En­tre­vis­ta

Hotéis - - Contents - Gli­cé­rio Le­mos

A Bahia era um dos es­ta­dos que mais pro­mo­via o tu­ris­mo no Bra­sil, mas em ra­zão de uma po­lí­ti­ca pú­bli­ca equi­vo­ca­da, de não pri­o­ri­zar o se­tor, e com o fe­cha­men­to do cen­tro de con­ven­ções, hou­ve per­das ir­re­pa­rá­veis, prin­ci­pal­men­te na ca­pi­tal. E pa­ra agra­var a si­tu­a­ção, o hub da com­pa­nhia aé­rea Gol pas­sou pa­ra For­ta­le­za e o da Azul foi pa­ra o Re­ci­fe, a ma­lha aé­rea di­mi­nuiu e is­so te­ve um im­pac­to. Nos úl­ti­mos qua­tro anos, Sal­va­dor per­deu 22 mei­os de hos­pe­da­gens. E um de­les, um íco­ne de hos­pe­da­gem, o Bahia Othon Pa­la­ce fe­chou as por­tas no dia 18 de no­vem­bro.

Mes­mo com es­sas di­fi­cul­da­des, o se­tor ho­te­lei­ro es­tá re­a­gin­do, pois a ta­xa de ocu­pa­ção mé­dia es­tá em 61,29%, re­sul­ta­do su­pe­ri­or ao ob­ser­va­do no mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or (54,44%), mas o va­lor mé­dio da diá­ria nes­se pe­río­do per­ma­ne­ceu es­tá­vel em R$ 228,71. E, co­mo a ho­te­la­ria bai­a­na es­tá su­pe­ran­do es­sas ad­ver­si­da­des, agra­va­das pe­lo atu­al mo­men­to da si­tu­a­ção po­lí­ti­ca econô­mi­ca do País, vo­cê con­fe­re nes­sa en­tre­vis­ta ex­clu­si­va com o ho­te­lei­ro e Pre­si­den­te da ABIH / BA – As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis da Bahia, Gli­cé­rio Le­mos.

Re­vis­ta Ho­téis - A ci­da­de de Sal­va­dor per­deu 22 em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros nos úl­ti­mos anos. Quais os mo­ti­vos que le­va­ram a es­sa si­tu­a­ção?

Gli­cé­rio Le­mos - Os mo­ti­vos são di­ver­sos, den­tre eles, a fal­ta do Cen­tro de Con­ven­ções, cri­se econô­mi­ca do País, ae­ro­por­to com pou­ca ma­lha aé­rea e em re­for­ma há anos e fal­ta de in­ves­ti­men­to em mar­ke­ting pu­bli­ci­tá­rio pa­ra pú­bli­co fi­nal. Is­so oca­si­o­nou, nos úl­ti­mos qua­tro anos, a per­da de 22 em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros na Bahia, sen­do eles: Ho­tel Ja­gua­ri­be Praia, Ho­tel Co­res do Mar, Ho­tel Pa­ta­ma­res (Pa­ta­ma­res Praia Ho­tel), Pou­sa­da Bayo­na, Por­to Fa­rol Apart Ho­tel, Ita­po­an Praia Ho­tel, Ho­tel Atlân­ti­co, Bel­mar Ho­tel, Pestana Bahia Ho­tel, Tu­lip Inn Cen­tro de Con­ven­ções, Ma­ri­na Ri­ver­si­de Ho­tel, Ho­tel Li­to­râ­neo, Pou­sa­da La­goa Praia , So­lar Di­a­na, Ho­tel Pe­lou­ri­nho, Ho­tel Cor­sá­rio, Sal­va­dor Praia Ho­tel, Hos­tel Pa­tuá, Vi­la Giu­li­a­na, Pou­sa­da Red Fish, Al­ber­gue do Por­to e Othon Pa­la­ce Ho­tel.

R.H - O ho­tel Bahia Othon Pa­la­ce en­cer­rou as ope­ra­ções no dia 18 de no­vem­bro. Co­mo foi re­ce­bi­do es­sa no­tí­cia pe­la in­dús­tria ho­te­lei­ra da Bahia? E quais os im­pac­tos que is­so te­rá pa­ra Sal­va­dor?

G.L - O fe­cha­men­to do Othon Pa­la­ce foi uma de­ci­são da re­de, pon­tu­al em Be­lo Ho­ri­zon­te e Sal­va­dor, sen­do uma sur­pre­sa de­sa­gra­dá­vel não só pa­ra o tu­ris­mo co­mo pa­ra a ABIH / BA – As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis da Bahia, por­que a ta­xa de ocu­pa­ção ho­te­lei­ra vem cres­cen­do des­de de ju­lho de 2017. Com o fe­cha­men­to do Othon te­re­mos um pre­juí­zo gran­de pa­ra to­da a ca­deia do tu­ris­mo, com a de­mis­são de 240 fun­ci­o­ná­ri­os. A ABIH /BA ten­ta­rá re­lo­car to­dos es­tes fun­ci­o­ná­ri­os em ou­tros ho­téis, pa­ra evi­tar um im­pac­to ain­da mai­or na eco­no­mia do Es­ta­do e no nú­me­ro de de­sem­pre­ga­dos.

R.H - O cen­tro de con­ven­ções do Bahia Othon Pa­la­ce tem ca­pa­ci­da­de pa­ra até três mil pes­so­as. Is­so di­fi­cul­ta ain­da mais atrair even­tos pa­ra a ca­pi­tal bai­a­na que não con­ta com o Cen­tro de Con­ven­ções da Bahia?

G.L - Re­al­men­te a ci­da­de vai en­con­trar uma di­fi­cul­da­de de um es­pa­ço tão sig­ni­fi­ca­ti­vo, que ti­nha ca­pa­ci­da­de pa­ra re­ce­ber três mil pes­so­as. Ago­ra os con­gres­sis­tas vão se di­ri­gir pa­ra ou­tros ho­téis que tam­bém pos­su­em Cen­tro de Con­ven­ções, no Fa­rol da Bar­ra, On­di­na e Rio Ver­me­lho.

R.H - Qual a im­por­tân­cia do tu­ris­mo cor­po­ra­ti­vo pa­ra Sal­va­dor e co­mo vo­cês es­tão se mo­bi­li­zan­do pa­ra a cons­tru­ção do no­vo cen­tro de con­ven­ções?

G.L - O pre­fei­to de Sal­va­dor aten­deu a um pe­di­do da ABIH-BA pa­ra a cons­tru­ção do no­vo Cen­tro de Con­ven­ções, no mes­mo bair­ro on­de

exis­tia o an­ti­go (Bo­ca do Rio) e, pron­ta­men­te, foi acei­to. Foi fei­to o pro­je­to, a es­co­lha da área, os re­cur­sos es­tão ga­ran­ti­dos, já alo­ca­dos no or­ça­men­to do mu­ni­cí­pio de Sal­va­dor, não res­tan­do mais ne­nhu­ma dú­vi­da de que se tor­na­rá re­a­li­da­de. Acre­di­ta­mos tan­to que con­se­gui­mos tra­zer em 2020 pa­ra a ca­pi­tal bai­a­na, o mai­or con­gres­so da in­dús­tria ho­te­lei­ra, o CONOTEL - Con­gres­so Na­ci­o­nal de Ho­te­la­ria, que se­rá re­a­li­za­do no no­vo Cen­tro de Con­ven­ções de Sal­va­dor em con­jun­to com a co­me­mo­ra­ção dos 50 anos da ABIH. Es­te equi­pa­men­to é de al­ta re­le­vân­cia pa­ra a ci­da­de de Sal­va­dor e não po­de­mos abrir mão, o Cen­tro de Con­ven­ções é a ce­re­ja do bo­lo e a sua inau­gu­ra­ção tra­rá even­tos na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais pa­ra a ca­pi­tal bai­a­na, mo­vi­men­tan­do a eco­no­mia e ge­ran­do em­pre­go e ren­da.

R.H - An­ti­ga­men­te, a Bahia era um es­ta­do mo­de­lo pa­ra atrair in­ves­ti­men­tos ho­te­lei­ros e, con­se­quen­te­men­te, tu­ris­tas, mas nos úl­ti­mos anos a Bahia tem per­di­do es­pa­ço pa­ra ou­tros es­ta­dos. Na sua opi­nião, por que es­sa mu­dan­ça es­tá ocor­ren­do?

G.L - Foi uma po­lí­ti­ca ado­ta­da pe­lo atu­al Go­ver­no do Es­ta­do da Bahia em não pri­o­ri­zar o tu­ris­mo, por não ter olhos pa­ra en­xer­gar a eco­no­mia do tu­ris­mo, que ala­van­ca 53 se­to­res da eco­no­mia. Des­de que o Cen­tro de Con­ven­ções da Bahia te­ve su­as ati­vi­da­des in­ter­rom­pi­das, Sal­va­dor per­deu mui­to com o tu­ris­mo. Sal­va­dor per­deu a sua gran­de ma­lha aé­rea por­que o Go­ver­no não quis re­du­zir alí­quo­ta do que­ro­se­ne da avi­a­ção, cau­san­do a saí­da do hub da Gol, que foi pa­ra For­ta­le­za, on­de es­tá ocor­ren­do um gran­de au­men­to de vo­os na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, co­mo tam­bém per­de­mos o hub da Azul pa­ra Re­ci­fe, au­men­tan­do tam­bém o nú­me­ro de vo­os na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, cau­san­do um gran­de pre­juí­zo pa­ra a eco­no­mia da Bahia.

R.H - Al­guns es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam que os ho­téis do Li­to­ral Nor­te bai­a­no são gran­des con­cor­ren­tes pa­ra os tu­ris­tas que vi­a­jam à Bahia, mas não per­ma­ne­cem em Sal­va­dor e is­so im­pac­ta na ta­xa de ocu­pa­ção, o que faz com que al­guns em­pre­en­di­men­tos te­nham que di­mi­nuir ta­ri­fas pa­ra se­rem com­pe­ti­ti­vos. Is­so re­al­men­te ocor­re? Qual sua opi­nião a res­pei­to?

G.L - São dois seg­men­tos di­fe­ren­tes de ho­te­la­ria, são pú­bli­cos dis­tin­tos na qual a con­cor­rên­cia é pou­ca. Há al­guns anos, Sal­va­dor per­deu mui­to em fun­ção de não ter mo­der­ni­za­do a sua in­fra­es­tru­tu­ra e, ho­je, Sal­va­dor é uma ci­da­de re­qua­li­fi­ca­da, com gran­de in­fra­es­tru­tu­ra, te­mos o me­trô, no­vas pra­ças, no­vos mu­seus, es­tá em cons­tru­ção o BRT, en­fim, uma ci­da­de de­sen­vol­vi­da pa­ra os so­te­ro­po­li­ta­nos e tu­ris­tas. A di­mi­nui­ção da ta­ri­fa se de­ve pe­la fal­ta do Cen­tro de Con­ven­ções e a di­mi­nui­ção da ma­lha aé­rea, que cul­mi­nou jun­ta­men­te com a cri­se econô­mi­ca que o Bra­sil atra­ves­sa, o que foi uma in­fe­liz coin­ci­dên­cia em reu­nir tan­tos as­pec­tos ne­ga­ti­vos. Mas, ho­je es­ta­mos re­to­man­do o cres­ci­men­to da ta­xa de ocu­pa­ção ho­te­lei­ra, que te­ve iní­cio em ju­lho de 2017 e até ho­je só ti­ve­mos um nú­me­ro cres­cen­te na ta­xa de ocu­pa­ção e só fal­tan­do re­cu­pe­rar a diá­ria mé­dia, que nes­te mo­men­to se en­con­tra es­tá­vel.

R.H - Qual a ta­xa de ocu­pa­ção acu­mu­la­da nos úl­ti­mos me­ses dos ho­téis as­so­ci­a­dos a ABIH/BA? A diá­ria mé­dia es­tá de acor­do com a ren­ta­bi­li­da­de ne­ces­sá­ria ou fal­ta me­lho­rar mui­to?

G.L - De ja­nei­ro a se­tem­bro de 2018 ti­ve­mos uma ta­xa de ocu­pa­ção mé­dia de 61,29%, re­sul­ta­do su­pe­ri­or ao ob­ser­va­do no mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or (54,44%), com um cres­ci­men­to nes­te pe­río­do de 12,58%. O va­lor mé­dio da diá­ria no pe­río­do per­ma­ne­ceu es­tá­vel (R$ 228,71 em 2018 e R$ 228,71 em 2017) en­quan­to o Rev­par cres­ceu 12,59%, pas­san­do de R$ 140,18, em 2018, con­tra R$ 124,51, em 2017. Os resultados re­ve­lam que es­ta­mos man­ten­do a ten­dên­cia de cres­ci­men­to. Con­tri­buiu pa­ra es­se de­sem­pe­nho a

Ago­ra os con­gres­sis­tas vão se di­ri­gir pa­ra ou­tros ho­téis que tam­bém pos­su­em Cen­tro de Con­ven­ções, no Fa­rol da Bar­ra, On­di­na e Rio Ver­me­lho.

Al­guns es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam que os ho­téis do Li­to­ral Nor­te bai­a­no são gran­des con­cor­ren­tes pa­ra os tu­ris­tas que vi­a­jam à Bahia

in­ten­si­fi­ca­ção do tra­ba­lho que a ABIH/BA vem de­sen­vol­ven­do des­de 2016, em di­vul­gar o Des­ti­no Sal­va­dor, nos prin­ci­pais mer­ca­dos emis­so­res da Amé­ri­ca La­ti­na. Re­a­li­za­mos o Ro­ad Show pro­mo­ven­do ca­pa­ci­ta­ção, blitz e pa­les­tra com os prin­ci­pais agen­tes e ope­ra­do­res de vi­a­gens de di­ver­sas re­giões. Re­a­li­za­mos tam­bém a Ro­da­da de Ne­gó­ci­os que reu­niu di­ver­sos em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros, em­pre­sas de re­cep­ti­vo, ba­res e res­tau­ran­tes, ope­ra­do­res de tu­ris­mo do Bra­sil e Amé­ri­ca La­ti­na, pa­ra pro­mo­ver reu­niões de ne­gó­ci­os e ala­van­car o tu­ris­mo lo­cal. O Fam Show pa­ra ope­ra­do­res de vi­a­gem e FAM Show de agen­tes de vi­a­gem, com o in­tui­to de for­ta­le­cer ain­da mais o tu­ris­mo de Sal­va­dor, com pas­sei­os e vi­si­tas aos prin­ci­pais pontos tu­rís­ti­cos da ca­pi­tal bai­a­na. To­do es­te tra­ba­lho tem con­tri­buí­do com es­te re­sul­ta­do ex­pres­si­vo.

Com o fi­nal do 3° tri­mes­tre, o ano de 2018 es­tá se con­so­li­dan­do pa­ra ter as me­lho­res ta­xas de ocu­pa­ção dos úl­ti­mos cin­co anos. Pa­ra o ve­rão, a ten­dên­cia é a de ter­mos uma ta­xa de ocu­pa­ção de 90 a 92% e es­pe­ra­mos pa­ra o Ré­veil­lon uma ta­xa de ocu­pa­ção de 100%. Sal­va­dor foi uma das ci­da­des se­des dos jo­gos da Co­pa do Mun­do, e is­so re­sul­tou em um mar­ke­ting do Des­ti­no Sal­va­dor com tu­ris­tas es­tran­gei­ros e lo­cais.

R.H - Na sua opi­nião, qual foi o le­ga­do que a Co­pa do Mun­do de 2014 dei­xou pa­ra a ho­te­la­ria de Sal­va­dor? Quan­tos ho­téis fo­ram cons­truí­dos? Is­so te­ve im­pac­to nos que fe­cha­ram ou na ta­xa de ocu­pa­ção e diá­ria mé­dia?

G.L - Sal­va­dor foi uma das ci­da­des se­des dos jo­gos da Co­pa do Mun­do, e is­so re­sul­tou em um mar­ke­ting do Des­ti­no Sal­va­dor com tu­ris­tas es­tran­gei­ros e lo­cais. 10 no­vos ho­téis fo­ram cons­truí­dos na épo­ca e o pós Co­pa do Mun­do não foi o mo­ti­vo do fe­cha­men­to ho­téis, o que ocor­reu foi o fe­cha­men­to do Cen­to de Con­ven­ções e a fal­ta de in­ves­ti­men­to do Go­ver­no do Es­ta­do em pu­bli­ci­da­de di­ri­gi­da ao pú­bli­co fi­nal, jun­ta­men­te com a cri­se econô­mi­ca do país, re­sul­tan­do no fe­cha­men­to de al­guns ho­téis.

R.H - Quais são os prin­ci­pais gar­ga­los exis­ten­tes na ho­te­la­ria bai­a­na? E co­mo re­sol­vê-los?

G.L - Os dois gran­des gar­ga­los da ho­te­la­ria bai­a­na são: a fal­ta do Cen­tro de Con­ven­ções, do tu­ris­mo de ne­gó­ci­os pa­ra Sal­va­dor e a fal­ta de in­ves­ti­men­to do Go­ver­no do Es­ta­do da Bahia no se­tor do tu­ris­mo pa­ra atrair hub de em­pre­sas aé­re­as bai­xan­do o que­ro­se­ne da avi­a­ção e in­ves­ti­men­to em pu­bli­ci­da­de ao pú­bli­co fi­nal. O ae­ro­por­to que era o gran­de pro­ble­ma, foi pri­va­ti­za­do e es­tá com a obra em rit­mo ace­le­ra­do pa­ra a sua re­cu­pe­ra­ção.

R.H - Co­mo vo­cê en­xer­ga a ho­te­la­ria bai­a­na nos pró­xi­mos anos?

G.L - A ABIH/BA e a SECULT - Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Cul­tu­ra e Tu­ris­mo tem in­ves­ti­do na ca­pa­ci­ta­ção de ope­ra­do­res e agen­tes de vi­a­gem e na di­vul­ga­ção do des­ti­no tu­rís­ti­co Sal­va­dor em di­ver­sos paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na, com o pro­je­to Ro­ad Show. Des­de a sua im­ple­men­ta­ção em 2016, o Ro­ad Show já ca­pa­ci­tou mais de 3.500 ope­ra­do­res e agen­tes de vi­a­gem e per­cor­reu 20 em ci­da­des bra­si­lei­ras e es­tran­gei­ras. O que tem aju­da­do na re­cu­pe­ra­ção do flu­xo de tu­ris­tas na ca­pi­tal bai­a­na. Es­te ano, já vi­si­ta­mos Be­lo Ho­ri­zon­te, Rio de Ja­nei­ro, San­ti­a­go, no Chi­le, Mon­te­vi­deo, no Uru­guai, Bu­e­nos Ai­res, Cór­do­ba e Ro­sá­rio, na Ar­gen­ti­na e Bra­sí­lia e, até o fim do ano, va­mos per­cor­rer mais oi­to ci­da­des. Ou­tro fa­to que tem con­tri­buí­do com o tu­ris­mo na ca­pi­tal bai­a­na é a no­ve­la Se­gun­do o Sol, da re­de Glo­bo, que se pas­sa em Sal­va­dor. Acre­di­to que pa­ra os pró­xi­mos anos com a fi­na­li­za­ção da obra do no­vo Cen­tro de Con­ven­ções, em se­tem­bro de 2019, com a am­pli­a­ção da re­qua­li­fi­ca­ção dos pontos tu­rís­ti­cos da ci­da­de e tam­bém com a re­no­va­ção do ae­ro­por­to com a no­va ope­ra­do­ra Vin­ci, te­re­mos uma re­cu­pe­ra­ção de to­da a ca­deia do tu­ris­mo.

Os dois gran­des gar­ga­los da ho­te­la­ria bai­a­na são: a fal­ta do Cen­tro de Con­ven­ções, do tu­ris­mo de ne­gó­ci­os pa­ra Sal­va­dor e a fal­ta de in­ves­ti­men­to do Go­ver­no do Es­ta­do da Bahia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.