MA­TÉ­RIA DE CA­PA

Tu­ris­mo LGBT

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE -

Clovis Casemiro co­me­çou sua car­rei­ra no Tu­ris­mo em 1979 e trou­xe a As­so­ci­a­ção In­ter­na­ci­o­nal de Tu­ris­mo LGBT (IGLTA) pa­ra o Bra­sil em 1998. Ho­je, atua à fren­te da en­ti­da­de co­mo co­or­de­na­dor e é res­pon­sá­vel pe­los trei­na­men­tos fo­ca­dos em cons­ci­en­ti­za­ção e no bem re­ce­ber a es­te pú­bli­co, re­a­li­za­dos em em­pre­sas as­so­ci­a­das; além da pros­pec­ção de no­vos mem­bros. HOTELNEWS: O que é a IGLTA e qual a prin­ci­pal mis­são da en­ti­da­de? CLOVIS CASEMIRO: A IGLTA exis­te há 34 anos e es­ta­mos, ho­je, em 75 paí­ses. Te­mos 28 em­bai­xa­do­res, até mes­mo em paí­ses que não pen­sa­mos quan­do fa­la­mos so­bre tu­ris­mo LGBT, co­mo Is­ra­el, Jor­dâ­nia e Ja­pão. No Bra­sil são 84 mem­bros, e so­mos o se­gun­do país com mais par­cei­ros do mun­do, per­den­do ape­nas pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos. Nos­sa mis­são é re­a­li­zar um networ­king en­tre em­pre­sas do tu­ris­mo de for­ma ge­ral, que te­nham in­te­res­se nes­te tu­ris­ta. Eu trou­xe a as­so­ci­a­ção pa­ra o Bra­sil em 1998, co­mo di­re­tor. Ti­ve­mos di­ver­sas di­fi­cul­da­des no Bra­sil no iní­cio, mas, aos pou­cos, fo­mos con­quis­tan­do mais es­pa­ço. Qu­e­re­mos ver as em­pre­sas re­la­ci­o­na­das ao tu­ris­mo cres­cen­do nes­te seg­men­to.

HN: Co­mo é o tra­ba­lho da en­ti­da­de e co­mo é sua atu­a­ção na ho­te­la­ria e no tu­ris­mo bra­si­lei­ro? CC: Não bus­ca­mos di­vul­gar nos­so tra­ba­lho ape­nas pa­ra ho­téis de re­de, mas tam­bém pa­ra em­pre­en­di­men­tos que es­tão co­me­çan­do. Apre­sen­ta­mos aos in­te­res­sa­dos o que é a as­so­ci­a­ção e quais são nos­sos in­te­res­ses co­mo en­ti­da­de. A ho­te­la­ria, pa­ra nós, é fun­da­men­tal. Além de aju­dar o ho­tel a se po­si­ci­o­nar co­mo um em­pre­en­di­men­to gay fri­en­dly, cri­a­mos um mi­cro-site pa­ra ca­da as­so­ci­a­do den­tro do nos­so. Is­so fa­ci­li­ta nas mí­di­as so­ci­ais e em di­vul­ga­ção, além de ga­ran­tir que o mem­bro agre­gue seu no­me à IGLTA. As­sim, o ho­tel po­de cri­ar pro­mo­ções e ações es­pe­cí­fi­cas fo­ca­das nes­te pú­bli­co. Fa­ze­mos par­ce­ri­as tam­bém com as agên­ci­as de vi­a­gens. Com elas, va­mos as­so­ci­an­do o mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal e apre­sen­tan­do pro­du­tos in­te­res­san­tes pa­ra ven­der. A in­ten­ção é que o con­su­mi­dor fi­nal sai­ba que te­rá mais tran­qui­li­da­de em es­tar, por exem­plo, em um meio de hospedagem que fa­ça par­te da IGLTA.

HN: Quem po­de se as­so­ci­ar? Quais são os cri­té­ri­os ne­ces­sá­ri­os pa­ra que um ho­tel ou ou­tra em­pre­sa li­ga­da ao tu­ris­mo se­ja mem­bro? CC: Pa­ra uma em­pre­sa se tor­nar par­cei­ra, bas­ta ela que­rer e ter a in­ten­ção de re­ce­ber o tu­ris­ta LGBT.

Quan­do um ho­tel pe­de pa­ra se as­so­ci­ar, eu en­tro em con­ta­to e con­ver­sa­mos um pou­co so­bre o tu­ris­mo LGBT pa­ra en­ten­der co­mo o meio de hospedagem vê es­te seg­men­to. Eles pre­ci­sam acei­tar um trei­na­men­to, ao me­nos pa­ra os se­to­res de re­cep­ção e re­ser­vas. Te­mos tam­bém uma ta­xa anu­al de as­so­ci­a­ção. Há ain­da ou­tro ti­po de mem­bro, que cha­ma­mos de “as­so­ci­a­te mem­ber”; são os apli­ca­ti­vos, os res­tau­ran­tes e os mu­seus, por exem­plo. Pa­ra es­se ti­po de es­ta­be­le­ci­men­to, te­mos uma ta­xa me­nor. HN: ção com Co­mo o con­su­mi­do” é a in­te­ra­ção fi­nal? da as­so­ci­aCC: A in­ter­net pa­ra nós foi fun­da­men­tal pa­ra am­pli­ar a vi­si­bi­li­da­de. O c‘nsu­mid‘” fi­nal usa n‘ss‘ si–e pa­ra se in­for­mar, ver os ho­téis e pas­sei­os, mas não pre­ci­sa pa­gar na­da. Es­se pú­bli­co só pre­ci­sa efe­tu­ar um re­gis­tro pa­ra ter aces­so às re­fe­rên­ci­as e no­vi­da­des. Nos úl­ti­mos dois anos, vi­mos que mui­tos con­su­mi­do­res es­tão par­ti­ci­pan­do ati­va­men­te e se in­te­res­san­do mais pe­la as­so­ci­a­ção. O Rio de Ja­nei­ro (RJ), por exem­plo, é o pri­mei­ro des­ti­no que es­ta­mos tra­ba­lhan­do o B2C (Bu­si­ness-to-con­su­mer): re­a­li­za­mos uma pro­mo­ção no site to­tal­men­te vol­ta­da pa­ra o pú­bli­co fi­nal de ‘u–”‘s ’aÀ­ses. Que”em‘s, as­sim, fa­zer com que o Bra­sil se­ja vi­su­a­li­za­do por es­tran­gei­ros e cres­ça lá fo­ra.

HN: Quais van­ta­gens um ho­tel en­con­tra quan­do se tor­na par­te da as­so­ci­a­ção? CC: Ofe­re­ce­mos trei­na­men­tos e ins­truí­mos co­mo re­ce­ber es­te pú­bli­co, fa­la­mos prin­ci­pal­men­te so­bre res­pei­to, o olhar e a for­ma cor­re­ta de fa­lar. A ca­pa­ci­ta­ção é re­a­li­za­da pes­so­al­men­te ou por Sky­pe, pa­ra qual­quer se­tor do ho­tel (prin­ci­pal­men­te re­cep­ção, res­tau­ran­te e re­ser­vas). Pa­ra is­to, usa­mos a car­ti­lha do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo (MTur) co­mo re­fe­rên­cia do tra­ta­men­to cor­re­to com o pú­bli­co LGBT. Tam­bém apre­sen­ta­mos ca­ses de ho­téis in­ter­na­ci­o­nais pa­ra atrair es­te tu­ris­ta, co­mo re­fe­rên­cia pa­ra os ho­téis na­ci­o­nais. No ca­so das com­pa­nhi­as aé­re­as e agên­ci­as, por exem­plo, a ideia é um pou­co di­fe­ren­te, pois fo­ca­mos na for­ma de ofe­re­cer e ven­der um pro­du­to de for­ma ade­qua­da. HN: Vo­cês tra­ba­lham em con­jun­to com a ABTLGBT (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Tu­ris­mo LGBT)? Qual é a di­fe­ren­ça do ti­po de ati­vi­da­des que vo­cês re­a­li­zam? CC: Nos­sa par­ce­ria con­sis­te na tro­ca de in­for­ma­ções e em en­ten­der o que po­de ser im­por­tan­te pa­ra ca­da as­so­ci­a­ção. A IGLTA faz um tra­ba­lho de tra­zer o es­tran­gei­ro pa­ra cá e le­var os bra­si­lei­ros pa­ra o ex­te­ri­or. A ABTLGBT, en­tre­tan­to, tem a fun­ção de pro­mo­ver o cres­ci­men­to da ofer­ta tu­rís­ti­ca in­ter­na­men­te.

HN: Quais são as bo­as prá­ti­cas que um meio de hospedagem pre­ci­sa es­tar aten­to ao re­ce­ber es­te hós­pe­de? CC: Pa­ra re­ce­ber o pú­bli­co LGBT, as bo­as prá­ti­cas po­dem ser re­su­mi­das a pa­la­vras que usa­mos o tem­po to­do: bri­lho nos olhos e res­pei­to. Nos­sa tra­ta­men­to mai­or ao pre­o­cu­pa­ção tran­se­xu­al ou é ao com tra- o ves­ti. Mui­tas ve­zes um tu­ris­ta trans ain­da tem a do­cu­men­ta­ção mas­cu­li­na, ou vi­ce-ver­sa. Ins­truí­mos os co­la­bo­ra­do­res e ges­to­res a per­ce­ber co­mo a pes­soa irá se apre­sen–a”. Se ‘ hós’ede es–á fi­si­ca­men–e se mos­tran­do co­mo mu­lher, o ho­tel tem a obri­ga­ção de ser res­pei­to­so e tra­tá-la por se­nho­ra, in­de­pen­den­te do do­cu­men­to. No ho­tel, é ne­ces­sá”i‘ ve”ifi­ca” a ”ese”va c‘m a–en­çã‘ (co­mo es­tá so­li­ci­ta­do o apar­ta­men­to e qual o ti­po de aco­mo­da­ção), co­mo é fei­to pa­ra qual­quer hós­pe­de. Ca­so o re­cep­ci­o­nis­ta não te­nha o apar­ta­men­to so­li­ci­ta­do, is­so de­ve ser in­for­ma­do na ho­ra do check-in. Se hou­ver dois ho­mens ou du­as mu­lhe­res na re­cep­ção, tam­bém nã‘ sig­ni­fi­ca ne­ces­sa”ia­men–e “ue se­jam ca­sa­dos (as) ou na­mo­ra­dos (as). Po­dem ser ami­gos ou ir­mãos. Ou se­ja: a me­lhor prá­ti­ca é dar as bo­as vin­das aos dois, de for­ma edu­ca­da e gen­til, ex­pli­can­do de­ta­lhes so­bre o ho­tel, o apar­ta­men­to, o ca­fé da ma­nhã, e ou­tros ser­vi­ços. No ca­so de um cli­en­te em lua-de­mel, por exem­plo, ou de uma noi­te ro­mân­ti­ca, é de bom gra­do usar os ter­mos cor­re­tos (senhor e senhor, ou se­nho­ra e se­nho­ra). Ca­so o ser­vi­ço in­clua san­dá­li­as ou rou­pões, é pre­ci­so adequá-los pa­ra du­as mu­lhe­res ou dois ho­mens. De for­ma ge­ral, na­tu­ra­li­da­de é o que to­dos bus­cam.

“Pa­ra re­ce­ber o pú­bli­co LGBT, as bo­as prá­ti­cas po­dem ser re­su­mi­das a pa­la­vras que usa­mos o tem­po to­do: bri­lho nos olhos e res­pei­to”

HN: Se com­pa­ra­do a ou­tros paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na, co­mo é o Bra­sil em re­la­ção ao “bem re­ce­ber” es­te pú­bli­co? CC: Aqui no Bra­sil, qua­se to­das as nos­sas ca­pi­tais são gay fri­en­dly. So­bre o bem re­ce­ber es­te pú­bli­co, o bra­si­lei­ro é bem tran­qui­lo e re­cep­ti­vo. Mes­mo no Nor­des­te, o mo­vi­men­to gay é enor­me. Em Re­ci­fe (PE), por exem­plo, a in­te­gra­ção tal­vez se­ja ain­da mai­or do que é em São Paulo. Na Amé­ri­ca do Sul, há vá­ri­os paí­ses aber­tos, co­mo Uru­guai, Colôm­bia, Chi­le e Ar­gen­ti­na. Já Ve­ne­zu­e­la, Equa­dor e Pa­ra­guai não são con­si­de­ra­dos fri­en­dly, pois ain­da são paí­ses que não es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra sua pró­pria co­mu­ni­da­de, que ain­da so­fre mui­ta re­pre­en­são. Pa­ra re­ce­ber o tu­ris­ta, não se­ria di­fe­ren­te. A ci­da­de de As­sun­ção, por exem­plo, tem sua pa­ra­da gay e seu gru­po LGBT, mas fal–am leis mais es’ecÀ­fi­cas, e a s‘ci­e­da­de em si tam­bém é bas­tan­te pre­con­cei­tu­o­sa.

HN: Em re­la­ção aos es­tran­gei­ros LGBT que vi­a­jam ao Bra­sil, há si­tu­a­ções que as­sus­tem es­te pú­bli­co? Co­mo as em­pre­sas do se­tor da ho­te­la­ria e do tu­ris­mo po­dem dri­blar es­te pro­ble­ma? CC: A se­gu­ran­ça de for­ma ge­ral é um dos pro­ble­mas que mais as­sus­tam. O gay, a lés­bi­ca e o trans, por exem­plo, vi­a­jam com mui­ta in­for­ma­ção. Se o país tem al­gum pro­ble­ma em re­ce­ber es­te pú­bli­co, co­mo é o ca­so do Egi­to, o pró­prio tu­ris­ta irá evi­tar. Os paí­ses mais in­to­le­ran­tes com cer­te­za es­tão fo­ra do le­que de in­di­ca­ções da IGLTA.

HN: Qual é a im­por­tân­cia econô­mi­ca de gran­des even­tos vol­ta­dos pa­ra o pú­bli­co LGBT, co­mo as pa­ra­das gay, pa­ra o tu­ris­mo e pa­ra a ho­te­la­ria bra­si­lei­ra? CC: O even­to é re­al­men­te uma for­ma efi­caz de –”aze” mais –u”is–as pa­ra o Bra­sil. Du­ran­te a Pa­ra­da Gay

de São Paulo (SP), por exem­plo, os mu­seus têm 20% de au­men­to na frequên­cia de vi­si­tan­tes, e os sh‘’’ings –²m um flux‘ en‘”me de ven­das. Es­te ano, a Ac­corHo­tels te­ve um in­cre­men­to de qua­se 15% em ocu­pa­ção nos ho­téis que es­tão pró­xi­mos à pa­ra­da. Os em­pre­en­di­men­tos da re­de Tran­sa­mé­ri­ca tam­bém tiveram re­sul­ta­dos aci­ma do ano pas­sa­do. Além da ho­te­la­ria, os even­tos mo­vi­men­tam tam­bém o Airbnb, que é mui­to fo­ca­do em di­vul­ga­ção pa­ra o mo­vi­men­to LGBT. Ou­tro exem­plo de even­to que em 2017 mo­vi­men­tou a ca­pi­tal pau­lis­ta e foi mui­to bem re­ce­bi­do pe­lo pú­bli­co LGBT, é o Carnaval de rua, que ga­nhou for­ça es­te ano. Os ho­téis, in­clu­si­ve, en­ten­de­ram o cres­ci­men­to e in­ves­ti­ram em no­vi­da­des fo­ca­das pa­ra a oca­sião. Além dis­to, te­mos tam­bém no Bra­sil o Hell and He­a­ven, fes­ti­val de mú­si­ca ele­trô­ni­ca que acon­te­ce em novembro e é re­a­li­za­do em ci­da­des di­fe­ren­tes; e o Lo­ve No­ro­nha, em Fer­nan­do de No­ro­nha (PE), re­a­li­za­do em agos­to. Te­mos tam­bém o ter­cei­ro mai­or fes­ti­val de ci­ne­ma LGBTQ do mun­do: o Mix Bra­sil, que acon­te­ce em São Paulo, tam­bém em novembro.

HN: Co­mo o Airbnb vem tra­ba­lhan­do com o mer­ca­do LGBT? CC: É fa­to que o Airbnb tra­ba­lha bem com es­te pú­bli­co, e es­tá mui­to fo­ca­do em ser as­ser­ti­vo nas cam­pa­nhas. A em­pre­sa, in­clu­si­ve, fez al­go que, até ago­ra, a ho­te­la­ria não pra­ti­cou: o vi­ce-pre­si­den­te do Airbnb mun­di­al veio ao Rio de Ja­nei­ro e quis ou­vir a IGLTA, so­bre o que po­de­ri­am fa­zer pa­ra con­quis­tar es­te pú­bli­co no Bra­sil.

HN: Fal­ta po­si­ci­o­na­men­to por par­te das en­ti­da­des li­ga­das à ho­te­la­ria bra­si­lei­ra? CC: Mui­to. Al­gu­mas são mais aber­tas; ou­tras, nem tan­to. De­pen­de da di­re­to­ria. O tu­ris­mo LGBT nas ca­pi­tais de São Paulo, Rio de Ja­nei­ro, Pa­ra­ná e Mi­nas Ge­rais, por exem­plo, é mui­to for­te. Es­tas en­ti­da­des ain­da não per­ce­be­ram a im­por­tân­cia e o po­ten­ci­al des­te mo­vi­men­to. Es­tá fal­tan­do co­nhe­cer mais e fa­lar di­re­ta­men­te com es­te pú­bli­co.

HN: Vo­cê acha que os ór­gãos de go­ver­no bra­si­lei­ros vêm atu­an­do em prol da cau­sa LGBT de for­ma ade­qua­da? Qual a aten­ção da­da pa­ra es­tes even­tos? CC: O MTur e a Em­bra­tur (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Tu­ris­mo) fa­zem seu pa­pel. Eles re­al­men­te en­ten­dem que o tu­ris­mo LGBT é um seg­men­to de mer­ca­do, tan­to que lan­ça­ram a car­ti­lha. A Em­bra­tur par­ti­ci­pa ati­va­men­te da IGLTA. Es­tes ór­gãos fa­zem o pos­sí­vel den­tro de su­as pos­si­bi­li­da­des, pois pos­su­em pou­cos re­cur­sos. No que diz res­pei­to às pre­fei­tu­ras, é na ca­pi­tal pau­lis­ta que te­mos uma pre­sen­ça mais for­te e di­re­ta­men­te li­ga­da ao pre­fei­to, pois exis­te uma co­or­de­na­do­ria LGBT na ci­da­de.

“Qu­e­re­mos fa­zer com que o Bra­sil se­ja vi­su­a­li­za­do por es­tran­gei­ros e cres­ça lá fo­ra”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.