com­ple­tou cin­co anos de ati­vi­da­des com mais de 100 mil con­tra­tos as­si­na­dos

No ani­ver­sá­rio, em­pre­sa de co­merci­a­li­za­ção e in­cor­po­ra­ção de mul­ti­pro­pri­e­da­des co­me­mo­rou mar­ca de 57% do ‘Mar­ket Sha­re’ do se­tor, mo­vi­men­tan­do R$ 1,4 bi­lhão por ano

Hotéis - - Empresas & Negócios -

A WAM Bra­sil com­ple­tou no úl­ti­mo dia 11 de maio cin­co anos de ati­vi­da­des com mui­tos mo­ti­vos pa­ra co­me­mo­rar. A em­pre­sa de co­merci­a­li­za­ção e in­cor­po­ra­ção de mul­ti­pro­pri­e­da­des re­gis­tra 57% de Mar­ket Sha­re no se­tor no Bra­sil, com mais de 100 mil con­tra­tos fir­ma­dos no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal e vo­lu­me de ven­das de R$ 1,4 bi­lhão em 2017. Atu­al­men­te, a WAM Bra­sil es­tá pre­sen­te de Sul à Nor­des­te, com des­ta­que em 16 em­pre­en­di­men­tos, sen­do oi­to em ope­ra­ção, com 23 sa­las em seis es­ta­dos bra­si­lei­ros. A em­pre­sa é co­man­da­da pe­los só­ci­os Wal­do Pal­mers­ton, An­dré La­dei­ra e Mar­cos Frei­tas (que le­va­ram su­as ini­ci­ais pa­ra dar no­me à com­pa­nhia). Os em­pre­sá­ri­os são es­pe­ci­a­lis­tas em ges­tão, fi­nan­ças e in­cor­po­ra­ção tu­rís­ti­ca - uma mar­ca de Wal­do, um dos fun­da­do­res do con­cei­to que vi­ria ser a Pou­sa­da do Rio Qu­en­te, ain­da na dé­ca­da de 1960. O gru­po con­ta tam­bém com sua pró­pria in­ter­cam­bi­a­do­ra e clu­be de van­ta­gens, o Club Cia, que atu­al­men­te pos­sui mais de 60 mil as­so­ci­a­dos.

A WAM es­tá pre­sen­te nas ci­da­des prai­a­nas de: Por­to Se­gu­ro, no Es­ta­do da Bahia, além de Flo­ri­a­nó­po­lis, ca­pi­tal do Es­ta­do de San­ta Ca­ta­ri­na. Nas mon­ta­nhas, são des­ta­que as ope­ra­ções no Par­que de Pe­dra Azul, no Es­pí­ri­to San­to e a ci­da­de de Gra­ma­do, no Es­ta­do do Rio Gran­de do Sul. A em­pre­sa tam­bém co­mer­ci­a­li­za Par­ques Aquá­ti­cos em Olím­pia, ci­da­de fon­te de águas ter­mais e, São Pe­dro, am­bas em São Pau­lo. A WAM tam­bém es­tá for­te em Cal­das No­vas, mai­or es­tân­cia hi­dro­ter­mal do Pla­ne­ta, bem co­mo Pe­nha, ci­da­de que abri­ga o mai­or par­que te­má­ti­co da Amé­ri­ca La­ti­na.

Cer­ti­fi­ca­dos

A WAM Bra­sil é a úni­ca co­mer­ci­a­li­za­do­ra cer­ti­fi­ca­da com a ISO 9001, que a con­fe­re o sta­tus de uma ges­tão de qua­li­da­de. Com 1.500 fun­ci­o­ná­ri­os, re­ce­beu tam­bém, ain­da nes­te ano, a cer­ti­fi­ca­ção co­mo me­lhor em­pre­sa pa­ra tra­ba­lhar pe­la GPTW (Gre­at Pla­ce To Work). Co­mo fren­te so­ci­o­a­me­ben­tal, a em­pre­sa im­ple­men­tou o pro­je­to de res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al “Vi­ver Mais”, que in­cen­ti­va a mo­bi­li­za­ção dos co­la­bo­ra­do­res ao apoio às ins­ti­tui­ções ca­ren­tes, na ga­ran­tia de agre­gar va­lo­res co­le­ti­vos, pes­so­ais e ins­ti­tu­ci­o­nais. E a ex­pec­ta­ti­va de cres­ci­men­to da em­pre­sa nos pró­xi­mos anos é ain­da mai­or, mas é ne­ces­sá­rio

cri­ar re­gras pa­ra a mul­ti­pro­pri­e­da­de, co­mo ex­pli­ca Mar­cos Frei­tas. “Es­ta­mos nos reu­nin­do no SECOVI/ SP com o ob­je­ti­vo de cri­ar­mos um manual de bo­as prá­ti­cas pa­ra o mer­ca­do de mul­ti­pro­pri­e­da­de. Es­ta mes­ma equi­pe foi res­pon­sá­vel pe­la ela­bo­ra­ção do pro­je­to de Lei 54/2017 que se en­con­tra, atu­al­men­te, na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, após ter si­do apro­va­do pe­lo Se­na­do Federal. O ob­je­ti­vo des­te manual é tra­çar al­guns pro­ce­di­men­tos bá­si­cos pa­ra os no­vos en­tran­tes no mer­ca­do, pa­ra que es­tes sai­bam que é um mer­ca­do par­ti­cu­lar e que pre­ci­sa de mui­tos cui­da­dos e aten­ção. A ba­se do manual de­ve en­glo­bar os cin­co ali­cer­ces do mo­de­lo WAM, que pre­vê que o pro­je­to de mul­ti­pro­pri­e­da­de te­nha co­me­ço, meio e fim. Co­me­çan­do pe­lo in­cor­po­ra­dor, o em­pre­en­de­dor do ne­gó­cio, ele de­ve en­ten­der que não tra­ta-se de uma in­cor­po­ra­ção tra­di­ci­o­nal; pas­san­do pe­la ba­se ju­rí­di­ca do ne­gó­cio, tam­bém é di­fe­ren­ci­a­da; o clu­be de van­ta­gens pa­ra que o cli­en­te te­nha um aten­di­men­to per­so­na­li­za­do des­de a ven­da e que ele te­nha ser­vi­ços an­tes do re­ce­bi­men­to do seu imó­vel; a co­mer­ci­a­li­za­do­ra que de­ve ven­der aqui­lo, es­tri­ta­men­te aqui­lo, que se­rá en­tre­gue ao cli­en­te e por úl­ti­mo a ges­tão ho­te­lei­ra, di­fe­ren­te das que exis­tem no mer­ca­do, pois ela pres­ta­rá ser­vi­ços ao usuá­rio do em­pre­en­di­men­to, ao pro­pri­e­tá­rio do imó­vel. Por­tan­to, es­tes são os cin­co ali­cer­ces, sem eles, não ha­ve­rá su­ces­so em um pro­je­to de mul­ti­pro­pri­e­da­de”, de­fi­ne Frei­tas.

Se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca

Segundo ele, ter uma le­gis­la­ção pró­pria dá mai­or se­gu­ran­ça pa­ra os players do mer­ca­do, con­so­li­da em uma mes­ma lei pro­ce­di­men­tos que ho­je são ado­ta­dos na lei de In­cor­po­ra­ção Imo­bi­liá­ria e no Có­di­go Ci­vil. “É bom lem­brar que os pro­je­tos de mul­ti­pro­pri­e­da­de do País não es­tão des­res­pei­tan­do ne­nhum as­pec­to le­gal, o que foi ne­ces­sá­rio até ago­ra era uma es­tru­tu­ra ju­rí­di­ca es­pe­cí­fi­ca re­a­li­za­do por bons pro­fis­si­o­nais de di­rei­to, com a lei vai ha­ver uma mai­or si­ner­gia nas ações, uma mai­or com­pre­en­são dos ne­gó­ci­os, uma uniformidade nos pro­ce­di­men­tos, fa­ci­li­tan­do a vi­da de to­dos”, as­se­gu­ra Frei­tas.

Ele lem­bra que em 2017 a WAM Bra­sil co­mer­ci­a­li­zou apro­xi­ma­da­men­te 30 mil con­tra­tos com um VGV (va­lor ge­ral de ven­das) de R$ 1,4 bi­lhão. “Es­se VGV só é me­nor do que os VGV’s co­mer­ci­a­li­za­dos pe­la MRV e pe­la Cy­rel­la em 2017 no Bra­sil. So­mos ago­ra a 3ª. mai­or in­cor­po­ra­do­ra imo­bi­liá­ria do Bra­sil. Pa­ra 2018 a nos­sa me­ta é atin­gir o va­lor de R$ 2 bilhões de co­merci­a­li­za­ção. Não bas­ta ape­nas co­mer­ci­a­li­zar, pre­ci­sa tam­bém fa­zer lan­ça­men­tos, em 2017 lan­ça­mos R$ 600 mi­lhões de VGV e nos pró­xi­mos dois anos se­rão lan­ça­dos apro­xi­ma­da­men­te R$ 8 bilhões de VGV”, acre­di­ta Frei­tas, in­di­can­do que no fu­tu­ro ha­ve­rá no má­xi­mo qua­tro em­pre­sas co­mer­ci­a­li­zan­do com su­ces­so a mul­ti­pro­pri­e­da­de no Bra­sil e a WAM Bra­sil se­rá uma de­las.

A sua ex­pec­ta­ti­va é da WAM Bra­sil do­brar de ta­ma­nho nos pró­xi­mos três anos e a se­le­ti­vi­da­de nos no­vos pro­je­tos é um dos trun­fos. “Te­mos bus­ca­do par­cei­ros re­no­ma­dos e com for­te atu­a­ção no mer­ca­do, pois pa­ra con­ti­nu­ar­mos gran­des, pre­ci­sa­mos jun­tar­se aos gran­des. Uma des­tas par­ce­ri­as é com o Gru­po H.U. (Ho­tel Ur­ba­no) mai­or ven­de­do­ra de diá­ri­as on­li­ne do Bra­sil que ven­de uma diá­ria a ca­da seis segundo. E a ou­tra par­ce­ria, já ini­ci­a­da, e ago­ra com for­ça to­tal é a par­ce­ria com a XP In­ves­ti­men­tos. E co­mo a nos­sa ges­tão sem­pre busca fa­zer ben­ch­mar­king no mer­ca­do na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, de­ve­mos atin­gir, em 2018, o pri­mei­ro lu­gar do mun­do em ven­das de con­tra­tos de ti­me sha­re/frac­ti­o­nal ho­je de­ti­do pe­la em­pre­sa ame­ri­ca­na Wyndham”, pre­vê Frei­tas.

O Olím­pia Park Re­sort com 912 apar­ta­men­tos é o no­vo em­pre­en­di­men­to que a WAM Bra­sil co­mer­ci­a­li­zou em Olím­pia (SP) e que aca­bou de en­trar em ope­ra­ção

Mar­cos Frei­tas: “Ter uma le­gis­la­ção pró­pria dá mai­or se­gu­ran­ça pa­ra os players que atu­am no mer­ca­do de mul­ti­pro­pri­e­da­de”

O Olím­pia Park Re­sort con­ta com uma boa in­fra­es­tru­tu­ra de la­zer co­mo es­sa pis­ci­na

Na re­cep­ção do Olím­pia Park Re­sort já se nota a pre­o­cu­pa­ção com o con­for­to dos hós­pe­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.