Le­tí­cia Co­lin

Le­tí­cia Co­lin con­ta tu­do so­bre a sua per­so­na­gem Ro­sa, da no­ve­la Se­gun­do Sol

Guia Astral - - Índice -

A atriz abre o jo­go so­bre o su­ces­so de Ro­sa na no­ve­la das no­ve

Co­mo uma tí­pi­ca ca­pri­cor­ni­a­na, Le­tí­cia Co­lin é es­for­ça­da e tra­ba­lha­do­ra. “Co­me­cei a tra­ba­lhar com oi­to anos”, con­ta. Es­se sig­no tam­bém é fa­mo­so por ser ob­je­ti­vo, ter cons­ci­ên­cia das su­as ações e res­pon­sa­bi­li­da­des, além de bus­car a pró­pria su­pe­ra­ção: “acho que a vi­da é uma con­ti­nui­da­de de be­los de­sa­fi­os. Mui­tos per­so­na­gens aju­dam a gen­te a apren­der coi­sas, a se trans­for­mar co­mo ser hu­ma­no e a me­lho­rar co­mo ator”, con­fes­sa. Con­fi­ra a se­guir um pou­co mais so­bre a atriz que es­tá ba­ten­do um bo­lão na no­ve­la das no­ve, Se­gun­do Sol, co­mo a ga­ro­ta de pro­gra­ma Ro­sa.

CAR­REI­RA

“Eu pre­zo mui­to pe­lo meu tra­ba­lho, amo mui­to o que fa­ço. Te­nho vin­te anos de car­rei­ra, olha que lou­co!”.

BAIANA AR­RE­TA­DA

“Es­sa per­so­na­gem Ro­sa é fo­go! Ela pro­vo­ca as pes­so­as, tem uma opi­nião for­te, não le­va de­sa­fo­ro pa­ra ca­sa e tem es­sa coi­sa que é mui­to baiana, que é um cor­po con­fi­an­te, sol­to, li­vre, cheio de ma­le­mo­lên­cia, de mu­si­ca­li­da­de”.

PARECIDAS, SÓ QUE NÃO

“Ela ( Ro­sa) tem uma au­to­con­fi­an­ça, uma co­ra­gem que eu acho que não te­nho. Até te­nho uma de­ter­mi­na­ção pa­ra con­se­guir as coi­sas que quero, mas a Ro­sa é im­pul­si­va de­mais. Às ve­zes, ela po­de­ria pen­sar du­as ve­zes an­tes de fa­lar al­gu­ma coi­sa, e ela es­tou­ra, fa­la, se co­lo­ca. É uma per­so­na­gem co­ra­jo­sa, for­te”.

PEGADA SENSUAL

“É uma coi­sa da Bahia, né? Vem da co­mi­da, da mú­si­ca, tem um afro­di­sía­co. Ela ( Ro­sa) é uma mu­lher que pas­sa e as pes­so­as no­tam, tem uma re­la­ção com o cor­po que é mui­to tran­qui­la, que é uma afir­ma­ção da sen­su­a­li­da­de, da na­tu­ra­li­da­de”.

MUDANÇAS

“É um vo­ca­bu­lá­rio no­vo e eu me di­vir­to com­pon­do a per­so­na­gem. Mu­dar me atrai mui­to. Uma das gran­des par­tes da mi­nha car­rei­ra é me ver com uma ca­ra di­fe­ren­te”.

MORENA

“Achei bem di­fe­ren­te. Pas­sei uns di­as to­man­do sus­to no es­pe­lho, fa­lan­do: ‘Ah, sou eu’. Mas es­tou apai­xo­na­da, es­tou achan­do in­crí­vel ser morena”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.