ECONOMIA E NEGÓCIOS

AS ESTRAT2GIAS DOS “HERMANOS” PA­RA INCREMENTAR A ECONOMIA POR MEIO DA INDlSTRIA DE VI­A­GENS

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - POR JULIANA BELLEGARD

Apos­ta sul-ame­ri­ca­na no turismo

OTu­ris­mo des­ta­ca-se mun­di­al­men­te co­mo

uma in­dús­tria com gran­de po­ten­ci­al econô­mi­co e de de­sen­vol­vi­men–o ’a”a as na­ções. Da­dos da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Turismo (OMT)

apon­tam que a in­dús­tria é res­pon­sá­vel por 10% do PIB mun­di­al e 7% das ex­por­ta­ções - um vo­lu­me to­tal de US$ 1,5 tri­lhão em 2016. Nes­te ce­ná­rio, as Amé­ri­cas do Sul e Cen­tral aparecem em um con­tex­to de cres­ci­men­to: no ano pas­sa­do, a che­ga­da de tu­ris­tas in­ter­na­ci­o­nais na re­gião au­men­tou 6%. Se­ja pa­ra quem bus­ca in­for­ma­ções pa­ra su­as pró­xi­mas fé­ri­as, se­ja pa­ra quem atua no se­tor e fre­quen­ta as fei­ras e even­tos de negócios, é per­cep­tí­vel que os paí­ses vêm tra­ba­lhan­do na sua pro­mo­ção in­ter­na­ci­o­nal. Es­te ali­nha­men­to com o mer­ca­do mun­di­al é o que o Bra­sil tam­bém de­ve bus­car, se­gun­do Vi­ní­cius Lum­mertz, pre­si­den­te da Em­bra­tur (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Turismo). “A in­te­gra­ção é a ló­gi­ca. So­zi­nhos não con­se­gui­mos fa­zer na­da”, diz, com­ple­tan­do: “que­re­mos pro­mo­ver o Bra­sil lá fo­ra, tra­zer mais vi­si­tan­tes e mais re­cur­sos”. O in­ves­ti­men­to no Turismo co­mo um ne­gó­cio, de acor­do com ele, po­de ser a so­lu­ção pa­ra su­pe­rar o mo­men­to de cri­se pe­lo qu­al o País vem pas­san­do. En­tre nos­sos vi­zi­nhos, um des­ta­que é a Colôm­bia. No País, o turismo re­cep­ti­vo cres­ceu 43,1% nos qua­tro pri­mei­ros me­ses de 2017. Atu­al­men­te, o se­tor re­pre­sen­ta 6% do PIB e é a se­gun­da ati­vi­da­de econô­mi­ca que mais ge­ra di­vi­sas, fi­can­do a–”ás so­men–e do ’e–”óleo. No ano pas­sa­do, a ci­fra foi de US$ 5,6 bi­lhões. Na­ta­lia Me­jía San­mi­guel, as­ses­so­ra de Turismo da ProCo­lom­bia Bra­sil, des­ta­ca ou­tros da­dos: nes­te iní­cio de ano, re­gis­trou-se a en­tra­da de apro-

xi­ma­da­men­te dois bi­lhões de tu­ris­tas no País - 598.685 vi­si–an–es a mais do “ue o mes­mo ’e”Ào­do de 2016. Den­tro des­te mon­tan­te, o Bra­sil re­pre­sen­ta o ter­cei­ro mai­or emis­so”, fi­can­do a–”ás dos Es–ados Uni­dos e Ve­ne­zu­e­la. Já no Chi­le, o nú­me­ro de tu­ris­tas in­ter­na­ci­o­nais que de­sem­bar­cam so­mou 148% nos úl­ti­mos dez anos, o que re­pre­sen­ta um cres­ci­men­to mé­dio anu­al de 9,5%. A ta­xa mé­dia de cres­ci­men­to do in­gres­so de di­vi­sas nos úl­ti­mos dez anos foi de 7,3%, e os va­lo­res pas­sa­ram de US$ 1,5 bi­lhão em 2006 pa­ra US$ 3 bi­lhões em 2016. Pa­ra es­te ano, o ProChi­le es­ti­ma que o País re­ce­be­rá cer­ca de 6,4 mi­lhões de tu­ris­tas es­tran­gei­ros, 14% a mais que em 2016. O Bra­sil é um mer­ca­do pri­o­ri­tá­rio e que vem cres­cen­do: du­ran­te a tem­po­ra­da de ve­rão (de­zem­bro de 2016 a mar­ço de 2017) de­sem­bar­ca­ram 135.461 tu­ris–as b”asi­lei”os, o “ue sig­ni­fi­cou 5% a mais em com’a”ação com a tem­po­ra­da de 2016. Ca­sa de uma das Se­te No­vas Ma­ra­vi­lhas do Mun­do, o Pe­ru é ou­tro país que vem de­sen­vol­ven­do um tra­ba­lho es­tra­té­gi­co de turismo ali­nha­do com a pre­ser­va­ção de seus bens cul­tu­rais e de sua his­tó­ria. Além dis­so, a ho–ela”ia do des–ino –am­bém –em se de­sen­vol­vi­do. De acor­do com da­dos do Min­ce­tur, em 2016 o Pe­ru re­ce­beu 3,7 mi­lhões de vi­si­tan­tes es­tran­gei­ros. Pa­ra acom­pa­nhar es­ta de­man­da, o par­que ho­te­lei­ro lo­cal re­ce­beu in­ves­ti­men­tos que so­mam apro­xi­ma­da­men­te US$ 600 mi­lhões, se­gun­do da­dos da Ho­tel & Tou­rism Ad­vi­sor e da So­ci­e­da­de de Ho–eles de Pe”u. De 2011 a 2016, fo”am cons­truí­dos 43 hotéis no País, sen­do em­pre­en­di­men­tos de três, qua­tro e cin­co es­tre­las - es­ta úl­ti­ma ca­te­go­ria ob­te­ve cres­cen­doo mai­or36%. in­cre­men­to de uni­da­des no pe­río­do, Mi­la­gros Ochoa, res­pon­sá­vel por Turismo e Ima­gem no Es­cri­tó­rio Co­mer­ci­al do Pe­ru no Bra­sil, ex­pli­ca que, além da hotelaria de des­ta­que, o País tam­bém con­ta

com uma das mai­o­res es­tru­tu­ras de con­ven­ções e even­tos da Amé­ri­ca do Sul, com ca­pa­ci­da­de pa­ra re­ce­ber 10 mil pes­so­as. Is­to per­mi­te que o tra­ba­lho de pro­mo­ção dos es­cri­tó­ri­os da PromPe­ru se­ja fo­ca­do nas fren­tes de la­zer e MICE (Reu­niões, in­cen­ti­vos, con­gres­sos e ex­po­si­ções, em in­glês). “Ofe­re­ce­mos um destino que cres­ce co­mo opor­tu­ni­da­de pa­ra vi­a­gens de in­cen­ti­vo, e tam­bém es­ta­mos pró­xi­mos aos ope­ra­do­res e agen­tes de vi­a­gens pa­ra ca­pa­ci­tá-los a ven­der os di­fe­ren­tes atra­ti­vos do Pe­ru”, ex­pli­ca.

Pla­ne­ja­men­to e atu­a­ção

Nes­te ce­ná­rio, o Bra­sil se des­ta­ca: ho­je, os bra­si­lei­ros os­ci­lam en­tre o quin­to e sex­to mai­or público do Pe­ru. So­men­te nos dois pri­mei­ros me­ses de 2017, o País re­gis­trou um in­cre­men­to de 9% no nú­me­ro de bra­si­lei­ros de­sem­bar­can­do ali. Mi­la­gros apon­ta que as na­ções pró- xi­mas são uma apos­ta. Com ex­ce­ção dos Es­ta­dos Uni­dos, os ou­tros gran­des mer­ca­dos emis­so­res são sul-ame­ri­ca­nos: Chi­le, Equa­dor e Colôm­bia, além do pró­prio Bra­sil. “Nos­sos vi­zi­nhos são nos­so ’”in­ci’al flu­xo de –u”is–as, e é is­so que que­re­mos con­ti­nu­ar a in­cen­ti­var e de­sen­vol­ver ain­da mais”, pon­tua a exe­cu­ti­va. Pa”–ici’ação em fei”as, ações ’a”a o con­su­mi­do” fi­nal, pre­sen­ça em ou­tros mei­os, es­tão en­tre as es­tra­té­gi­as pa­ra ge­rar mais de­man­da pa­ra o Pe­ru. Mi­la­gros des­ta­ca as ações vol­ta­das pa­ra o seg­men­to de mo­da. “Já le­va­mos 12 gran­des mar­cas pa­ra gra­var ví­de­os pro­mo­ci­o­nais e fa­zer ses­sões de fo­to em nos­sos des­ti­nos. É uma ma­nei

ra di­fe­ren­te de mos­trar as pai­sa­gens do País ao público fi­nal, ge”an­do mais de­man­da”, ex’li­ca. Com o ”o–ei”o de Cus­co e Ma­chu Pic­chu já sen­do um pro­du­to bas­tan­te

con­so­li­da­do no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, o es­cri­tó­rio bus­ca ali­ar es­te as­pec­to his­tó­ri­co a ou­tros atra­ti­vos cul­tu­rais, co­mo a gastronomia. Um pla­no de turismo sus­ten­tá­vel, es­for­ços pa­ra man­ter-se com­pe­ti­ti­vo, in­ves­ti­men­to em pro­pri­e­da­des com vo­ca­ção tu­rís­ti­ca, co­mo par­ques e es­pa­ços his­tó­ri­cos, e de­sen­vol­vi­men­to de pro­je­tos de di­fe­ren­tes ta­ma­nhos e ca­te­go­ri­as vem sen­do al­gu­mas das es­tra­té­gi­as do Chi­le. O país é o pri­mei­ro mais com­pe­ti­ti­vo da Amé­ri­ca La­ti­na, se­gun­do o Ran­king de Com­pe­ti­ti­vi­da­de World Eco­no­mic Fo”um, e além dos es­fo”ços de ’”omo­ção do des–ino, ain­da con­ta com uma cres­cen­te ma­lha aé­rea e van­ta­gens em tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais, se­gun­do in­for­ma o ProChi­le. Além dis­so, o destino vem se des­ta­can­do no mer­ca­do de lu­xo, sen­do apon­ta­do co­mo a se­gun­da lo­ca­li­da­de que mais cres­ce co­mo de­se­jo de vi­a­gens nes­te seg­men­to.

’anhasA pro­mo­ção’a”a me”ca­dos in­ter­na­ci­o­nal es’ecÀ­fi­cos,do País co­mo con­taé o com exem’lo­cam­do Bra­sil. Aqui, o es­cri­tó­rio tra­ba­lhou re­cen­te­men­te com o slo­gan “Es­ca­pa­da pa­ra Chi­le”, em uma ação re­a­li­za­da 100% em mí­dia on­li­ne, com foco nos Es­ta­dos de São Pau­lo e Rio de Ja­nei­ro. Já o tra­ba­lho fei­to pa­ra a tem­po­ra­da de in­ver­no te­ve co­mo le­ma “Chi­le Na­tu­re­za Aber­ta”, e en­vol­veu uma cha­ma­da con­vi­dan­do to­dos pa­ra vi­ve­rem ex­pe­ri­ên­ci­as li­ga­das ao eno­tu­ris­mo, vi­da ur­ba­na e ati­vi­da­des de ne­ve, as três atra­ções fa­vo­ri­tas des­te seg­men­to. A apos­ta em ni­chos tam­bém é fei­ta na Colôm­bia. Se­gun­do Na­ta­lia, “em anos an­te­ri­o­res, ha­via uma di­re­triz que bus­ca­va fa­vo­re­cer a cap­ta­ção de tu­ris­tas que ti­ves­sem mai­or ca­pa­ci­da­de de gas­to no destino. Ago­ra, a es­tra­té­gia pa­ra 2017 bus­ca apro­vei­tar o no­vo ca­pí­tu­lo da his­tó­ria do País pa­ra pri­o­ri­zar a pro­mo­ção de no­vas ro­tas de paz e de des­ti­nos inu­si­ta­dos, on­de po­dem ser re­a­li­za­das ati­vi­da­des co­mo avis­ta­men­to de aves”. A es­tra­té­gia de ca­da es­cri­tó­rio co­mer­ci­al da ProCo­lom­bia é com­pre­en­der co­mo o País é per­ce­bi­do na­que­le mer­ca­do es’ecÀ­fi­co e “uais os des–inos mais a–”aen–es, e as ações são ela­bo­ra­das a par­tir do pla­no de de­sen­vol­vi­men­to cri­a­do pe­lo Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio, In­dús­tria e Turismo. Ho­je, diz ela, a en­ti­da­de con­ta com apro­xi­ma­da­men­te 500 fun­ci­o­ná­ri­os dis­tri­buí­dos em oi­to es­cri­tó­ri­os na­ci­o­nais e 26 in­ter­na­ci­o­nais. A aber­tu­ra de es­cri­tó­ri­os em des­ti­nos es­tra­té­gi­cos pa­ra o País é um plei­to le­van­ta­do por Vi­ní­cius Lum­mertz ao fa­lar so­bre a ne­ces­si­da­de de uma re­or­ga­ni­za­ção da Em­bra­tur e um prag­ma­tis­mo do se­tor. Is­so por­que, ho­je, o Bra­sil con­ta ape­nas com re­pre­sen­ta­ções ter­cei­ri­za­das. “Pre­ci­sa­mos de um con­sen­so so­bre es­ta ati­vi­da­de cha­ma­da Turismo. Que­re­mos uma Em­bra­tur ca­paz de pro­mo­ver o Bra­sil lá fo­ra não so­men­te pa­ra tra­zer mais vi­si–an–es, mas –am­bém mais in­ves–imen–os”, de­fi­ne ele. “So­mos o mai­or de­se­jo de vi­a­gem in­ter­na­ci­o­nal, mas é um de­se­jo que não es­tá se re­a­li­zan­do. O de­sen­vol­vi­men–o [do –u”is­mo] é um a–o mo”al”, fi­na­li­za.

“Que­re­mos uma Em­bra­tur ca­paz de pro­mo­ver o Bra­sil lá fo­ra não so­men­te pa­ra tra­zer mais vi­si­tan­tes, mas tam­bém mais in­ves­ti­men­tos” - Vi­ní­cius Lum­mertz - Em­bra­tur

Ma­chu Pic­chu (Pe­ru)

San An­dres y Pro­vi­den­cia (Colôm­bia)

Sa­nhat­tan (Chi­le)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.