Mo­ci­nho ou ban­di­do?

Vla­di­mir Bri­ch­ta é Remy, em Se­gun­do Sol, o ir­mão mau-ca­rá­ter de Be­to, mas se­rá que ele é mes­mo o úni­co vi­lão des­sa fa­mí­lia?

Guia da Tevê - - VIU? VOCÊ - Tex­to: Hé­ri­ca Ro­dri­gues En­tre­vis­tas: An­dré Luís Ro­ma­no/co­la­bo­ra­dor

En­quan­to Be­to (Emi­lio Dan­tas), o ir­mão fa­mo­so, se res­sen­te por ter vi­vi­do de men­ti­ras, Remy vi­ve cri­an­do no­vas con­fu­sões em Se­gun­do Sol. Mas se­rá que o pri­mo­gê­ni­to só car­re­ga mal­da­des em sua vi­da? A Guia da TV con­ver­sou com Vla­di­mir Bri­ch­ta, o ator que in­ter­pre­ta Remy, so­bre a per­so­na­li­da­de des­te per­so­na­gem que, em um mês de no­ve­la, já é ama­do e odi­a­do pe­lo pú­bli­co.

O Remy é o vi­lão da his­tó­ria?

“O Remy é o ir­mão mau-ca­rá­ter do Be­to, que du­ran­te to­da a vi­da o en­ro­lou, tem in­ve­ja do su­ces­so de­le, do seu ca­ris­ma e ta­len­to, e por não li­dar bem com is­so, faz al­gu­mas vi­la­ni­as sem­pre mo­ti­va­do por es­sa com­pe­ti­ção lou­ca com es­se ir­mão mais novo. Ele é mau-ca­rá­ter, mas com ques­tões hu­ma­nas que pre­ten­do tra­ba­lhar, não pa­ra de­fen­dê-lo, mas pa­ra que as pes­so­as pos­sam ter o jul­ga­men­to fi­nal a res­pei­to de­le. Eu não com­po­nho um vi­lão, eu com­po­nho um ca­ra que vo­cê po­de ques­ti­o­nar as es­co­lhas e a con­du­ta de­le.”

A Ka­ro­la se diz apai­xo­na­da pe­lo Be­to, mas é aman­te do Remy. Ele gos­ta de­la de ver­da­de ou faz par­te da in­ve­ja que ele tem?

“Exis­te um gos­tar en­tre Ka­ro­la e Remy, por­que pa­ra per­ma­ne­ce­rem jun­tos du­ran­te tan­tos anos, é por­que exis­te um en­con­tro ali. Acho com­ple­xa a re­la­ção en­tre aman­tes, e me per­gun­to o mo­ti­vo por não as­su­mi­rem lo­go. Ka­ro­la e Remy têm es­sa di­nâ­mi­ca con­fu­sa, e exis­tem ou­tros in­te­res­ses que os unem além da pai­xão, cer­ta­men­te um de­les é es­sa dis­pu­ta en­tre Remy e Be­to. É co­mo se o Be­to fos­se qu­em nor­teia o Remy, qu­em co­lo­ca som­bra so­bre ele. Na mi­nha ca­be­ça, co­mo o Be­to nas­ceu quan­do o Remy era fi­lho úni­co, ele aca­bou fi­can­do ma­lu­co ao ver o ir­mão mais novo ser mais que­ri­do e mais ta­len­to­so.”

Mas exis­te al­gu­ma coi­sa boa ne­le? Por­que o ódio e o amor são al­go mui­to pró­xi­mos. Ele tam­bém ama es­se ir­mão?

“Ele ama es­se ir­mão, sim. Eu ten­tei dei­xar cla­ro que é is­so, uma com­ple­xi­da­de de vo­cê con­se­guir amar e odi­ar nu­ma pro­xi­mi­da­de mui­to pa­re­ci­da. Co­mo se a vi­da da pes­soa te per­ten­ces­se um pou­co, mas ele se­ria ca­paz de ma­tá-lo, as­sim co­mo se­ria ca­paz de ma­tar ou­tra pes­soa ca­so es­sa pes­soa qui­ses­se ma­tar o ir­mão. Ele tem uma in­ve­ja tre­men­da por­que o ir­mão é a luz e o sol da ca­sa, por­que o ir­mão tem ta­len­to, e ele acha is­so tu­do o má­xi­mo, mas ao mes­mo tem­po ge­ra so­fri­men­to.”

E a re­la­ção de­le com Dodô é bas­tan­te con­fli­tu­o­sa...

“É hor­ro­ro­sa, por­que o pai é ex­tre­ma­men­te agres­si­vo com ele, acho que ele en­ten­de qu­em é es­se fi­lho e is­so é uma coi­sa hor­ro­ro­sa, é uma fa­ce­ta hu­ma­na de al­guém que só que­ria ser ama­do, que­ri­do pe­lo pai. É um ca­ra que cres­ce ou­vin­do o pai di­zer as­sim: ‘Pô es­se ca­ra não pres­ta, eu me ar­re­pen­di de ter es­se fi­lho’. Is­so é mui­to do­lo­ro­so! Não jus­ti­fi­ca a mal­da­de, mas is­so ex­pli­ca tam­bém um pou­co da dor da­que­le in­di­ví­duo, is­so faz com que de al­gu­ma for­ma ge­re em­pa­tia por ele. O ca­ra co­me­teu um cri­me, mas vo­cê co­me­ça a ob­ser­var que é um ser hu­ma­no ví­ti­ma de de­ter­mi­na­das coi­sas, vo­cê vai en­ten­der um pou­co que aqui­lo ali não se tra­ta de um mons­tro, mas se tra­ta de al­guém que de­sen­vol­veu va­lo­res que são er­ra­dos, é ina­cei­tá­vel vo­cê ser aman­te da mu­lher do seu ir­mão, is­so por­que a so­ci­e­da­de se con­ven­ceu que is­so é um va­lor que a gen­te não acei­ta.”

Ele é um ca­ra pos­sí­vel de exis­tir?

“Ele exis­te no no­ti­ciá­rio, na nos­sa vi­zi­nhan­ça e te­mos que nos con­tro­lar pa­ra não ter­mos ati­tu­des das quais va­mos nos ar­re­pen­der, por­que a chan­ce de a gen­te atro­pe­lar o li­mi­te do ou­tro es­tá o tem­po to­do aí.”

Exis­te um se­gre­do en­tre Remy e Lau­re­ta?

“Pa­re­ce que os per­so­na­gens vi­ve­ram al­go no pas­sa­do, al­go que não fi­cou mui­to cla­ro, mas dá mar­gem ao re­en­con­tro que acon­te­ce en­tre eles. De al­gu­ma for­ma, tan­to o Remy quan­to a Lau­re­ta (Adri­a­na Es­te­ves), dis­pu­tam o con­tro­le so­bre a Ka­ro­la (De­bo­rah Sec­co), e por is­so aca­bam não se dan­do tão bem. A Lau­re­ta é a men­to­ra das vi­la­ni­as de­la, das mal­da­des, dos gol­pes e aca­ba dis­pu­tan­do com Remy es­sa aten­ção.”

Co­mo é ser par­cei­ro de tra­ba­lho da Adri­a­na Es­te­ves?

“Es­ta­mos sem­pre jun­tos nos tra­ba­lhos, nos aju­da­mos, ti­ra­mos dú­vi­das, de­co­ra­mos tex­tos, e acha­mos o tom da his­tó­ria. A gen­te se gos­ta e vi­bra um com o ou­tro. É um ba­ra­to es­tar­mos jun­tos na mes­ma no­ve­la, por­que va­mos po­der apro­vei­tar pa­ra ti­rar fé­ri­as jun­tos tam­bém.”

Vo­cê acre­di­ta que o pas­sa­do do Remy, de­vi­do ao pai ba­ter ne­le te­nha fei­to ele ser co­mo é?

“Na­da que ele te­nha pas­sa­do o jus­ti­fi­ca ser um mau-ca­rá­ter. Não gos­ta­ria que ele se vi­ti­mi­zas­se, mas tam­bém não pre­ci­sa­ria des­con­tar nas pes­so­as em vol­ta, por­que te­ve um pai se­ve­ro em ex­ces­so na in­fân­cia. Ao mes­mo tem­po, is­so o hu­ma­ni­za e faz com que o te­les­pec­ta­dor te­nha em­pa­tia por ele, mes­mo dis­cor­dan­do de su­as ati­tu­des. Ele tem na fi­gu­ra da mãe e do pai uma au­sên­cia que não ex­pli­ca, mas jus­ti­fi­ca es­sa ri­xa com o ir­mão.”

Vo­cê acha que é pos­sí­vel ele se re­ge­ne­rar e vi­rar um mo­ci­nho?

“Não, mo­ci­nho não. Ele rou­bou di­nhei­ro do ir­mão, se re­la­ci­o­na com a Ka­ro­la. Is­so, de al­gu­ma for­ma, já o con­de­na bas­tan­te. Ele dá mui­tos gol­pes.”

Ele já foi ga­ro­to de pro­gra­ma?

“Que eu sai­ba não, mas não o co­nhe­ço tão a fun­do.”

De­pois de pro­ta­go­ni­zar ‘Rock Story’ e ‘Ci­da­de Proi­bi­da’, co­mo es­tá sen­do par­ti­ci­par de ‘Se­gun­do Sol’, no­va no­ve­la das 21h?

“Eu me em­pol­guei mui­to com o con­vi­te, não só por tra­ba­lhar com a mes­ma equi­pe de ‘Rock Story’, com di­re­ção do Den­nis Car­va­lho, mas tam­bém por po­der in­ter­pre­tar pe­la pri­mei­ra vez um tex­to do João Ema­nu­el Car­nei­ro, e atu­ar de novo ao la­do da Adri­a­na (Es­te­ves) em uma no­ve­la. O fa­to de se pas­sar na Bahia tam­bém me atraiu, e sen­ti fa­ci­li­da­de de me apro­pri­ar da­que­le uni­ver­so, além de gos­tar mui­to do per­so­na­gem, o que é o mais im­por­tan­te. Meu per­so­na­gem se cha­ma Remy Fal­cão.”

Mas ele é o ti­po de vi­lão que a gen­te fi­ca com rai­va ou aque­le mais atra­pa­lha­do? “É pa­ra fi­car com rai­va mes­mo, por­que se as pes­so­as não fi­ca­rem com rai­va com as ati­tu­des de­le, é por­que não es­tou fa­zen­do bem. Ele ex­plo­ra o ir­mão, rou­ba di­nhei­ro, é aman­te da na­mo­ra­da do ir­mão. Se is­so não é pa­ra ser odi­a­do en­tão, não sei mais o que ele pre­ci­sa fa­zer pa­ra is­so, tal­vez só su­per­fa­tu­rar obras mes­mo (ri­sos).”

Nes­sa no­ve­la vo­cê vai tra­ba­lhar no­va­men­te com o Da­ni­lo Mes­qui­ta, com qu­em vo­cê já atu­ou em ‘Rock Story’. Co­mo se­rá a re­la­ção en­tre Remy e Va­len­tim?

“Em ‘Rock Story’, meu per­so­na­gem ti­nha uma apro­xi­ma­ção com o de­le por ser o ca­ra que cri­a­va a ban­da em que ele to­ca­va, e cui­da­va de tu­do, mas em ‘Se­gun­do Sol’ exis­te uma re­la­ção mais com­ple­xa pe­lo fa­to de eles se­rem fa­mí­lia. À me­di­da que o Va­len­tim vai ga­nhan­do cor­po den­tro da his­tó­ria, vai en­ten­den­do qu­em é o Remy. Lo­go no iní­cio é di­to que o Remy cos­tu­ma­va le­var o Va­len­tim pa­ra noi­ta­das, e pas­sei­os meio ado­les­cen­tes, mas cer­ta­men­te em al­gum mo­men­to is­so vai vi­rar e vai ha­ver cer­ta re­jei­ção por par­te do ga­ro­to. Is­so pro­va­vel­men­te vai apro­xi­mar a gen­te.”

Em no­ve­las, vo­cê vem de um per­so­na­gem in­crí­vel que era o Gui San­ti­a­go, que era o pro­ta­go­nis­ta, o ído­lo. Co­mo é pa­ra vo­cê es­tar fa­zen­do es­se vi­lão?

“Eu acho que o gran­de ba­ra­to des­sa pro­fis­são é po­der va­ri­ar, se­ja no gê­ne­ro, na lin­gua­gem, ou ca­rá­ter dos per­so­na­gens, en­tão, eu não ser mais o res­pon­sá­vel pe­lo mo­ci­nho da his­tó­ria ago­ra, que é aque­le que tem a tra­je­tó­ria do he­rói trá­gi­co, é um de­sa­fio que me agra­da.”

Ciú­me é al­go que exis­te en­tre ir­mãos, so­bre­tu­do quan­do um é fi­lho úni­co du­ran­te mui­to tem­po e aí vem ou­tro e ele fi­ca ima­gi­nan­do: ‘Ele es­tá pe­gan­do meu lu­gar, meu quar­to, ago­ra te­nho que di­vi­dir.’. Vo­cê, na vi­da re­al, te­ve al­gu­ma téc­ni­ca pa­ra evi­tar is­so en­tre os seus fi­lhos ou en­tre vo­cê na sua fa­mí­lia?

“Não, eu acho que por is­so me in­te­res­sa tan­to es­se per­so­na­gem, es­sa re­la­ção de­le com os ir­mãos, com o pró­prio Be­to, por­que ele tem uma in­ge­rên­cia sob o Cló­vis (Luis Lo­bi­an­co) e ao mes­mo tem­po qu­em mais sa­ca ele é o Io­nan (Ar­man­do Ba­bai­off), en­tão, eu acho que es­sas re­la­ções fra­ter­nas são mui­to va­li­o­sas e eu me in­te­res­so por elas, por­que elas di­zem mui­to a res­pei­to des­sa di­nâ­mi­ca den­tro de ca­sa que eu ti­ve com meus ir­mãos, e que eu ve­jo que meus fi­lhos têm en­tre eles. Es­sa di­nâ­mi­ca diz mui­to so­bre a gen­te, ela é mui­to re­ve­la­do­ra e ela é mui­to com­ple­xa, acho is­so de uma com­ple­xi­da­de tre­men­da, a ca­pa­ci­da­de que vo­cê tem de ter mui­ta rai­va e ao mes­mo tem­po ter mui­to amor.”

E co­mo vo­cê li­da com a in­ve­ja na vi­da re­al? Por­que ago­ra a gen­te es­tá na épo­ca das re­des so­ci­ais e aí to­do mun­do se ex­põe...

“Eu não te­nho re­de so­ci­al. Não sei o que fa­lam de mim, não me in­te­res­sa. What­sapp con­ta?”

Mas che­ga pa­ra vo­cê de al­gu­ma for­ma? Al­guém te pas­sa?

“Não. Se pas­sar eu man­do de vol­ta (ri­sos). Não, não pas­sam não. O que a im­pren­sa fa­la eu fi­co sa­ben­do lo­gi­ca­men­te, por­que eu acho que to­do mun­do tem di­rei­to de ter uma opi­nião, mas a im­pren­sa é com­pos­ta por pes­so­as que se pre­pa­ra­ram, que es­tu­da­ram, se pre­pa­ra­ram pa­ra co­mu­ni­car de­ter­mi­na­da coi­sa, fa­zer aque­la in­for­ma­ção cor­rer, even­tu­al­men­te opi­nar so­bre aqui­lo. Eu acho is­so mui­to di­fe­ren­te da pes­soa que­rer dar a opi­nião sem em­ba­sa­men­to, acho que es­se di­rei­to to­do mun­do tem que ter, mas eu tam­bém te­nho o di­rei­to de não me in­te­res­sar por uma opi­nião que se­ja a meu res­pei­to e não se­ja em­ba­sa­da pa­ra eu le­var em con­si­de­ra­ção. É ba­si­ca­men­te is­so.”

Ho­je mui­to se me­de de au­di­ên­cia ou de re­per­cus­são atra­vés das re­des so­ci­ais. Por lá se sa­be co­mo o pú­bli­co es­tá in­te­ra­gin­do, o que es­tá ro­lan­do. Co­mo é is­so pa­ra vo­cê que não tem re­de so­ci­al? Não fi­ca ven­do os me­mes?

“Não, os me­mes por exem­plo, es­sas brin­ca­dei­ras sur­gem e even­tu­al­men­te eu re­ce­bo, tu­do que eles con­se­guem co­pi­ar no What­sapp. So­bre es­sa for­ma de con­ta­bi­li­zar o su­ces­so, acre­di­to que o ator pre­ci­sa atu­ar com qua­li­da­de o su­fi­ci­en­te pa­ra que o pú­bli­co as­sis­ta e se in­te­res­se, e meu termô­me­tro quan­to a is­so é a Glo­bo con­ti­nu­ar me con­tra­tan­do, com is­so sin­to que es­tá dan­do cer­to. Já fi­car me­din­do pas­so a pas­so eu não gos­to. Não sou con­tra as re­des so­ci­ais, tan­to que meus fi­lhos têm e eu não te­nho o me­nor pro­ble­ma com is­so. Acho que se eu ti­ves­se uns 20 anos e es­ti­ves­se ini­ci­an­do a car­rei­ra de ator, acho que eu não te­ria nem op­ção de não ter uma re­de so­ci­al, por­que é

um lu­gar pa­ra di­vul­gar e etc. Is­so é uma das me­lho­res coi­sas in­clu­si­ve, em vez de vo­cê pa­gar uma for­tu­na, bo­tar um anún­cio no jor­nal pa­ra di­vul­gar sua pe­ça, se vo­cê já tem uma co­mu­ni­ca­ção com as pes­so­as, vo­cê divulga ali, is­so eu acho ma­ra­vi­lho­so. No en­tan­to, eu ain­da não sen­ti es­sa ne­ces­si­da­de.”

Foi co­men­ta­do que vo­cê es­ta­va mais for­te. O que vo­cê tem fei­to pa­ra aju­dar na com­po­si­ção fí­si­ca des­se per­so­na­gem?

“No pro­ces­so pa­ra en­ten­der o per­so­na­gem eu li uma pe­ça cha­ma­da ‘Pa­lo­ma’, que se pas­sa em Sal­va­dor e tem uma re­la­ção de ir­mãos. Ten­tei com­pre­en­der qu­al se­ria a fa­mí­lia Fal­cão em Sal­va­dor e prin­ci­pal­men­te co­mo se­ria o Remy, e qu­em ele gos­ta­ria de ser. Ele é am­bi­ci­o­so, não se con­ten­ta em tra­ba­lhar pa­ra ga­nhar di­nhei­ro, en­tão rou­ba, e co­me­cei a ima­gi­nar que ele gos­ta­ria de per­ten­cer a uma fa­mí­lia mais eli­ti­za­da da re­gião. Co­me­cei a lem­brar des­sas fa­mí­li­as com as quais con­vi­vi e es­tu­dei even­tu­al­men­te, e co­me­cei a lo­ca­li­zar o Remy den­tro do uni­ver­so da clas­se so­ci­al. De­pois pen­sei na ques­tão fí­si­ca, por­que por que­rer fa­zer par­te de uma eli­te bai­a­na, hi­pó­cri­ta e mui­to vai­do­sa com o cor­po, acre­di­to que ele quei­ra tam­bém ter um cor­po di­fe­ren­te. Com is­so achei que fa­ria sen­ti­do eu vol­tar pa­ra a aca­de­mia, fi­car um pou­co mais for­te.”

Quan­to vo­cê ga­nhou de pe­so, mas­sa?

“Eu achei que eu ia fi­car for­ti­nho e ema­gre­cer ao mes­mo tem­po, mas fra­cas­sei (ri­sos), só fi­quei for­ti­nho. Es­tou cer­ca de 8 qui­los aci­ma do meu pe­so nor­mal. Meu pe­so nor­mal é 78 qui­los e ago­ra es­tou com 86 qui­los.”

O seu per­so­na­gem tem mui­to es­se la­do de es­per­ta­lhão, de que quer se dar bem e is­so é uma coi­sa que a gen­te vê mui­to ho­je, não só no jei­ti­nho bra­si­lei­ro, co­mo na po­lí­ti­ca. Eu que­ria sa­ber o que vo­cê es­pe­ra das elei­ções de 2018, se vo­cê acha que o país tem jei­to...

“Pri­mei­ro eu es­pe­ro que a gen­te ele­ja me­nos ‘Remys’. Par­tin­do do pres­su­pos­to que meu per­so­na­gem é es­se mau ca­rá­ter e ele é, é ób­vio que a gen­te es­pe­ra que is­so não acon­te­ça. No en­tan­to, so­bre a po­lí­ti­ca, eu re­pi­to que por mais que a gen­te se de­cep­ci­o­ne com a po­lí­ti­ca não é com a po­lí­ti­ca em si, é com os po­lí­ti­cos e não são to­dos os po­lí­ti­cos. Ge­ne­ra­li­zar é de­so­nes­to com as pes­so­as que são ho­nes­tas e é um ti­ro no pé, por­que se vo­cê co­me­çar a di­zer que 100% das pes­so­as que fa­zem po­lí­ti­ca são de­so­nes­tas, vo­cê pro­va­vel­men­te es­tá in­vi­a­bi­li­zan­do a po­lí­ti­ca e, por con­sequên­cia, vo­cê vai in­vi­a­bi­li­zar a de­mo­cra­cia de ca­mi­nhar. En­tão, eu acho que de­fen­do de­ter­mi­na­das pes­so­as na po­lí­ti­ca que ela pre­ci­sa se mo­der­ni­zar, pre­ci­sa de fi­gu­ras, de ato­res no­vos, sem­pre que a gen­te fa­la is­so pen­sam: ‘Ato­res na po­lí­ti­ca, né?’. Eu acho que pre­ci­sa sim, de um pen­sa­men­to novo, um pen­sa­men­to jo­vem, eu acho que is­so é im­por­tan­te, sou oti­mis­ta e nes­se mo­men­to eu pre­ser­vo o meu oti­mis­mo, ali­men­to ele de que sim, te­re­mos elei­ções em 2018, an­tes de ‘qu­em ele­ge­re­mos’, ‘te­re­mos elei­ções’. Exis­te es­sa pre­o­cu­pa­ção. Se al­guém ago­ra me ga­ran­tir que te­re­mos elei­ções, eu já fi­co ani­ma­do pa­ra vo­tar. Por­que eu acho que é vo­tan­do que se mu­da uma na­ção.”

Co­mo gra­var 30 di­as em Sal­va­dor? Vo­cê aca­bou sen­do um pou­co guia do pessoal?

“Foi mui­to bom vol­tar a Sal­va­dor, não só Sal­va­dor, mas a cos­ta do des­co­bri­men­to tam­bém. E des­de que eu saí de lá com meus 17 anos, eu ti­ve uma co­ne­xão in­ter­na emo­ci­o­nal, mui­to va­li­o­sa e ri­ca, eu não sei se foi uma coin­ci­dên­cia ou a no­ve­la me pre­sen­te­ou as­sim, mas pin­tou um ne­gó­cio que me dei­xou fe­liz. Cla­ro que a gen­te gra­va pou­co em Sal­va­dor, mas se de­pen­des­se de mim e do elen­co, da equi­pe in­tei­ra, a gen­te fa­ria a no­ve­la in­tei­ra lá, mas não dá, não tem co­mo man­ter uma equi­pe in­tei­ra e fa­zer cen­to e tan­tos ca­pí­tu­los lá. A gen­te fez coi­sas mui­to pon­tu­ais lá e de res­to faz aqui. So­bre ser guia eu não fui guia de nin­guém, não (ri­sos). Fui, fui de Adri­a­na, por­que a gen­te te­ve umas saí­das, co­me­ço de no­ve­la é sem­pre uma des­co­ber­ta de per­so­na­gem, de so­ta­que, de ambiente, das re­la­ções fa­mi­li­a­res, en­tão ba­si­ca­men­te um tem­po que vo­cê es­tá per­den­do, sei lá, no bar do ho­tel, to­man­do um ca­fé, con­ver­san­do, aqui­lo ali es­tá dan­do las­tro pa­ra o nos­so tra­ba­lho e is­so é sau­dá­vel, é in­te­li­gen­te pro­por­ci­o­nar is­so. O que acon­te­ce é que quan­do eu fui en­con­trar com a tur­ma, já es­ta­va tu­do no lar­go da ma­ri­qui­ta que é um lar­go fa­mo­sís­si­mo lá, um dos me­lho­res aca­ra­jés, não vou nun­ca di­zer qu­al é o me­lhor e aí de re­pen­te já es­ta­va to­do mun­do lá sen­ta­do, to­man­do cer­ve­ja e aí a gen­te já sen­tou, já con­ver­sou e to­do mun­do já ‘abai­a­ni­zou’ um pou­qui­nho mais.”

É o seu pri­mei­ro vi­lão?

“Em no­ve­las, sim. Em Jus­ti­ça, meu per­so­na­gem era um ca­ra meio dú­bio, mas não ti­nha a fun­ção de ser ca­na­lha co­mo o Remy. No ci­ne­ma eu fiz vi­lões tam­bém, mas em no­ve­la, de fa­to é a pri­mei­ra vez.”

A no­ve­la fa­la de es­co­lhas, mu­dan­ças, trans­for­ma­ções. Vo­cê pas­sou por al­gu­ma gran­de trans­for­ma­ção em sua vi­da, fru­to das su­as es­co­lhas?

“Mu­dan­ça de fa­to eu ti­ve quan­do sen­ti que es­ta­va per­den­do as ré­de­as da mi­nha car­rei­ra, sen­do es­co­lhi­do e não es­co­lhen­do meus tra­ba­lhos. Em 5 anos, fiz 5 no­ve­las, e aí pen­sei: ‘Es­pe­ra, não es­tou me re­co­nhe­cen­do atu­an­do as­sim’. Aí te­ve es­se mo­men­to. Es­sa foi uma es­co­lha, re­as­su­mi o con­tro­le e pen­sei: ‘Pos­so não ter tan­to su­ces­so, mas vou fa­zer o que eu amo’. É is­so!”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.