ECO­NO­MIA E NE­GÓ­CI­OS

Time sharing, fractional, clu­bes de hospedagem

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - POR PAULO MÉLEGA

Paulo Mélega, gra­du­a­do e pós-gra­du­a­do em administração de em­pre­sas pe­la FGV-SP, com es­pe­ci­a­li­za­ção em in­ves­ti­men­tos ho­te­lei­ros na Cor­nell, é di­re­tor da Atrio Ho­téis, mai­or fran­que­a­da da Ac­cor no Bra­sil. Con­ta­to: paulo.me­le­ga@atri­oho­teis.com.br Co­mo vo­cê con­tra­ta seus fun­ci­o­ná­ri­os? De­le­ga es­sa fun­ção pa­ra a área de re­cur­sos hu­ma­nos? Con­tra­ta uma con­sul­to­ria ex­ter­na es­pe­ci­a­li­za­da? De­le­ga es­sa atri­bui­ção aos seus fun­ci­o­ná”i‘s? Quem de­fi­ne ‘ ’e”fil d‘ c‘lab‘”ador que de­ve ser es­co­lhi­do? Pois bem: o pro­ces­so de re­cru­ta­men­to e se­le­ção tal­vez se­ja uma das pou­cas ati­vi­da­des re­al­men­te es­tra­té­gi­cas em uma em­pre­sa de ser­vi­ços. Um pro­ces­so de re­cru­ta­men­to é co­mo um ca­sa­men­to; de­ve ha­ver ali­nha­men­to de in­te­res­ses en­tre as par­tes, ob­je­ti­vos co­muns, cum­pli­ci­da­de e res­pei­to. Por is­so de­ve ser con­du­zi­do com tem­po, com con­ver­sa, com co­nhe­ci­men­to das re­a­li­da­des en­vol­vi­das. Um ’”‘cess‘ de se­le­çã‘ ”uim sig­ni­fi­ca ’”ejuí­zo pa­ra a sua em­pre­sa. Co­mo? Com au­men­to de tur­no­ver, de cus­to com trei­na­men­to, pi­o­ra no ní­vel de ser­vi­ço, e o mais im­por­tan­te: per­da de tem­po. Com pes­so­as nos lo­cais er­ra­dos, a em­pre­sa per­de tem­po em sa­tis­fa­zer cli­en­tes, em equi­li­brar a ope­ra­ção, em ma­xi­mi­zar o in­ves­ti­men­to. Se­guem os prin­ci­pais cui­da­dos pa­ra re­cru­tar e man­ter bons co­la­bo­ra­do­res. • Dei­xe cla­ro pa­ra o can­di­da­to quem é a em­pre­sa e qual é a fun­ção, ou se­ja, o que se es­pe­ra de­le. Lem­bra-se da his­tó­ria de ca­sa­men­to? Pois é, não es­que­ça que vo­cê es­tá es­co­lhen­do um can­di­da­to, mas ele tam­bém de­ve es­co­lher a em­pre­sa. Ca­so con­trá­rio em b”eve fi­ca”á f”us–”ad‘ c‘m ‘ –”aba­lh‘ e pe­di­rá de­mis­são. • “Con­tra­te um sor­ri­so, uma ati­tu­de. De­pois en­si­ne as téc­ni­cas” (Dis­ney). Um fun­ci­o­ná­rio da área de ser­vi­ço de­ve gos­tar de pes­so­as, ter fa­ci­li­da­de de co­mu­ni­ca­ção, gos­tar de re­ce­ber e de in­te­ra­gir. De­ve sor­rir, sa­ber es­cu­tar, ter bom sen­so e cum­pli­ci­da­de. Ve­ja que es­sas são ha­bi­li­da­des da pes­soa, da sua per­so­na­li­da­de, e ra­ra­men­te po­dem ser trei­na­das. Uma im­por­tan­te re­de va­re­jis­ta ame­ri­ca­na co­men­ta que não trei­na seus fun­ci­o­ná­ri­os. Quem faz is­so são os pais dos fun­ci­o­ná­ri­os, sen­do que o prin­ci­pal tra­ba­lho da em’”esa é ”ec”u–a” ‘s me­lh‘”es “fi­lh‘s”. O que es­tá im­plí­ci­to nes­sa men­sa­gem: con­tra­te ati­tu­des. As ha­bi­li­da­des da fun­ção po­dem ser trei­na­das pos­te­ri­or­men­te, mas não as ati­tu­des e per­so­na­li­da­de do can­di­da­to. Olhe mais a ati­tu­de do que o cur­rí­cu­lo. • “Não qu­e­ro fa­ca, nem quei­jo. Qu­e­ro a fo­me” (Adé­lia Pra­do). Con­tra­te pes­so­as com von­ta­de de re­a­li­zar, apren­der, e cres­cer. A fa­ca e o quei­jo a em­pre­sa ofe­re­ce: são as opor­tu­ni­da­des, as fer­ra­men­tas de tra­ba­lho. Con­tra­te pes­so­as com “fo­me” de tra­ba­lhar.

• “Quem quer faz. Quem não quer jus–ifi­ca e ”ecla­ma” (Clau­de­mi” Oli­vei­ra). Fu­ja de fun­ci­o­ná­ri­os que re­cla

mam de­mais e “ue jus–ifi­cam mais d‘ que re­a­li­zam. A em­pre­sa de­ve fo­car

em pes­so­as que que­rem cons­truir, sonhar, que an­dam pa­ra fren­te. Mui–‘ “mi­mi­mi” de fun­ci‘ná”i‘ sig­ni­fi­ca mui­ta per­da de tem­po e de ener­gia. • Trei­ne con­ti­nu­a­men­te as ha­bi­li­da­des de seus fun­ci­o­ná­ri­os. Te­nha bo­as pes­so­as pa­ra con­du­zir es­ses trei­na­men­tos, ca­so con­trá­rio os no­vos co­la­bo­ra­do­res se­rão me­di­a­nos, ou do ta­ma­nho de quem os trei­nou. Não con­si­de­re trei­na­men­to co­mo des­pe­sa, mas co­mo in­ves­ti­men­to. Cer­ta vez um di”e–‘” fi­nan­cei”‘ “ues–i‘n‘u ‘ di”etor de RH da em­pre­sa: “E se gas­tar­mos to­do es­se di­nhei­ro com trei­na­men­to e os fun­ci­o­ná­ri­os saí­rem da em­pre­sa?” E o di­re­tor de RH res­pon­deu: “E se não

trei­nar­mos os fun­ci­o­ná­ri­os e eles res‘ lve”em fi­ca”?”. Em pou­cas pa­la­vras: se en­vol­va di­re­ta­men­te no pro­ces­so de se­le­ção, cui­de pa­ra que as pes­so­as es­te­jam no lu­gar cor­re­to, con­tra­te ati­tu­des e trei­ne con­ti­nu­a­men­te su­as ha­bi­li­da­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.