MA­TÉ­RIA DE CAPA

De por­tas aber­tas

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - POR LORENA AMA­ZO­NAS

Se para vo­cê um hotel é me­ra­men­te um lo­cal para dor­mir, es­que­ça es­sa ideia. Atu­al­men­te, em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros co­me­ça­ram a per­ce­ber os be­ne­fí­ci­os de se in­se­ri­rem na co­mu­ni­da­de, abrin­do su­as por­tas para pes­so­as que não es­tão hos­pe­da­das uti­li­za­rem su­as áre­as co­muns para tra­ba­lhar e fa­zer pe­que­nas reu­niões, por exem­plo. O lobby não é mais so­men­te um es­pa­ço para fa­zer o check-in e o check-out e, al­gu­mas ve­zes, che­ga até mes­mo a ser o co­ra­ção da pro­pri­e­da­de.

De acor­do com o re­la­tó­rio Me­ga­trends De­fi­ning Travel in 2018 da Skift, pla­ta­for­ma de in­te­li­gên­cia de mer­ca­do de viagens, uma das gran­des van­ta­gens dos ho­téis é po­der ofe­re­cer um ver­da­dei­ro sen­so de co­mu­ni­da­de e se­rem um pon­to de en­con­tro para os mo­ra­do­res lo­cais e os hós­pe­des. Se­gun­do a pu­bli­ca­ção, po­ten­ci­a­li­zar o al­can­ce de seus ser­vi­ços é, in­clu­si­ve, uma res­pos­ta para se di­fe­ren­ci­ar do Airbnb, já que mui­tas aco­mo­da­ções da pla­ta­for­ma não con­se­guem en­tre­gá-los da mes­ma for­ma.

Ou­tra ques­tão apon­ta­da na ten­dên­cia são as áre­as de uso mis­to “2.0”. En­quan­to an­te­ri­or­men­te ho­téis e es­cri­tó­ri­os di­vi­di­am o mes­mo pré­dio em di­fe­ren­tes an­da­res, ho­je eles fo­ram le­va­dos

para den­tro dos em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros. Is­so po­de ser ob­ser­va­do, por exem­plo, em lob­bi­es e res­tau­ran­tes que ser­vem co­mo es­pa­ços in­for­mais de cowor­king ou que re­ser­vam um lo­cal para es­sa fi­na­li­da­de: tra­ba­lhar e po­der tro­car ex­pe­ri­ên­ci­as com ou­tras pes­so­as.

“Di­ver­sos ho­téis já en­ten­de­ram que o lobby vi­rou um am­bi­en­te de con­ví­vio e ofe­re­cem lo­cais para tra­ba­lhar ou ca­fés que es­ti­mu­lam pe­que­nas reu­niões”, exem­pli­fi­ca Tri­cia Neves, con­sul­to­ra fo­ca­da em ne­gó­ci­os ho­te­lei­ros e só­cia-di­re­to­ra da Ma­pie. Se­gun­do ela, além do ga­nho financeiro, com es­sas ações o em­pre­en­di­men­to agra­da cli­en­tes de ou­tras lo­ca­li­da­des que têm in­te­res­se em es­tar on­de os mo­ra­do­res lo­cais es­tão. “Se o hotel faz par­te da co­mu­ni­da­de, e é fre­quen­ta­do por mo­ra­do­res, fi­ca atra­ti­vo para o vi­a­jan­te. O Airbnb não ga­nha mui­tos pon­tos por per­mi­tir que o tu­ris­ta ‘vi­va co­mo um lo­cal’? Es­ta é uma opor­tu­ni­da­de para a ho­te­la­ria fa­zer o mes­mo”. Com­par­ti­lha­men­to

Nu­ma épo­ca em que “com­par­ti­lhar” tor­nou-se uma pa­la­vra-cha­ve que re­ge mui­tas so­ci­e­da­des, os es­pa­ços de cowor­king ga­nham ca­da vez mais vi­si­bi­li­da­de. Es­ses lo­cais são uma es­pé­cie de es­cri­tó­rio com­par­ti­lha­do, mas es­se con­cei­to vai além do uso dos equi­pa­men­tos. Seu pú­bli­co bus­ca tam­bém tro­car idei­as e ser­vi­ços com os de­mais usuá­ri­os. “As pes­so­as que­rem di­vi­dir. Des­ta for­ma, os ho­téis co­me­ça­ram a olhar para os es­pa­ços de cowor­king e ser­vi­ços de hos­pe­da­gem com­par­ti­lha­da, co­mo os hos­tels, ten­tan­do in­cor­po­rá-los na ho­te­la­ria tra­di­ci­o­nal”, acre­di­ta Ali­ne Silva, es­pe­ci­a­lis­ta em hos­pi­ta­li­da­de.

O con­cei­to ain­da não é co­mum no Bra­sil, mas Ali­ne vê is­so co­mo uma opor­tu­ni­da­de. “Um hotel po­de cri­ar um cowor­king ou um ca­fé para es­ta fi­na­li­da­de, on­de as pes­so­as po­dem usu­fruir com se­gu­ran­ça”, apon­ta.

Po­rém, a es­pe­ci­a­lis­ta adi­an­ta que, ca­so re­sol­va apos­tar nes­sa ten­dên­cia, é ne­ces­sá­rio ofe­re­cer uma es­tru­tu­ra de qua­li­da­de, com bons equi­pa­men­tos e in­ter­net rá­pi­da. Ela su­ge­re a pos­si­bi­li­da­de de usar par­ce­ri­as para mon­tá-lo. “Um hotel que es­te­ja lo­ca­li­za­do em São Pau­lo (SP) po­de­ria cri­ar um es­pa­ço em par­ce­ria com o Go­o­gle, que tem se­de na ci­da­de”, diz.

O Pes­ta­na Rio Atlân­ti­ca, lo­ca­li­za­do na ca­pi­tal flu­mi­nen­se, de­ci­diu sair na fren­te e in­ves­tiu nes­sa ten­dên­cia, em uma par­ce­ria com a CoWor­king Town, em­pre­sa que tem ex­per­ti­se no se­tor. De acor­do com Pau­lo Di­as, di­re­tor de ope­ra­ções da re­de Pes­ta­na, a ideia sur­giu após iden­ti­fi­ca­rem uma de­man­da para es­te ti­po de ser­vi­ço.

“As pes­so­as que­rem unir tra­ba­lho com en­tre­te­ni­men­to, por is­so ofe­re­ce­mos a pos­si­bi­li­da­de de cowor­king e co­li­ving, ou se­ja, elas po­dem tra­ba­lhar na sa­la ou no deck do bar, por exem­plo, mes­mo não es­tan­do hos­pe­da­das – bas­ta fa­zer uma ins­cri­ção no no­vo es­pa­ço”, afir­ma Di­as.

O lo­cal con­ta com pe­que­nas sa­las de reu­nião e es­cri­tó­ri­os, que po­dem ser tan­to alu­ga­dos por uma ho­ra co­mo por pe­río­dos mais lon­gos, co­mo um ano. Além dis­so, há in­ter­net, água, ca­fé e mi­cro-on­das, além de equi­pa­men­tos co­mo im­pres­so­ras.

Capa: PUBLIC, em No­va York (EUA) / Divulgação Nes­ta pá­gi­na: ex­plo­ra Ata­ca­ma / Ales­san­dra Lei­te

Lobby do PUBLIC, em No­va York (EUA)

Lobby do Re­nais­san­ce São Pau­lo (SP)

Es­pa­ço para cowor­king do Pes­ta­na Rio Atlân­ti­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.