GES­TÃO DE COM­PRAS

É IM­POR­TAN­TE PLANEJAR AS COM­PRAS E IN­VES­TIR EM BONS FOR­NE­CE­DO­RES

Hotelnews Magazine - - GESTÃO - POR LORENA AMA­ZO­NAS

Ali­men­tos e be­bi­das, mó­veis, en­xo­vais, e apa­re­lhos co­mo te­le­vi­so­res e fri­go­ba­res: tu­do pas­sa pe­lo de­par­ta­men­to de com­pras de um ho­tel ou re­de ho­te­lei­ra. Mas a ta­re­fa não é tão sim­ples as­sim. Não bas­ta ape­nas ad­qui­rir o

pro­du­to, é pre­ci­so en­con­trar os for­ne­ce­do­res mais ade­quad‘ s e ”ea­li­za” c‘m’”as “ue es–ejam ali­nha­das c‘m ‘ ’e”fil d‘ ho­tel, tu­do is­so equi­li­bran­do o pre­ço e a qua­li­da­de.

A for­ma co­mo as com­pras são fei­tas va­ria de acor­do com o por­te e o ti­po de em­pre­en­di­men­to. Al­guns pos­su­em um de’a”–amen–‘ es’ecí­fic‘, ‘u–”‘s dei­xam nas mã‘s d‘ ge­ren­te ge­ral. Há ain­da os que se­guem as di­re­tri­zes da re­de a que es­tão atre­la­dos. Mas um pon­to em co­mum é a ne­ces­si­da­de de pla­ne­ja­men­to. “Tra­ta-se de ges­tão de com­pras. O ho­tel não po­de ape­nas sair com­pran­do, é ne­ces­sá­rio ha­ver um pla­ne­ja­men­to ali­nha­do com to­dos os ges­to­res”, ex­pli­ca Thais Fun­cia, pro­fes­so­ra da uni­ver­si­da­de Anhem­bi Mo­rum­bi. De ac‘”d‘ c‘m a ’”‘fis­si‘nal, ‘s h‘–éis fun­ci‘nam c‘m‘ qual­quer em­pre­sa. Exis­tem com­pras mais sim­ples, do dia a dia, co­mo pa­pel hi­gi­ê­ni­co e ali­men­tos, que são ad­qui­ri­dos de acor­do com a ta­xa de ocu­pa­ção. E ou­tras que ne­ces­si­tam de mais pla­ne­ja­men­to e apro­va­ções, co­mo tro­ca de uni­for­mes e itens pa­ra re­for­mas es­tru­tu­rais. Em al­guns ca­sos é ne­ces­sá­rio abrir uma con­cor­rên­cia, mui­tas ve­zes com, pe­lo me­nos, três for­ne­ce­do­res, pa­ra de­ci­dir o mais ade­qua­do. Antô­nio Xa­vi­er Si­quei­ra, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra-

si­lei­ra dos Com­pra­do­res pa­ra Hos­pi­ta­li­da­des e Res­tau­ran­tes (ABRACHOR), acre­di­ta que em ho­téis in­de­pen­den­tes o pro­ces­so é mais rá­pi­do, pois con­ta com me­nos pes­so­as en­vol­vi­das. “O cro­no­gra­ma é mais com­pac­to e, ge­ral­men­te, as de­ci­sões le­vam me­nos tem­po. Em al­gu­mas re­des ho­te­lei­ras é ne­ces­sá­rio que o es­cri­tó­rio cor­po­ra­ti­vo apro­ve e, às ve­zes, a de­man­da ’as­sa ’‘” mais de um se–‘””, afi”ma. Em ju­nho de 2015, o Mai­tei Ho­tel, lo­ca­li­za­do em Ar­rai­al D’Aju­da (BA), de­ci­diu im­plan­tar pro­ce­di­men­tos pa

dro­ni­za­dos no de­par­ta­men­to de com­pras pa­ra em­pre­ga” mais ’”‘fis­si‘na­lism‘ à a–ivi­da­de. A c‘nsul–‘”a de ma­na­ge­ment do ho­tel, Lau­ra Ra­mal­lo, foi a res­pon­sá­vel pe­lo

pro­ces­so. “An­tes as com­pras eram fei­tas de for­ma mais ‘ca­sei­ra’. Me­lho­ra­mos a qua­li­da­de dos pro­du­tos, con­se­gui­mos di­mi­nuir pre­ços e pra­zos e pas­sa­mos a co­nhe­cer mais nos­sos for­ne­ce­do­res”, ex­pli­ca. Ago­ra, os de­par­ta­men­tos têm di­as cer­tos pa­ra fa­ze­rem re­qui­si­ções. Além dis­so, as mer­ca­do­ri­as tam­bém têm da­tas pa­ra se­rem re­ce­bi­das pe­lo al­mo­xa­ri­fa­do cen­tral e o con­tro­le do es­to­que é ri­go­ro­so, pa­ra evi­tar per­das e com­pras des­ne­ces­sá­ri­as. “No ca­so de ali­men­tos, tra­ba­lha­mos com por­ci­o­na­men­to. Ca­da pra­to ofe­re­ci­do no res­tau­ran­te tem uma fi­cha –éc­ni­ca, c‘n–end‘ sua ”ecei–a e a “uan–ida­de de ca­da in­gre­di­en­te. Quan­do ele é ven­di­do, nos­so sis­te­ma atu­a­li­za o es­to­que”, ex­pli­ca Lau­ra.

Com­pra­do­res

O com­pra­dor tem um pa­pel im­por­tan­te den­tro do ho­tel, que vai além de ape­nas fa­ze” c‘–ações e ’edid‘s. Es­se ’”‘fis­si‘nal ’”eci­sa c‘nhe­ce” ‘ me”cad‘, es–a” sem’”e a–ua­li­zad‘, ‘bse”vand‘ n‘v‘s f‘”ne­ced‘”es e –am­bém “fis­ca­li­zand‘” a“ue­les c‘m quem já tra­ba­lha, pa­ra sa­ber se a qua­li­da­de de seus ser­vi­ços e pro­du­tos es­tá de acor­do com os pa­drões do ho­tel. “Vo­cê es­pe­ra que o com­pra­dor se­ja uma pes­soa an­te­na­da, pois pre­ci­sa com­prar de tu­do: pa­ra­fu­sos, ca­nos, len­çóis, uma gran­de va­ri­e­da­de de coi­sas. Ele não po­de ser a’enas um an‘–ad‘” de ’edid‘s, é ’”ecis‘ “ue se­ja um neg‘ci­ad‘””, afi”ma Thais Fun­cia. “É ne­ces­sá­rio co­nhe­cer os pro­du­tos, ne­go­ci­ar o que o ho­tel quer, sem­pre en­ten­den­do os dois la­dos, do em­pre­en­di­men­to e do fornecedor”, com­ple­ta. Wag­ner Pa­gli­a­ri­ni, ge­ren­te de com­pras da GJP Ho­tels & Re­sorts, con­cor­da com a afi”ma­çã‘. Pa”a ‘ exe­cu–iv‘, ca­da vez mais ‘s c‘m’”ad‘”es es–ã‘ send‘ de­senv‘lvi­dos pa­ra agre­gar va­lor ao ne­gó­cio, e não ape­nas pa­ra fa­zer pe­di­dos de com­pras. “Seu pa­pel atu­al é ser es­tra­té­gi­co, bus­can­do ali­ar par­ce­ri­as glo­bais com for­ne­ci­men­tos lo­cais, sa­ben­do ana­li­sar qual a me­lhor es­tra­té­gia pa­ra ca­da uni­da­de de negócios da em­pre­sa”, acre­di­ta.

O ’”‘fis­si‘nal –am­bém ’‘de se” c‘nsi­de”ad‘ a ’‘”–a de en–”ada ’a”a n‘v‘s f‘”ne­ce­do­res. Quan­do são abor­da­dos por es­sas em­pre­sas, ca­be a ele ava­li­ar sua qua­li

da­de e vi­a­bi­li­da­de fi­nan­cei”a. “Às ve­zes se –”a–a de um ’”‘du–‘ de ex–”ema “ua­li­da­de, mas “ue fi­nan­cei”amen–e nã‘ é viá­vel. En–ã‘, nós bus­cam‘s um si­mi­la” em ‘u–”‘s for­ne­ce­do­res. As­sim, co­nhe­ce­mos de for­ma mais ge­ral o mercado”, ex­pli­ca Pau­lo Lo­pes, su­per­vi­sor de com­pras do Fa­sa­no Ho­téis e Res­tau­ran­tes.

For­ne­ce­do­res

do­res­com en­con­tro pre­çosDeé uma acor­do­do já que for­ma ne­go­ci­a­dos.co­mo em­pre­en­di­men­to­de Thais ofe­re­cer Além Fun­cia, se­gu­ran­ça­dis­so,em pre­ci­sa.ca­soé ne­ces­sá­ri­o­pa­ra­de re­de­sos ho­téis en­con­trar ho­te­lei­ras, as­so­ci­a­dos, em­pre­sas ho­mo­lo­gar­que tra­ba­lha­rão­que for­ne­ce-vão ao ”ece” “Se iss‘.o car­dá­pi­oO h‘–el é do ”es’‘nsá­vel res­tau­ran­te ’‘” diz su­as que c‘m’”as,os ali­men­tos’‘” iss‘são or­gâ­ni­cos, é ne­ces­sá”i‘é pre­ci­so ve”ifi­ca” ofe- se a j‘g‘”, em­pre­sa afi”ma tem Thais. ca­pa­ci­da­de e ido­nei­da­de. É o no­me do em­pre­en­di­men­to que es­tá em Na Ac­corHo­tels, al­gu­mas fa­ses do pro­ces­so de com­pras são fei­tas no cor­po­ra­ti­vo, co­mo a se­le­ção de for­ne­ce­do­res. “Nós cen­tra­li­za­mos as prin­ci­pais ne­go­ci­a­ções”, ex­pli­ca Ga­bri­el­la Spi­no­la, ge­ren­te ge­ral de Com­pras Com­par­ti­lha­das da re­de na Amé­ri­ca do Sul. “Nos­sa fun­ção não é a com­pra e sim a ne­go­ci­a­ção ge­ral. Ne­go­ci­a­mos e de­pois dis­po­ni­bi­li­za­mos os pro­du­tos e pre­ços pa­ra os ho­téis es­co­lhe­rem quais eles que­rem”, com­ple­ta.

“Tra­ta-se de ges­tão de com­pras. O ho­tel não po­de ape­nas sair com­pran­do, é ne­ces­sá­rio ha­ver um pla­ne­ja­men­to ali­nha­do com to­dos os ges­to­res” - Thais Fun­cia, da Anhem­bi Mo­rum­bi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.