Pi­sos pa­ra áre­as in­ter­nas

NO MER­CA­DO HÁ OP.ÕES DE REVESTIMENTOS PA­RA DI­FE­REN­TES ESPA.OS DE UM HO­TEL

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - POR LORENA AMAZONAS

Orém, cu­la­ção re­ves­ti­men­tosA­lém mun­do ri­e­da­de­em dis­so, in­ten­sa hotéis,é dos­de in­te­res­san­te­que­de ma­te­ri­ais,por pi­sos pes­so­as,não se­rem ofe­re­ce des­gas­tem for­ma­to­ses­co­lhe­ré am­bi­en­tes ne­ces­sá­ri­ou­ma op­çõe­se fa­cil­men­te.gran­de co­res.com uti­li­zar que cir-Po-va­têm za­ção fá­cil Uma de ma­nu­ten­ção­das ma­te­ri­ais ten­dên­ci­as eco­lo­gi­ca­men­tee lim­pe­za.nes­se se­tor cor­re­tos.é a uti­liPa­ra a’”esen–a” ga­nhar efi­ci­ên­ci­a­es­sa de­no­mi­na­ção,eco­ló­gi­ca des­deo pro­du­too ’”oces- de­ve so de pro­du­ção, da reu­ti­li­za­ção de ma­te­ri­ais re­ci­cla­dos, até seu des­car­te. O con­cei­to “Cra­dle to Cra­dle” (Ber­ço a ber­ço, da tra­du­ção do in­glês) pre­ga que o ma­te­ri­al, um car­pe­te, por exem­plo, “ue foi ”emo­vi­do no fi­nal de sua vi­da ú–il, se­ja re­ci­cla­do e se tor­ne ou­tro pro­du­to. Em re­la­ção à ins­ta­la­ção, o mer­ca­do tam­bém apre­sen­ta no­vi­da­des. Os por­ce­la­na­tos ex–”afi­nos ’e”mi–em se”em a’li­ca­dos sob”e ou­tros revestimentos fri­os e se tor­nam uma boa so­lu­ção em ca­so de re­for­ma. Por dis­pen­sar a re­mo­ção do pi­so an­te­ri­or, o pro­du­to ga­ran­te economia, com me­nor tem­po de tra­ba­lho e me­nos su­jei­ra, e tem re­sis­tên­cia em am­bi­en­tes de gran­de trá­fe­go. “O por­ce­la­na­to evo­luiu mui­to. Ho­je em dia há o’ções com au–ofi­xa­ção, no “ual nem é ne­ces­sá­rio uti­li­zar co­la. O pro­du­to tem sul­cos, que fun­ci­o­nam co­mo um sis­te­ma de ven­to­sas”, ex­pli­ca a ar­qui­te­ta Ana Vi­dal, da Vi­dal e San­ta­na Ar­qui­te­tu­ra.

Lobby, res­tau­ran­te e sa­las de even­tos

O lobby é um dos am­bi­en–es com maio” flu­xo de ’es­so­as em um ho–el, e o ”es–au”an–e –am­bém não fi­ca a–”ás. Po” con–a dis­so, são in­di­ca­dos pi­sos com al­ta du­ra­bi­li­da­de, além de fá­ceis de lim­par. “Pa­ra es­sas áre­as, eu in­di­co o uso de pe­dras na­tu­rais ou por­ce­la­na­tos”, diz Edu­ar­do Cal­li­ga­res, co­or­de­na­dor de pro­je­tos de hotelaria do es­cri­tó­rio Con­su­e­lo Jor­ge Ar­qui­te­tos. “Eles pos­su­em co­mo pon­to fa­vo­rá­vel a óti­ma du­ra­bi­li­da­de e fá­cil lim­pe­za. Co­mo des­van­ta­gem, es­ses revestimentos são per­ma­nen­tes e de difÀ­cil subs–i–ui­ção em ca­so de ”e–”ofi–. As ’edras na­tu­rais co­mo o már­mo­re, se por um la­do

–”azem­cus­to al­to”, g”an­de com­ple­ta. so­fis–ica­ção, ’o” ou–”o ’os­su­em te­ri­ais Tam­bém­que imi­tam exis­te a a pe­dra,op­ção de que apos­tar ofe­re­cem em ma-al­ta qua­li­da­de, com pre­ços mais bai­xos. “Por­ce­la­na­tos e revestimentos vi­ní­li­cos que re­pro­du­zem ele­men­tos na­tu­rais co­mo pe­dras, ma­dei­ras e ci­men­to quei­ma­do es­tão em al­ta. Eles vêm se tor­nan­do ca­da vez mais re­a­lis­tas”, in­di­ca Cal­li­ga­res. Há op­ções que co­pi­am már­mo­re Car­ra­ra ou Ca­la­ca­ta, re­pro­du­zin­do até mes­mo os vei­os das pe­dras ori­gi­nais. A van­ta­gem de uti­li­zar es­sas so­lu­ções ao in­vés do pró­prio már­mo­re é o cus­to – os por­ce­la­na­tos são mais ba­ra­tos – e, além dis­so, es­se ma­te­ri­al é du­ra­dou­ro e de qua­li­da­de.

Ao re­for­mar o res­tau­ran­te do Ho­tel Pou­sa­da Ex’e”ien­ce João Fe”nan­des, lo­ca­li­za­do em Bú­zi­os (RJ), An­dreia Her­nan­des e sua só­cia, Pi

lar Her­nan­dez, do es­cri­tó­rio AHPH Ar­qui­te­tu­ra e In­te­ri­o­res, bus­ca­vam um ma­te­ri­al que ti­ves­se re­sis­tên­cia à cir­cu­la­ção de pes­so­as, à areia e de fá­cil lim­pe­za. Por con­ta dis­so, op­ta­ram pe­lo por­ce­la­na­to com aca­ba­men­to ace­ti­na­do. “Ele não tem bri­lho e não é rús­ti­co, e, por is­so, é mais fá­cil de lim­par”, ex­pli­ca An­dreia. “Es­se re­ves­ti­men­to é pra­ti­ca­men­te im­per­meá­vel, tem vá­ri­os pa­drões e, por is­so, dá mais li­ber­da­de ao pro­je­to”, com­ple­ta. Nas sa­las de even­tos, o car­pe­te é o ma­te­ri­al mais es­co­lhi­do, por con­ta de seu de­sem­pe­nho acús­ti­co, que mi­ni­mi­za ruí­dos de im­pac­to no so­lo. O ar­qui­te­to Ale­xan­dre Mi­tre, que atua co­mo ge­ren­te de Ven­das na Shaw Con­tract, in­di­ca uti­li­zar um mo­de­lo em pla­cas. Es­se ti­po de car­pe­te não é in­te­ri­ço e é ins­ta­la­do em di­ver­sas ’eças. Des–a fo”ma, é ’os­sÀ­vel ”e–i”a” a’enas uma par­te do pro­du­to pa­ra re­a­li­zar uma ma­nu­ten­ção, lim­pe­za ou subs­ti­tui­ção. O Tran­sa­mé­ri­ca Ri­bei­rão Pre­to, em­pre­en­di­men­to lo­ca­li­za­do no in­te­ri­or de São Pau­lo, uti­li­zou em seu Cen­tro de Con­ven­ções um car’e–e “ue ’os­sui a –ec­no­lo­gia SDN – So­lu–ion Dyed Ny­lon (PA), úl–ima ge”ação de fi­os de ny­lon à pro­va de man­chas. Es­sa so­lu­ção ofe­re­ce al­ta du­ra­bi­li­da­de ao pro­du­to, dei­xan­do-o me­nos po­ro­so e mais re­sis­ten­te. “Ins­ta­la­mos em pla­cas que fa­ci­li­tam a ma­nu­ten­ção e nos pos­si­bi­li­ta­ram brin­car com uma pa­gi­na­ção úni­ca pa­ra o am­bi­en­te”, ex­pli­ca a de­sig­ner de in­te­ri­o­res Juliana Pa­ga­no.

Qu­ar­tos e cor­re­do­res

Os car­pe­tes são bas­tan­te uti­li­za­dos em cor­re­do­res de hotéis, jus­ta­men­te por con­ta de seu de­sem­pe­nho acús­ti­co, que mi­ni­mi­za o ba­ru­lho cau­sa­do pe­la cir­cu­la­ção de pes­so­as e ma­las de ro­di­nhas. Eles tam­bém po­dem ser usa­dos nos qu­ar­tos, mas, se­gun­do Ana Vi­dal, não são in­di­ca­dos pa­ra em­pre­en­di­men­tos de praia, pois o pro­du­to pas­sa a sen­sa­ção de ser al­go quen­te e tam­bém são mais difÀ­ceis de hi­gi­e­ni­za” ’o” con–a da a”eia e ou–”os ”esÀ­du­os. Nos a’a”–amen–os do Qu­a­li–y Sui–es Os­ca” F”ei”e, na ca’i–al ’au­lis–a, a a”“ui–e–a u–ili­zou um mo­de­lo com ny­lon em sua com’osi­ção, “ue é fá­cil de lim’a” e man–ém a a’a”ên­cia de no­vo por mais tem­po. Ou­tra op­ção pa­ra apar­ta­men­tos de hotéis são os pi­sos vi­ní­li­cos. “Tem se tor­na­do ca­da vez mais fre­quen­te o uso des­ses revestimentos, prin­ci­pal­men­te os que imi­tam ele­men­tos na­tu­rais co­mo ré­guas de ma­dei­ra e ci­men­to quei­ma­do,

“o por­ce­la­na­to evo­luiu mui­to. ho­je em dia há op­ções com au­to­fi­xa­ção, no qu­al nem é ne­ces­sá­rio uti­li­zar co­la”- Ana Vi­dal, Vi­dal e San­ta­na Ar­qui­te­tu­ra

pois pos­su­em bai­xo cus­to, boa du­ra­bi­li­da­de, fá­cil apli­ca­ção e ma­nu­ten­ção, além de se­rem atér­mi­cos”, diz Cal­li­ga­res. No mer­ca­do exis­tem vi­ní­li­cos que con­tam com o sis­te­ma click de en­cai­xe, que dis­pen­sa o uso de co­la, tor­nan­do a ins­ta­la­ção mais rá­pi­da e prá­ti­ca. Ele po­de ser en­con­tra­do, por exem­plo, com pa­drões que imi­tam a ma­dei­ra, em di­ver­sas to­na­li­da­des di­fe­ren­tes. Nos ba­nhei­ros dos qu­ar­tos, uma das ten­dên­ci­as é o ci­men­to quei­ma­do, um ma­te­ri­al du­rá­vel, prin­ci­pal­men­te quan­do im­per­me­a­bi­li­za­do. Ou­tra op­ção é o ’o”ce­la­na–o ”e–ifi­ca­do, “ue é co”–ado ’o” dis­cos de di­a­man–e, “ue dei­xam su­as bo”das mais ”e–as e a su’e”fÀ­cie mais fi­na. Es­se mo­de­lo di­mi­nui a á”ea de ”ejun­te,

Por­ce­la­na­to no No­vo­tel RJ Bo­ta­fo­go

Car­pe­te apli­ca­do em quar­to do Qu­a­lity Sui­tes os­car Frei­re (SP)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.