ACON­TE­CEU NA SE­MA­NA

Guia da Tevê - - A VOZ DOS FAMOSOS -

Até quan­do, Bra­sil? Es­ta­mos em 2018 e, pas­mem, ain­da exis­te tan­to ra­cis­mo que dá pre­gui­ça de to­car, de no­vo, no as­sun­to. Mas só com­ba­te­re­mos es­sas pes­so­as fa­lan­do, mos­tran­do su­as ati­tu­des ig­no­ran­tes e chei­as de ódio e cru­el­da­de. Dá re­vol­ta, dá tris­te­za, mas não dá pa­ra dei­xar pra lá. Na ma­nhã de se­gun­da-fei­ra, 29, a atriz Eri­ka Ja­nu­za foi mais uma ví­ti­ma de ata­ques pre­con­cei­tu­o­sos na web. Uma in­ter­nau­ta cha­ma­da Aman­da Sou­za re­pos­tou uma fo­to da ar­tis­ta em seu per­fil no Ins­ta­gram com uma le­gen­da que dá ver­go­nha de pu­bli­car aqui, em uma re­vis­ta que tem co­mo prin­cí­pio bá­si­co a ale­gria e o res­pei­to. Por is­so de­ci­di­mos não co­lo­car o tex­to. Aman­da apa­gou o post após a re­per­cus­são e de­le­tou o per­fil @aman­da­sou­za25_. Se­rá que se ar­re­pen­deu? À re­vis­ta Gla­mour, Eri­ka Ja­nu­za afir­mou: “O sen­ti­men­to é de tris­te­za e de can­sa­ço. To­da vez que is­so acon­te­ce, me per­gun­to até quan­do se­re­mos al­vo de ata­ques, até quan­do te­re­mos que fa­lar em res­pei­to. Al­guns ain­da acham que é o tal do mi­mi­mi... Sou ne­gra, te­nho or­gu­lho dis­so e não mu­da­ria se pu­des­se. Es­sa sou eu. Fa­lo tam­bém por to­das as pes­so­as que pas­sam por is­so to­dos os di­as, sem voz, sem de­fe­sa. Eu sem­pre dis­se, a mi­nha pro­fis­são não me li­vra de na­da, sou uma ci­da­dã ne­gra. E a cor da mi­nha pe­le é o mo­ti­vo do ódio. As pes­so­as fe­cham os olhos e atro­pe­lam o pró­xi­mo. Tan­tos anos se pas­sam e es­se ódio con­ti­nua. In­co­mo­da­mos. E ser ca­da dia mais for­tes, ocu­par­mos ca­da vez mais es­pa­ços, in­co­mo­da. Nos­sa for­ça e co­ra­gem in­co­mo­dam. E se é por is­so, es­pe­ro que si­ga­mos for­tes, co­ra­jo­sos e mai­o­res que to­do o pre­con­cei­to”. Não é mi­mi­mi, é cri­me e pre­ci­sa ser com­ba­ti­do!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.