nan­do os mo­men­tos a dois... Olhos aber­tos! Ain­da mais se vo­cê per­ce­be o ga­to se­can­do ou­tras qu­an­do vo­cês sa­em. Se sim, pro­cu­re re­pa­rar se is­so é bem co­mum. É que al­guns ho­mens ape­lam pra es­se ti­po de ati­tu­de pa­ra de­mons­trar sua in­sa­tis­fa­ção com o lan­ce.

3.Fa­lan­do em in­sa­tis­fa­ção, co­me­çou a tem­po­ra­da de re­cla­ma­ções ou acu­sa­ções so­bre vo­cês? Que vo­cê es­tá dis­tan­te, ou su­per­ciu­men­ta? É o mo­men­to de re­pen­sar su­as ati­tu­des: ele tem ra­zão? Ca­so ava­lie que não, fi­que li­ga­da! Um pa­po des­se ti­po po­de ser só o ca­ra ten­tan­do jus­ti­fi­car a pu­la­da de cer­ca.

4.Ou­tra coi­sa pra se ob­ser­var é o com­por­ta­men­to do ga­to. Ve­ja se ele pas­sou

a ser agres­si­vo ou se es­tá se pre­o­cu­pan­do mais com a apa­rên­cia, co­mo ca­pri­char no vi­su­al pra sair e se exer­ci­tar. Cla­ro que es­se cui­da­do to­do po­de ser pra vo­cê. Mas, se ele nun­ca foi mui­to dis­so, não dei­xa de ser es­tra­nho, né?

5.Mais um fa­to pra fi­car li­ga­da é nos atra­sos do ca­ra. As ho­ras ex­tras no tra­ba­lho tri­pli­ca­ram mis­te­ri­o­sa­men­te, as­sim co­mo aque­les com­pro­mis­sos que não po­dem ser adi­a­dos? Aí po­de ter coi­sa, prin­ci­pal­men­te se ele aca­ba se es­que­cen­do das coi­sas que com­bi­nou com vo­cê.

6.O ce­lu­lar do ga­to po­de vi­rar seu pi­or ini­mi­go. Do na­da, ele sai de per­to de vo­cê pra aten­der uma li­ga­ção, ou tro­ca tor­pe­dos o dia in­tei­ro com uma pes­soa que vo­cê não sa­be quem é. Nes­ses ca­sos, ex­pe­ri­men­te per­gun­tar, com jei­ti­nho, quem era. Pres­te aten­ção na res­pos­ta: ga­gue­jar ou dar aque­la al­te­ra­da no tom de voz são re­a­ções sus­pei­tas. Afi­nal, quem não de­ve, não te­me!

7.Ca­so o ca­ra es­te­ja há mui­to tem­po nu­ma fa­se de pão-du­ris­mo, tam­bém é de se es­tra­nhar! Prin­ci­pal­men­te se no co­me­ço do lan­ce ele era mais mão aber­ta. Fi­que aten­ta nos gas­tos de­le e ten­te lo­ca­li­zar pa­ra on­de as des­pe­sas ex­tras es­tão in­do. Se ele não es­tá gas­tan­do com ele mes­mo, com a ca­sa ou com vo­cê e mes­mo as­sim a con­ta não ba­te, va­le a pena fi­car com a pul­ga atrás da ore­lha.

8.Tam­bém é bom pres­tar aten­ção nas con­ver­sas do dia-a-dia, e até re­vi­ver men­tal­men­te al­gu­mas de­las. Vo­cê sen­te que es­tão con­tan­do me­nos coi­sas um ao ou­tro, ou que os as­sun­tos não sur­gem mais na­tu­ral­men­te? Se não con­se­guem mais man­ter uma con­ver­sa olho no olho, fi­ca di­fí­cil con­ter as sus­pei­tas.

9.Por fim, mas não me­nos im­por­tan­te, o se­xo. O cli­ma en­tre qua­tro pa­re­des es­fri­ou? Pa­re­ce es­tar cain­do na ro­ti­na? Se es­sa que­da na dis­po­si­ção se­xu­al não ti­ver ne­nhum mo­ti­vo emo­ci­o­nal ou de saúde, fi­que aten­ta! Na vi­da a dois, es­pe­ci­al­men­te se a re­la­ção já ti­ver mui­to tem­po, é co­mum a vi­da se­xu­al fi­car mais aco­mo­da­da. Mas se is­so acon­te­ceu do na­da ou se vo­cês não se to­cam já faz mu­ui­to tem­po, não dei­xe de fi­car de olho, pois al­gu­ma coi­sa po­de es­tar acon­te­cen­do pa­ra o ca­ra se afas­tar de vo­cê des­sa ma­nei­ra.

10.Se vo­cê se iden­ti­fi­cou com uma ou mais pis­tas aci­ma, lem­bre-se de que uma boa con­ver­sa é sem­pre a me­lhor op­ção pa­ra por os pin­gos nos “is” en­tre vo­cês. Se ain­da não es­tá pre­pa­ra­da pra ter es­sa con­ver­sa, vo­cê tem a op­ção de li­be­rar seu la­do de­te­ti­ve e cor­rer atrás de evi­dên­ci­as mai­o­res: dê aque­la fu­ça­da nas re­des so­ci­ais do seu amor, pro­cu­ran­do por um co­men­tá­rio ou uma cur­ti­da mais sus­pei­tas. Va­le tam­bém sen­tir o chei­ro das rou­pas que ele usou: os ho­mens mais des­li­ga­dos po­dem lar­gar um per­fu­me des­co­nhe­ci­do na ca­mi­sa. An­tes de fa­zer es­sa bus­ca, não se es­que­ça de que vo­cê po­de não en­con­trar na­da e fi­car ar­re­pen­di­da, va­leu?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.