A ME­TRÓ­PO­LE AVI­SOU...

En­quan­to Se­sab não con­tra­ta ou­tra or­ga­ni­za­ção so­ci­al, Hy­gia atra­sa sa­lá­ri­os na mai­or ma­ter­ni­da­de do es­ta­do

Jornal da Metropole - - Bahia - Fo­to Tá­cio Mo­rei­ra Tex­to Fe­li­pe Pa­ra­nhos fe­li­pe.pa­ra­nhos@me­tro1.com.br

A Se­cre­ta­ria de Saú­de do Es­ta­do da Bahia (Se­sab) não po­de di­zer que não sa­bia da in­ca­pa­ci­da­de do Ins­ti­tu­to Hy­gia de ge­rir a ma­ter­ni­da­de Jo­sé Ma­ria de Ma­ga­lhães Net­to, a mai­or do es­ta­do. Em ja­nei­ro, an­tes mes­mo de a or­ga­ni­za­ção so­ci­al as­su­mir a uni­da­de, a Me­tró­po­le pu­bli­cou ma­té­ri­as mos­tran­do o his­tó­ri­co pro­ble­má­ti­co da Hy­gia, que foi acu­sa­da de ir­re­gu­la­ri­da­des no in­te­ri­or de São Paulo. Ago­ra, o povo de Sal­va­dor es­pe­ra a subs­ti­tui­ção da Hy­gia, que de­pen­de de um pro­ces­so li­ci­ta­tó­rio da Se­sab.

Na quar­ta (8), um fun­ci­o­ná­rio da ma­ter­ni­da­de re­ve­lou a si­tu­a­ção de pe­nú­ria de quem tra­ba­lha pa­ra a Hy­gia. “Quan­do ela en­trou, to­dos os PJ [pes­so­as ju­rí­di­cas, for­ma pre­cá­ria de con­tra­ta­ção tra­ba­lhis­ta] to­ma­ram ca­lo­te de 20 di­as de sa­lá­rio. Ho­je, os sa­lá­ri­os atra­sam, eles só es­tão pa­gan­do CLT por­que a lei exige is­so. Os PJ fi­cam até 50 di­as sem re­ce­ber”, fa­lou.

Ma­ter­ni­da­de Jo­sé Ma­ria de Ma­ga­lhães Net­to es­tá nas mãos da Hy­gia des­de ja­nei­ro de 2017. E já vi­ve um ver­da­dei­ro ca­os ad­mi­nis­tra­ti­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.