On­de es­tão os no­vos talentos bra­si­lei­ros?

QUEM S!O OS REC2M-FOR­MA­DOS E POR QUE MUI­TAS VE­ZES PRE­FE­REM TRA­BA­LHAR EM OU­TROS PAASES OU, AT2 MES­MO, MU­DAR DE SE­TOR

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - POR NATHALIA ABREU

Aho– ela”ia b”asi­lei”a con–a ho­je com ’”ofis­si­o­nais vin­dos de uni­ve”si­da­des es’eci­a­li­za­das no País. Es­sas pos­su­em, in­clu­si­ve, es­pa­ços com­ple­tos e to­tal­men­te equi­pa­dos pa­ra a apli­ca­ção de au­las prá­ti­cas, que si­mu­lam o co­ti­di­a­no na re­a­li­da­de dos hotéis. As op­ções, en­tre­tan­to, não são ba­ra­tas. O es­tu­dan­te - ou sua fa­mí­lia - fa­zem um al­to in­ves­ti­men­to du­ran­te qua­tro anos que, além do cus­to já es­ti­pu­la­do des­de o iní­cio, po­de in­cluir tam­bém o va­lor ex­tra de um in­ter­câm­bio no ex–e”io”, ’o” exem’lo. De fo”ma ge”al, os es–udan–es “ue co­me­çam no se–o” são no”mal­men–e bem pre­pa­ra­dos e, até mes­mo bi­lín­gues, is­so an­tes mes­mo de con­cluí­rem a gra­du­a­ção. Ten­do em vis­ta to­do o es­for­ço dos no­vos talentos ho­te­lei­ros, se­rá que os em­pre­sá­ri­os e as gran­des re­des têm va­lo­ri­za­do o pre­pa­ro des­ses que se­rão, mais tar­de, a mão-de-obra lo­cal? Sil­via Va­len­te, co­or­de­na­do­ra da gra­du­a­ção em Hotelaria na Uni­ver­si­da­de Anhem­bi Mo­rum­bi, afi”ma “ue a ’”ofis­são do ho–elei”o –em mais ”eco­nhe­ci­men–o em ou–”os ’aÀ­ses (’”in­ci’al­men–e na Eu­ro­pa), en­quan­to no Bra­sil não há o mes­mo pres­tí­gio. “Po­de ser uma das ra­zões do porquê os ’”ofis­si­o­nais são cha­ma­dos ’elo ‘can–o da se”eia’, e aca­bam não vol–an­do ’a”a o PaÀs. A ”emu­ne­ra­ção com cer­te­za tam­bém aju­da; se o sa­lá­rio que eles ga­nham lá for con­ver­ti­do pa­ra o re­al, faz mui­ta di­fe­ren­ça”, ex­pli­ca. Pa”a ela, há des­va­lo”iza­ção do ’”ofis­si­o­nal do se–o” ’”in­ci’al­men–e ’o” uma “ues–ão cul–ural. Por es­ta ra­zão, mui­tos alu­nos re­cém-for­ma­dos aca­bam mi­gran­do pa­ra ou­tras áre­as. “Ain­da é pre­ci­so que se en­ten­da o que é a hos­pi­ta­li­da­de e a im­por­tân­cia de­la. In­fe­liz­men­te a área nun­ca foi mui–o fo”–e no B”asil. O ’”ofis­si­o­nal –em uma fo”ma­ção bas–an–e am’la, com’le­xa. En–en­de um pou­co de ad­mi­nis­tra­ção, de so­ci­o­lo­gia e da área de hu­ma­nas, is­so além das dis­ci­pli­nas es­pecÀ­fi­cas. Mui–as ve­zes es­se alu­no se des­mo–iva um ’ou­co ’ela bai­xa ”emu­ne”ação, ’o” is­so mui–os

am­pli­am a atu­a­ção e vão tra­ba­lhar em ad­mi­nis­tra­ção de con­do­mí­ni­os, por exem­plo, ou em ou­tras áre­as, co­mo o mer­ca­do de lu­xo. Es­ses ou­tros seg­men­tos an­dam ab­sor­ven­do a mão de obra da hotelaria”, ad­ver­te. No Se­nac São Pau­lo, quem es­tá à fren­te do cur­so des­ti­na­do à for­ma­ção dos no­vos ho­te­lei­ros é San­dra Maia. Se­gun­do a co­or­de­na­do­ra, o alu­no que es­co­lhe a ca””ei”a já –em o ’e”fil de “uem ama vi­a­ja” e ”ela­ci­o­nar- se com pes­so­as de di­fe­ren­tes cul­tu­ras. Por is­so, bus­ca opor­tu­ni­da­des que vão ao en­con­tro de seus so­nhos e as­pi­ra­ções. “Quan­do ter­mi­nam o cur­so, já co­nhe­ce­ram di­fe­ren­tes paí­ses e pos­si­bi­li­da­des. Pa­ra eles, o ex­te­ri­or é mais do que uma bus­ca por me­lho­res op­ções; é fa­zer di­fe­ren­te e mer­gu­lhar na in­dús­tria da hos­pi­ta­li­da­de, que ofe­re­ce inú­me­ras pos­si­bi­li­da­des, se­ja no mer­ca­do na­ci­o­nal ou in­ter­na­ci­o­nal”, diz. Ela de­fen­de que, de qu­al­quer for­ma, o mer­ca­do de –u”is­mo e ho–ela”ia in­ves–e nes­ses ’”ofis­si­o­nais. “Re­ce­be­mos no Se­nac San­to Ama­ro, no úl­ti­mo se­mes­tre, seis pa­les­tran­tes do tra­de, to­dos eles com car­rei­ra in­ter­na­ci­o­nal. O apren­di­za­do é o mes­mo. Eles co­me­ça­ram mui­to ce­do e em um es­pa­ço cur­to de tem­po gal­ga­ram no­vas ’osi­ções, ’”omo­ções e de­sa­fi­os. To­do inÀ­cio de ca””ei”a é in­te­res­san­te, em­bo­ra es­tres­san­te. É pre­ci­so que o jo­vem te­nha vi­são e sai­ba apro­vei­tar ca­da pos­si­bi­li­da­de que lhe é ofe­re­ci­da”. San­dra pres­su­põe que, nu­ma economia on­de a área

de ser­vi­ços re­pre­sen­ta cer­ca de 70% do mer­ca­do de tra­ba­lho, o ’”ofis­si­o­nal de ho–ela”ia –em mui–o a con–”ibui”. “O ’”ofis­si­o­nal ’os­sui ha­bi­li­da­des e com’e–ên­ci­as ’a”a atu­ar com ex­ce­lên­cia no pla­ne­ja­men­to e com foco na ex­pe­ri­ên­cia do cli­en­te e na gestão de ser­vi­ços. Quan­do os alu­nos che­gam ao ba­cha­re­la­do, vêm com so­nhos, de­se­jos e po­dem es­co­lher em qu­ais áre­as ou negócios que­rem atu­ar ou em­pre­en­der”, elu­ci­da. A Cas­tel­li – Es­co­la Su­pe­ri­or de Hotelaria é es­pe­ci­a­li­za­da so­men­te no se­tor (di­fe­ren­te do Se­nac e da Anhem­bi, “ue –am­bém ofe”ecem ou–”os cu”sos). Ge”al­do Cas–el­li, eco­no­mis­ta e di­re­tor da ins­ti­tui­ção de en­si­no, con­si­de­ra o di­na­mis­mo do mer­ca­do, que nem sem­pre é acom­pa­nha­do pe­las es­co­las. “Por es­ta ra­zão, re­gis­tra-se uma disc”e’ân­cia en–”e o ’e”fil do aca­dê­mi­co “ue ing”es­sa no me”ca­do e as exi­gên­ci­as ’”ofis­si­o­nais ’e”–inen–es. To­do o inÀ­cio ’”ofis­si­o­nal, com ”a”as ex­ce­ções, ofe”ece di­fi­cul­da­des. A fa­cul­da­de, me­di­an­te par­ce­ri­as com a hotelaria, –em ”ea­li­za­do um bom en­cai­xe com o me”ca­do”, jus–ifi­ca.

O pon­to de vis­ta de quem tra­ba­lha

A ma”anhen­se LaÀs An–unes Fu”–ado é alu­na da Anhem­bi Mo­rum­bi. Ho­je ela mo­ra em São Pau­lo (SP) e é su’e”vi­so”a de Go­ve”nan­ça no Pa­lá­cio Tan­ga”á, o no­vo ho­tel de lu­xo da ca­pi­tal. A es­tu­dan­te tem uma po­si­ção con­for­tá­vel den­tro das su­as ex­pec­ta­ti­vas nes­te mo­men–o da ca””ei”a. Du”an–e o cu”so, foi a úni­ca de sua –u”ma “ue vi­a­jou ’a”a a SuÀ­ça, em ju­lho de 2014, e fi­cou ’o” lá du­ran­te um ano e meio, con­cluin­do tam­bém sua du­pla –i–ula­ção (“ue lhe con­ce­deu um di’lo­ma suÀ­ço). De’ois dis­so, foi pa­ra No­va York, Es­ta­dos Uni­dos, on­de tam­bém es­ta­gi­ou co­mo par­te do in­ter­câm­bio. Du”an–e o –em’o fo”a, LaÀs –”aba­lhou em um dos dez me­lho­res hotéis de No­va York e, por is­so, aca­bou fa­zen­do car­rei­ra na hotelaria de lu­xo. So­bre vol­tar pa­ra o Bra­sil, ela con­ta as mo­ti­va­ções: “Eu que­ria vol­tar pa­ra ca­sa. Se eu não re­tor­nas­se ao Bra­sil, per­de­ria a opor­tu­ni­da­de de ter a du­pla ti­tu­la­ção, e mi­nha in­ten­ção é fa­zer mes­tra­do, dou­to­ra­do e le­ci­o­nar um dia”, diz. So­bre as opor­tu­ni­da­des, ela acre­di­ta que ain­da te­mos um ni­cho pe­que­no por aqui. “Quan­do vo­cê é ex­pos­to à hotelaria

in­ter­na­ci­o­nalMeu ob­je–ivo re­al­men­teé fi­ca” a“ui co­nhe­ceho­je e o ’”esen­cia”que exis­te es­sas­no mun­do. abe”tu­ras que vão acon­te­cer. Nes­se mo­men­to, acre­di­to que es­ta­mos em uma re­vo­lu­ção da hotelaria bra­si­lei­ra”. So­bre a di­fe­ren­ça sa­la­ri­al, Laís com­pro­va que há re­al­men­te uma gran­de di­fe­ren­ça em re­la­ção aos va­lo­res. “Eu ga­nha­va mais co­mo trai­nee do que um ge­ren­te de se­tor re­ce­be aqui. Com a va­lo­ri­za­ção da hotelaria de lu­xo, pen­so que is­so ten­da a me­lho­rar. O Tan­ga­rá ofe­re­ce um sa­lá­rio aci­ma do mer­ca­do, mas cer­ta­men­te não é com­pa­rá­vel com ou­tros paí­ses. A re­mu­ne­ra­ção lá fo­ra re­al­men­te é de en­cher os olhos, fa­tor que es­ti­mu­la as pes­so­as ab­di­ca”em da vol–a”, ”efle–e. Sér­gio Me­ne­zes é con­ci­er­ge do ho­tel Uni­que, lo­ca­li­za­do na ca­pi­tal pau­lis­ta. Em sua tra­je­tó­ria, se for­mou em Di”ei–o em 1981, ad­vo­gou a–é 1988 e foi ’a”a a Eu”o’a. Fo”am seis me­ses em Pa”is (F”an­ça), e no­ve anos em Lon­dres (In­gla­ter­ra). Tra­ba­lhou nas du­as ci­da­des res­pec­ti­va- men­te co­mo bar­man e gar­çom, en­quan­to es­tu­da­va in­glês du­ran­te o dia. “Vol­tei pa­ra o Bra­sil em 1997 e li uma re­por­ta­gem na Ve­ji­nha SP so­bre con­ci­er­ges, e des­co­bri ime­dia–amen–e o “ue eu “ue”ia fa­ze”. O So­fi–el ha­via abe”–o uma uni­da­de em São Pau­lo e fui con­tra­ta­do, por­que, ape­sar de

não ter ex­pe­ri­ên­cia, já fa­la­va ou­tros idi­o­mas e ti­nha co

nhe­ci­men– o em a–en­di­men–o ao ’úbli­co. Fi“uei 10 anos, “uan­do um ge”en–e ge”al saiu de lá ’a”a ab”i” um So­fi–el em Du­bai e me fez o con­vi–e ’a”a i” com ele. Fui –”aba­lha” tam­bém co­mo chi­ef con­ci­er­ge”, con­ta. Em ter­mos ge­rais, Me­ne­zes tam­bém não acre­di­ta “ue ha­ja no B”asil es’aço su­fi­ci­en–e ’a”a ’”ofis­si­o­nais co­mo no ex­te­ri­or. “Em ou­tros paí­ses ve­mos mar­cas de lu­xo não pre­sen­tes no Bra­sil, co­mo a Man­da­rin Ori­en­tal, Obe”oi, Raf­fles, A”ma­ni, Bul­ga”i (só ’a”a ci–a” al­gu­mas). Fo”a is­so, a ’”ó’”ia fun­ção do con­cie”ge, ’o” exem’lo, ain­da é vis­ta com dú­vi­da e sem o in­ves­ti­men­to ne­ces­sá­rio em foco em ex­ce­lên­cia de ser­vi­ços. Mui­tos acu­mu­lam fun­ções dos ”ece’ci­o­nis–as. Fal–am ’es­so­as “ue en–en­dam co­mo o ’”ofis­si­o­nal ’ode ag”ega” ao ho–el, –al­vez por fal­ta de his­tó­ri­co e co­nhe­ci­men­to”.

O la­do do em­pre­sá­rio

F”en–e à c”ise b”asi­lei”a a–ual, há “uem ga”an–a “ue o me”ca­do –em sof”ido com a ’e”da des–es ’”ofis­si­o­nais f”e“uen–emen–e. 2”ica D”umond, CEO da Ve”– Ho–éis e pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho–éis de Mi­nas Ge”ais (ABIH-MG), ac”edi–a “ue a in­fluên­cia é di­re­ta. “É a mai­or cri­se bra­si­lei­ra que eu já vi em 23 anos co­mo ho­te­lei­ra. Hou­ve que­da na ocu­pa­ção e na diá­ria mé­dia em vá­ri­os des­ti­nos. Is­so faz com que ha­ja uma di­mi­nui­ção dos sa­lá­ri­os e de ofer­tas de no­vos em­pre­gos. To­dos os ’”ofis­si­o­nais –êm bus­ca­do o’o”–uni­da­des no ex–e”io”, e is­so qua­se do­brou do ano pas­sa­do em re­la­ção ao ano

re­tra­sa­do. Não é pe­cu­li­ar so­men­te da hotelaria”, de­fen­de. Pa­ra ela, uma das pos­sí­veis so­lu­ções pa­ra re­ter es–es –alen–os se”ia in­ves–i” na “ua­li­fi­ca­ção do co­la­bo”ado”, con­ce­den­do a ele uma li­cen­ça não re­mu­ne­ra­da pa­ra que o mes­mo pos­sa vi­a­jar e tra­ba­lhar com um par­cei­ro de fo­ra do país, por exem­plo, mas com a pro­mes­sa de vol­tar. A exe­cu­ti­va de­fen­de a ati­tu­de co­mo um in­ves­ti­men­to viá­vel pa­ra as em­pre­sas. Pa”a PlÀ­nio de Sou­za, di”e–o” do G”an Me­liá Na­ci­o­nal Rio de Ja­nei”o, na ca’i–al flu­mi­nen­se, exis–em dois ve–o”es que mo­ti­vam os no­vos talentos a pro­cu­ra­rem opor­tu­ni­da­des fo­ra do Bra­sil: a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da hotelaria e a am­bi­ção da ju­ven­tu­de. “An­tes que se fa­las­se de glo­ba­li­za­ção, quem era ho­te­lei­ro já ti­nha os pés na es­tra­da. Es­tá no DNA da ’”ofis­são. Po” ou–”o la­do, não é so­men–e uma am­bi­ção, é uma ques­tão de vol­tar pa­ra cá com va­lo­ri­za­ção do cur­rí­cu­lo”, de­fen­de. “De al­gu­ma fo”ma os ho–éis –inham mais ca”gos in–e”me­diá”ios, co­mo su’e”vi­são, che­fia e ge”ên­cia mé­dia. Exis­ti­am mais ex­pec­ta­ti­vas de cres­ci­men­to do que ho­je em dia. Is­so faz com que as pos­si­bi­li­da­des de car­rei­ra de um jo­vem se­jam me­no­res do que eram no pas­sa­do. Quan­do co­me­ça­mos, os sa­lá­ri­os não são al­tos. A mai­o­ria se de­sen­can­ta com es­se vo­lu­me de tra­ba­lho e com a car­ga ho­rá­ria. Além dis­so, as pes­so­as che­gam a car­gos mais al­tos sem o pre­pa­ro ne­ces­sá­rio, pois não pas­sam pe­las fun­ções me­di­a­nas”, ex­pli­ca. Ele es­cla”ece “ue no G”an Me­liá Rio de Ja­nei”o a ca­pa­ci­ta­ção de co­la­bo­ra­do­res é cons­tan­te, bem co­mo a ideia de ofe­re­cer um bom am­bi­en­te de tra­ba­lho, fa­to­res que a ju­ven­tu­de vê ho­je co­mo es­sen­ci­ais pa­ra que o ofÀ­cio se­ja ’”aze”oso. “Tam­bém bus­ca­mos ’”een­che” as va­gas den­tro do ho­tel pro­mo­ven­do pes­so­as que já atu­am co­nos­co”, fi­na­li­za. An­drea Na­tal, di­re­to­ra do Co­pa­ca­ba­na Pa­la­ce, Rio de Ja­nei­ro (RJ), de­fen­de que a me­lhor so­lu­ção pa­ra re­ter talentos é dar opor­tu­ni­da­des de cres­ci­men­to. “In­ves­tir

ne­les, de­sen­vol­vê-los e ofe­re­cer chan­ces são fa­to­res es­sen­ci­ais. Não ’ode­mos cui­da” da ca””ei”a ’”ofis­si­o­nal dos co­la­bo­ra­do­res: eles são res­pon­sá­veis por is­so. O que fa­ze

mos é au­xi­liá-los nes­sa evo­lu­ção. Os talentos pre­ci­sam de no­vos de­sa­fi­os”, elu­ci­da.

“An­tes que se fa­las­se de glo­ba­li­za­ção, quem era ho­te­lei­ro já ti­nha os pés na es­tra­da”- Plí­nio de Sou­za

Au­la prá­ti­ca da Anhem­bi Mo­rum­bi

Gran­de Ho­tel Cam­pos do Jor­dão - Ho­tel-es­co­la Se­nac

Fa­cha­da da Cas­tel­li Es­co­la Su­pe­ri­or de Hotelaria

Éri­ca Dru­mond

An­drea Na­tal

Plí­nio de Sou­za

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.