BA­TE-PA­PO COM THAÍS MEL­CHI­OR

Guia da Tevê - - CIRCULANDO -

Qual a ex­pec­ta­ti­va pa­ra es­se tra­ba­lho?

“A mi­nha ex­pec­ta­ti­va é a me­lhor pos­sí­vel. Eu sei que nes­se iní­cio, prin­ci­pal­men­te nas pri­mei­ras ce­nas, ha­ve­rá com­pa­ra­ções, crí­ti­cas, mas faz par­te e eu acho que da­qui uma se­ma­na o pú­bli­co co­me­ça a se acos­tu­mar. Eu es­tou de co­ra­ção aber­to.”

Co­mo vo­cê li­dou com as crí­ti­cas após a po­lê­mi­ca de subs­ti­tuir a Mi­le­na?

“Eu acho que tu­do tem o tem­po cer­to pa­ra acon­te­cer, sa­be? O pro­ble­ma não fo­ram as crí­ti­cas, fo­ram as ame­a­ças. Da mes­ma for­ma que tem um mon­te de gen­te cri­ti­can­do, tem mui­to mais gen­te me dan­do apoio, os meus fãs, os fãs da novela. Eu te­nho que sa­ber li­dar da me­lhor for­ma. Eu te­nho que me co­lo­car no lu­gar do pú­bli­co tam­bém, né? Saí por um tem­po das re­des so­ci­ais, só que nós con­ver­sa­mos e de­ci­di se­guir fir­me e for­te nas re­des so­ci­ais e es­tou pre­pa­ra­da pa­ra tu­do.”

O que vo­cê acha­rou da coin­ci­dên­cia da Mi­le­na já ter subs­ti­tuí­do vo­cê em Es­cra­va Mãe?

“Co­mo que é a vi­da, né? A gen­te nem ima­gi­na­va. Eu es­ta­va es­ca­la­da pa­ra fa­zer Es­cra­va Mãe e acha­ram me­lhor eu fa­zer a Aru­na, pro­ta­go­nis­ta de A Ter­ra Pro­me­ti­da. E com is­so a Mi­le­na en­trou pa­ra fa­zer a per­so­na­gem Fi­li­pa. A gen­te fa­lou so­bre is­so (ri­sos). A gen­te fa­lou exa­ta­men­te is­so, co­mo é que é a vi­da. En­fim, te­mos o mes­mo per­fil, re­al­men­te so­mos pa­re­ci­das. Acon­te­ceu du­as ve­zes, a gen­te riu des­sa coin­ci­dên­cia.”

Vo­cê as­sis­tiu as ce­nas da Mi­le­na ou quis pre­pa­rar a sua tia Luí­sa?

“Eu as­sis­to di­a­ri­a­men­te, eu sou fã da novela e do tra­ba­lho da Mi­le­na. As­sim, são du­as atri­zes di­fe­ren­tes, du­as tem­pe­ra­tu­ras di­fe­ren­tes. é cla­ro que a gen­te se­gue o per­fil da per­so­na­gem, eu es­tou me adap­tan­do a es­se per­fil, me en­qua­dran­do nes­se per­fil. O que vo­cês po­dem per­ce­ber é que na fa­se que eu en­tro, a Po­li­a­na já con­se­guiu acal­mar o co­ra­ção­zi­nho da Luí­sa. En­tão, é uma Luí­sa mais de bem com a vi­da. Mas is­so já es­ta­va acon­te­cen­do com a atu­a­ção da Mi­le­na tam­bém, só que ca­da vez vai me­lho­ran­do mais. Ca­da vez, a Po­li­a­na con­se­gue amo­le­cer mais a tia Luí­sa, e se ti­ver al­gu­ma di­fe­ren­ça é es­sa, que já es­ta­va den­tro do pre­vis­to.”

Co­mo foi a gra­va­ção da sua pri­mei­ra ce­na na novela?

“Eu es­ta­va bem ner­vo­sa. Foi uma ce­na na co­zi­nha com a Po­li­a­na, em uma ce­na em que a Luí­sa bri­ga­va com a Po­li­a­na e pa­ra mim não foi fá­cil bri­gar com a Po­li­a­na. Mas faz par­te, eu acho que mes­mo se eu não es­ti­ves­se nes­sa si­tu­a­ção, pa­ra a pri­mei­ra ce­na a gen­te es­tá sem­pre com um frio na bar­ri­ga. Mas eu fui mui­to bem di­ri­gi­da e eu só te­nho a agra­de­cer ao Boury (di­re­tor da novela).”

De­pois de re­ce­ber as ame­a­ças por re­de so­ci­al, vo­cê pen­sou em de­sis­tir da Luí­sa?

“Ja­mais. Eu de­sis­to da re­de so­ci­al, da Luí­sa não.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.