DES­TI­NO

explora Val­le Sa­gra­do

Hotelnews Magazine - - INDICE - POR ALESSANDRA LEI­TE

Ogru­po­ex­plo­ra nas­ceu com o pro­pó­si­to de in­se­rir des­ti­nos re­mo­tos da Amé­ri­ca do Sul na ro­ta do tu­ris­mo de al­to pa­drão. Co­mo o pró­prio no­me diz, a em­pre­sa tem co­mo fi­lo­so­fia a ar­te de “ex­plo­rar” e ofe­re­cer ex­pe­ri­ên­ci­as atra­vés da ex­plo­ra­ção pro­fun­da da re­gião e o lu­xo do es­sen­ci­al. Foi com es­ta fór­mu­la de su­ces­so que o explora che­gou ao Val­le Sa­gra­do dos In­cas, re­gião com­pre­en­di­da en­tre Cus­co e Ma­chu Pic­chu.

Lo­ca­li­za­do em uma das fa­zen­das de mi­lho mais lon­gín­quas do va­le, às mar­gens do rio Uru­bam­ba e pró­xi­mo ao po­vo­a­do de Ur­quil­los, o explora foi ide­a­li­za­do pa­ra que os vi­a­jan­tes apro­vei­tem ao má­xi­mo as pai­sa­gens do Val­le Sa­gra­do.

O ho­tel es­tá in­te­gra­do à pai­sa­gem de tal for­ma que ele fi­ca qua­se im­per­cep­tí­vel quan­do vis­to de lon­ge. A cons­tru­ção de con­cre­to com de­ta­lhes em pe­dras e ma­dei­ra pos­sui cin­co blo­cos: no prin­ci­pal fi­cam as sa­las de es­tar, o res­tau­ran­te, bar e lo­ja, en­quan­to os 50 apar­ta­men­tos es­tão es­pa­lha­dos nos ou­tros qua­tros edi­fí­ci­os.

Co­nhe­ci­da pe­lo seu po­der de aque­cer os am­bi­en­tes, a ma­dei­ra tam­bém es­tá pre­sen­te na de­co­ra­ção, em pai­néis e mo­bi­liá­ri­os, além do re­ves­ti­men­to de pa­re­des, te­to e pi­so. E o re­sul­ta­do são es­pa­ços char­mo­sos e mui­to acon­che­gan­tes.

Além de es­pa­ço­sas, as aco­mo­da­ções são mui­tos con­for­tá­veis e ofe­re­cem vis­ta pa­ra as plan­ta­ções de mi­lho com as mon­ta­nhas ao fun­do. A ca­ma é sen­sa­ci­o­nal, da­que­las que vo­cê não tem von­ta­de de sair. Não há te­le­vi­são nem si­nal de wi-fi, que so­men­te es­tá dis­po­ní­vel nas áre­as co­muns, mas is­to es­tá lon­ge de ser um pro­ble­ma, mui­to pe­lo con­trá­rio, é re­vi­go­ran­te. A pro­pos­ta é que os hós­pe­des pas­sem o me­nor tem­po pos­sí­vel nos quar­tos e se em­pe­nhem em co­nhe­cer a re­gião e sua cul­tu­ra, se des­co­nec­tan­do do co­ti­di­a­no.

No iní­cio de 2017, se­rá inau­gu­ra­do o spa em uma ca­sa co­lo­ni­al, que per­ten­ceu ao in­ca Ma­teo Pa­ma­cahua, um dos he­róis da in­de­pen­dên­cia do Pe­ru. Es­te es­pa­ço de bem es­tar con­ta­rá com sa­las de mas­sa­gem, área de re­la­xa­men­to, sa­las pa­ra a prá­ti­ca de io­ga e pis­ci­na.

Um dos des­ta­ques do ho­tel é sua gas­tro­no­mia, que va­lo­ri­za os sa­bo­res lo­cais e uti­li­za in­gre­di­en­tes fres­cos. En­quan­to o ca­fé da ama­nhã é ser­vi­do em bu­fê, o al­mo­ço e jan­tar são à la car­te, com três op­ções de en­tra­da, pra­to prin­ci­pal e so­bre­me­sa di­fe­ren­tes a ca­da dia.

O explora é all-in­clu­si­ve e as ta­ri­fas in­clu­em os tras­la­dos, as ex­plo­ra­ções, as re­fei­ções e be­bi­das (in­cluin­do as al­coó­li­cas). Des­ta for­ma, os hós­pe­des po­dem desbravar e vi­ven­ci­ar a fi­lo­so­fia do ho­tel sem pre­o­cu­pa­ção.

A ar­te de vi­a­jar do explora

Nos­sa es­treia no explora não po­de­ria ter si­do me­lhor. Du­ran­te qua­tro di­as, des­ven­da­mos a he­ran­ça cul­tu­ral in­ca e as be­le­zas na­tu­rais do Val­le Sa­gra­do, con­du­zi­dos por gui­as lo­cais que pos­su­em um pro­fun­do co­nhe­ci­men­to da re­gião.

As 27 ex­plo­ra­ções po­dem ser re­a­li­za­das a pé, de bi­ci­cle­ta ou de van; e são di­vi­di­das con­for­me o ní­vel de di­fi­cul­da­de (fá­cil, mé­dio e avan­ça­do). Com is­to, o explora con­se­gue agra­dar os di­fe­ren­tes ti­pos de vi­a­jan­tes. Di­fí­cil mes­mo é es­co­lher o que fa­zer en­tre tan­tas op­ções, ca­da uma mais in­te­res­san­te do que a ou­tra.

To­das as noi­tes, os hós­pe­des reú­nem-se com os gui­as pa­ra tra­çar a aven­tu­ra do pró­xi­mo dia. Os pas­sei­os acon­te­cem em gru­pos de até oi­to pes­so­as, sem­pre su­per­vi­si­o­na­dos por gui­as lo­cais que co­nhe­cem bem a re­gião.

Na pri­mei­ra noi­te, fo­mos con­vi­da­dos pa­ra par­ti­ci­par de um ba­te-pa­po com um guia que apre­sen­ta pa­ra os hós- pe­des re­cém-che­ga­dos a fi­lo­so­fia do explora, além da his­tó­ria e ge­o­gra­fia da re­gião. Em se­gui­da, já es­co­lhe­mos os pas­sei­os do dia se­guin­te e op­ta­mos por Ol­lan­tay­tam­bo e Rac­chi, du­as ex­plo­ra­ções de meio dia con­si­de­ra­das fá­ceis.

Na par­te da ma­nhã, fo­mos pa­ra Ol­lan­tay­tam­bo, que tem um fo­co mais cul­tu­ral. Per­cor­re­mos as ru­as da ci­da­de­zi­nha e de­pois su­bi­mos nas cons­tru­ções arqueológicas in­cas, cha­ma­da de for­ta­le­za, on­de fi­ca o Tem­plo do Sol. Re­gres­sa­mos ao ho­tel, al­mo­ça­mos e saí­mos pa­ra Ra­chi, uma ca­mi­nha­da de 6 km com lin­das vis­tas pa­no­râ­mi­cas do va­le.

No ou­tro dia, nos aven­tu­ra­mos na ex­plo­ra­ção Cin­co La­gu­nas (dia in­tei­ro), um per­cur­so de 8,5 km a 4.100 me­tros de al­ti­tu­de com pai­sa­gens en­tre la­go­as e pi­cos ne­va­dos, com di­rei­to a um pi­que­ni­que no meio do ca­mi­nho.

No ter­cei­ro dia, foi a vez de co­nhe­cer uma das se­te ma­ra­vi­lhas do mun­do mo­der­no: Ma­chu Pic­chu. Saí­mos bem ce­do pa­ra a es­ta­ção em Ol­lan­tay­tam­bo, on­de pe­ga­mos o trem pa­no­râ­mi­co Vis­ta Do­me até Ma­chu Pic­chu Pu­e­blo, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Águas Ca­li­en­tes. Quan­do che­ga­mos, um guia es­ta­va a nos­sa es­pe­ra e nos le­vou pa­ra al­mo­çar. De­pois, se­gui­mos de ôni­bus pa­ra as im­pres­si­o­nan­tes ruí­nas da “ci­da­de per­di­da”. Re­tor­na­mos so­men­te no fim do dia e che­ga­mos por vol­ta das 21h no ho­tel. Es­te passeio pa­ra Ma­chu Pi­chu tem que ser re­ser­va­do com an­te­ce­dên­cia, já que o explora pre­ci­sa com­prar o trem e ôni­bus, que têm um cus­to ex­tra.

Fi­na­li­za­mos a nos­sa es­ta­dia com mais um passeio de meio dia pa­ra Chin­che­ro – uma ca­mi­nha­da que co­me­ça na área ru­ral até a pe­que­na al­deia de Chin­che­ro, fa­mo­sa por seus pro­du­tos têx­teis e su­as ruí­nas his­tó­ri­cas, in­cluin­do uma gran­de quan­ti­da­de de ter­ra­ços agrí­co­las que os in­cas usa­vam pa­ra plan­tio. Na pra­ça prin­ci­pal, mu­lhe­res com seus tra­jes co­lo­ri­dos ven­dem man­tas, ta­pe­tes, ma­lhas, gor­ros, en­tre ou­tros.

O gru­po explora pos­sui três pro­pri­e­da­des: na Pa­tagô­nia, no Ata­ca­ma e na Ilha de Pás­coa, além de or­ga­ni­zar três vi­a­gens nô­ma­des, cha­ma­das de tra­ves­si­as - El Chal­tén, Sal­ta e Uyu­ni.

Áre­as co­muns

Apar­ta­men­to

Cons­tru­ção in­te­gra­da à pai­sa­gem

Ex­plo­ra­ção das Cin­co La­gu­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.