As gran­des vi­lãs

Hoteis - - Especial -

men­to téc­ni­co den­tro da nor­ma”, su­ge­re Ber­ni.

A em­pre­sa con­ta com op­ções de equi­pa­men­tos pa­ra pre­pa­ro de ali­men­tos que evi­tam ao má­xi­mo o ris­co de con­ta­mi­na­ção, co­mo por exem­plo o Co­ok Chill, um pro­ces­so se­gu­ro que con­sis­te em co­zi­nhar ali­men­tos a uma tem­pe­ra­tu­ra mé­dia de 110 Cº, ope­ra­da por for­nos com­bi­na­dos com ca­lor, va­por, ar se­co, tem­po e tem­pe­ra­tu­ra, e res­fri­ar atra­vés de ul­tra­con­ge­la­dor bai­xan­do a tem­pe­ra­tu­ra ne­ga­ti­va a – 4 Cº a um tem­po de 60 mi­nu­tos. “A bar­rei­ra en­tre o frio e ca­lor im­pe­de a pro­li­fe­ra­ção de bac­té­ria evi­tan­do ris­cos de con­ta­mi­na­ção”, ex­pli­cou. A em­pre­sa tam­bém ofe­re­ce ou­tros pro­ces­sos fei­tos com co­zi­men­to em Ba­nho Maria, que tem a mes­ma efi­ci­ên­cia mas exi­ge mai­or tem­po de pre­pa­ro, além dos equi­pa­men­tos de apoio de ma­ni­pu­la­ção e pre­pa­ro.

Jun­to ao aço ino­xi­dá­vel dos equi­pa­men­tos, vem a tec­no­lo­gia que está in­se­ri­da di­re­ta­men­te nos pro­ces­sos fa­bris de to­dos equi­pa­men­tos, des­de cor­te de cha­pas atra­vés de la­ser, com fi­bra, sis­te­mas de do­bras com CNC, e um fi­no aca­ma­men­to. “Se o fa­bri­can­te do equi­pa­men­to não es­ti­ver en­qua­dra­do nes­tas pon­tos, irá re­fle­tir na ope­ra­ção da co­zi­nha”, aler­ta o Di­re­tor.

A mai­o­ria das pes­so­as está ci­en­te de que as mãos de­vem ser la­va­das com­ple­ta­men­te an­tes e de­pois de pre­pa­rar o ali­men­to, de­pois de ir ao ba­nhei­ro e de­pois de exe­cu­tar ta­re­fas que a tor­nam su­jas. No en­tan­to, uma boa higiene das mãos é mais do que ape­nas uma la­va­gem em apro­pri­a­dos mo­men­tos - a ma­nei­ra co­mo se la­va as mãos é tão im­por­tan­te quan­to. Se­gun­do um ar­ti­go do Hos­pi­tal Sí­rio Li­ba­nês, ape­nas 5% das pes­so­as la­vam as mãos cor­re­ta­men­te. Ain­da que se usem os mais di­ver­sos equi­pa­men­tos e al­tas tec­no­lo­gi­as, mui­tas ve­zes es­te sim­ples pro­ces­so de higiene po­de ser o res­pon­sá­vel por evi­tar gra­ves con­ta­mi­na­ções nos ali­men­tos.

Ao fre­quen­tar os res­tau­ran­tes, as mãos po­dem ser as gran­des vi­lãs dos ali­men­tos, e os pe­ga­do­res que fi­cam em ci­ma do ali­men­to são o prin­ci­pal trans­por­te dos mi­cror­ga­nis­mos. Quan­do fa­la­mos de con­ta­mi­na­ção den­tro de res­tau­ran­tes, a gra­vi­da­de au­men­ta. De­vi­do ao al­to grau de con­ta­mi­na­ção pe­las mãos na ma­ni­pu­la­ção dos pe­ga­do­res, es­tes em con­ta­to com os ali­men­tos, au­men­tam o es­pa­ço de pro­li­fe­ra­ção das bac­té­ri­as con­ta­mi­nan­do a co­mi­da, po­den­do ge­rar do­en­ças e ou­tras com­pli­ca­ções.

Co­mo so­lu­ção pa­ra es­te pro­ble­ma, foi de­sen­vol­vi­do jun­to com do­nos de res­tau­ran­tes, o

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.