Hotel em con­têi­ner

MO­DE­LO DE CONS­TRU­ÇÃO OFE­RE­CE O CHAR­ME DO ES­TI­LO RÚS­TI­CO ALI­A­DO À SUS­TEN­TA­BI­LI­DA­DE E AO BAI­XO CUS­TO

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - POR NATHALIA ABREU

Acha­ma­da ‘Era da Ex­pe­ri­ên­cia’ de­man­da aos mei­os de hos­pe­da­gem atu­ais uma obri­ga­to­ri­e­da­de em ofe­re­cer ino­va­ção e ori­gi­na­li­da­de aos cli­en­tes. Mui­tos hós­pe­des já não que­rem mais fi­car em ho­téis que re­me­tem ao clás­si­co, com ho­te­lei­ros en­gra­va­ta­dos e am­bi­en­tes sem­pre iguais. Se­jam jo­vens ou pes­so­as mais ve­lhas, a ideia de uma hos­pe­da­gem di­fe­ren­te, mo­der­na e cri­a­ti­va é a gran­de “bo­la da vez”.

Pen­san­do nis­to, al­guns em­pre­sá­ri­os bra­si­lei­ros têm tra­zi­do para o País no­vas pro­pos­tas, in­clu­si­ve na for­ma de cons­truir o lo­cal. Des­ta for­ma, sur­gi­ram os pri­mei­ros ho­téis, pou­sa­das e hos­tels em con­têi­ne­res, que abrem es­pa­ço para um no­vo con­cei­to den­tro do seg­men­to, apos­tan­do nu­ma ex­pe­ri­ên­cia di­fe­ren­te e eco­no­mi­ca­men­te mais viá­vel.

An­tes que qual­quer re­de ho­te­lei­ra no Bra­sil en­xer­gas­se es­se mer­ca­do co­mo po­ten­ci­al, ho­téis in­de­pen­den­tes, pou­sa­das e hos­tels já apos­ta­vam em di­fe­ren­tes lo­cais, uti­li­zan­do os con­têi­ne­res ma­rí­ti­mos co­mo mo­de­lo cons­tru­ti­vo, de­mons­tran­do prin­ci­pal­men­te a pre­o­cu­pa­ção am­bi­en­tal.

Um dos pi­o­nei­ros no País foi o Te­tris Con­tai­ner Hos­tel, si­tu­a­do em Foz do Igua­çu (PR) e inau­gu­ra­do em no­vem­bro de 2014. Des­de sua con­cep­ção, a pro­pos­ta foi ofe­re­cer es­tru- tu­ras di­fe­ren­tes, além de mos­trar o quan­to é es­sen­ci­al unir pes­so­as de di­ver­sas et­ni­as, ida­des e na­ci­o­na­li­da­des.

O em­pre­sá­rio e ide­a­li­za­dor do pro­je­to, Ralf Smaha, re­for­ça que es­ta é uma ten­dên­cia com pos­si­bi­li­da­de de cres­ci­men­to. “Ca­da vez mais os cli­en­tes não bus­cam ape­nas uma ca­ma para dor­mir, e sim to­da uma ex­pe­ri­ên­cia pelo lo­cal on­de pre­ten­dem se hos­pe­dar”, con­ta.

Foz do Igua­çu (PR) é um dos prin­ci­pais des­ti­nos tu­rís­ti­cos do Bra­sil, se­ja para tu­ris­mo de ne­gó­ci­os, la­zer ou compras. “Ho­je, 85% do nos­so pú­bli­co é es­tran­gei­ro, e são pes­so­as que es­tão acos­tu­ma­das a se hos­pe­dar em hos­tel. Na épo­ca em que lan­ça­mos o Te­tris, Foz já ti­nha al­guns hos­tels, mas sem uma pro­pos­ta de ex­pe­ri­ên­cia. Tam­bém in­ves­ti­mos bas­tan­te na par­te sus­ten­tá­vel do pro­je­to, que cos­tu­ma cha­mar a aten­ção”, rei­te­ra. Se­gun­do ele, a sus­ten­ta­bi­li­da­de reú­ne, no es­pa­ço, o re­a­pro­vei­ta­men­to dos con­têi­ne­res e a re­du­ção de de­tri­tos para sua cons­tru­ção, en­tre ou­tros de­ta­lhes na de­co­ra­ção.

O Hos­tel Con­tai­ner Ca­bo Frio, no mu­ni­cí­pio do Rio de Ja­nei­ro, que em­pres­ta o no­me ao em­pre­en­di­men­to, por sua vez, en­fa­ti­za o ape­lo am­bi­en­tal co­mo o fa­tor prin­ci­pal na es-

co­lha para le­van­tar o lo­cal, além de ser uma ideia re­la­ti­va­men­te no­va e pou­co vis­ta no Bra­sil. “Para a cons­tru­ção, nós uti­li­za­mos con­têi­ne­res ma­rí­ti­mos de 40 pés. Acre­di­ta­mos que es­sa é uma no­va ten­dên­cia de es­ti­lo não só para a ho­te­la­ria, mas tam­bém para pro­je­tos co­mer­ci­ais e re­si­den­ci­ais. A abun­dân­cia de mó­du­los des­car­ta­dos e a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer o re­a­pro­vei­ta­men­to de­les fo­ram fa­to­res im­por­tan­tes na nos­sa es­co­lha. Aos pou­cos, os con­têi­ne­res vão se in­te­gran­do ca­da vez mais ao ce­ná­rio tu­rís­ti­co e ur­ba­no das ci­da­des”, ex­pli­ca Bru­no An­tu­nes, ge­ren­te de Mar­ke­ting do hos­tel.

Se­gun­do ele, se com­pa­ra­do com uma cons­tru­ção tra­di­ci­o­nal, os con­têi­ne­res não pre­ci­sam de cál­cu­los es­tru­tu­rais com­ple­xos nem uma preparação mui­to tra­ba­lho­sa do ter­re­no, ali­cer­ces ou co­lu­nas. “De­pen­den­do do re­sul­ta­do es­té­ti­co de­se­ja­do, eles já vêm qua­se pron­tos. Pi­so, pa­re­des, te­lha­do são itens que po­dem se apro­vei­tar. Em con­tra­par­ti­da, se vo­cê bus­ca um acabamento mais re­fi­na­do, o cus­to po­de ser mais al­to que a cons­tru­ção tra­di­ci­o­nal”, diz.

Para dri­blar a ques­tão do con­for­to tér­mi­co, o exe­cu­ti­vo ex­pli­ca que o hos­tel op­tou pe­la uti­li­za­ção de uma tin­ta es­pe­ci­al fei­ta para la­je e im­per­me­a­bi­li­za­ção de te­lha­do, que pos­sui mi­cro­es­fe­ras de vi­dro, e di­mi­nui a tem­pe­ra­tu­ra em 30%. “To­dos os con­têi­ne­res fo­ram pin­ta­dos com es­sa tin­ta. Fi­ze­mos al­guns tes­tes e fun­ci­o­na mui­to bem. A pro­pa­ga­ção de cha­mas, por sua vez, não acon­te­ce, pois o pró­prio con­têi­ner já pos­sui cer­ti­fi­ca­do de se­gu­ran­ça e qua­li­da­de”, con­ta.

Para An­tu­nes, o de­sign de in­te­ri­o­res não tem ne­nhum ti­po de com­pro­me­ti­men­to. “Acho que a de­co­ra­ção até me­lho­ra. É in­te­res­san­te tra­ba­lhar com al­go que as pes­so­as não es­tão acos­tu­ma­das a ver. Es­se im­pac­to é sem­pre po­si­ti­vo. No nos­so ca­so, o vi­su­al é mais prai­a­no e rús­ti­co. Os de­ta­lhes, que o hós­pe­de per­ce­be aos pou­cos, que vi­e­ram de re­ci­cla­gem e re­a­pro­vei­ta­men­to de ma­te­ri­ais são mui­to char­mo­sos e har- mo­ni­zam com to­da a cons­tru­ção. As pes­so­as aca­bam, in­clu­si­ve, le­van­do idei­as para apli­car em su­as ca­sas”, afir­ma.

O Hotel Fa­zen­da Ter­ra dos So­nhos, en­tre o es­ta­do de São Pau­lo e Mi­nas Ge­rais e pró­xi­mo a Bueno Bran­dão (MG), sur­giu a par­tir da com­pra de um ter­re­no que in­clui um ca­sa­rão de 106 anos. Lá fun­ci­o­na a re­cep­ção e, pro­vi­so­ri­a­men­te, o res­tau­ran­te. En­tre­tan­to, há uma di­fe­ren­ça pe­cu­li­ar nes­te em­pre­en­di­men­to para os ho­téis fa­zen­da tra­di­ci­o­nais: os cha­lés são de con­têi­ne­res.

“Ti­ve­mos a ideia de fa­zer al­go que con­tras­tas­se o an­ti­go com o ino­va­dor. Den­tro do cha­lé, não pa­re­ce que vo­cê es­tá em um con­têi­ner. Ti­ve­mos con­ta­to com al­guns pro­je­tos si­mi­la­res e vi­mos que con­têi­ne­res têm si­do mui­to uti­li­za­dos em di­ver­sos paí­ses. No Bra­sil al­gu­mas pou­sa­das e hos­tels ha­vi­am in­ves­ti­do nes­ta ideia. No iní­cio nós ti­ve­mos re­ceio de co­mo os hós­pe­des iri­am re­a­gir. A área útil não é gran­de, mas te­mos ti­do uma res­pos­ta po­si­ti­va, prin­ci­pal­men­te por­que as pes­so­as têm acha­do mui­to in­te­res­san­te”, con­ta José Fer­nan­des Fran­co, pro­pri­e­tá­rio da Re­de dos So­nhos.

“As ca­rac­te­rís­ti­cas in­ter­nas são de uma cons­tru­ção nor­mal. Com­pra­mos os con­têi­ne­res, fi­ze­mos as por­tas e ja­ne­las, pa­re­des em drywall e fibra de vi­dro, e em­pre­ga­mos a de­co-

ra­ção. As adap­ta­ções são mui­to sim­ples, o que tor­na a edi­fi­ca­ção mais ba­ra­ta. Ao mes­mo tem­po, in­ves­ti­mos no con­for­to tér­mi­co e na se­gu­ran­ça por meio do re­ves­ti­men­to, e cri­a­mos um pro­je­to de pai­sa­gis­mo. Am­bos dri­blam a ques­tão da ação tér­mi­ca, com a ideia de re­du­zir a in­ci­dên­cia do sol”, com­ple­ta.

Re­de ho­te­lei­ra

A Sam­ba Ho­téis, mar­ca bra­si­lei­ra que atu­al­men­te ad­mi­nis­tra em­pre­en­di­men­tos no Pa­ra­ná, em Mi­nas Ge­rais e no Rio de Ja­nei­ro, sem­pre tra­ba­lhou com ho­téis co­muns, cons­truí­dos em al­ve­na­ria. En­tre­tan­to, co­mo par­te de seu pla­no de ex­pan­são pelo Bra­sil, a em­pre­sa iden­ti­fi­cou po­ten­ci­al nos con­têi­ne­res e lan­çou a no­va ca­te­go­ria in­ti­tu­la­da Sam­ba In The Box, que con­sis­te em em­pre­en­di­men­tos cons­ti­tuí­dos to­tal­men­te por con­têi­ne­res ha­bi­ta­ci­o­nais. Para Guilherme Cas­tro, CEO da re­de, a cri­se te­ve seu la­do bom e aca­bou fo­men­tan­do a ne­ces­si­da­de do de­sen­vol­vi­men­to de saí­das para fa­zer ‘o no­vo de no­vo’.

Se­gun­do o exe­cu­ti­vo, o pro­je­to vem ao en­con­tro de uma de­man­da por ho­téis de qua­li­da­de, po­rém mais econô­mi­cos, em lo­cais que têm carência des­se ti­po de hos­pe­da­gem, co­mo ro­do­vi­as e gran­des en­tre­pos­tos co­mer­ci­ais e agrí­co­las. “O Sam­ba In The Box é o ‘Le­go’ de gen­te gran­de”, brin­ca Cas­tro ao ex­pli­car que a no­va ban­dei­ra ofe­re­ce não só eco­no­mia, mas tam­bém mo­bi­li­da­de de es­tru­tu­ra - ou mes­mo de lo­cal -, sem afe­tar a qua­li­da­de na ope­ra­ção.

“Es­sa fle­xi­bi­li­da­de na cons­tru­ção é uma das gran­des van­ta­gens dos con­têi­ne­res ha­bi­ta­ci­o­nais. Di­fe­ren­te dos ma­rí­ti­mos, que são mais pe­sa­dos e pos­su­em es­tru­tu­ra fi­xa, os mó­du­los me­tá­li­cos ha­bi­ta­ci­o­nais são com­pos­tos por pai­néis mó­veis, que po­dem ser mon­ta­dos fa­cil­men­te de acor­do com o pro­je­to”, diz.

Para o CEO, ou­tro be­ne­fí­cio des­te ti­po ne­gó­cio é o cus­to de cons­tru­ção: mais en­xu­to e adap­tá­vel. “Há ain­da eco­no­mia com o tra­ta­men­to an­ti-cor­ro­são que de­ve ser fei­to nos mó­du­los ma­rí­ti­mos, e a mon­ta­gem é re­a­li­za­da em tem­po re­cor­de. Uma uni­da­de com 50 quar­tos fi­ca pron­ta em qua­tro me­ses, apro­xi­ma­da­men­te”, afir­ma.

As pla­cas ofe­re­cem pro­te­ção tér­mi­ca e acús­ti­ca de fá­bri­ca e são au­to­ex­tin­guí­veis, ou se­ja: não pro­pa­gam cha­mas. “Não há a ten­ta­ti­va de si­mu­lar pa­re­des, pisos e te­tos de al­ve­na­ria con­ven­ci­o­nal. Ao con­trá­rio, qu­e­re­mos mos­trar que con­têi­ne­res po­dem sim ser pro­du­tos no­bres e com um char­me ca­rac­te­rís­ti­co”, diz.

No que diz res­pei­to à ma­nu­ten­ção, Cas­tro en­fa­ti­za que com os mó­du­los tu­do fi­ca mais sim­ples. “Evi­ta­mos o trans­tor­no ine­vi­tá­vel da al­ve­na­ria com o que­bra-que­bra de pa­re­des, bas­tan­do des­lo­car al­gu­mas pla­cas para ter aces­so à área da­ni­fi­ca­da”, en­fa­ti­za o CEO da Sam­ba.

A Eu­ro­brás foi a em­pre­sa es­co­lhi­da para for­ne­ci­men­to des­tes mó­du­los me­tá­li­cos no ca­so da Sam­ba Ho­téis. Thel­ma Mo­ra­es, di­re­to­ra ge­ral da em­pre­sa, ex­pli­ca que sem­pre tra­ba­lha­ram com a fa­bri­ca­ção e ven­da prin­ci­pal­men­te para o mer­ca­do da cons­tru­ção ci­vil, fo­can­do em aco­mo­da­ção para em­pre­sas e can­tei­ros de obras.

Os con­têi­ne­res uti­li­za­dos pos­su­em a mes­ma me­di­da dos ma­rí­ti­mos (6m X 2,3m x 2,5m). “Com o ce­ná­rio do mer­ca­do da cons­tru­ção ci­vil em bai­xa, sem­pre aten­de­mos pro­je­tos es­pe­cí­fi­cos, mas nun­ca de­sen­vol­ve­mos além. Tu­do o que vo­cê ima­gi­nar cons­truir em al­ve­na­ria, tam­bém é pos­sí­vel em con­têi­ner: des­de hos­pi­tais até ho­téis. Não há li­mi­ta­ção de área má­xi­ma; o pro­je­to vai de acor­do com a de­man­da do ter­re­no. Há to­do um tra­ba­lho de re­a­pro­vei­ta­men­to, com re­du­ção de in­su­mos e des­car­tes de uma obra”, ex­põe a di­re­to­ra. Exis­te tam­bém a pos­si­bi­li­da­de de in­ves­tir em con­têi­ne­res para cons­tru­ção de ape­nas um se­tor ou ala do hotel.

Te­tris Con­tai­ner Hos­tel, em Foz do Igua­çu (PR)

Hotel Fa­zen­da Ter­ra dos So­nhos (MG)

Mo­de­lo de quar­to da no­va ban­dei­ra Sam­ba In The Box

Hos­tel Con­tai­ner Ca­bo Frio (RJ)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.