Amor den­tro e fo­ra das te­las

Jun­tos e apai­xo­na­dos há 2 anos, Ga­bri­el Le­o­ne e Car­la Sal­le con­tra­ce­nam em On­de Nas­cem os For­tes co­mo Her­ma­no e Valquí­ria, em uma re­la­ção frá­gil

Guia da Tevê - - VIU? VOCÊ - CAR­LA SAL­LE

Re­en­con­tro com Ga­bri­el Le­o­ne em ce­na

“É sem­pre mui­to le­gal tra­ba­lhar com o Ga­bri­el. Es­sa é a se­gun­da vez que eu es­tou no mes­mo pro­je­to que ele. Em Os Di­as Eram As­sim nos fo­mos ir­mão, e ago­ra, co­mo par. A gen­te tra­ba­lha um lu­gar di­fe­ren­te den­tro da gen­te. Por­que o amor já exis­te. A gen­te le­va es­se amor pa­ra um lu­gar com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do que é o nos­so amor da vi­da re­al. É um amor com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do nos­so. Exis­te o amor, que exis­te en­tre nós, mas é tão di­fe­ren­te que a gen­te te­ve ca­var, se apro­fun­dar, e achar es­se lu­gar den­tro da gen­te. Di­fe­ren­te do que é o nos­so, o lu­gar do nos­so amor.”

Di­fe­ren­ci­an­do o amor da vi­da re­al com o da fic­ção?

“A gen­te es­tá cos­tu­ma­do com o amor que a gen­te co­nhe­ce, que é o nos­so: Car­la e Ga­bri­el. Es­se amor que a gen­te es­tá cons­truin­do co­mo Valquí­ria e Her­ma­no, que não é exa­ta­men­te um amor, prin­ci­pal­men­te da par­te do Her­ma­no pa­ra com a Valquí­ria, é uma cons­tru­ção, é uma com­po­si­ção, di­fe­ren­te do que é pra gen­te. Não é sim­ples as­sim vir aqui e fa­zer o que a gen­te já co­nhe­ce, co­lo­car pa­ra fo­ra um sen­ti­men­to que a gen­te já co­nhe­ce. É um sen­ti­men­to des­co­nhe­ci­do da gen­te. É um amor em ou­tro lu­gar. En­tão, não é mais fá­cil não.”

Li­ber­da­de na re­la­ção

“Eu acho que a par­tir do mo­men­to que vo­cê quer ter li­ber­da­de, vo­cê tem que dar li­ber­da­de ao ou­tro. Vo­cê não po­de que­rer ser li­vre e apri­si­o­nar o ou­tro. A li­ber­da­de é uma via de mão du­pla, né? Eu en­xer­go a li­ber­da­de des­sa for­ma.”

Pai­xão pe­lo nor­des­te

“Eu sai do nor­des­te ex­tre­ma­men­te trans­for­ma­da. Eu te­nho raí­zes ser­ta­ne­jas. A fa­mí­lia de mi­nha mãe é do ser­tão de Per­nam­bu­co. Eu car­re­go mui­to da his­tó­ria des­se po­vo no meu pró­prio san­gue, aque­le lu­gar me to­ca em um lu­gar mui­to es­pe­ci­al. Fi­quei re­co­nec­ta­da com as mi­nhas raí­zes. O ser­tão nos dei­xa em con­ta­to com o que é es­sen­ci­al: o cor­po, a ter­ra, o céu. Foi en­gran­de­ce­dor pas­sar es­se pe­río­do lá.”

GA­BRI­EL LE­O­NE

Re­per­cus­são do per­so­na­gem

“Eu es­tou mui­to fe­liz com a re­per­cus­são do tra­ba­lho co­mo um to­do. Es­tou fe­liz que as pes­so­as es­tão gos­tan­do e ain­da tem mui­ta coi­sa pa­ra acon­te­cer. A gen­te já gra­vou pra­ti­ca­men­te tu­do. A gen­te sa­be pa­ra on­de a his­tó­ria vai. E acre­di­to que to­do mun­do vai se sur­pre­en­der mais ain­da.”

Um qua­dra­do amo­ro­so

“A gen­te cons­truiu o amor do Her­ma­no e da Ma­ria (Ali­ce Weg­mann), só que es­se amor se mos­tra co­mo im­pos­sí­vel de­vi­do à mor­te do No­na­to (Mar­co Pi­gos­si), que ela re­la­ci­o­na com o pai do Her­ma­no. Aca­ba ge­ran­do um con­fli­to en­tre eles. Eles se gos­tam, mas é di­fí­cil eles fi­ca­rem jun­tos nes­se mo­men­to. Aí sur­ge o Sim­plí­cio (Lee Tay­lor), que é um ca­ra que a aju­da, e sur­ge a Valquí­ria, en­tão eles se des­co­nec­tam um pou­co com es­sas ou­tras pos­si­bi­li­da­des de re­la­ci­o­na­men­to pa­ra os dois. É ló­gi­co que is­so tu­do se mis­tu­ra!”

Her­ma­no e Ma­ria

“A re­la­ção de­le com a Ma­ria é mui­to in­ten­sa e mui­to rá­pi­da ao mes­mo tem­po. É tu­do mui­to in­ten­so, uma pai­xão ful­mi­nan­te. Fi­ca ali um de­se­jo, uma von­ta­de de­les que­re­rem se en­con­trar. Mas a vi­da se­gue, né?”

Her­ma­no e Valquí­ria

“Com a Valquí­ria as coi­sas acon­te­cem de uma for­ma na­tu­ral, em uma re­la­ção que se de­sen­vol­ve aos pou­cos. Ela pas­sa ser uma pos­si­bi­li­da­de de fe­li­ci­da­de pa­ra ele.”

La­do a la­do com Car­la Sal­le

“Nes­se pro­je­to a gen­te tem gra­va­do mui­to. Ce­nas in­ten­sas e tu­do mais. É ine­vi­tá­vel que a gen­te fa­le so­bre is­so, co­men­te so­bre is­so fo­ra dos es­tú­di­os Glo­bo. A gen­te res­pei­ta mui­to o es­pa­ço do ou­tro, e a gen­te tem uma par­ce­ria ar­tís­ti­ca mui­to ba­ca­na. A gen­te se en­ten­de, te­mos idei­as mui­to pa­re­ci­das. A gen­te es­tá ti­ran­do pro­vei­to do fa­to de ser­mos na­mo­ra­dos, não no sen­ti­do de di­zer­mos que já te­mos um amor cons­truí­do, já que a re­la­ção dos per­so­na­gens não tem na­da a ver com a nos­sa re­la­ção. A gen­te es­tá ti­ran­do pro­vei­to de es­tar­mos mais jun­tos e com mais frequên­cia, e a gen­te tem es­sa opor­tu­ni­da­de de pen­sar, con­ver­sar, de cons­truir jun­to, en­ten­deu? Es­sa coi­sa da quí­mi­ca, na ver­da­de, acho que não tem a ver com is­so. Eu e a Ali­ce não na­mo­ra­mos, e a coi­sa fi­cou bem no ar. A quí­mi­ca vai mui­to da ge­ne­ro­si­da­de em ce­na. Cla­ro que eu te­nho quí­mi­ca com a Car­la na vi­da, mas em ce­na a gen­te po­de­ria não se en­ten­der, não se bi­car, e tal.”

Além do tra­ba­lho na TV, Car­la e Ga­bri­el fa­zem cam­pa­nhas pu­bli­ci­tá­ri­as e po­sam pa­ra ca­pas de re­vis­tas jun­tos. A edi­ção de Se­ra­fi­na, da Fo­lha de São Pau­lo, re­pro­du­ziu a fa­mo­sa fo­to de Yo­ko Ono e John Len­non, fei­ta em 1980, com os ato­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.