Prai­as Cons­tru­to­ra con­cluiu obra do No­vo­tel Itu

Hotéis - - Especial Construção -

A com­ple­xa obra de 38 mil m2 foi exe­cu­ta­da em ape­nas 40 me­ses uti­li­zan­do mé­to­dos e sis­te­mas cons­tru­ti­vos mo­der­nos que re­du­zi­ram pra­zos, cus­tos e ma­xi­mi­za­ram o con­for­to e se­gu­ran­ça da edi­fi­ca­ção

A Prai­as Cons­tru­to­ra aca­ba de en­tre­gar o Em­pre­en­di­men­to No­vo­tel Itu, com­ple­ta­men­te pron­to pa­ra ope­ra­ção, e com­pro­va, mais uma vez, por que é uma das em­pre­sas mais es­pe­ci­a­li­za­das de cons­tru­ção no seg­men­to ho­te­lei­ro no Bra­sil. O pro­je­to de ar­qui­te­tu­ra da Afla­lo & Gas­pe­ri­ni Ar­qui­te­tos foi de­sen­vol­vi­do pa­ra ser uma no­va re­fe­rên­cia em ho­te­la­ria mul­tiu­so pa­ra aten­der di­fe­ren­tes pú­bli­cos o ano to­do. A es­tru­tu­ra pa­ra even­tos de gran­de por­te ali­a­da a uma am­pla e equi­pa­da área de la­zer em uma lo­ca­li­za­ção pri­vi­le­gi­a­da tor­na o ho­tel ex­tre­ma­men­te ver­sá­til e úni­co. Si­tu­a­do na en­tra­da so­ci­al do con­do­mí­nio Ter­ras de São Jo­sé, o ho­tel pos­sui um ter­re­no em de­cli­ve pa­ra a área do cam­po de gol­fe do pró­prio con­do­mí­nio. Es­ta con­di­ção pri­vi­le­gi­a­da de um ter­re­no am­plo com vis­tas pa­ra

áre­as ver­des traz uma qua­li­da­de am­bi­en­tal ini­gua­lá­vel pa­ra sua im­plan­ta­ção.

De acor­do com Jo­sé Luiz Le­mos, Só­cio di­re­tor da Afla­lo & Gas­pe­ri­ni Ar­qui­te­tos, o pro­je­to é di­vi­di­do em seis gran­des áre­as de pro­gra­ma: 343 quar­tos dis­tri­buí­dos ho­ri­zon­tal­men­te em du­as alas e seis an­da­res; área de ame­ni­da­des no tér­reo com aca­de­mia, sau­nas, bar, sa­la de jo­gos, es­pa­ço pa­ra cri­an­ças e res­tau­ran­te; área de con­ven­ções pa­ra 1000 pes­so­as com fle­xi­bi­li­da­de pa­ra aten­der os mais di­ver­sos even­tos; uma área de ser­vi­ços no tér­reo, com to­dos os es­pa­ços e equi­pa­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra aten­der a de­man­da tan­to do ho­tel qu­an­to dos even­tos. Há uma área de es­ta­ci­o­na­men­to pa­ra 250 car­ros dis­tri­buí­dos em três ní­veis com aces­so pa­ra a re­cep­ção do ho­tel e o foyer das con­ven­ções. Já na área ex­ter­na de la­zer es­tão: pis­ci­na, par­qui­nho in­fan­til, cam­po de fu­te­bol e qua­dras de tê­nis e áre­as de jar­dim pron­tas e re­ce­ber even­tos com es­tru­tu­ras tem­po­rá­ri­as. “O pro­gra­ma foi dis­tri­buí­do de for­ma a mi­ni­mi­zar o im­pac­to de um edi­fí­cio de ta­ma­nha es­ca­la com a pai­sa­gem cam­pes­tre da re­gião. O de­sa­fio foi fa­zer com que o gran­de vo­lu­me edi­fi­ca­do ge­ra­do pe­lo cen­tro de con­ven­ções e es­ta­ci­o­na­men­tos não so­bres­saís­sem ao vo­lu­me do ho­tel em si. Pa­ra is­so o des­ní­vel na­tu­ral do ter­re­no foi uti­li­za­do, ge­ran­do ní­veis di­fe­ren­tes de aces­so; um pa­ra o ho­tel na co­ta su­pe­ri­or equi­va­len­te ao 3º pa­vi­men­to e ou­tro pa­ra as con­ven­ções no tér­reo. A so­lu­ção não só di­vi­de a vo­lu­me­tria, co­mo am­plia a área de ter­re­no nos aces­sos e se­pa­ra os flu­xos de for­ma a ga­ran­tir in­de­pen­dên­cia dos usos”, des­ta­ca Le­mos.

Pro­je­to fun­ci­o­nal

Ele ex­pli­ca que as fa­cha­das do edi­fi­co fo­ram cui­da­do­sa­men­te de­sen­vol­vi­das pa­ra cri­ar um de­se­nho di­nâ­mi­co, de­vi­do ao mo­vi­men­to das va­ra­das dis­tri­buí­das ale­a­to­ri­a­men­te na fa­cha­da. As ja­ne­las dos quar­tos pos­su­em uma le­ve in­fle­xão não so­men­te pa­ra bus­car as me­lho­res vis­tas, mas ga­ran­tir a de­vi­da pri­va­ci­da­de. A ge­ne­ro­sa co­ber­tu­ra

com gran­des bei­rais co­roa o edi­fi­co com de­li­ca­da le­ve­za e as in­fle­xões no vo­lu­me. “O ho­tel bus­cou em to­dos os as­pec­tos ser uma no­va re­fe­rên­cia pa­ra o se­tor. O pro­je­to vi­sou tra­zer os úl­ti­mos con­cei­tos em ho­te­la­ria, ga­ran­tin­do a má­xi­ma efi­ci­ên­cia em sua ope­ra­ção. A ar­qui­te­tu­ra ali­ou to­das as ques­tões téc­ni­cas, fun­ci­o­nais, e prá­ti­cas sus­ten­tá­veis ao im­plan­tar o pro­je­to de ta­ma­nha es­ca­la em um am­bi­en­te cam­pes­tre, con­fe­rin­do ao con­jun­to um caráter con­tem­po­râ­neo de for­te iden­ti­da­de”, con­clui Le­mos.

Es­sa obra é uma par­ce­ria en­tre as em­pre­sas Prai­as e Sen­par e a cons­tru­ção de­veu-se a um es­tu­do de aná­li­se da vi­a­bi­li­da­de fei­to em 2012 que ve­ri­fi­cou uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o seg­men­to de con­ven­ções, pe­la lo­ca­li­za­ção e con­cor­rên­cia, en­tão as em­pre­sas re­sol­ve­ram exe­cu­tar o pro­je­to. De acor­do com o Di­re­tor da Prai­as, Fe­lip­pe Ca­mar­go, ape­sar dos pa­drões de aca­ba­men­to e a lo­ca­li­za­ção se­rem de um ho­tel cin­co es­tre­las, op­tou-se pe­la ban­dei­ra No­vo­tel pa­ra ter uma efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal me­lhor e pos­si­bi­li­da­des de re­a­li­za­ção de gran­des. “Es­ta­mos den­tro de um cam­po de gol­fe (con­si­de­ra­do en­tre os cin­co me­lho­res do Bra­sil), com o bô­nus do cam­po pa­ra os hos­pe­des usa­rem, vi­zi­nhos de pres­tí­gi­os com ca­sas de al­tís­si­mo pa­drão do Ter­ras de São Jo­se, He­li­pon­to, Hí­pi­ca, Aca­de­mia de Golf Jack Nic­klaus, de­ze­nas de qu­a­dra de tê­nis e uma es­tân­cia de tu­ris­mo que é a ci­da­de de Itu. Além dis­so o aca­ba­men­to, qua­li­da­de do cen­tro de even­tos, ho­tel no­vo pe­ran­te os con­cor­ren­tes e com uma ban­dei­ra in­ter­na­ci­o­nal. Com to­dos es­ses va­lo­res agre­ga­dos, cer­ta­men­te que es­ta­mos bas­tan­te con­fi­an­tes na per­for­man­ce des­se em­pre­en­di­men­to”, con­clui Ca­mar­go.

Quem exe­cu­tou es­sa obra foi a Prai­as Cons­tru­to­ra uti­li­zan­do sua am­pla ex­per­ti­se em obras ho­te­lei­ras, co­mo o ibis Con­go­nhas, Ibis Jun­di­aí ibis Mo­gi das Cru­zes e ibis Ita­ti­ba e seu cer­ti­fi­ca­ção ISO 9001. Is­so ga­ran­tiu pro­ces­sos são mui­to bem acom­pa­nha­dos e uma equi­pe pró­pria que vai des­de do en­car­re­ga­do de elé­tri­ca, hi­dráu­li­ca, fun­da­ção, es­tru­tu­ra, mes­tre, en­ge­nhei­ro, além de fa­zer to­da mon­ta­gem do FF&E em con­jun­to com a exe­cu­ção, dan­do me­nor cus­to, re­tra­ba­lho e mai­or qua­li­da­de, o que re­sul­ta em me­nos ma­nu­ten­ção pa­ra a ope­ra­ção. O ob­je­ti­vo era er­guer uma edi­fi­ca­ção mo­der­na, es­co­lhen­do mé­to­dos e sis­te­mas cons­tru­ti­vos, as­sim co­mo equi­pa­men­tos que agre­gas­sem va­lor a ope­ra­ção, e que con­tri­buís­sem pa­ra me­lho­rar a ges­tão ope­ra­ci­o­nal (bai­xo con­su­mo, ma­nu­ten­ção e o mí­ni­mo de pa­ra­li­za­ções) e con­se­quen­te re­fle­xo po­si­ti­vo no re­sul­ta­do do ne­gó­cio, re­du­zin­do os cus­tos na cons­tru­ção, ma­xi­mi­zan­do a se­gu­ran­ça e o con­for­to.

O En­ge­nhei­ro Jo­sé Ma­ria Neves Baptista, Di­re­tor de obras da Prai­as Cons­tru­to­ra, des­ta­ca que hou­ve um mi­nu­ci­o­so pla­ne­ja­men­to de seis me­ses pa­ra com­pa­ti­bi­li­zar to­dos os 30 pro­je­tos. Pa­ra is­so foi con­tra­ta­da a em­pre­sa IAC pa­ra re­ver, em con­jun­to com a equi­pe téc­ni­ca da Prai­as, os pro­je­tos, pa­ra as­se­gu­rar que eles es­ta­vam exequí­veis, a fim de evi­tar sur­pre­sas e re­tra­ba­lhos na exe­cu­ção. An­tes de ini­ci­ar a obra, pla­ne­ja­mos mui­to o pla­no de ata­que de ca­da fa­se pa­ra que os ma­te­ri­ais pu­des­sem ser re­ce­bi­dos den­tro do cro­no­gra­ma pre­vis­to. Es­se pla­ne­ja­men­to pos­si­bi­li­tou um can­tei­ro de obra lim­po, os ma­te­ri­ais que che­ga­vam eram ar­ma-

ze­na­dos de for­ma bem or­ga­ni­za­da, no sen­ti­do de fa­ci­li­tar o des­lo­ca­men­to até o lo­cal da apli­ca­ção. “Tra­ba­lha­mos com um cro­no­gra­ma em ci­ma do de­ta­lhe, do de­ta­lhe e com is­so ob­ti­ve­mos ga­nhos con­si­de­rá­veis de pro­du­ti­vi­da­de e re­du­ção de cus­tos”, en­fa­ti­zou o En­go Jo­sé Ma­ria.

Mai­or con­tro­le na exe­cu­ção

Ele des­ta­ca tam­bém que pa­ra as­se­gu­rar um mai­or con­tro­le na exe­cu­ção, a obra em­pre­gou, no pi­co de sua cons­tru­ção, mão de obra de 260 co­la­bo­ra­do­res al­ta­men­te qua­li­fi­ca­dos, sen­do 200 de mão de obra pró­pria, exe­cu­tan­do até 30 pro­je­tos. Por ser uma em­pre­sa com seu Sis­te­ma de Ges­tão Cer­ti­fi­ca­do pe­las Nor­mas ISO 9001 e Si­ac PBQP-h, re­a­li­za­mos uma sé­rie de con­tro­les in­ter­nos, co­mo a FVS – Fi­cha de Ve­ri­fi­ca­ção de Ser­vi­ços. Pa­ra se ter uma ideia da gran­di­o­si­da­de do em­pre­en­di­men­to, fo­ram re­a­li­za­das mais de 100 mil ve­ri­fi­ca­ções de con­for­mi­da­des de ser­vi­ços exe­cu­ta­dos, tam­bém fo­ram mi­nis­tra­das uma mé­dia de 250 ho­ras de trei­na­men­tos/mês aos co­la­bo­ra­do­res e ter­cei­ri­za­dos. “A se­gu­ran­ça dos co­la­bo­ra­do­res tam­bém foi uma pre­o­cu­pa­ção fre­quen­te da Prai­as, nos­sos in­di­ca­do­res de aci­den­tes de tra­ba­lho es­tão mui­to abai­xo dos in­di­ca­do­res da OIT — Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho”, res­sal­tou o En­ge­nhei­ro Jo­sé Ma­ria.

A sus­ten­ta­bi­li­da­de tam­bém é um dos di­fe­ren­ci­ais da edi­fi­ca­ção vi­zi­nha ao con­do­mí­nio Ter­ras de São Jo­sé. Apro­vei­tan­do a in­so­la­ção, fo­ram in­se­ri­dos 200 pai­néis so­la­res no te­lha­do, for­ne­ci­dos pe­la em­pre­sa Ter­moCop En­ge­nha­ria, pa­ra aque­cer di­a­ri­a­men­te 20 mil li­tros de água a ser uti­li­za­da nos chu­vei­ros, la­va­tó­ri­os, co­zi­nhas e al­guns pon­tos das áre­as co­muns. O Em­pre­en­di­men­to con­ta tam­bém com um mo­der­no sis­te­ma de reu­so da água pro­ve­ni­en­te dos chu­vei­ros, la­va­tó­ri­os, e cap­ta­ção de águas plu­vi­ais for­ne­ci­do pe­la em­pre­sa Al­fa­mec. A cap­ta­ção de águas plu­vi­ais do te­lha­do uti­li­za um so­fis­ti­ca­do sis­te­ma de­no­mi­na­do Epams de dre­na­gem plu­vi­al por sis­te­ma an­ti­vór­ti­ce, de­sen­vol­vi­do pe­la Saint Go­bain. Ele ga­ran­te res­pos­ta às cons­tru­ções com gran­des su­per­fí­ci­es de te­lha­do/co­ber­tu­ra, pos­si­bi­li­ta a oti­mi­za­ção de es­pa­ços e li­ber­da­de ar­qui­tetô­ni­ca aos pro­je­tos. To­do o sis­te­ma pos­sui ca­pa­ci­da­de de ar­ma­ze­nar 200 mil li­tros de água pa­ra pos­te­ri­or reu­so nos jar­dins, lim­pe­za ge­ral, as­sim co­mo des­car­ga nos va­sos sa­ni­tá­ri­os. Além des­se su­pri­men­to de água de reu­so, o ho­tel con­ta com re­ser­va­tó­rio com ca­pa­ci­da­de de ar­ma­ze­na­men­to de 380 mil li­tros de água po­tá­vel for­ne­ci­do pe­la con­ces­si­o­ná­ria lo­cal. Em to­da a ilu­mi­na­ção do em­pre­en­di­men­to fo­ram uti­li­za­das lâm­pa­das de Led. O sis­te­ma de ar con­di­ci­o­na­do for­ne­ci­do pe­la Sam­sung e exe­cu­ta­do pe­la em­pre­sa New­set re­duz de for­ma con­si­de­rá­vel o con­su­mo de ener­gia elé­tri­ca na edi­fi­ca­ção, ele fun­ci­o­na de for­ma in­de­pen­den­te nos blo­cos em fun­ção da ocu­pa­ção do ho­tel. O En­ge­nhei­ro Jo­sé Ma­ria, des­ta­ca os se­guin­tes di­fe­ren­ci­ais des­sa obra:

Fa­ci­li­da­des na ope­ra­ção e ma­nu­ten­ção

Pen­san­do em fa­ci­li­tar a ope­ra­ção e ma­nu­ten­ção do Ho­tel fo­ram ado­ta­das soluções, ca­ben­do des­ta­car en­tre elas: ins­ta­la­ção de shafts

vi­si­tá­veis nos cor­re­do­res con­ten­do pru­ma­das elé­tri­cas e hi­dráu­li­cas com sis­te­ma de dis­tri­bui­ção PEX; Es­qua­dri­as da fa­cha­da das ja­ne­las são em PVC, um ma­te­ri­al ro­bus­to, que dis­pen­sa ma­nu­ten­ção, pos­sui bom iso­la­men­to tér­mi­co e acús­ti­co, além de re­du­zir con­si­de­ra­vel­men­te as car­gas na fun­da­ção; As do­cas fo­ram pen­sa­das de for­ma cui­da­do­sa pa­ra fa­ci­li­tar a des­car­ga dos pro­du­tos e o sis­te­ma ado­ta­do fa­ci­li­ta o ma­nu­seio e en­ca­mi­nha­men­to de for­ma rá­pi­da às res­pec­ti­vas áre­as.

Pen­sa­do pa­ra aten­der a de­man­da de hos­pe­da­gem e even­tos, o em­pre­en­di­men­to con­ta com uma co­zi­nha prin­ci­pal, du­as co­zi­nhas de fi­na­li­za­ção e du­as “co­zi­nhas show”, to­das elas mui­to bem equi­pa­das.

Ou­tra gran­de pre­o­cu­pa­ção foi em re­la­ção a se­gu­ran­ça no em­pre­en­di­men­to que con­ta com um mo­der­no sis­te­ma de au­to­ma­ção/su­per­vi­são. Atra­vés des­se sis­te­ma uma cen­tral com­pu­ta­do­ri­za­da con­se­gue de­tec­tar, de for­ma pre­ci­sa, por exem­plo, se al­gu­ma cal­dei­ra de aque­ci­men­to não es­tá fun­ci­o­nan­do de for­ma cor­re­ta, con­se­gue mo­ni­to­rar tam­bém o sis­te­ma de ar con­di­ci­o­na­do, sprin­klers e de­tec­to­res de alar­me e in­cên­dio. Em to­do o em­pre­en­di­men­to exis­tem mais de 370 câ­me­ras de mo­ni­to­ra­men­to no CFTV.

Ga­nhos de pro­du­ti­vi­da­de

Gran­de par­te dos ga­nhos fo­ram ob­ti­dos atra­vés da uti­li­za­ção de es­tru­tu­ra me­tá­li­ca apli­ca­da no ter­cei­ro blo­co on­de se en­con­tra o lobby e o bar cen­tral, as­sim co­mo no cen­tro de con­ven­ções e te­lha­do. No res­tan­te da edi­fi­ca­ção foi uti­li­za­da es­tru­tu­ra con­ven­ci­o­nal em con­cre­to ar­ma­do com al­ve­na­ria no pe­rí­me­tro e ges­so acar­to­na­do (dry-wall) pa­ra fe­cha­men­to das pa­re­des in­ter­nas. Elas re­ce­be­ram tra­ta­men­to de lã de ro­cha in­ter­na­men­te pa­ra ma­xi­mi­zar o con­for­to tér­mi­co e acús­ti­co que é ma­xi­mi­za­do pe­la so­lu­ção em por­tas for­ne­ci­do pe­la em­pre­sa TEG. Pa­ra as­se­gu­rar gran­des vãos li­vres na área de even­tos, sem os in­con­ve­ni­en­tes pi­la­res no meio, ado­ta­mos la­je ste­el deck com es­tru­tu­ra me­tá­li­ca, im­per­me­a­bi­li­za­da com man­ta dupla. O ho­tel con­ta com dois ge­ra­do­res a di­e­sel de 500 kVA com ca­pa­ci­da­de de 800 li­tros ca­da um, o que as­se­gu­ra gran­de au­to­no­mia no su­pri­men­to de ener­gia pa­ra to­do o em­pre­en­di­men­to. Ou­tro di­fe­ren­ci­al é a quan­ti­da­de de pon­tos de água e es­go­to na área de even­tos, tra­zen­do co­mo­di­da­de em even­tos que ne­ces­si­tam uti­li­zar água.

Mui­tos dos di­fe­ren­ci­ais dos pro­je­tos fo­ram ob­ti­dos gra­ças as ori­en­ta­ções de três ge­ren­tes de uni­da­des No­vo­tel. “Eles nos re­la­ci­o­na­ram o que da­va cer­to e er­ra­do na ope­ra­ção e pro­cu­ra­mos su­prir as exi­gên­ci­as pa­ra ter um pro­du­to mui­to mo­der­no, fun­ci­o­nal e com bai­xo cus­to de ma­nu­ten­ção”, con­cluiu o En­go Jo­sé Ma­ria.

Lo­gís­ti­ca da obra

De acor­do com Ale­xan­dro Sou­sa, o en­ge­nhei­ro que co­or­de­nou es­sa obra, ela te­ve que ser di­vi­di­da em no­ve se­to­res em ra­zão do ta­ma­nho. “Com is­so,

os ma­te­ri­ais e equi­pa­men­tos eram di­re­ci­o­na­das pa­ra os se­to­res es­pe­cí­fi­cos, com es­sa lo­gís­ti­ca oti­mi­za­mos tempo e con­tro­le de ma­té­ri­as evi­tan­do des­per­dí­ci­os. Pa­ra exe­cu­tar es­sa obra, tí­nha­mos em tor­no de 30 dis­ci­pli­nas en­vol­vi­das (cer­ca de 800 fo­lhas), uti­li­za­mos a fer­ra­men­ta de con­tro­le de pro­je­tos da ISO 9001 na qual a Prai­as Cons­tru­to­ra é cer­ti­fi­ca­da. A ca­da atu­a­li­za­ção de pro­je­to que era ca­das­tra­do no sis­te­ma, fa­zía­mos o con­tro­le da tro­ca ime­di­a­ta das co­pi­as ob­so­le­tos no can­tei­ro, evi­tan­do as­sim os re­tra­ba­lhos dos ser­vi­ços. Mes­mo sen­do uma obra mui­to bem pla­ne­ja­da, hou­ve al­guns de­sa­fi­os co­mo a exe­cu­ção da es­tru­tu­ra de con­cre­to e do re­ves­ti­men­to (re­bo­co) das va­ran­das que fo­ram re­a­li­za­dos em eta­pas de gran­des di­fi­cul­da­des. O fa­to dos an­da­res se­rem in­ter­ca­la­dos com va­ran­das, di­fi­cul­tou o es­co­ra­men­to na fa­se de con­cre­ta­gem das la­jes e pos­te­ri­or­men­te na fa­se do re­ves­ti­men­to. Pa­ra so­lu­ci­o­nar­mos o pro­ble­ma da es­tru­tu­ra, con­tra­ta­mos uma em­pre­sa es­pe­ci­a­li­za­da em cim­bra­men­tos, a mes­ma ela­bo­rou um pro­je­to es­pe­ci­fi­co pa­ra o es­co­ra­men­to das va­ran­das. Sa­ben­do que te­ría­mos di­fi­cul­da­de na exe­cu­ção do re­ves­ti­men­to, nos pla­ne­ja­mos em con­tra­tar uma em­pre­sa que tra­ba­lha com an­dai­me fa­cha­dei­ro di­fe­ren­ci­a­do, as­sim atin­gi­mos o re­sul­ta­do es­pe­ra­do e den­tro do cro­no­gra­ma”, men­ci­o­nou o Engº Ale­xan­dro.

Quem fez o pro­je­to de ar­qui­te­tu­ra de in­te­ri­o­res foi o es­cri­tó­rio de Tho­mas Mi­cha­e­lis, um dos mai­o­res ex­po­en­tes da ar­qui­te­tu­ra ho­te­lei­ra no Bra­sil e ele ex­pli­ca o pro­je­to. “Pa­ra nós foi um gran­de de­sa­fio não só pe­lo ta­ma­nho do ho­tel, mas tam­bém pe­la ne­ces­si­da­de de al­can­çar as ex­pec­ta­ti­vas da no­va de­man­da es­té­ti­ca do pro­du­to, e pe­los de­sa­fi­os téc­ni­cos, fi­nan­cei­ros e de pra­zo que nor­te­a­ram nos­sa pro­du­ção ao lon­go da cons­tru­ção. Foi um tra­ba­lho in­ten­so que con­tou com a co­la­bo­ra­ção da Ac­corHo­tels, da cons­tru­to­ra, dos pro­pri­e­tá­ri­os, do es­cri­tó­rio de ar­qui­te­tu­ra res­pon­sá­vel pe­lo pro­je­to, dos pro­je­tis­tas téc­ni­cos e dos for­ne­ce­do­res que sem­pre es­ti­ve­ram ao nos­so la­do pro­cu­ran­do re­sol­ver as ad­ver­si­da­des in­trín­se­cas ao pro­je­to com ve­lo­ci­da­de e efi­ci­ên­cia. Ca­da es­pa­ço foi pen­sa­do iso­la­da­men­te, sem­pre den­tro de um con­tex­to ge­ral es­té­ti­co e de fun­ci­o­na­li­da­de. Co­res, tex­tu­ras, te­ci­dos, cu­ra­do­ria do mo­bi­liá­rio, de­sen­vol­vi­men­to de to­da mar­ce­na­ria, re­ves­ti­men­tos, en­fim, tu­do que faz par­te do uni­ver­so sen­so­ri­al, trou­xe ao ho­tel um am­bi­en­te ao mes­mo tempo so­fis­ti­ca­do e des­po­ja­do, ce­no­grá­fi­co, com a in­ten­ção de pro­mo­ver a ex­pe­ri­ên­cia po­si­ti­va do usuá­rio a me­di­da em que ele per­cor­re o ho­tel”, re­ve­la o Arquiteto Tho­mas Mi­cha­e­lis.

Ale­xan­dro Sou­sa: “A obra foi mui­to bem pla­ne­ja­da e exe­cu­ta­da pa­ra evi­tar re­tra­ba­lhos”

Jo­sé Ma­ria Baptista: “Hou­ve um mi­nu­ci­o­so pla­ne­ja­men­to de seis me­ses pa­ra com­pa­ti­bi­li­zar to­dos os 30 pro­je­tos”

O pro­je­to ar­qui­tetô­ni­co foi mui­to bem con­ce­bi­do

A mo­der­na edi­fi­ca­ção uti­li­zou o que há de mais mo­der­no em mé­to­dos e sis­te­mas cons­tru­ti­vos

Hou­ve uma pre­o­cu­pa­ção mui­to gran­de nas ins­ta­la­ções pa­ra evi­tar ma­nu­ten­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.