Chef Rapha­el Des­pi­ri­te

CHEF DEU CONTINUIDADE AO RES­TAU­RAN­TE MARCEL, ABER­TO POR SEU AVW JEAN DURAND NOS ANOS 1950

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - RAPHA­EL DES­PI­RI­TE

Ra’ha­el Des’i”i–e, 33 anos, sem­pre te­ve con­ta­to com o mun­do da gastronomia. À fren­te do Marcel, res–au”an–e f”an­cês ins–ala­do no Qu­a­li–y Sui–es Os­ca” F”ei”e, na ca’i–al ’au­lis–a, ele é a ter­cei­ra ge­ra­ção de sua fa­mí­lia no co­man­do do es­ta­be­le­ci­men­to. “Eu cres­ci nes­se am­bi­en­te. Mas, mais im­por­tan­te do que apren­der a co­zi- nhar, ce­do”,deu“ue me mui­ta Des’i”i–eeu con­ta. aju­dou apren­di re­fe­rên­cia“Is­so ’”ofis­si­o­nal­men–e”.con–aa co­mer­foi bom,de “ue, bem pa­la­dar,pois “uan­do des­de­me o cri­an­ça, ti­tui­ção. via “Tu­doo Marcel gi­ra­va co­mo­em tor­nou­ma ins- do res­tau­ran­te. Meu pai sem­pre vi­nha pa­ra cá, as bri­gas acon­te­ci­am por cau­sa de­le, e, aos do­min­gos, não saía­mos da­qui”, re­lem­bra. Quan­do es­ta­va no en­si­no mé­dio, seu in­te­res­se pe­lo ne­gó­cio da fa­mí­lia au­men­tou ain­da mais, e ele co­me­çou a ir ao lo­cal to­dos os di­as de­pois das au­las. “Eu aju­da­va na co­zi­nha, des­cas­ca­va ali­men–os. Na­da ’”ofis­si­o­nal, e”a mais uma cu­ri­o­si­da­de”, diz. ’la­ne­jou Te”mi­na­do ing”es­sa”o co­lé­gio, ofi­ci­al­men–e Des’i”i–eno Marcel, po­rém co­mo ad­mi­nis­tra­dor. “Meu pai me acon­se­lhou a es­tu­dar, a co­zi­nhar pri­mei­ro, ter a ba­se e de­pois apren­der gestão. En­tão fui pa­ra a es­co­la do Ritz de Pa­ris e co­nhe­ci uma no­va re­a­li­da­de”, con­ta. “Es­tu­dei, es­ta­gi­ei e, quan­do vol­tei, co­me­cei a fa­zer pe- que­nas adap­ta­ções na co­zi­nha da­qui, co­mo dei­xar os mo­lhos mais le­ves”, diz. Dois anos de’ois, o chef Vi–o” So­bral vi­si­tou o Marcel, quis co­nhe­cer quem co­man­da­va a co­zi­nha e se ad­mi”ou ao en­con–”a” Des’i”i–e, “ue –inha a’enas 23 anos na é’oca. Foi as­sim que ele re­ce­beu um con­vi­te pa­ra es­ta­gi­ar em Por­tu­gal – e acei­tou. Ou­tra ex’e”iên­cia ’”ofis­si­o­nal no ex–e”io” acon­te­ceu quan­do ga­nhou uma bol­sa do go­ver­no es­pa­nhol pa­ra es­tu­dar no País eu­ro­peu. “Era um pro­gra­ma que le­va­va chefs do mun­do in­tei­ro, nós co­nhe­ce­mos sua cu­li­ná­ria, além de pro­du­to­res lo­cais”, con­ta. Em 2012, o chef cri­ou um pro­je­to ’a”ale­lo cha­ma­do “Fe­cha­do ’a”a Jan-

tar”.do - Co­mos cli­en­tes am­bi­en­te pe­gam mais su­as des­con­traí-pró­pri­as be­bi­das da ge­la­dei­ra -, os jan­ta­res são re­a­li­za­dos ao som de mú­si­ca ao vi­vo e em lu­ga­res di­fe­ren­tes, co­mo um apar­ta­men­to no cen­tro de São Pau­lo, um su­per­mer­ca­do ou uma es­ta­ção de trem fe­cha­da. Atu­al­men­te, ele e seus só­ci­os pro­mo­vem qua­tro des­ses en­con­tros por ano, mas tam­bém re­a­li­zam even­tos per­so­na­li­za­dos pa­ra em­pre­sas.

No meio de –an–a co””e”ia, Des­pi­ri­te la­men­ta não ter tan­to tem­po dis’onÀ­vel ’a”a ’”a–ica” seu hobby, a cor­ri­da. O há­bi­to sur­giu na Es­pa­nha, quan­do co­me­çou a cor­rer de sua ca­sa pa­ra o es­tá­gio. O chef já par­ti­ci­pou das ma­ra­to­nas de Pa­ris e de Bu­e­nos Ai­res, mas ho­je em dia ra­ra­men­te con­se­gue pra­ti­car em São Pau­lo. Quan­do vi­si­ta seus pais no in­te­ri­or de SP, a fa­mí­lia mos­tra que a co­mi­da é mes­mo le­va­da a sé­rio. “Tu­do gi­ra em tor­no do que a gen­te vai co­mer, tem pla­ni­lha mos­tran­do o que se­rá fei­to, é pre­ci­so cum­prir os ho­rá­ri­os pa­ra co­me­çar a co­zi­nhar, tem to­da uma pre­pa­ra­ção”, con­ta. “Is­so é le­gal e me aju­dou a ga­nhar re­fe­rên­ci­as e po­der co­zi­nha””, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.