Opi­nião

Hotéis - - Contents -

A ho­te­la­ria bra­si­lei­ra fi­cou apre­en­si­va após de­ci­são da Se­gun­da Tur­ma do TST – Tri­bu­nal Su­pe­ri­or do Tra­ba­lho re­co­nhe­cen­do a obri­ga­to­ri­e­da­de do ho­tel de pa­gar adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de a uma ca­ma­rei­ra que tra­ba­lhou no em­pre­en­di­men­to. Mas afi­nal, o adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de é re­al­men­te de­vi­do?

Ar­ti­go dos ad­vo­ga­dos *Mu­ril­lo Akio Ara­ka­ki e *Antô­nio Car­los Bra­te­fi­xe Jú­ni­or

No dia 29 de agos­to de 2018, a Se­gun­da Tur­ma do TST – Tri­bu­nal Su­pe­ri­or do Tra­ba­lho pro­fe­riu de­ci­são co­le­gi­a­da con­de­nan­do um em­pre­en­di­men­to ho­te­lei­ro a pa­gar o adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de em grau má­xi­mo (40% so­bre o sa­lá­rio mí­ni­mo) a uma ex-co­la­bo­ra­do­ra que exer­cia a fun­ção de ca­ma­rei­ra. Tal en­ten­di­men­to ju­rí­di­co foi pro­fe­ri­do pe­los Mi­nis­tros nos au­tos da re­cla­ma­ção tra­ba­lhis­ta nº 107600-91.2013.5.17.0013 e não ad­mi­te mais re­cur­sos.

Co­mo a no­tí­cia foi am­pla­men­te di­vul­ga­da, mui­tos sin­di­ca­tos la­bo­rais es­tão es­tu­dan­do to­mar me­di­das co­le­ti­vas pa­ra ten­tar ga­ran­tir es­se di­rei­to aos seus tra­ba­lha­do­res afi­li­a­dos, de mo­do que já há re­la­tos de ações ci­vis pú­bli­cas na imi­nên­cia de se­rem pro­pos­tas.

Po­rém, os em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros pre­ci­sam se cons­ci­en­ti­zar de que a ju­ris­pru­dên­cia tra­ba­lhis­ta é bas­tan­te di­ver­gen­te em re­la­ção a es­se te­ma e que exis­tem mui­tas va­riá­veis que po­dem de­ter­mi­nar se o adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de é de­vi­do ou não.

Ob­vi­a­men­te que se­rá de­vi­do o adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de se o ho­tel não for­ne­cer ne­nhum equi­pa­men­to de pro­te­ção in­di­vi­du­al à ca­ma­rei­ra, fa­zen­do-a ter con­ta­to com pro­du­tos de lim­pe­za no­ci­vos à saú­de e com ma­te­ri­ais bi­o­ló­gi­cos hu­ma­nos. Nes­se ca­so, qual­quer juiz ou en­ge­nhei­ro da se­gu­ran­ça do tra­ba­lho se­rá una­ni­me em di­zer que a ro­ti­na da ca­ma­rei­ra é pre­ju­di­ci­al à sua saú­de.

Por ou­tro la­do, exis­tem ju­ris­pru­dên­ci­as re­co­nhe­cen­do que quan­do a ca­ma­rei­ra uti­li­za equi­pa­men­tos de pro­te­ção in­di­vi­du­al que eli­mi­nem ou neu­tra­li­zem a in­sa­lu­bri­da­de não se­rá de­vi­do o res­pec­ti­vo adi­ci­o­nal. Res­sal­ta-se que não bas­ta o em­pre­en­di­men­to ho­te­lei­ro for­ne­cer a pro­te­ção su­fi­ci­en­te à sua co­la­bo­ra­do­ra, mas tam­bém é ne­ces­sá­rio que ele to­me to­das as me­di­das que ga­ran­tam que ela uti­li­ze o equi­pa­men­to e que es­te se­ja su­fi­ci­en­te pa­ra eli­mi­nar ou neu­tra­li­zar à no­ci­vi­da­de.

A de­ci­são ju­di­ci­al pro­fe­ri­da pe­lo TST, por mais que se­ja um di­re­ci­o­na­men­to im­por­tan­te pa­ra o te­ma, ain­da não re­sol­ve a dis­cus­são cen­tral es­ta­be­le­ci­da so­bre o te­ma. Is­so por­que ao de­fi­nir que as ati­vi­da­des de ca­ma­rei­ra se equi­pa­ram aos ser­vi­ços de lim­pe­za de lo­cais pú­bli­cos ou co­le­ti­vo de gran­de cir­cu­la­ção, des­con­si­de­ra as par­ti­cu­la­ri­da­des exis­ten­tes em ca­da ne­gó­cio e, des­sa for­ma, além das ori­en­ta­ções e prá­ti­cas pre­ven­ti­vas aos olhos da le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta, é ne­ces­sá­ria, ain­da, um sis­te­ma de com­pli­an­ce

ap­to pa­ra do­cu­men­tar e ori­en­tar to­das as prá­ti­cas in­ter­nas re­la­ci­o­na­das ao sis­te­ma de hi­gi­e­ni­za­ção dos quar­tos.

Pri­mei­ro por­que é sim­plis­ta a con­clu­são de­ci­só­ria de que to­do o ser­vi­ço de hi­gi­e­ni­za­ção de quar­tos de ho­téis se equi­pa­ram a um lo­cal de gran­de cir­cu­la­ção ur­ba­na. O se­tor ho­te­lei­ro não é ho­mo­gê­neo, úni­co, atu­an­do sob um rí­gi­do sis­te­ma or­ga­ni­za­ci­o­nal re­pli­ca­do pa­ra to­do o mer­ca­do.

Ca­da es­ta­be­le­ci­men­to ho­te­lei­ro pos­sui su­as par­ti­cu­la­ri­da­des, mo­de­los de ne­gó­cio e, equi­pa­ra-los de ma­nei­ra úni­ca, atri­buin­do-lhes a ca­rac­te­rís­ti­ca con­for­me a nor­ma le­gal con­ces­si­va da in­sa­lu­bri­da­de, fe­re a in­di­vi­du­a­li­da­de da aná­li­se ju­di­ci­al.

Ain­da mais pe­lo sim­ples mo­ti­vo de que a gran­de cir­cu­la­ção de pes­so­as, ele­men­to nu­cle­ar ca­rac­te­ri­za­dor da in­sa­lu­bri­da­de nes­ses ca­sos, re­quer, ine­vi­ta­vel­men­te, o trân­si­to in­dis­cri­mi­na­do de pes­so­as em lo­cais de fá­cil e ir­res­tri­to aces­so, o que não é o ca­so de um quar­to de ho­tel ou da re­a­li­da­de de mui­tos es­ta­be­le­ci­men­tos.

Em ou­tra aná­li­se, a in­sa­lu­bri­da­de po­de­rá ter os seus efei­tos re­du­zi­dos ou eli­mi­na­dos con­for­me o uso de equi­pa­men­tos de pro­te­ção in­di­vi­du­al ade­qua­dos, ca­ben­do a em­pre­sa, mais uma vez den­tro de su­as ro­ti­nas in­ter­nas de aná­li­se e pre­ven­ção de ris­cos, em com­pli­an­ce tra­ba­lhis­ta, mo­ni­to­rar o seu uso, for­ne­cer a tro­ca re­gu­lar dos equi­pa­men­tos bem co­mo ava­li­ar con­for­me os pro­du­tos uti­li­za­dos e o lo­cal da pres­ta­ção os uten­sí­li­os e ma­te­ri­ais mais ade­qua­dos. To­das es­sas prá­ti­cas de­vem ser ob­ser­va­das e do­cu­men­ta­das pa­ra o con­tro­le de ris­co da ati­vi­da­de in­sa­lu­bre.

Ade­mais, é cer­to di­zer que o adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de em grau má­xi­mo oca­si­o­na ou­tro re­fle­xo pou­co co­nhe­ci­do en­tre os ho­te­lei­ros: a obri­ga­to­ri­e­da­de de afas­ta­men­to das ati­vi­da­des in­sa­lu­bres du­ran­te to­do o pe­río­do de ges­ta­ção. Já quan­do a in­sa­lu­bri­da­de é de grau mí­ni­mo ou mé­dio, a obri­ga­to­ri­e­da­de de afas­ta­men­to das ati­vi­da­des in­sa­lu­bres de­pen­de de ates­ta­do mé­di­co.

Di­an­te do ex­pos­to, po­de­mos con­cluir que a obri­ga­to­ri­e­da­de ou não de pa­gar adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de às ca­ma­rei­ras de­pen­de de inú­me­ros fa­to­res, tais co­mo ro­ti­na de tra­ba­lho da co­la­bo­ra­do­ra, pro­du­tos de lim­pe­za uti­li­za­dos, equi­pa­men­tos de pro­te­ção for­ne­ci­dos, hi­gi­e­ne dos hós­pe­des e dos ba­nhei­ros das uni­da­des ho­te­lei­ras, en­tre ou­tros. Ca­so o ho­tel pre­ten­da afas­tar es­se adi­ci­o­nal de for­ma jus­ta e éti­ca, tor­na-se im­pres­cin­dí­vel a re­a­li­za­ção de um tra­ba­lho ju­rí­di­co e de se­gu­ran­ça do tra­ba­lho (am­bos pa­ra­le­los) pa­ra pre­ve­nir pos­sí­veis con­de­na­ções ju­di­ci­ais.

Tra­ta-se de um te­ma de mui­ta im­por­tân­cia e im­pac­to di­re­to nas ati­vi­da­des de­sem­pe­nha­das den­tro do se­tor ho­te­lei­ro, ha­ja vis­ta que é di­re­ci­o­na­da não só pa­ra um dos gran­des di­fe­ren­ci­ais de qua­li­da­de do ne­gó­cio, mas um fo­co im­por­tan­tís­si­mo de ge­ra­ção de em­pre­gos que po­de ser im­pac­ta­do pe­lo po­si­ci­o­na­men­to rí­gi­do apre­sen­ta­do pe­lo TST.

Des­sa for­ma, se faz ne­ces­sá­rio um tra­ba­lho de com­pli­an­ce tra­ba­lhis­ta es­pe­cí­fi­co pa­ra es­sas ati­vi­da­des, ana­li­san­do as ro­ti­nas de tra­ba­lho, as cau­sas de re­du­ção e ex­clu­são dos adi­ci­o­nais por meio dos uten­sí­li­os de tra­ba­lho, e to­da uma aná­li­se dos ris­cos en­vol­vi­dos pa­ra a to­ma­da de de­ci­são so­bre qual ca­mi­nho se­guir so­bre o te­ma que ain­da se mos­tra con­tro­ver­so quan­do há uma aná­li­se pon­tu­al so­bre ca­da si­tu­a­ção le­va­da ao ju­di­ciá­rio.

*Mu­ril­lo Akio Ara­ka­ki é só­cio do es­cri­tó­rio Ara­ka­ki Ad­vo­ga­dos, é ad­vo­ga­do mi­li­tan­te em to­do o Bra­sil. Ba­cha­rel em Di­rei­to pe­la Uni­ver­si­da­de São Ju­das Ta­deu em São Pau­lo e pós-gra­du­a­do em Di­rei­to Tri­bu­tá­rio pe­la Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de São Pau­lo. É Pre­si­den­te da Co­mis­são de Di­rei­to apli­ca­do à Ho­te­la­ria e ao Tu­ris­mo na OAB/SP, mem­bro efe­ti­vo da Co­mis­são de Di­rei­to Tri­bu­tá­rio na OAB/ SP e mem­bro efe­ti­vo da Co­mis­são de Con­ten­ci­o­so Ad­mi­nis­tra­ti­vo Tri­bu­tá­rio na OAB/SP. Foi pro­fes­sor tu­tor da área Tri­bu­tá­ria do Com­ple­xo Edu­ca­ci­o­nal Da­má­sio de Je­sus em São Pau­lo. Au­tor de ar­ti­gos ju­rí­di­cos e pa­les­tran­te.

*Antô­nio Car­los Bra­te­fi­xe Jú­ni­or é só­cio do es­cri­tó­rio Có Cri­vel­li Ad­vo­ga­dos. Es­pe­ci­a­lis­ta em Di­rei­to do Tra­ba­lho pe­la Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de São Pau­lo. Es­pe­ci­a­lis­ta em Di­rei­to Pro­ces­su­al Ci­vil pe­la Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de São Pau­lo. MBA em Ad­mi­nis­tra­ção de Em­pre­sas pe­la Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas.

Con­ta­tos: E-mails: mu­ril­lo@ara­ka­ki­ad­vo­ga­dos.com.br an­to­nio.bra­te­fi­xe@co­cri­vel­li.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.