MA­TÉ­RIA DE CA­PA

QUAIS EX­PEC­TA­TI­VAS DE UM PE­RÍO­DO QUE CO­ME­ÇA MER­GU­LHA­DO EM IN­CER­TE­ZAS ECONÔ­MI­CAS

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE -

2015: o ano do ajus­te

Pas­sa­da a c‘””e”ia e a euf‘”ia das fes–as de fi­nal de an‘, ja­nei”‘ ma”ca ‘ inà­ci‘ de um n‘v‘

pe­río­do, e co­mo to­do co­me­ço, che­ga aos pou­cos, de­va­gar, sem tan­ta em­pol­ga­ção. Em um mês que

pre­va­le­ce a sen­sa­ção de in­cer­te­za em re­la­ção ao que de­ve vir adi­an­te, não fal­tam apos­tas e pre­vi-

sões so­bre o que nos aguar­da a se­guir. E des­ta vez não é di­fe­ren­te. Após o fra­co de­sem­pe­nho da

ec‘n‘mia em 2014, “ue ”esul–‘u na ’e”da de c‘nfi­an­ça d‘ em’”esa”iad‘ na­ci‘nal ’a”a in­ves–i”,

são inú­me­ras as pro­je­ções so­bre o que de­ve acon­te­cer em 2015, cha­ma­do o ano do ajus­te pe­los

es’eci­a­lis–as fi­nan­cei”‘s.

As mu­dan­ças pa­ra ten­tar re­to­mar o cres­ci­men­to econô­mi­co co­me­ça­ram com a tro­ca da equi- ’e d‘ g‘ve”n‘, c‘m J‘a“uim Levy as­su­mind‘ ‘ Mi­nis–é”i‘ da Fa­zen­da, Nels‘n Ba”b‘sa fi­cand‘ ”es­pon­sá­vel

pe­lo Pla­ne­ja­men­to e Ale­xan­dre Tom­bi­ni se man­ten­do à fren­te do Ban­co Cen­tral. Co­mo as

con­tas pú­bli­cas re­gis­tra­ram sal­do ne­ga­ti­vo no ano pas­sa­do, o re­a­jus­te pa­ra re­ver­ter es­se ce­ná­rio foi

re­pas­sa­do pa­ra o con­tri­buin­te. Até o mo­men­to, já foi anun­ci­a­do o au­men­to de tri­bu­tos so­bre com­bus-

tí­veis, so­bre pro­du­tos im­por­ta­dos e tam­bém so­bre ope­ra­ções de cré­di­to. A ex­pec­ta­ti­va é ar­re­ca­dar

R$ 20,6 bi­lhões com as al­te­ra­ções.

Na ava­li­a­çã‘ d‘ ec‘n‘mis–a An–‘ni‘ C‘””êa de La­ce”da, ’”‘fess‘” da P‘n–ifà­cia Uni­ve”si­da­de Ca­tó­li­ca de São Pau­lo e ex-pre­si­den­te do Con­se­lho Fe­de­ral de Eco­no­mia, a com­bi­na­ção de de­ter­mi­nad‘

s fa–‘”es n‘s úl–im‘s an‘s ”esul–a”am em uma si–ua­çã‘ des­fav‘”ável ’a”a ‘ se–‘” fi­nan­cei”‘ d‘

Bra­sil e de ou­tros paí­ses emer­gen­tes. “A con-

jun­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal con­tri­buiu pa­ra en­fra-

que­cer a si­tu­a­ção econô­mi­ca de mui­tas na­ções

ex­por­ta­do­ras, não só pe­la cri­se na Eu­ro­pa, mas

es­pe­ci­al­men­te por cau­sa da de­sa­ce­le­ra­ção da

China, uma das mai­o­res com­pra­do­ras mun-

di­ais de pe­tró­leo, mi­né­rio de fer­ro, en­tre ou-

tras com­mo­di­ti­es. Eles man­ti­nham um rit­mo

de cres­ci­men­to de 10% ao ano, ta­xa que foi

pa­ra 7% em 2012, o me­nor em uma dé­ca­da”,

ex­pli­ca Lacerda.

Pa­ra o pro­fes­sor, os ins­tru­men­tos uti­li-

za­dos pe­lo go­ver­no brasileiro pa­ra es­ti­mu­lar a

eco­no­mia se es­go­ta­ram e ago­ra é ne­ces­sá­rio

que a no­va equi­pe apre­sen­te um pla­no cla­ro de ”ecu’e”açã‘ ’a”a m‘di­fi­ca” ‘ cli­ma de in­se­gu­ran­ça

no mer­ca­do na­ci­o­nal. “Du­ran­te um tem-

po o Bra­sil foi fa­vo­re­ci­do pe­la al­ta dos pre­ços

dos mi­né­ri­os e dos grãos, mas pos­te­ri­or­men­te

foi afe­ta­do com a for­te que­da nos pre­ços da

so­ja e da car­ne. Hou­ve er­ros de con­du­ção na

ma­cro­e­co­no­mia, co­mo as de­so­ne­ra­ções ofe­re-

ci­das em di­fe­ren­tes seg­men­tos que aca­ba­ram

com­pro­me­ten­do as con­tas pú­bli­cas. A adap­ta-

ção in­ter­na­ci­o­nal pe­diu cor­re­ção no mer­ca­do

do­més­ti­co”, en­fa­ti­za.

Re­per­cus­são no Tu­ris­mo

As­sim co­mo qual­quer ou­tro ra­mo que

in­te­gra a eco­no­mia na­ci­o­nal, o seg­men­to de

vi­a­gens tam­bém es­tá su­jei­to aos efei­tos das

me­di­das “ue vi­sam a es–abi­li­da­de fi­nan­cei”a.

Na opi­nião do eco­no­mis­ta, a for­te cor­re­ção

no câm­bio de­ve es­ti­mu­lar o tu­ris­mo in­ter-

no, tor­nan­do-o mais fa­vo­rá­vel e com­pe­ti­ti­vo.

“Na mé­dia, é es­pe­ra­do que o va­lor do dó­lar

va­rie de R$ 2,70 a R$ 2,80. É pro­vá­vel que

quem cos­tu­ma­va ir pa­ra Mi­a­mi re­pen­se o

des­ti­no. Es­te é um bom mo­men­to pa­ra o em-

pre­sa­ri­a­do brasileiro in­ves­tir em mar­ke­ting

e em pre­ços com­pe­ti­ti­vos, mu­dan­do a pos-

tu­ra opor­tu­nis­ta re­cor­ren­te no se­tor de ele-

va­ção exa­ge­ra­da dos pre­ços quan­do há al­ta

na de­man­da. Is­so es­pan­ta o tu­ris­ta, que é um

agen­te dis­se­mi­na­dor e po­de­ria fa­zer uma

pro­pa­gan­da po­si­ti­va do seu em­pre­en­di­men-

A pro­fes­so­ra do cur­so de La­zer e Tu-

ris­mo da Es­co­la de Ar­tes, Ci­ên­ci­as e Hu­ma­ni-

da­des da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo, Mariana

Al­dri­gui, ava­lia que as fa­mí­li­as bra­si­lei­ras já

in­cor­po­ra­ram as vi­a­gens co­mo um bem de

con­su­mo pos­sí­vel den­tro do or­ça­men­to e não

de­vem abrir mão do so­nho de pos­tar nas re-

des so­ci­ais fo­tos na Es­tá­tua da Li­ber­da­de ou na

Tor­re Eif­fel. “Um des­ti­no que pro­va­vel­men­te

vai sen­tir fal­ta dos bra­si­lei­ros é a Grã-Bre­ta­nha,

já que a co­ta­ção da libra es­tá mui­to al­ta. Mas

di­fi­cil­men–e ‘s vi­a­jan–es na­ci‘nais vã‘ dei­xa”

de ir pa­ra o ex­te­ri­or. Se até 2014 eles ti­ve­ram

aces­so aos bons ser­vi­ços tu­rís­ti­cos de fo­ra e co-

nhe­ce­ram as van­ta­gens de fa­zer com­pras por

lá, é pou­co pro­vá­vel que mu­dem es­se pa­drão de

A cri­se traz opor­tu­ni­da­des pa­ra quem es­tá atu­an­do, pa­ra quem es­tá fo­ca­do e bem in­for­ma­do

(Antonio Se­tin)

c‘m’‘”–amen–‘ ag‘”a”, afi”ma.

Mariana tam­bém des­ta­ca que é in­ge­nui-

da­de acre­di­tar que o con­su­mi­dor não é ca­paz

de com­pa­rar as ex­pe­ri­ên­ci­as de ou­tros cli­en­tes

e que vai se con­ten­tar com ser­vi­ços pre­cá­ri­os.

A pro­fes­so­ra lem­bra que em di­ver­sos ca­sos

os va­lo­res de uma vi­a­gem pa­ra o Nor­des­te se

equi­pa­ram com os gas­tos pa­ra ir até a Ar­gen­ti-

na ou Re­pú­bli­ca Do­mi­ni­ca­na. “O pon­to po­si­ti­vo

de tra­ba­lhar no Tu­ris­mo é a fa­ci­li­da­de de adap-

–açã‘ e fle­xi­bi­li­za­çã‘ de –a”ifas e de ’”‘du–‘s.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.