A for­ça da mu­lher!

Kelzy Ecard faz um be­lo tra­ba­lho ao re­tra­tar Ni­ce, em Se­gun­do Sol, que se li­ber­ta das mal­da­des do ma­ri­do!

Guia da Tevê - - CIRCULANDO - Tex­to: Hé­ri­ca Ro­dri­gues En­tre­vis­ta: An­dré Luís Ro­ma­no/co­la­bo­ra­dor

Com uma car­rei­ra con­so­li­da­da no te­a­tro, Kelzy Ecard acei­tou o de­sa­fio de es­tre­ar na TV pa­ra in­ter­pre­tar Ni­ce, uma mu­lher sub­mis­sa. Pres­tes a en­cer­rar a no­ve­la co­mo uma das per­so­na­gens mais im­por­tan­tes, Kelzy sa­be a im­por­tân­cia de mos­trar a for­ça da mu­lher di­an­te da vi­o­lên­cia do­més­ti­ca. “Re­ce­bo men­sa­gens de pes­so­as dan­do for­ça pa­ra a Ni­ce, e até mes­mo con­tan­do ca­sos re­ais de re­la­ci­o­na­men­tos abu­si­vos. É mui­to co­mo­ven­te!”

Vo­cê re­ce­beu um de­se­nho de uma ce­na que um fã fez. Co­mo foi?

“É um ar­tis­ta plás­ti­co, ele já ti­nha fei­to ou­tra vez um de­se­nho de uma ce­na, mas ele fez es­sa de uma ce­na su­pe­rem­ble­má­ti­ca, que é quan­do a per­so­na­gem diz que sim, que vai tra­ba­lhar no res­tau­ran­te da Ca­cau (Fa­biu­la Nas­ci­men­to). Pa­ra Ni­ce, es­se mo­men­to pre­nun­cia uma vi­ra­da de­la na no­ve­la, e o ra­paz pe­gou es­se mo­men­to e fez um de­se­nho lin­do.”

O Bra­sil tor­ceu e tor­ce mui­to pa­ra Ni­ce dei­xar de ser sub­mis­sa¿

“Age­nor es­tá ca­da vez mais agres­si­vo com ela. Mas es­tá per­to de­la aca­bar com es­sa re­la­ção. Me co­mo­ve co­mo as pes­so­as tor­cem pa­ra que ela mu­de, e que a ati­tu­de de­la pos­sa ins­pi­rar ou­tras pes­so­as. Te­nho re­ce­bi­do mui­tas men­sa­gens fa­lan­do so­bre a im­por­tân­cia de ela dar a vol­ta do por ci­ma e po­der aju­dar o tan­to de Ni­ces que exis­tem por aí ain­da.”

Vo­cê acre­di­ta que uma pes­soa co­mo o Age­nor po­de mu­dar?

“É di­fí­cil ge­ne­ra­li­zar. Exis­tem pes­so­as que não se trans­for­mam, mas ou­tras sim. Acho que nin­guém é ca­paz de ge­rar uma trans­for­ma­ção no ou­tro ape­nas por­que quer. A pró­pria pes­soa que­ren­do, con­se­gue mu­dar sua tra­je­tó­ria.”

As mu­lhe­res fa­lam com vo­cê so­bre a Ni­ce?

“Ou­tro dia eu es­ta­va an­dan­do na rua, e veio uma mo­ça de bra­ços aber­tos di­zen­do: ‘dei­xa eu te dar um abra­ço, vo­cê vai nos vin­gar!’. Eu re­ce­bo mui­to ca­ri­nho.”

Co­mo é pa­ra vo­cê dar voz às mu­lhe­res?

“In­fe­liz­men­te re­la­ções abu­si­vas acon­te­cem des­de que o mun­do é mun­do. Os da­dos que te­mos de fe­mi­ni­cí­dio, agres­sões a tran­se­xu­ais, ho­mos­se­xu­ais, po­pu­la­ção LGBT são tão bru­tais, que dar voz a es­sas mi­no­ri­as é um dos mo­ti­vos pe­los quais eu sou uma ar­tis­ta. É uma mis­são, mi­nha fun­ção no mun­do. O vo­lu­me de afe­to de coi­sa boa que es­tou re­ce­ben­do é uma lou­cu­ra, to­do dia é um mon­te de gen­te me agra­de­cen­do. Eu gos­to de res­pon­der, por­que as pes­so­as con­tam a sua his­tó­ria, con­fi­am a mim uma coi­sa par­ti­cu­lar.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.