Emer­gên­cia

Jornal Brasil Peças - - Humor -

Cha­ma­do às pres­sas no meio da noi­te, o mé­di­co che­ga to­do es­ba­fo­ri­do na ca­sa de um em­pre­sá­rio, cu­ja es­po­sa es­ta­va aca­ma­da. - Com li­cen­ça - diz ele, ex­pul­san­do to­do mun­do do qu­ar­to. - Pre­ci­so fi­car só, com a pa­ci­en­te! Apre­en­si­vo o ma­ri­do fi­ca do la­do de fo­ra do qu­ar­to! Ou­ve al­guns ba­ru­lhos es­tra­nhos e de­pois de al­guns mi­nu­tos en­fia a ca­be­ça pe­la por­ta e per­gun­ta ao ma­ri­do: - O se­nhor tem um ali­ca­te? O ma­ri­do vai bus­car um ali­ca­te. A por­ta tor­na a se fe­char. Mais ba­ru­lho es­tra­nhos e al­guns mi­nu­tos de­pois, no­va­men­te a ca­be­ça do mé­di­co apa­re­ce na so­lei­ra da por­ta: - O se­nhor tem uma cha­ve de fen­da? Es­pan­ta­do o ma­ri­do vai bus­car a cha­ve de fen­da. Pas­sam-se mais al­guns mi­nu­tos: - O se­nhor tem um ser­ro­te? E o ma­ri­do, de­ses­pe­ra­do: - Ser­ro­te? O ca­so de­la é tão gra­ve as­sim? - Ain­da não sei - sen­ten­cia o dou­tor. - Não con­si­go abrir a mi­nha ma­le­ta!

“Um ho­mem é éti­co qu­an­do aju­da to­da for­ma de vi­da e evi­ta fe­rir to­da a coi­sa que vi­ve” Al­bert Schweit­zer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.