Viú­va Por­ci­na: a na­mo­ra­di­nha do Bra­sil

Do­na de exa­ge­ros, Viú­va Por­ci­na con­quis­tou vá­ri­os fãs da dé­ca­da de 80 com seu vi­su­al e seus bor­dões ines­que­cí­veis

Guia da Tevê - - CIRCULANDO - Tex­to: Da­ni­e­le Olim­pio/co­la­bo­ra­do­ra

Em 1985 não ha­via quem, com aces­so à te­le­vi­são, não es­ti­ves­se vi­dra­do na fren­te de­la à noi­te. E is­so por­que às 20h co­me­ça­va aque­la novela que, no fu­tu­ro, se­ria con­si­de­ra­da um dos mai­o­res su­ces­sos das te­li­nhas bra­si­lei­ras: Ro­que San­tei­ro. Su­ces­so que con­sa­grou Re­gi­na Duarte co­mo a eter­na “Na­mo­ra­di­nha do Bra­sil” no ima­gi­ná­rio po­pu­lar e a eter­ni­zou nos nos­sos co­ra­ções co­mo a ma­ra­vi­lho­sa Viú­va Por­ci­na.

A que foi sem nun­ca ter si­do

Por­ci­na era exa­ge­ra­da. Com seus ba­du­la­ques, mil pul­sei­ras, pen­du­ri­ca­lhos e do­na de um so­ta­que nor­des­ti­no ar­re­ta­do, rou­ba­va to­das as ce­nas em que apa­re­cia. Vi­via em Asa Bran­ca, ci­da­de in­te­ri­o­ra­na do Nor­des­te, e mo­ra­va nu­ma be­la man­são com to­do o gla­mour e lu­xo da épo­ca, cheia de dou­ra­dos, pe­nas e le­ques. Era cer­ca­da por cri­a­dos e ca­pan­gas e sus­ten­ta­va a his­tó­ria co­mo di­ria o fa­mo­so bor­dão de Por­ci­na “bem me­que­tre­fe”, de que era viú­va de um san­to, no ca­so, Ro­que San­tei­ro (Jo­sé Wil­ker), pro­ta­go­nis­ta e con­si­de­ra­do uma di­vin­da­de na ci­da­de. A mu­lher lu­cra­va mui­to com is­so, que era a tra­ma prin­ci­pal da novela. O pro­ble­ma era que o tal san­to, que não era san­to e nem mor­to es­ta­va, aca­ba vol­tan­do à ci­da­de. E a viú­va que não era nem viú­va e nem ca­sa­da, te­ve sua ver­da­de re­ve­la­da, já que era tu­do uma ma­ra­cu­taia das bra­vas, co­man­da­da por po­lí­ti­cos, pa­dres, pe­la jus­ti­ça e, cla­ro, por Si­nho­zi­nho Mal­ta (Li­ma Duarte), aman­te da Viú­va e com quem fi­cou jun­to no fi­nal da tra­ma, após a mu­lher dar fim ao gran­de sus­pen­se da es­co­lha en­tre Si­nho­zi­nho e Ro­que.

Do­na des­ses no­ve­lei­ros

Por­ci­na foi uma per­so­na­gem que con­quis­tou vá­ri­os fãs no Bra­sil to­do. Des­de o seu vi­su­al ex­ces­si­vo car­re­ga­do em la­ços, co­res for­tes, mui­ta ma­qui­a­gem, até sua ines­que­cí­vel mú­si­ca, Do­na, do gru­po Rou­pa No­va, foi ado­ra­da e ins­pi­rou a mo­da da épo­ca. Seus tre­jei­tos, fa­las e bor­dões, co­mo o mo­do que cha­ma­va sua em­pre­ga­da “Mi­i­i­i­i­i­ir­na” caí­ram no gos­to po­pu­lar. E seu fi­nal, que lem­bra o clás­si­co Ca­sa­blan­ca (1942), quan­do não em­bar­ca com Ro­que no avião e con­ti­nua na ci­da­de ao la­do de Si­nho­zi­nho Mal­ta, le­vou emo­ção aos la­res dos anos 80.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.