Opi­nião

Hotéis - - Contents -

Es­sa co­bran­ça é so­bre exe­cu­ção de obras mu­si­cais em quar­tos de ho­téis Ar­ti­go de Huil­der Mag­no de Sou­za*

São inú­me­ras as de­ci­sões ju­di­ci­ais oriun­das dos mais di­ver­sos tri­bu­nais es­ta­du­ais que fir­mam o en­ten­di­men­to de que não são de­vi­dos di­rei­tos au­to­rais so­bre a exe­cu­ção de obras mu­si­cais no in­te­ri­or de quar­tos de ho­téis e mo­téis. Se­rei ob­je­ti­vo e usa­rei uma lin­gua­gem cla­ra sem o ape­go às ex­pres­sões co­mu­men­te uti­li­za­das no uni­ver­so ju­rí­di­co.

A dis­cus­são se dá ex­clu­si­va­men­te so­bre a exe­cu­ção das obras mu­si­cais nos in­te­ri­o­res dos quar­tos ou a me­ra dis­po­ni­bi­li­za­ção de apa­re­lhos de te­le­vi­são e rá­dio, por­tan­to, não tra­ta­re­mos das áre­as co­muns ou de frequên­cia co­le­ti­va (hall, pis­ci­na, re­cep­ção, etc), já que em tais am­bi­en­tes en­ten­de­mos que são de­vi­dos os di­rei­tos au­to­rais.

A lei ge­ral do tu­ris­mo, san­ci­o­na­da 10 anos após a lei de di­rei­tos au­to­rais, con­cei­tu­ou os quar­tos de ho­téis co­mo de na­tu­re­za pri­va­da, sen­do um am­bi­en­te de frequên­cia in­di­vi­du­al e de uso ex­clu­si­vo do hós­pe­de, por­tan­to, es­pe­ci­fi­cou cla­ra­men­te que es­ses am­bi­en­tes não se in­se­rem no con­cei­to de frequên­cia co­le­ti­va tal qual pre­vis­to na lei de di­rei­tos au­to­rais.

Na mes­ma di­re­ção, e pa­ra acla­rar qual­quer dú­vi­da, ca­mi­nha o pro­je­to de Lei 7413/17, do po­der exe­cu­ti­vo fe­de­ral, que al­te­ra a po­lí­ti­ca na­ci­o­nal de tu­ris­mo es­ta­be­le­ci­da en­tão pe­la lei nº 11.771/08.

En­quan­to não apro­va­do o pro­je­to pe­lo par­la­men­to, a lu­ta é tra­va­da na seara ju­rí­di­ca, afi­nal são de­vi­dos ou não os di­rei­tos au­to­rais so­bre a exe­cu­ção de obras mu­si­cais em quar­tos de ho­téis? E a me­ra dis-

po­ni­bi­li­da­de dos apa­re­lhos nes­ses am­bi­en­tes, já se­ria ca­paz de atrair a apli­ca­ção da lei de di­rei­tos au­to­rais?

Bra­sil afo­ra há di­ver­sas de­ci­sões que não dão gua­ri­da às as­so­ci­a­ções de au­to­res pa­ra fa­ze­rem a re­fe­ri­da co­bran­ça. Exem­plo dis­so, po­de­mos ci­tar o Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de São Pau­lo, que re­cen­te­men­te e atra­vés da 5ª Câ­ma­ra de Di­rei­to Pri­va­do, ne­gou pro­vi­men­to a um re­cur­so do ECAD e en­ten­deu que não são de­vi­dos os di­rei­tos au­to­rais so­bre exe­cu­ção de obras mu­si­cais em quar­tos de ho­téis e mo­téis.

Pa­ra o TJSP — Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de São Pau­lo, o quar­to é um am­bi­en­te pri­va­do e não po­de ser equi­pa­ra­do a um lo­cal pú­bli­co ou de frequên­cia co­le­ti­va, sen­do in­clu­si­ve com­pa­ra­do à ca­sa do hós­pe­de, con­cei­to es­se abran­gi­do pe­la car­ta po­lí­ti­ca de 1988.

De­ci­sões des­se qui­la­te e na mes­ma li­nha ar­gu­men­ta­ti­va bro­tam de di­ver­sos tri­bu­nais es­ta­du­ais, a mai­o­ria de­les tem po­si­ção fa­vo­rá­vel à te­se ho­te­lei­ra e con­trá­ria ao ECAD.

En­tre­tan­to, o ECAD rei­te­ra­da­men­te re­cor­re ao STJ — Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, e tem si­do pro­vi­do a mai­o­ria de seus re­cur­sos que bus­cam a re­for­ma das de­ci­sões de se­gun­da ins­tân­cia.

Ape­nas à tí­tu­lo de exem­plo, po­de­mos ci­tar o Resp 1.719.477 – SP, Agra­vo In­ter­no no Agra­vo em Resp 802.891 – RJ, e Agra­vo em Re­cur­so Es­pe­ci­al 1.129.443 – PR, to­dos eles dão azo à te­se do ECAD, en­ten­den­do que são de­vi­dos os di­rei­tos au­to­rais pe­la me­ra dis­po­ni­bi­li­da­de dos apa­re­lhos nos quar­tos, ora tam­bém por­que a ori­gem é dis­tin­ta dos va­lo­res pa­gos pe­las em­pre­sas de TV por as­si­na­tu­ra, e por­tan­to, não ha­ve­ria um du­plo re­co­lhi­men­to dos va­lo­res, co­mo já de­fen­di­do por al­guns es­ta­be­le­ci­men­tos ho­te­lei­ros.

Por­tan­to, en­ten­de­mos que se de­ve bus­car uma mu­dan­ça de en­ten­di­men­to nas ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res, pa­ra que se­jam man­ti­dos os acór­dãos es­ta­du­ais que con­si­de­ram os quar­tos de ho­téis co­mo um lo­cal de am­bi­en­te de frequên­cia in­di­vi­du­al e de uso ex­clu­si­vo do hós­pe­de, por­tan­to, equi­pa­ra­do à sua residência, pre­vi­são es­sa de cu­nho cons­ti­tu­ci­o­nal.

A ex­po­si­ção des­ses e ou­tros ar­gu­men­tos de­ve co­me­çar na pri­mei­ra ins­tân­cia, e o te­ma de­ve ser exaus­ti­va­men­te ex­plo­ra­do nos tri­bu­nais su­pe­ri­o­res, in­clu­si­ve com sus­ten­ta­ção oral, en­tre­ga de me­mo­ri­al e des­pa­cho pes­so­al com os re­la­to­res, de for­ma a mar­car po­si­ção so­bre es­se te­ma tão re­le­van­te.

A ju­ris­pru­dên­cia não é imu­tá­vel e os tri­bu­nais de­vem se mo­ver de acor­do com a mu­dan­ça da so­ci­e­da­de, pois ho­je quem se hos­pe­da­ria num ho­tel e iria ou­vir mú­si­ca em um rá­dio no in­te­ri­or de seu quar­to se os smartpho­nes tra­zem as mais di­ver­sas op­ções de apli­ca­ti­vos mu­si­cais sem qual­quer em­ba­ra­ço e em nos­sas mãos?

Há inú­me­ros mo­ti­vos que nos fa­zem ter es­pe­ran­ça de que es­se en­ten­di­men­to po­de­rá ser re­vis­to pe­lo STJ, pois a lei de di­rei­tos au­to­rais foi san­ci­o­na­da nu­ma épo­ca em que os apli­ca­ti­vos de mú­si­ca se­quer exis­ti­am, qui­çá os smartpho­nes, o quar­to de ho­tel era con­si­de­ra­do um am­bi­en­te de frequên­cia co­le­ti­va e, por­tan­to, atraia a in­ci­dên­cia des­ses di­rei­tos. Ho­je não mais.

La­do ou­tro, a lu­ta con­ti­nua no ce­ná­rio po­lí­ti­co, vez que a ABIH tem se em­pe­nha­do no congresso na­ci­o­nal em bus­ca de uma le­gis­la­ção atu­a­li­za­da que com­tem­ple as mu­dan­ças ocor­ri­das na so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra nos úl­ti­mos anos, den­tre elas o já co­nhe­ci­do há­bi­to de ou­vir mú­si­ca nos nos­sos ce­lu­la­res, além da con­cei­tu­a­ção do quar­to de ho­tel, si­tu­a­ções que são mais que su­fi­ci­en­tes pa­ra uma mu­dan­ça de ru­mo na atu­al ju­ris­pru­dên­cia do STJ.

Tan­to is­so é cla­ro que, já em 2016, o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra ex­pe­diu du­as ins­tru­ções nor­ma­ti­vas que vi­sa­vam ga­ran­tir um mai­or con­tro­le so­bre as exe­cu­ções de obras mu­si­cais no am­bi­en­te di­gi­tal.

Uma des­sas ins­tru­ções já es­cla­re­cia os con­cei­tos da le­gis­la­ção bra­si­lei­ra apli­cá­veis à in­ter­net, pos­si­bi­li­tan­do que en­ti­da­des de ges­tão co­le­ti­va de di­rei­tos au­to­rais atu­as­sem nes­se am­bi­en­te, as­sim co­mo já ocor­re em di­ver­sos paí­ses do mun­do.

Is­so mu­dou a re­la­ção dos au­to­res bra­si­lei­ros, que já po­dem as­sim exi­gir in­for­ma­ções e even­tu­ais re­cur­sos di­re­ta­men­te de pla­ta­for­mas es­tran­gei­ras que dis­po­ni­bi­li­zam mú­si­ca por meio de stre­a­ming (uma for­ma de trans­mis­são ins­tan­tâ­nea de da­dos de áu­dio e vídeo pe­la in­ter­net).

Es­se fa­to, por si só, já de­mons­tra que, a não in­ci­dên­cia dos di­rei­tos au­to­rais so­bre exe­cu­ção de obras mu­si­cais em quar­tos de ho­téis não ne­ces­sa­ri­a­men­te re­dun­da­rá em per­da de re­cei­ta das res­pec­ti­vas as­so­ci­a­ções de au­to­res, pois es­tas po­de­rão exi­gir di­re­ta­men­te tais di­rei­tos des­sas pla­ta­for­mas que dis­po­ni­bi­li­zam as obras mu­si­cais.

Des­tar­te, lu­te­mos nas se­a­ras po­lí­ti­ca e ju­di­ci­al e mui bre­ve co­lhe­re­mos os fru­tos da jus­ti­ça, que se­rá a não in­ci­dên­cia dos di­rei­tos au­to­rais so­bre a exe­cu­ção de obras mu­si­cais exe­cu­ta­das nos in­te­ri­o­res de quar­tos de ho­téis. *Huil­der Mag­no de Sou­za é ad­vo­ga­do atu­an­te em Bra­sí­lia (DF) e as­ses­sor ju­rí­di­co da ABIH-Na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.