In­ves­ti­men­to a lon­go pra­zo

Hoteis - - Especial -

pai­néis fo­to­vol­tai­cos com a re­de elé­tri­ca do ho­tel. O in­ver­sor é o apa­re­lho res­pon­sá­vel pe­lo sis­te­ma de pro­te­ção e con­tro­le, e faz a con­ver­são da ener­gia pro­du­zi­da pe­las pla­cas, de cor­ren­te con­tí­nua pa­ra al­ter­na­da, aten­den­do os pa­drões es­ta­be­le­ci­dos pe­la dis­tri­bui­do­ra lo­cal, em ter­mos de ten­são, cor­ren­te e frequên­cia.

O ho­tel tam­bém con­ta com um sis­te­ma de au­to­ma­ção pa­ra o sis­te­ma de ilu­mi­na­ção co­le­ti­va das áre­as co­muns do ho­tel e a mai­or par­te das lâmpadas em fun­ci­o­na­men­to no Ho­tel são do ti­po LED. Pa­ra ge­ren­ci­ar a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca do empreendimento, Mau­ro ex­pli­cou que os re­sul­ta­dos são ana­li­sa­dos di­a­ri­a­men­te atra­vés de um apli­ca­ti­vo e si­te com os da­dos que o sis­te­ma ge­ra, e as­sim, acom­pa­nham se es­tá sen­do efi­ci­en­te, em con­jun­to com ou­tros sis­te­mas que o ho­tel pos­sui pa­ra aque­ci­men­to de água, co­le­ta de água da chu­va e ou­tros, de for­ma a per­mi­tir o mai­or ren­di­men­to pos­sí­vel en­tre to­dos os sis­te­mas. “Con­se­gui­mos ain­da de­tec­tar pos­sí­veis fa­lhas em nos­sos sis­te­mas e sem­pre pres­tar um bom aten­di­men­to aos nos­sos hós­pe­des”, con­clui o Di­re­tor.

Há di­ver­sas em­pre­sas hoje no Bra­sil que tra­ba­lham com a mo­da­li­da­de de lo­ca­ção do equi­pa­men­to do sis­te­ma fo­to­vol­tai­co, sem que o pro­pri­e­tá­rio, os ho­téis nes­se ca­so, fa­çam o in­ves­ti­men­to di­re­to. Pa­ra is­so, bas­ta­ria com is­so pa­gar o va­lor me­nor do que já pa­ga atu­al­men­te em sua con­ta de ener­gia. É o que ex­pli­cou Hu­go Al­bu­quer­que, Ge­ne­ral Ma­na­ger Amé­ri­ca La­ti­na da Ca­na­di­an So­lar.

Se­gun­do ele, os cli­en­tes de Bai­xa Ten­são pa­gam até R$ 0,64/Kwh e os cli­en­tes de Al­ta Ten­são che­gam a pa­gar R$ 0,44/Kwh. Com a uti­li­za­ção da ener­gia so­lar, es­ses cus­tos po­de­ri­am ser re­du­zi­dos em até 40% ou mais em al­guns ca­sos es­pe­cí­fi­cos. “É bem ver­da­de que is­so de­pen­de de um in­ves­ti­men­to ini­ci­al, con­si­de­ra­do al­gu­mas ve­zes co­mo ele­va­do. Con­tu­do, é um in­ves­ti­men­to que tem seu re­tor­no em cer­ca de 5 a 8 anos, a de­pen­der do va­lor da ta­ri­fa. Is­so se o Ho­tel pre­fe­rir fa­zer o in­ves­ti­men­to di­re­to e com­pen­sar sua ener­gia uti­li­za­da com a sua pró­pria ge­ra­ção de ener­gia so­lar. Nes­sa mo­da­li­da­de, os con­tra­tos po­dem va­ri­ar de 12 a 15 anos”, com­ple­tou Al­bu­quer­que.

O exe­cu­ti­vo acre­di­ta que ain­da fal­ta um pou­co de co­nhe­ci­men­to so­bre a so­lu­ção e so­bre as li­nhas de cré­di­to dis­po­ní­veis que ain­da não es­tão com ta­xas de ju­ros atra­ti­vas. “Ape­sar de ter­mos realizado a di­vul­ga­ção da so­lu­ção por meio de as­so­ci­a­ções de clas­se, re­vis­tas e te­le­vi­são, ain­da há vá­ri­as dú­vi­das. Em re­la­ção as li­nhas de cré­di­to, já há li­nhas es­pe­ci­fi­cas do BNDES,BNB, Cai­xa Econô­mi­ca, San­tan­der, con­tu­do o aces­so e a bu­ro­cra­cia tem con­tri­buí­do pa­ra afas­tar al­guns em­pre­en­de­do­res. Creio, po­rém, que as ins­ti­tui­ções es­tão mu­dan­do na ten­ta­ti­va de pro­ver um aces­so mais fácil. É cer­to que tam­bém há a ques­tão dos tri­bu­tos que in­ci­dem na ma­té­ria pri­ma e que vi­ram cus­to no pro­du­to pro­du­zi­do no Bra­sil. Is­so tem pre­ju­di­ca­do a in­dús­tria na­ci­o­nal, pois a mes­ma não tem con­di­ções de com­pe­tir com as fá­bri­cas Chi­ne­sas em vir­tu­de da efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va e efi­ci­ên­cia tri­bu­tá­ria. Acre­di­ta­mos que tan­to o MME (Ministério de Mi­nas e Ener­gia), MDIC (Ministério do De­sen­vol­vi­men­to, In­dús­tria e Co­mér­cio Ex­te­ri­or), e ou­tros mi­nis­té­ri­os já es­tão ava­li­an­do co­mo tor­nar a nos­sa in­dús­tria mais com­pe­ti­ti­va, sem one­rar o mer­ca­do e pro­mo­ver ine­fi­ci­ên­cia lo­cal”, de­cla­rou.

A Ca­na­di­an So­lar pres­ta ser­vi­ços de as­sis­tên­cia téc­ni­ca, en­ge­nha­ria, fa­bri­ca no Bra­sil e con­ta com su­por­te téc­ni­co co­mer­ci­al. Hoje, a em­pre­sa for­ne­ce cer­ca de 60%-70% de tudo que é ven­di­do pa­ra Ge­ra­ção dis­tri­buí­da. “Is­so deu-se so­bre­tu­do pe­la es­co­lha do me­lho­res par­cei­ros do mer­ca­do co­mo a Si­ces, Al­do, Al­sol,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.